Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Teen Workout - A Menina Na Porta (Capítulo 02)

 



A MENINA NA PORTA

webnovela criada e escrita por: Jonny Nascimento

Capítulo 02


Val aperta os braços de Gabriele com força.

GABRIELE (impaciente) - Me solta!

VAL (psicótica) - E não adianta gritar, sua mãe não está em casa pra te defender.

GABRIELE - Defender de quê? Se na frente dela você finge que é um anjo.

VAL - Você acha mesmo que eu vou mostrar o quanto eu detesto você, na frente dela?

GABRIELE - Você é duas caras, Valéria. E eu vou acabar com isso já!

Gabriele se solta e sai correndo, fazendo com que Val vá atrás. A garota pega uma panela de pressão e acerta na cabeça de Val, que fica tonta. Gabriele abre a porta e corre pelas ruas.

Cena 2, manhã. | Cafeteria Kiss Coffee. Carol acaba de pegar a bandeja com os pedidos de um cliente. Rosana entra.

ROSANA - Bom dia meninas, reunião às 09h na minha sala.

Carol e as outras meninas acenam com a cabeça que entenderam.

09h, sala de Rosana. Todas as funcionárias da cafeteria estão sentadas em volta de uma mesa, de frente para Rosana, a chefe.

ROSANA - Bom, o que eu tenho pra falar é muito simples!

FUNCIONÁRIA 1 - Certamente quer falar sobre as situações precárias de trabalho.

ROSANA (debochada) - O que seria "precário" pra você, meu bem?

FUNCIONÁRIA 1 - Nós estamos trabalhando até depois do nosso horário, tendo algumas folgas retiradas e horário de almoço reduzido. Tudo isso, pra continuar recebendo 970 reais. Isso é menos que um salário mínimo, dona Rosana.

ROSANA - Pois se você acha isso precário, se prepare porque vamos estender nosso horário de funcionamento. Consequentemente, vocês trabalharão mais.

CAROL (revoltada) - Mas isso é um absurdo!

ROSANA - Se não quer trabalhar, porque mandou currículo?

CAROL - Porque pensei que fosse uma empresa honesta. Acima disso, tenho uma filha pra sustentar.

ROSANA - Eu nem falei a pior parte.

 

FUNCIONÁRIA 2 - E dá pra piorar?

FUNCIONÁRIA 1 - Claro que dá, essa mulher é uma vigarista, pode-se esperar qualquer coisa dela.

Rosana esboça um sorriso de sarcasmo.

ROSANA - Me ofender não vai aumentar o salário de vocês…

CAROL - Fala logo.

ROSANA - O salário de vocês será reduzido em 10%.

FUNCIONÁRIA 1 - Eu me demito. Chega, eu não sou escrava de ninguém!

ROSANA - Fique à vontade.

Todas as funcionárias ficam bravas com Rosana.

Cena 3, manhã | Rua estreita. Gabriele corre em direção ao trabalho da mãe, já que esperar o ônibus seria perda de tempo. Val corre atrás.

VAL (irônica/psicótica) - Cadê você, capeta mirim? É bom aparecer, porque se eu tiver que achar, vai ser pior!

Ao ouvir a voz da madrasta, Gabriele pula atrás de um amontoado de vasos de planta e flores, que decoram a casa de alguém.

VAL (irritada) - Aparece sua infeliz.

Val passa direto, e nem percebe a presença de Gabriele na rua onde estava. A criança então volta a correr, cortando por becos para não encontrar Val de novo.

Cena 4, manhã. | Na cafeteria, as funcionárias falam mal de Rosana na cara dela.

ROSANA - Podem me xingar à vontade porque aqui quem manda sou eu. Vocês precisam ser mais profissionais.

CAROL - E a senhora precisa estudar história. A escravidão já acabou!

FUNCIONÁRIA 2 - Eu vou te processar se você cumprir com essas ideias. Você e essa cafeteria falida vão pro beleléu e se ver com a justiça.

ROSANA - Processa, quero ver ter dinheiro pra pagar advogado.

FUNCIONÁRIA 2 - Realmente, você não pagou meu salário.

Uma outra funcionária entra e interrompe a conversa.

FUNCIONÁRIA 3 - Com licença dona Rosana. Lá fora tem uma menininha procurando pela Carol.

ROSANA - Vai lá Carol.

Carol sai. Ao chegar na área da cafeteria, Carol se depara com Gabriele. Aos prantos e ofegante, já que estava correndo, ela abraça a mãe.

CAROL - Aconteceu alguma coisa, minha filha?

GABRIELE (desesperada) - Foi ela mãe, ela tentou me matar.

CAROL (nervosa) - Ela quem?

GABRIELE - A Valéria mãe, ela queria tirar minha vida, eu escutei no telefone. Olha, olha o que ela fez no meu braço.

Gabriele mostra marcas de agressão de Val, quando ela pegou seu braço com violência.

CAROL - Que marca é essa no seu braço, filha?

GABRIELE - Ela me bateu e eu fugi, por favor acredita em mim.

Na mesma hora, Val chega na cafeteria e vê Gabriele com a mãe.

VAL (fingida) - Gabriele, querida, finalmente te encontrei.

CAROL (revoltada) - Eu posso saber quem deixou você bater na minha filha?

Val encara Carol, que está na frente de Gabriele, em sinal de defesa.

CONTINUA…




Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.