Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Débora - Capítulo 11


Débora
CAPÍTULO 11

uma novela de
FELIPE LIMA BORGES

escrita por
FELIPE LIMA BORGES

baseada nos capítulos 3 a 5 do livro de Juízes

 No capítulo anterior: Ao notar que uma meretriz não olhou para ele, Sísera questiona a mulher, que se chama Hanna, e ela diz que é de homens mais ricos e poderosos. Ele promete que ainda vai voltar ali com tanto dinheiro que vai enfiar as moedas de ouro nela. Isabel entra e fica toda atrapalhada. Com Éder longe dali ela se tranquiliza, mas tenta disfarçar quando sua prima Débora a questiona. Sama vai à casa de Jaziel, mas sente que não era esperada ali. Débora revê a semente de tamareira. No dia seguinte Jaziel confessa para Sama que seus pais não lhe convidaram para jantar. Ela menciona a diferença entre suas famílias, ela é mais pobre que ele, mas Jaziel diz que nenhuma diferença poderá separá-los. Jabim aprova o plano de estratégia de Sísera e autoriza o envio das tropas. Sísera orienta os pelotões. Baraque pede ajuda a Débora e Jaziel, que aceitam acompanha-lo ao monte mediante a divisão do tesouro em partes iguais. Éder diz a Elian que está preocupado com Débora, pois ela não parece corresponder ao seu afeto, aos seus gestos de carinho, e fala da sua desconfiança de que a noiva treina espada com Jaziel; Elian diz que conversará com a filha. Jeboão tenta sair de casa, mas Najara o interroga em relação aos serviços. Por fim, ele tem de arrumar a porta do quarto de Sísera. Nira diz a Debir que Jeboão parece um animal quando chega ali, e ele a lembra do sonho de ambos. Ela diz que não conseguiria sem ele para lhe lembrar de como é bom se deitar com um homem de verdade, e começa a beijá-lo e a lambê-lo. Débora, Jaziel e Baraque chegam aos pés do monte e, com ninguém sabendo como subir, desanimam.
FADE IN:

CENA 1: EXT. MONTE – DIA
Débora, Jaziel e Baraque olham mais uma vez para o alto paredão do monte.
DÉBORA
Acho que não temos escolha...
JAZIEL
Francamente...
BARAQUE
É, não será fácil... Mas quanto antes começarmos, antes poderemos estar ricos!
JAZIEL
Ou mortos.
Débora olha para o amigo com olhar de reprovação.
BARAQUE
Vamos ter que escalar.
DÉBORA
Pois que seja.
JAZIEL
Está bem...
Eles sobem uma parte mais elevada do terreno, se aproximam do paredão e começam a se preparar.
BARAQUE
Por que é que ninguém inventou ainda alguma coisa para se subir um paredão desse com segurança? Não concordam?
JAZIEL
É, só que sem esforço não vale a recompensa...
Baraque parece considerar.
BARAQUE
É...
DÉBORA
Vamos, vamos começar logo isso porque a jornada é longa.
DÉBORA (NAR.)
Naquela época, a minha vontade por ouro era expressiva e grande o suficiente para eu aceitar cumprir essa tarefa quase suicida.
Guardando objetos e pegando outros, eles estão quase prontos...


CENA 2: INT. CASA DE NAJARA – SALA – DIA
Jeboão chega ali na sala onde está Najara.
JEBOÃO
Pronto. A porta do quarto de Sísera está como nova! Impecável!
NAJARA
Meus parabéns...
JEBOÃO
Obrigado. Agora que terminei, vou sair.
NAJARA
Sair? Para onde?
JEBOÃO
Ora, o de sempre... Ver os comerciantes, fazer novos clientes...
NAJARA
(desconfiada) Hum.
Jeboão vai pegando suas coisas.
JEBOÃO
Agora que Sísera está crescendo no exército, nós teremos mais dinheiro, e poderemos comprar um escravo, ou até mesmo pagar uma serva para cuidar da casa. Escravo me parece mais conveniente.
NAJARA
Sim, mas escravos podem se rebelar. Muitos tramam contra seus senhores. Nunca ouviu sobre nobres que foram atacados durante a noite? Com o dinheiro que há de vir poderemos pagar muito bem um servo bom e leal.
Concordando, Jeboão faz que sim sorrindo.
NAJARA
Mas por que quer alguém? Está pensando você que vai se livrar dos seus serviços de casa?
JEBOÃO
Tenho o meu próprio serviço lá fora.
NAJARA
Ahn, parece é que há outra coisa lá fora...
JEBOÃO
O quê?... Como é, Najara?!
Najara apenas o encara.
JEBOÃO
Está insinuando que tenho outra mulher, é isso?! Como é que um homem honrado como eu seria capaz disso?! O pai do capitão temporário do exército!
NAJARA
Mas eu nem mencionei-- (se interrompe) Tudo bem, Jeboão.
Najara vai até ele.
NAJARA
Foi só uma bobeira que passou pela minha cabeça... Você me desculpa?
JEBOÃO
Rum... Acho bom mesmo me pedir desculpas.
NAJARA
Obrigada, meu marido.
JEBOÃO
Hum. Até mais tarde.
NAJARA
Até mais tarde... Tenha um bom dia.
Jeboão sorri, caminha para a porta e sai.
Najara espera um tempo...
Então corre para a porta e também sai.

CENA 3: INT. PALÁCIO – JARDIM – DIA
Tranquilo, Sísera chega ao jardim admirando a paisagem. Enquanto passa pelos servos, roça os dedos nas plantas, molha a mão na água que corre por ali...
É quando uma das servas, carregando uma bandeja com dois recipientes de vinho, atrai os olhares de Sísera, que diminui os passos para admirá-la de longe.
Notando que ela está atravessando o jardim para sair, Sísera apressa o passo e se aproxima dela.
SÍSERA
Ei... Ei, serva!...
A serva para e olha para ele.
SERVA
Sim?...
Sísera para de frente para ela com olhar de malícia, fazendo-a se incomodar e olhar para baixo, para as coisas que carrega.
SERVA
Eu... tenho que ir. Perdão, com licença.
SÍSERA
Espere.
A serva fica ali.
SÍSERA
Sirva-me.
Ela o olha... e então pega um dos recipientes para encher a taça.
SÍSERA
Não, esse não.
A serva para e olha para ele.
SÍSERA
Quero do outro vinho.
SERVA
Senhor, me perdoe, mas o outro é apenas para os oficiais.
Sísera sorri de canto de boca por alguns segundos... Então agarra seu braço e a puxa para perto dele com força.
SÍSERA
Você é cega? É surda?! Não ouve as notícias?!
A mulher fica aflita nessa situação.
SÍSERA
O Capitão e o Primeiro-Oficial estão desaparecidos há dias e agora eu é que estou comandando o exército! E, enquanto isso, mereço todas as regalias e todos os direitos do Capitão.
Com uma mão Sísera pega o recipiente de vinho, e com a outra solta o braço da serva e a abraça. Vira o vinho enquanto acaricia a costa da mulher, aflita e extremamente incomodada.
Ao beber tudo, Sísera coloca o recipiente na bandeja e olha para ela. Sua mão continua a acaricia-la, mas agora começa a descer pelo corpo. É quando ela tenta se desvencilhar, mas Sísera a agarra pelos braços e a aperta.
SÍSERA
Quietinha, quietinha...
Apesar de várias pessoas por ali, ninguém ousa intervir. Forçadamente, ele passa a mão na costa dela e desce até as nádegas, onde apalpa com força. Lágrimas de angústia brotam dos olhos da serva...
SÍSERA
Ora, chorando...
Quando ele vai olhar os olhos dela, ela aproveita para se soltar (deixando a bandeja cair) e correr o mais rápido que pode. Ele, sorrindo, observa-a se afastar enquanto lambe o vinho em seus beiços.

CENA 4: EXT. DESERTO – DIA
Um pelotão de soldados hazoritas continua suas buscas pelo alto das dunas e com os olhares atentos para a planície dominada pelos amonitas.
SOLDADO 1
Nada...
SOLDADO 2
Nem sinal.
SOLDADO 1
Já está dando a hora... Vamos voltar para dar o primeiro relatório para Sísera.
O soldado 2 faz sinal para o pelotão e eles tomam outra direção.

CENA 5: EXT. HAROSETE – RUAS – DIA
Jeboão caminha afoito pelas ruas. Por pouco não tropeça nas pessoas. Mas Najara não o perde de vista, segue firme dobrando esquinas e até acelerando o passo devido à pressa do marido.

CENA 6: EXT. MONTE – DIA
Débora, Jaziel e Baraque, sem qualquer proteção, escalam o paredão do monte determinados. Apesar da dificuldade e do risco, a superfície é cheia de reentrâncias e protuberâncias que facilitam o apoio das mãos e dos pés.
Cientes da já grande altura em que estão, eles olham para trás, para Betel e arredores.
BARAQUE
Está difícil... Mas a visão é linda...
DÉBORA
Esse vento... Como é bom estar no alto... Nunca meus olhos presenciaram tamanha beleza...
BARAQUE
Muito menos os meus.
JAZIEL
Acho que consigo ver minha casa daqui...
DÉBORA
Vamos... Temos que continuar. Lá em cima será ainda mais bonito. Segurem firmes!
Então eles voltam a olhar para frente e para cima, concentrando nos locais onde se segurarão.

CENA 7: INT. CASA DE NIRA – DIA
Nira e Debir estão deitados e conversando, ela com a cabeça no peito dele.
NIRA
Já posso imaginar... Nossa casa, pequena, mas com luxo e conforto... Minhas joias...
DEBIR
E o mais importante: nunca mais sendo humilhados, sem ter que sofrer na mão de mais ninguém.
NIRA
É, isso mesmo.
DEBIR
Sabe, Nira, acho que a fase de conquistar o velho já passou. Ele já está louco por você, comeria pão amassado por seus pés sujos, se pedisse. Você precisa logo fazer um pedido para ele. Um presente, uma joia... Algo que possamos vender para conseguirmos nossas coisas.

CENA 8: EXT. CASA DE NIRA – FRENTE – DIA
Jeboão dobra a esquina e vem apressado na direção da casa. Lá atrás, Najara aparece e, discreta, se aproxima também.

CENA 9: INT. CASA DE NIRA – DIA
NIRA
Você já fez um levantamento do quanto precisaremos para a viagem?
DEBIR
Uma parte. Na verdade o--
Nesse instante, a porta se mexe um pouco, e só não abre por estar trancada. Eles levam um susto e Nira salta da cama.
JEBOÃO (O.S.)
Nira! Sou eu! Abra a porta! Jeboão!

CENA 10: EXT. CASA DE NIRA – FRENTE – DIA
Ao ver o marido aguardando parado na frente daquela casa, Najara se esconde atrás de uma barraca e o observa.

CENA 11: INT. CASA DE NIRA – DIA
NIRA
(aflita) Já vou, Jeboão!
Nira faz sinal para Debir sair.
DEBIR
(sussurrando) Por onde?!
NIRA
(sussurrando) Não sei!...
Debir se levanta e procura um lugar para se esconder. Então tenta entrar embaixo da cama, mas o espaço é pequeno demais para ele.
JEBOÃO (O.S.)
(batendo) Nira! Abre essa porta, mulher!
Nira parece ter uma ideia.
NIRA
A cortina!
Debir então corre para a janela e se esconde atrás da cortina. Porém, ela não vai até o chão, e seus pés ficam visíveis.
JEBOÃO (O.S.)
Rápido, Nira! Estou com pressa! Cadê você?! Abra logo essa porta!
Enquanto Debir tenta resolver a situação de seus pés, Nira, apesar de vestida, se enrola nos lençóis e vai até a porta. Destranca-a e abre uma frestinha.
JEBOÃO
Finalmente, mulher! Deixe eu entrar!
NIRA
Espere! Espere um pouquinho, Jeboão...
JEBOÃO
Por quê?!
NIRA
Eu ainda não me vesti...
JEBOÃO
Ora, mas o que é isso?! Você não precisa ter vergonha comigo, já nos deitamos! (forçando a porta) Abre essa porta!
NIRA
(segurando a porta) O quarto está todo desarrumado, meu querido... Uma bagunça!
JEBOÃO
(tentando abrir) Sou o último nessa cidade que se importa com isso.
NIRA
Mas eu me importo!
Jeboão a encara pela pequena abertura.
NIRA
(sensualmente) Eu me importo muito com você, meu Jeboão. Quero receber o meu fogo da paixão da melhor forma possível. Da forma que ele, e somente ele, merece.
JEBOÃO
Hum...
NIRA
Por favor, me espere, tudo bem?
JEBOÃO
Ai, ai, Nira... Tudo bem...
Nira sorri, pisca para ele e manda beijo.
NIRA
Já volto.
Ela fecha a porta e larga os lençóis.
DEBIR
(desesperado) O que faço?!
Nira olha para todos os objetos no quarto... Então localiza um pequeno baú e corre até ele. Pega-o e o leva para onde Debir está.
NIRA
Suba.
DEBIR
Você é incrível!
Nira sorri. Atrás da cortina, Debir ajeita o baú e sobe, de forma que finalmente consiga ficar totalmente escondido.
Rapidamente Nira arruma algumas coisas no quarto, ajeita as vestes, o cabelo e abre a porta. Afoito, Jeboão a agarra e já vai tentando abaixar a roupa dela.
NIRA
(sendo agarrada e beijada) Jeboão... Jeboão... Espere... Jeboão, calma... Calma, calma, eu acordei há pouco...
Ele para e olha para ela.
JEBOÃO
Mulheres... Sempre tão complicadas. Pensava que era só a Najara...
Enquanto ela fecha a porta, Jeboão dá uma olhada no quarto, inclusive para o lado da cortina, mas não percebe nada.
JEBOÃO
Essa era a bagunça?
NIRA
Eu arrumei, não foi?
JEBOÃO
Hum. Você é caprichosa. (olha para ela) Assim como é linda. (se aproximando) Você está tão linda, Nira... Não consigo resistir.
NIRA
Você precisa entender, Jeboão, que eu sou uma mulher preciosa, só sua... Então precisa me dar um tempinho. Para eu garantir minha preciosidade...
Nira coloca seus braços em volta do pescoço de Jeboão e tenta virá-lo, de forma a ficar de costa para a cortina.
JEBOÃO
(sendo virado) Durante minha vida quase não pude aproveitar mulheres jovens, mesmo quando eu também era. E agora que sou velho, e uma se interessou por mim, quero aproveitar até não sobrar nada.
Jeboão tenta cair na cama com Nira, mas ela o segura e o ajeita para ficar de costa para a porta. Antes que ele possa protestar, ela sorri.
NIRA
Eu sou tão apaixonada por você... Antes de cairmos no nosso ninho de amor quero beijá-lo... Quero sentir o seu cheiro, cheiro de homem! O cheiro que me alucina, que me faz ter fantasias inenarráveis!
Jeboão então a beija no pescoço e passa suas mãos pelo corpo dela. Atrás, Debir afasta a cortina um pouco e vê Nira sendo agarrada por Jeboão e lhe fazendo sinal para sair. Ela acaricia o cabelo de Jeboão para ter o controle de sua cabeça enquanto Debir desce do baú, caminha a passos silenciosos para a saída, abre a porta e sai; nisso, um pequeno barulho. Antes que Jeboão olhe e desconfie, Nira age.
NIRA
AAAIII...
JEBOÃO
(confuso) O que foi isso? Está bem?!
NIRA
O quê?... Não posso expressar as sensações que você me causa?...
JEBOÃO
Não, é que me pareceu--
NIRA
Não gosta que eu me expresse, é isso, Jeboão?
JEBOÃO
Não, não, não diga uma coisa dessa... Você é minha deusa, pode fazer o que bem quiser!
Por estar mal fechada, a porta se abre com o vento.
JEBOÃO
Mas não na frente do povo. Vou fechar.
NIRA
Eu fecho. Minha obrigação de mulher.
Nira corre até a porta e, antes de fechá-la, vê Debir ali fora encarando-a. Jeboão chega à porta e também vê o homem.
JEBOÃO
O que você quer?! Por que está olhando para ela?!
DEBIR
Não estou olhando para ela, estou apenas passando pra ir para a minha casa.
JEBOÃO
Pois fique longe dessa casa!
Jeboão então bate a porta e olha para Nira; ela o abraça.

CENA 12: EXT. CASA DE NIRA – DIA
De trás de sua barraca, Najara não consegue ver quem está lá dentro além de Debir ali fora. Confusa e pensativa, ela se levanta e sai.

CENA 13: INT. PALÁCIO – SALA DE SÍSERA – DIA
Sísera lê um pergaminho quando dois soldados entram na sala.
SÍSERA
Finalmente... Espero boas novas no primeiro relatório.
SOLDADO 1
Senhor, apesar de termos andado pelas áreas mais prováveis que nos passou, não encontramos nada. Nenhum sinal do Capitão ou do Primeiro Oficial.
Sísera faz que não e respira fundo.
SÍSERA
Tem certeza? Nenhum tecido, nenhuma peça de cavalaria, nada ligado aos amonitas?!
SOLDADO 2
Infelizmente não, senhor.
SÍSERA
Pois bem. Continuem as buscas e, para otimizarmos, suspendam os relatórios intermediários.
SOLDADO 2
Entendido.
SÍSERA
Retornem apenas ao final da busca diária.
SOLDADO 1
Com licença.
Eles saem e Najara entra.
SÍSERA
Mãe?! Que surpresa a senhora por aqui...
NAJARA
Mas que cara é essa, Sísera?
SÍSERA
(indo fechar a porta) São os soldados, mãe. Não corresponderam ao nosso plano. Pensei que, na ânsia de darem resultados, encontrariam qualquer coisa que pudéssemos ligar os dois desaparecidos aos amonitas.
Najara, no entanto, olha para todo o cômodo.
NAJARA
É uma bela sala...
SÍSERA
Mãe...
NAJARA
Ah, claro...
SÍSERA
Vou ter que dar essa notícia ao rei.
Najara parece pensar... Pensar... Então tem uma ideia. Mas fala de outra coisa.
NAJARA
Sabe, meu filho, eu gostei muito do tratamento diferente que deram à mãe do Capitão temporário.
Sísera sorri.
SÍSERA
Pois é, a gente acaba viciando... Sente-se.
Najara senta e ele vai para sua cadeira atrás da mesa.
NAJARA
No entanto, Sísera, eu não quero continuar sendo apenas a mãe do Capitão temporário, mas do Capitão do exército de fato!
SÍSERA
Isso vai acontecer, mãe.
NAJARA
Quero que aconteça muito antes do que você pensa. O ideal é que o primeiro relatório para o rei seja ótimo, excelente, que entregue resultados!
SÍSERA
Difícil, visto que não tenho nada!
NAJARA
Mas você pode ter se esperar mais um pouco.
SÍSERA
Não entendo...
NAJARA
Vamos retornar para casa. Ao porão, mais especificamente.
SÍSERA
(entendendo) Hum...
NAJARA
Veja, se resolvermos aquele problema, e trata-lo como resolvido pelos amonitas, você terá um excelente primeiro relatório. E o que já está ótimo, vai para as nuvens!
SÍSERA
Entendo, mas o primeiro relatório está marcado para agora!
NAJARA
Ora, Sísera, dê uma desculpa! Que os soldados não vieram, ou que você suspendeu...
SÍSERA
Qual a justificativa para se suspender?!
NAJARA
Crie uma. Você é inteligente, Sísera!
Sísera então tenta pensar em algo... Mas logo sua mãe agarra um pergaminho e uma pena e começa a escrever energeticamente. Tendo terminado, entrega para ele, que lê.
SÍSERA
Mas isso é ótimo! Acho que convencerá Jabim.
NAJARA
Perfeito. Também recomendo que você compre o silêncio dos soldados, ou então uma versão de declaração.
SÍSERA
Certo. Muito bem. Acho que está tudo encaminhado, então.
Najara faz que sim.
SÍSERA
No entanto, a senhora veio aqui por outro motivo...
NAJARA
Sim... Sísera, você se lembra da desconfiança que eu estava tendo do seu pai?
SÍSERA
Claro...
NAJARA
Pois bem... Hoje ele saiu e eu o segui. Foi para uma casa. Ele demorou a entrar, parecia que alguém lá dentro não estava preparado para recebe-lo. E não vi nele o comportamento respeitoso que tem com clientes ou outros comerciantes, na verdade parecia querer abrir a porta à força.
SÍSERA
(interessado) Hum...
NAJARA
Depois saiu um homem de lá, nunca o vi... E só. Não consegui ver mais nada.
SÍSERA
Muito estranho...
NAJARA
Eu vim para te pedir que, quando tiver um tempo, investigue isso para mim. Dê uma olhada em quem mora lá, e se é mesmo uma casa... Eu vou te passar o local.
SÍSERA
Pode deixar, mãe. Vou conferir sim.
NAJARA
Obrigada, meu filho. Agora vá à presença do rei. Eu estarei te esperando na saída do palácio para irmos resolver a situação do porão.
SÍSERA
Certo.

CENA 13: INT. PALÁCIO – SALA DO TRONO – DIA
Sentado em seu trono, Jabim olha com certa indignação a aproximação apressada de uma serva, a mesma assediada por Sísera. Logo atrás, outro servo corre falando.
SERVO
Meu senhor, por favor, queira perdoar-me!... Ela estava afoita para vê-lo, passou por mim, não consegui segurá-la!...
Chorando, a serva para aos pés do trono e o rei olha para ela.
JABIM
Por que entrou à minha presença dessa forma, serva?
SERVA
(fungando e limpando os olhos) Aconteceu... algo grave, meu senhor... Fui importunada... por um dos soldados... que bebeu do vinho que não lhe convém... e se aproveitou de mim...
Jabim a encara. Atrás dela, Sísera chega silenciosamente e prestando atenção no que ela conta.
SERVA
E ele também dizia... dizia que tinha um cargo maior do que realmente tem... Mas eu o conheço de vista... É apenas um soldado... (pequena pausa) Ele... não me respeitou, senhor... Não me respeitou nem um pouco... Nem como serva, nem como mulher...
JABIM
E o soldado a quem se refere, que fez tudo isso, por acaso é esse que está atrás de você?
A serva então olha para trás e vê Sísera parado e olhando para ela. Assustada, vira para o rei.
SERVA
Sim! Sim, meu rei! É ele, foi esse homem quem fez tudo isso!
Sísera olha para o rei, que encara a mulher chorando.

CENA 14: EXT. MONTE – DIA
A escalada é cada vez mais dolorida, e Débora, Jaziel e Baraque, já quase no topo do monte, se esforçam para alcança-lo.
BARAQUE
Falta pouco!...
Força, concentração, determinação... E eles finalmente alcançam suas mãos na superfície plana.
DÉBORA
Chegamos!
Jaziel é mais ágil e consegue subir primeiro. Então ajuda Débora e depois Baraque.
Sujos e respirando ofegantemente, os três dão uma olhada na paisagem... Mas nada comentam, pois estão curiosos em saber do tesouro. Então viram para a superfície do topo do monte. No semblante cansado, mas contemplativo dos três, IMAGEM CONGELA
CONTINUA...
FADE OUT:


No próximo capítulo: Nira pede uma joia para Jeboão. Débora encontra algo surpreendente no monte. E Sísera e Najara decidem resolver o segredo que escondem no porão de casa.

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.