Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Maré Alta - Capítulo 21

  





MARÉ ALTA 

CAPÍTULO 21


Criada e escrita por: Luan Maciel 

Produção Executiva: Ranable Webs




CENA 01. PORTO DA AREIA. PENHASCO. EXTERIOR. NOITE

Continuação imediata do capítulo anterior. Um carro vem chegando até o penhasco. Logo depois TOM sai de dentro do carro e vai andando na direção do POLICIAL que olha para o vilão de uma maneira bastante fria. Logo depois TOM olha agora CASSIANO que continua desmaiado no chão do penhasco. O sorriso do vilão é bastante malicioso. 


Tom — (sorrindo) Você conseguiu fazer o que nós tínhamos combinado. Agora eu quero que você vá embora e me deixe sozinho com esse infeliz do Cassiano. Pode ir. 


TOM entrega uma boa quantia em dinheiro para o POLICIAL que vai embora do penhasco. Logo depois CASSIANO vai despertando e ele fica surpreso ao ver TOM en sua frente. 


Tom — Olha só quem resolveu acordar. Está pronto para o que tenho preparado para você, Cassiano? Finalmente eu vou tirar você do meu caminho. A Lívia vai ser minha. 

Cassiano — O que você está planejando fazer comigo, Tom? Você não vai conseguir se dar bem. 

Tom — Eu já venci, Cassiano. Só você ainda não consegui perceber isso ainda. Agora entre nesse carro. Você chegou no fim da linha. 


TOM aponta uma arma para CASSIANO. Mesmo contra sua vontade CASSIANO entra no carro e ele percebe que o carro indo indo a tora velocidade para a beira do penhasco. 


Cassiano — (desesperado) Tom…. Para com isso. O que você está fazendo não tem a menor graça. Me tira daqui. Eu faço o que quiser. 

Tom — Agora é tarde demais pra arrependimentos, Cassiano. Você finalmente vai ter o fim que você tanto merece. 


O carro com CASSIANO dentro cai do penhasco e ao atingir o solo explode trazendo muita satisfação para TOM. 

CORTA PARA/


CENA 02. VILA DOS PESCADORES. CASA DE SANDOVAL. QUARTO. INTERIOR. NOITE

SANDOVAL vem entrando no quarto e ele percebe que LÍVIA está bastante pensativa. Ele vai se aproximando de sua filha aos poucos e LÍVIA olha para seu pai e logo ela percebe que o semblante de seu pai está bastante sério. SANDOVAL se senta ao lado de LÍVIA que está bem aflita.


Sandoval — Minha filha…. A gente precisa conversar. Tem uma coisa que você precisa ficar sabendo antes que isso se torne uma fofoca. 

Lívia — (intrigada) Do que você está falando, pai? O que foi que aconteceu? Você está sério.

Sandoval — Eu acabei de ficar sabendo na cidade que o Cassiano sumiu de dentro da Delegacia. Ninguém sabe onde ele foi parar, minha filha. Você vai precisar ficar bem calma. 

Lívia — Isso não pode estar acontecendo. Como é que o Cassiano sumiu da Delegacia? Eu estou sentindo que isso tem dedo do Tom. 


LÍVIA se levanta da cama demonstrando estar bastante preocupada. SANDOVAL olha para sua filha. 


Sandoval — O que você está pensando em fazer, minha filha? Toda essa injustiça que está acontecendo com o Cassiano é anormal. 

Lívia — Sinceramente eu não sei, pai. Mas eu não posso ficar de braços cruzados enquanto o Tom faz o que ele bem entende. Eu preciso encontrar o Cassiano o quanto antes.

Tom — Eu estive hoje com o Tom. Ele me confessou que foi ele que mandou explodir o meu barco, Lívia. Nós estamos lidando com um verdadeiro de um psicopata. 


LÍVIA fica cada vez mais surpresa com tudo o que SANDOVAL está falando. Ela fica bastante pensativa. 


Lívia — (indignada) Isso está ficando cada vez mais insustentável. Quem o Tom acha que é para fazer essas coisas. Eu vou tirar essa história a limpo imediatamente. 

Sandoval — Você não pode fazer isso, Lívia. Pensa melhor no que você está me dizendo. (P) O Tom é mais perigoso que a gente pensa. 


LÍVIA está decidida. SANDOVAL fica bastante preocupado. 

CORTA PARA/


CENA 03. MANSÃO DA FAMÍLIA ASSUNÇÃO. SALA DE ESTAR. INTERIOR. NOITE 

A câmera mostra que GREGÓRIO está jogado no sofá tomando um copo de whisky atrás do outro. A campainha da mansão toca. A empregada abre a porta e podemos ver o INVESTIDOR indo na direção de GREGÓRIO. O vilão muito furioso aonverbo INVESTIDOR em sua frente. 


Gregório — (esbravejando) Eu posso saber o que você está fazendo aqui? Você ajudou o Tom a me arruinar e ainda tem a coragem de aparecer na minha frente. Eu deveria te matar agora mesmo.

Investidor — Eu e o grupo que eu represento cometemos um erro, Gregório. Nós nunca deveríamos ter confiado no Tom. Mas eu vim aqui para te oferecer um novvoo acordo. 

Gregório — Você e o seu grupo não tem nada que eu possa me interessar. Agora queira sair da minha casa. Antes que eu chame a polícia. 

Investidor — Você tem certeza disso, Gregório? Antes de chegar em Porto da Areia eu fiz um dossiê sobre o Tom. E você não vai acreditar no que ele esconde de todo mundo. 


GREGÓRIO fica visivelmente interessado. Ele se levanta do sofá e fica frente a frente com o INVESTIDOR e o encara.


Gregório — Você conseguiu atiçar a minha curiosidade. Me entregue esse dossiê e nós podemos tentar fechar esse acordo. 

Investidor — Não é assim que as coisas vão funcionar, Gregório. Primeiro eu quero garantias que você vai acabar com a vila de pescadores. 

Gregório — Se esse for o problema considere resolvido. Eu também tenho vontade de ver aquela vila de pescadores arruinada. 


GREGÓRIO e o INVESTIDOR apertam as mãos. 


Gregório — (austero) Finalmente eu tereinde volta tudo o que o infeliz do Tom tirou de mim. 


GREGÓRIO esboça um sorriso bastante satisfeito. 

CORTA PARA/


CENA 04. CASA DE FÁTIMA. SALA DE ESTAR. INTERIOR. NOITE 

FÁTIMA está andando de um lado para o outro parecendo estar bastante preocupada. Nesse momento LENITA entra dentro de casa com os seus pensamentos bem longe. FÁTIMA vai na direção de LENITA e elas se sentem no sofá. FÁTIMA percebe que LENITA ficou bastante balançada com o encontro que ela teve com o DELEGADO AUGUSTIN. 


Fátima — (aflita) Onde é que você estava, Lenita? Eu fiquei preocupada com esse seu sumiço. Eu sinto que você está escondendo alguma coisa. Da onde você conhece o Delegado? 

Lenita — Eu não quero falar sobre esse assunto, Fátima. Tudo o que eu quero é ajudar o meu filho ficar livre. Será que é pedir demais? 

Fátima — É claro que não, Lenita. Mandei estou sentindo que tem alguma coisa te incomodando. Você sabe que pode me dizer. 

Lenita — Porque quer insistir tento em falar desse assunto, Fátima? Eu já disse que eu não quero mais falar sobre isso. Me respeita.


FÁTIMA fica sem reação diante da indagação de LENITA. Ela se senta no sofá enquanto continua olhando para LENITA. 


Fátima — Eu só estou tentando te ajudar, Lenita. Eu sei que tem algo que está te incomodando. Porque você não divide esse peso comigo? 

Lenita — Tudo bem, Fátima. Eu não vou aguentar mais carregar esse peso sozinha. (P) Eu e o Augustin a gente se conheceu muitos anos atrás e tivemos um romance. A verdade é que ele é o verdadeiro pai do Cassiano. 

Fátima — Eu nem sei o que dizer, Lenita. Você pretende contar a verdade para o Cassiano? 


LENITA fica bastante nervosa. FÁTIMA está apreensiva. 


Lenita — (séria) Você tem que me prometer que não vai dizer nada para o meu filho, Fátima. Eu tenho os meus motivos para não falar a verdade para o Cassiano. 

Fátima — Eu vou respeitar a sua decisão, Lenita. Mas você tentar esconder a verdade do Cassiano é um erro. E você sabe disso.


FÁTIMA sai da sala sem dizer nada. LENITA fica sozinha e ela fica pensando no que FÁTIMA acaba de lhe dizer.

CORTA PARA/


CENA 05. ALTO MAR. EXTERIOR. NOITE

De forma geral podemos ver que o barco de FRANCHICO está navegando em águas tortuosas. A câmera vai se aproximando de FRANCHICO que ainda está lembrando de tudo o que RUBINHO lhe disse. Em um descuido FRANCHICO acaba perdendo o controle de seu barco e uma onda invade o barco jogando ele para longe.


Franchico — (assustado) O que é que está acontecendo comigo? Porque eu estou me importando com o que o Rubinho disse?


FRANCHICO vai se levantando enquanto as ondas começam a ficar cada vez mais violentas. Ele toma coragem. 


Franchico — Eu não posso deixar aquele cara entrar desse jeito na minha mente. Tudo o que o Rubinho quer é me jogar cobtra a Baby. 



FRANCHICO respira fundo e volta a tomar o controle do barco. As ondas do mar continuam bastante furiosas. 


Franchico — Assim que eu chegar para Porto da Areia eu vou lutar com tudo o que eu tenho peara ficar com a Baby. O Rubinho que me espere. 


FRANCHICO vai levando o seu barco em alto mar de forma formidável. Logo depois o barco de FRANCHICO some na escuridão do alto mar e só ouvimos o barulho das ondas.

CORTA PARA/


CENA 06. VILA DOS PESCADORES. FRENTE DAS CASAS. EXTERIOR. NOITE 

SANDOVAL está parado na frente das casas e ao redor dele estão todos os moradores que estão bastante alvoroçados. No meio dessa pequena multidão estão ENRICO quwbtebra jogar todos contra SANDOVAL. quem também está ali é AÇUCENA que olha para ENRICO com bastante mágoa.


Sandoval — (discursando) Meus amigos….. Eu chamei todos aqui porque o assunto é bastante sério. Tem pessoas poderosas querendo nos expulsar de nossas casas. E tudo isso pars ter mais dinheiro ainda. Mas eu digo que nós não vamos sair. 

Enrico — Vocês não podem confiar no Sandoval. Ele é um mentiroso. Nós temos que vender nossas casas e sair daqui enquanto é tempo. Vocês podem confiar em mim. 

Sandoval — É isso mesmo que vocês querem? Sair do lugar que sempre foi nosso por direito? O Enrico não quer ajudar vocês. Ele não passa de um vendido que se corrompeu. 

Enrico — Lave a sua boca para falar de mim, Sandoval. Esse povo merece um líder melhor que você. Onde você estava quando estávamos precisando? Não vai dizer? 


Todos os presente ficam em dúvida em quem acreditar. Nesse momento AÇUCENA vai para o meio da multidão para o pavor de ENRICO. Ela fica encarando o seu marido.


Açucena — Amigos e amigas…. O Sandoval sempre foi o líder da vila e vocês podem continuar confiando nele. O meu marido era informante do Gregório Assunção. Ele não passa de um hipócrita mentiroso. 

Enrico — O que você está pensando que está fazendo, Açucena? Você quer me desmoralizar? Eu acabo com você antes. 

Sandoval — Você não vai encostar um só dedo nela, Enrico. Eu não vou deixar. Você entendeu? 


SANDOVAL e todos os presentes ficam olhando para ENRICO com um olhar de desaprovação. Em seguida ENRICO olha para SANDOVAL com muito ódio. 


Enrico — (nervoso) Você sempre se achou melhor do que eu, Sandoval. Mas sabe de uma coisa. Lembra do incêndio da associação? Fui eu que coloquei fogo lá. Foi prazeroso ver o olhar de desespero da Lívia. 

Sandoval — Você fez o que? Por sua causa a minha filha quase morreu. Eu deveria te matar, Enrico. O que você fez foi imperdoável. 


SANDOVAL perde todo o controle. Ele dá um soco em ENRICO que cai no chão. AÇUCENA consegue tirar SANDOVAL de cima de ENRICO.Eles se olham com raiva.

CORTA PARA/


CENA 07. CASA DE TOM. SALA DE ESTAR. INTERIOR. NOITE 

O foco da cena está em TOM que está lhe servindo uma taça de champanhe. Para a sua surpresa LÍVIA e tra em sua casa e sem dizer nenhuma palavra a nossa protagonista dá um tapa na cara do vilão. A única coisa que TOM faz é esboçar um sorriso bastante malicioso. LÍVIA se enfurece. 


Tom — (cínico) Eu já estava me perguntando quando é que você iria aparecer, Lívia. Porque você não se sente e toma uma taça de champanhe comigo? Você vai gostar. 

Lívia — Eu só vou te perguntar uma vez, Tom. Onde está o Cassiano? Todos na cidade já estão sabendo que ele sumiu da Delegacia. 

Tom — Eu não acredito que ele teve a audácia que fugir da Delegacia. Ele me surpreendeu. 

Lívia — Deixa de ser cínico, Tom. Eu sei que você fez alguma coisa com o Cassiano. É melhor você me dizer. Eu não vou sair daqui sem a resposta da pergunta que eu te fiz. 


TOM continua sorrindo. LÍVIA fica ainda mais desesperada. 


Tom — O que eu posso te dizer é que o Cassiano não vai mais ser um empecilho para que a gente possa ficar juntos, Lívia. Você ainda vai ser minha. Você gostando ou não. 

Lívia — Eu nunca vou ser sua, Tom. Eu prefiro morrer do que isso acontecer. Entendeu? 

Tom — Eu fiz o plano perfeito, Lívia. Ninguém nunca vai saber o que aconteceu. O Cassiano é carte fora do baralho. 


LÍVIA tenta dar outro tapa em TOM, mas o vilão reage. Ele beija LÍVIA contra vontade dela. Logo depois LÍVIA cospe nele. TOM vai ficando cada vez mais cheio de si. 

Lívia — (gritando) Nunca anis encoste esssa mão imunda encima de mim. Eu odeio você, Tom. 

Tom — Você diz isso agora, Lívia. Mas com o tempo você vai ver que sou o único que que vai te realizar como mulher. Principalmente agora que o Cassiano está morto. 


LÍVIA não consegue acreditar no que TOM está lhe dizendo. Ela fica totalmente abalada. A nossa protagonista sai correndo sem olhar para trás. TOM sorri satisfeito.

CORTA PARA/


CENA 08. PORTO DA AREIA. PRAIA. EXTERIOR . NOITE 

ANA ROSA está andando tranquilamente pela praia quando de repente ela presencia que SHIRLEY está ao longe, e a vilã resolve não perder essa oportunidade de infernizar a sua rival. ANA ROSA vai se aproximando de SHIRLEY que fecha a cara logo que ela vê a vilã. A tensão é inevitável. 


Ana Rosa — (provocando) Olha só quem eu encontro aqui. A vafia da Shirley. Está satisfeita com o que você fez? Você tirou a única chance que eu tinha de ficar com o Cassiano. 

Shirley — O que você ainda quer comigo, Ana Rosa? Você não percebe o papel ridículo que está fazendo?  Você é mesmo patética. 

Ana Rosa — Eu vou te mostrar quem é patética. Você não sabe com quem está mexendo. O Tom pode ser intocável. Mas você não é. 

Shirley — Fica longe de mim, Ana Rosa. Eu não quero te machucar. Eu estou avisando você. 


ANA ROSA parte para cima de SHIRLEY. As duas começam a se estapear de uma forma bastante intensa. 


Ana Rosa — Isso ainda não é nada perto do que você merece, sua vadia. Eu sei que você você e o Tom armaram a prisão do Cassiano. 

Shirley — E se isso for mesmo verdade o que você vai fazer a respeito, Ana Rosa? Não tem nada que você possa fazer, sua cobra. 

Ana Rosa — Até parece que você não me conhece, Shirley. Quando eu quero algo eu consigo.


ANA ROSA e SHIRLEY ficam se encarando em silêncio. 


Shirley — Eu cansei de ficar perdendo o meu tempo com você, Ana Rosa. Eu espero que você nunca mais cruze o meu caminho. Pois se isso acontecer você vai se arrepender. 

Ana Rosa — (ardilosa) Eu estou morrendo de medo, Shirley. Você e o Tom são farinha do mesmo saco. Eu vou acabar com vocês dois. 

SHIRLEY vai embora da praia sem se importar com ANA ROSA. A vilã está ficando cada vez mais desequilibrada.

CORTA PARA/


CENA 09. VILA DOS PESCADORES. RUA. EXTERIOR. NOITE

AÇUCENA vai andando pela rua tranquilamente e ela não percebe que pode estar correndo muito perigo. Sem querer ele pudesse imaginar ENRICO surge de um beco escuro e a segura pelo pescoço. O medo está estampado no rosto de AÇUCENA. ENRICO está totalmente fora de si. 


Enrico — (furioso) Você achou mesmo que iria conseguir se livrar de mim, Açucena? O que você fez hoje é imperdoável. Eu estou com muito ódio de você, sua maldita. 

Açucena — Me solta, Enrico. Você está me machucando. Eu estou ficando sem ar. 

Enrico — Eu te avisei tantas vezes que isso poderia acontecer, Açucena. Você deveria estar aí meu lado e não do lado daquele maldito do Sandoval. Você não vale nada, Açucena. 

Açucena — Eu não me arrependo de nada do que eu fiz, Enrico. Você iria continuar mentindo para os moradores da vila sem pestanejar. 


ENRICO fica ainda mais nervoso. Ele solta o pescoço de AÇUCENA. Finalmente ela consegue respirar aliviada.

Enrico — Isso ainda não acabou, Açucena. Eu ainda vou ser o líder dos pescadores. Nem que eu tenha que matar o Sandoval. 

Açucena — Você está ouvindo o que está dizendo, Enrico? Essa sua ambição está indo longe demais. Você precisa parar antes que seja tarde demais. Eu estou suplicando. 

Enrico — Eu não preciso da sua compaixão, Açucena. O que você me fez passar foi a última gota do nosso casamento. Você não pisa mais na minha casa. Eu fui claro? 


As lágrimas escorrem pelos olhos de AÇUCENA. A câmera mostra que ENRICO não se importa com o choro de AÇUCENA. 


Açucena — (chorando) O meu maior erro foi te ajar incondicionalmente, Enrico. Mas eu ne cansei. Eu espero que você se arrependa de tudo o que está fazendo. Adeus, Enrico. 

Enrico — Chega de todo esse sentimentalismo barato, Açucena. Eu vou embora antes que eu faça algo que você não vai gostar. 


ENRICO vai embora deixando AÇUCENA aos prantos. 

CORTA PARA/


CENA 10. ARREDORES DE PORTO DA AREIA. PENHASCO. EXTERIOR. DIA

A câmera mostra que um carro continua pegando fogo de forma incessante. A câmera vai girando e podemos ver que CASSIANO foi lançado para fora do carro e ele está totalmente desmaiado. Ao longe um homem idoso vem se aproximando de CASSIANO. Ele fica muito assustado. 


Idoso — (surpreso) Meu Deus do Céu…. O que foi que aconteceu aqui? Esse homem sofreu uma queda que ninguém sobreviveria. 


O IDOSO verifica a pulsação de CASSIANO, e ele percebe que o nosso protagonista ainda está vivo. 


Idoso — Esse homem ainda está vivo. Se eu não fizer alguma coisa para tirar ele daqui ele pode acabar morrendo. E isso não é certo. 


Mesmo com muita dificuldade o IDOSO consegue colocar CASSIANO em sua carroça. Logo depois ele vai embora lentamente do penhasco. A câmera foca em CASSIANO.

CORTA PARA/


CENA 11. PENSÃO DE JOSEFA. SALA. INTERIOR. NOITE

Sentada no sofá da pensão está JOSEFA que está lendo um livro como se nada a preocupasse. Nesse momento MISAEL entra na pensão parecendo um verdadeiro furacão. JOSEFA levanta o seu olhar de um jeito arrogante o que vai deixando MISAEL cada vez mais nervoso. 


Misael — (nervoso) O que foi que houve com você, Josefa? Eu achei que nós tínhamos um acordo. Você não disse mais nada a respeito. Eu exijo uma explicação agora. 

Josefa — Quem você pensa que é para entrar na minha pensão e me cobrar de alguma coisa? Esqueça aquele acordo. A infeliz da Roseli teve aqui e o Juca descobriu tudo. 

Misael — Então esse é o problema, Josefa. Saber disso me deixar muito feliz. Você não vai conseguir sair dessa enrascada.  

Josefa — Não me provoca, Misael. Pelo bem do meu filho eu sou capaz de tudo. Ouviu? 


MISAEL se aproxima de JOSEFA. Ele sorri cinicamente. 


Misael — Seu filho? Não me faça rir, Josefa. Você simplesmente roubou o Juca da Roseli. Você nunca foi e nunca será a mãe dele. 

Josefa — Cala a sua boca, Misael. O Juca é mais meu filho do que da Roseli. E eu vou fazer de tudo para afastar ela do Juca.

Misael — Por mim você faz o que quiser com esse menino, Josefa. Eu só quero uma coisa: A Roseli. E nada vai me impedir de ter ela. 


JOSEFA se levanta do sofá e fica bem na frente de MISAEL. 


Josefa — (fria) Você me faria um enorme favor info embora com a Roseli dessa cidade. Ela não vai conseguir tirar o meu filho. Não vai!

Misael — Então os nossos caminhos se separam aqui, Josefa. Não tente atrapalhar os meus planos. Vai ser melhor para você. Acredite. 


MISAEL vai embora bastante decidido. A câmera mostra o semblante enigmático de JOSÉFA que está pensativa.

CORTA PARA/


CENA 12. SOBRADO DO PREFEITO ANÍBAL. QUARTO DE ROSELI. INTERIOR. NOITE 

ROSELI está deitada na cama em um estado de tristeza profunda. Ela está abraçada com uma foto de JUCA e ela não quer soltar a foto de jeito nenhum. Logo em seguida O PREFEITO ANÍBAL entra no quarto e se senta ao lado de ROSELI na cama. Ele ficam se olhando. 


Prefeito Aníbal — Eu nem vou perguntar como foi o seu encontro com a Josefa, meu amor. Eu não suporto ver você assim desse jeito. 

Roseli — (aos prantos) E como eu deveria estar me sentindo, Aníbal? Eu não consigo me aproximar do meu filho. Isso não está certo. 

Prefeito Aníbal — Eu poderia usar o meu poder como prefeito para te ajudar, Roseli. Eu faço qualquer coisa para te ver feliz. 

Roseli — Não, Aníbal. Eu te agradeço, mas isso eu não quero. Tudo o que eu mais quero é que o Juca saiba que eu não abandonei ele. 


O PREFEITO ANÍBAL toca as mãos de ROSELI suavemente. 


Prefeito Aníbal — A Josefa está indo longe demais com essa história. Eu prometo para você que eu vou resolver isso. Ela vai me ouvir. 

Roseli — O que você está pensando em fazer, Aníbal? Eu não quero pressionar e as coisas saírem pior do que já estão. O Juca é um menino esperto. Mas eu preciso de cautela. 

Prefeito Aníbal — Eu não vou mais ficar de braços cruzados bebendo o seu sofrimento, meu amor. A Josefa não vai mais impedir de você ver o seu filho. Essa é uma promessa. 


ROSELI esboça um sorriso tímido. Ela dá um suave beijo no PREFEITO ANÍBAL que retribui o gesto de carinho. 


Roseli — (emocionada) Eu nem sei o que te dizer, Aníbal. O que você está fazendo por mim é algo que eu jamais vou esquecer. 


O PREFEITO ANÍBAL sorri. Ele e ROSELI se beijam.

CORTA PARA/


CENA 13. CADA DE FÁTIMA. SALA DE ESTAR. INTERIOR. NOITE

A câmera mostra que alguém está tocando a campainha de uma forma insistente. Em seguida FÁTIMA abre a porta e LÍVIA entra. A nossa protagonista está bastante nervosa e emotiva. FÁTIMA ajuda LÍVIA a se sentar no sofá da sala. O clima vai ficando cada vez mais mais sério e soturno. 


Fátima — O que foi que houve com você, Lívia? Dá para perceber nos seus olhos que você não está bem. Não me esconda a verdade.

Lívia — (chorando) Eu nem sei por onde começar, Fátima. (P) Eu fui procurar o Tom. E ele disse que o Cassiano sumiu e agora eu estou com medo do que possa ter acontecido. 

Fátima — Que história é essa, Lívia? O Cassiano não estava preso na delegacia? Como assim ele foi sumir? Isso não faz muito sentido.

Lívia — Eu também não sei explicar, Fátima. Mas o Tom está insinuando que o Cassiano morreu. Eu não quero acreditar nisso. 


FÁTIMA fica em estado de choque. LÍVIA está abalada.


Fátima — Isso não pode ser verdade, Lívia. Eu me recuso a acreditar nisso. Porque o Tom está fazendo isso? Eu não consigo entender.

Lívia — Isso é tudo culpa minha, Fátima. O Tom está ficando casa vez mais obcecado por mim. Se algo tiver acontecido com o Cassiano eu jamais vou me perdoar. 

Fátima — Você não pode se culpar desse jeito, Lívia. O problema não está em você e sim no Tom. Esse homem é um maldito. 


LÍVIA concorda com a cabeça. FÁTIMA olha para a nossa nossa protagonista de um jeito bastante fraternal. Elas não percebem que LENITA está ouvindo a conversa. 


Lívia — (séria) Eu só fico pensando como a Lenita vai reagir com tudo isso. Ela vai ter motivos suficientes para me odiar. E ela está certa. 

Roseli — Não se preocupe com isso agora, Lívia. Pode deixar que eu mesma voibfnsksr com a Lenita. Você precisa tentar se acalmar. 

LÍVIA agradece FÁTIMA apenas com o olhar. Logo depois a câmera mostrando pavor e desespero de LENITA.

CORTA PARA/


CENA 14. CASA DE TOM. SALA DE ESTAR. INTERIOR. NOITE

TOM vai andando pela sala de estar de sua casa. Ele acabou de sair do banho e está enxugando o seu cabelo. Nesse momento o vilão se surpreende com a presença de GREGÓRIO sentado no sofá de sua sala de estar. GREGÓRIO vai se levantando e joga uma pasta de documentos em cima de TOM que não reage. 


Gregório — (autoritário) Sabe de uma coisa, Tom? Eu sempre jme perguntei porque o seu passado é tão misterioso. Mas eu finalmente descobri toda a verdade. Você não passa de um maldito que se infiltrou no meu meio dia. 

Tom — Eu estava me perguntando quanto tempo você iria demorar para descobrir a verdade.

Gregório — Eu não acredito que você é filho do homem que me roubou e tentou me matar. Você é filho do Sebastião Macieira. Como eu não pude perceber isso antes?

Tom — Você não passa de um imbecii, Gregório. Tudo o que eu estou fazendo é para vingar a morte do meu pai. Eu vou acabar com você. 


GREGÓRIO fica totalmente nervoso. Ele e TOM ficam frente a frente e continuam se encarando de um jeito tenso. 


Gregório — Você se acha mais inteligente que eu, mas não é, Tom. Eu vou recuperar tudo o que você tirou de mim. Pode ter certeza. 

Tom — Boa sorte tentando fazer isso, Gregório. Você deixou a minha família na miséria. O mínimo que eu posso fazer é retribuir o favor. Você está arruinado, seu maldito. 

Gregório — Se você quer saber de uma coisa, Tom. Eu não me arrependo do que eu fiz com o seu pai. O Sebastião era um idiota que acreditava em tudo que eu falava.


TOM vai perdendo cada vez mais o controle. 


Tom — (ardiloso) Eu já consegui me ligar do Cassiano. Fazer o mesmo com você não vai ser muito difícil. Você está acabado, Gregório Assunção. 

Gregório — Eu não tenho mais nada para falar com você, Tom. Eu só digo uma coisa. Toma muito cuidado. Nunca se sabe o que pode acontecer. É só um aviso. 


GREGÓRIO vai embora da casa de TOM. Logo depois a câmera mostra que TOM ficou totalmente descontrolado.

CORTA PARA/


CENA 15. ARREDORES DE PORTO DA AREIA. CASEBRE. QUARTO. INTERIOR. NOITE

CASSIANO está deitado na cama de um simples quarto. A câmera vai se aproximando e podemos ver que além de estar bastante machucando o nosso protagonista também está delirando muito. A todo momento ele chama o nome de LÍVIA. Um homem entra no quarto. Ele é SAMUEL (Luiz Guilherme) que está aflito com o estado de CASSIANO.


Samuel — Não é normal o jeito que esses homem está se sentindo. O que ele passou é algo surpreendente e tudo totalmente surreal.


CASSIANO vai delirando ainda mais. SAMUEL fica ainda mais preocupado com o jeito que CASSIANO está reagindo. 


Cassiano — (delirando) Lívia…. Lívia…. Eu ainda estou aqui. Não desista de mim, por favor. 

Samuel — Você precisa ficar calmo, meu rapaz. Se você tiver se debatendo vai ser pior. 


CASSIANO respira fundo. Ele abre os olhos por alguns instantes. SAMUEL fica bastante perplexo com o que vê.


Cassiano — (gritando) Lívia!!!!!


CASSIANO volta a desmaiar deixando SAMUEL sem saber o que fazer. SAMUEL fica olhando para CASSIANO. 


A imagem vai congelando em CASSIANO que está desmaiado. Aos poucos uma onda invade a tela dando efeito e encerrando o capítulo.







Tags

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.