Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Força de Um Sonho - Último Capitulo

 

Cena 1/ Aeroporto do Galeão / Escadas / Tarde/ 


Juliano - Vamos logo então. Eu vou na frente e você vai depois.
Paula - Certo. Vamos embora desse Rio de Janeiro e rumo à outro lugar.

Juliano e Paula sobem na escada rolante. Ao chegar no final, a calça de Paula fica presa e ela rola escada abaixo. 

Juliano ( Desesperado ) - Paulaaaaa!

Algumas pessoas se aproximam e observam o acidente. Então, um policial aparece.

Policial - Juliano! Você está preso!
Juliano - Me soltem! Eu sou inocente!

Juliano é levado, enquanto Paula é socorrida por algumas pessoas. É possível ver uma das pernas de Paula gravemente ferida, presa pela calça. 

O tempo transcorre...

Cena 2/ Delegacia 37ª DP / Interior / Noite / 

Juliano está em uma sala da delegacia, em frente a um policial, que começa a interrogá-lo. 

Policial - Você sabe porque está aqui, Juliano Pereira. Você é comparsa do traficante do Jadson  Menezes.
Juliano ( Cínico ) - Jadson? Não conheço nenhum Jadson.
Policial (Repreendendo - o ) - Não se faça de cínico, Jadson já foi condenado há muitos anos de prisão por crimes que incluem você também, e estão bem nítidos a sua participação.
Juliano - Já que vou ser preso mesmo... Sim. Há anos eu trabalhava como informante do Jadson, e... Como eu era da Policia, sempre dizia ao Jadson quando teriam as ocupações, e em troca disso eu ganhava dinheiro ou drogas, isso me auxiliava bastante.
Policial - Era a confissão que precisávamos, a sua participação com o Jadson vinha de longa data?
Juliano - Sim, e em uma dessas cumplicidades, eu e a minha namorada Paula armamos para que a Janaina, que a Paula odiava, ser presa por tráfico.
Policial - Esse crime foi arquivado por falta de provas, então ele será reaberto. Mais alguma coisa a contar?
Juliano - Sim. A gente estava fugindo porque a Paula atirou no André, por vingança. Após o tiro, saímos correndo e pegamos um taxi rumo ao Galeão. Quando chegamos, tentamos subir, eu consegui, mas a Paula caiu da escada. ( T). Agora sei que estou ferrado.
Policial - A Paula está no hospital, e voce vai direto para um presídio.
Juliano - Certo.

Dias depois...

Cena 3/ Hospital / Quarto de Paula / Manhã/

Paula está internada no hospital. Ela acorda com dores e o medico entra. 
Paula ( Gemendo ) - Hum... Aaaah...
Medico ( Com um prontuário em mãos ) - Como voce está se sentindo?
Paula - Eu estou sentindo dores... Na barriga, no ventre... E em uma das pernas, eu não posso sentí-la... Eu não a sinto...
Médico - Bem... A queda na escada lhe trouxe algumas consequências, lamentavelmente você acabou perdendo o bebê.
Paula ( Preocupada ) - Eu... Eu perdi o meu filho? E a minha perna? O que houve?
Médico - Lamentavelmente tivemos que amputá-la, não tinha mais nada a fazer.

Paula levanta o lençol assustada e vê uma de suas pernas faltando. Ela se desespera. 

Paula ( Desesperada ) - Nããããããããão! Por que fez isso comigo?????
Médico - Como tinha mencionado, não podia fazer nada, os tendões foram seriamente lesionados, além de ter sofrido fratura exposta. Por mais tratamentos que fizesse, nada salvaria...
Paula ( Furiosa ) - Maldita hora que me trouxeram para cá, devia ter me levado à um hospital muito melhor... Isso aqui é uma desgraça, nem perna eu tenho mais.
Medico ( Repreendendo- a ) - Sinto muito por você, mas o dinheiro não pode comprar algumas coisas. Com o tempo poderá andar com uma prótese.
O medico vai embora e deixa um par de muletas para Paula. Em seguida, Carmen aparece para Paula. 

Carmen - Viu o que lhe resultou não mudar? Você está colhendo suas próprias atitudes.
Carmen desaparece e Paula se enche de ódio.
Paula ( Furiosa ) - Malditaaaaaaaaa!
Em seguida ela chora de ódio. 

Cena 4/ Cemitério / Interior / Manhã/ 

Janaina  entra no cemitério com olhar triste e anda em direção à um jazigo, com um buquê de flores. 

Janaina ( Triste ) - Quanta saudade eu sinto de você... O tempo não apaga a falta que tem feito na minha vida... Eu te amo... Te amo tanto... ( Deixa escorrer uma lagrima ). Você sempre estará na minha memória.

Janaina se ajoelha e coloca o buquê de flores. Em seguida faz uma oração e vai embora. 

Cena 5/ Complexo de Jericinó / Interior  / Cela de Jadson / Tarde/ 

Jadson está sozinho em uma cela simples, com paredes sujas e descascando . Ele saca um celular e começa a digitar um numero. 

Ligação on

Jadson - Alô, Bruno? 
Bruno - Jadson? Tu tá ligando da cadeia?
Jadson - Tô, consegui um celular. Como tá a parada aí?
Bruno - Cara, os negócios estão devagar. Desde que você foi preso, diminuiu um pouco. 
Jadson - Então você tem que fazer o seguinte, assume o comando daí, estive preparando voce para isso. A partir de agora você é o Comandante e todos tem que te obedecer... Faça isso que tudo irá melhorar. E guarde meu numero. 
Bruno - Valeu, cara, sempre quis estar no seu lugar. E tome cuidado aí, toca o terror aí que eu fico aqui.
Jadson - Certo cara, tenho que esconder para ninguém ver. 

Ligação off

Jadson - Hahaha... Todos cairão perante os 2 chefes...

Em seguida se deita no banco de concreto. 


Cena 6/Hospital / Interior / Tarde/


Paula está deitada na cama do hospital, olhando para cima, quando alguem bate à porta. É Janaina. 

Paula ( Com ódio ) - O que faz aqui?
Janaina ( Cínica ) - Vim ver como você está... Soube que sofreu um acidente.
Paula ( Levantando o lençol de forma agressiva ) - Aqui! Olha como eu estou! Sem uma perna, por sua, sua culpa!
Janaina ( Séria ) - Não, não é minha culpa. Você mesma se levou a esse destino... Tão arrogante, soberba, tinha prazer em humilhar, era racista e nem ao menos teve pena de sua mãe.
Paula ( Furiosa ) - Sai daqui, sua desgraçada! Eu te odeio, por ser negra, por cruzar o meu caminho, por ter me tirado o André... Caso contrário minha vida estaria perfeita, com o homem que eu amava! E eu com ajuda do meu namorado armamos para você ser presa.
Janaina - Amava? Se amava, por que atirou nele? Pensa que não sei de onde partiu o tiro? ( T). E voce é tão mesquinha que armou para eu ser presa... Saiba que só me deu mais força.
Paula - Eu queria matar você... Mas o André entrou na frente... ( T). E voce me castigou fazendo trabalhar 1 ano como gari, uma reles gari.
Janaina - Não. Não fui eu que te fiz trabalhar. Foi a Lei. Você cometeu um crime, e teve que pagar por isso. Assim como esta pagando por tudo o que fez, a Lei do Retorno existe. ( Cínica ). Adeus Paula.
Paula ( Furiosa ) - Sai daqui!!!!

Janaina vai embora. Furiosa, Paula se levanta da cama, pega as muletas e decide sair do hospital sem recomendação médica. 

Paula ( Furiosa ) - Não vou mais ficar aqui. Vou ter que me acostumar com essas malditas muletas.

Ela abre a porta e caminha pelo corredor do hospital, rumo a saída. 

Cena 7/Ipanema / Restaurante / Interior / Noite /

Ivana esta sentada em uma mesa de um restaurante de Ipanema, sozinha, quando ela encontra um empresário Mohamed ( Kaysar Dadour )  e decide falar com ele. 

Ivana ( Aproximando - se ) - Oi... Voce está sozinho?
Mohamed ( Galanteador ) - Estou sim. Você parece um mulher muito... bonita.
Ivana ( Curiosa ) - Hum... Obrigada... E você é empresário?
Mohamed ( Falando com um certo sotaque ) -Sou sim, trabalho no ramo de... negócios, estou aqui há alguns anos. Morava em Dubai, tenho até casa la.
Ivana ( Interessada ) - Dubai... Deve ser lindo lá, nunca fui... Para ter casa em Dubai, quer dizer que você é rico porque lá é um paraíso.
Mohamed - A minha empresa é no ramo de... de... viagens... Tenho uma empresa que lucra bastante com isso, viagens para o interior e para o exterior.
Ivana ( Tentando seduzí-lo ) - Você também é muito bonito, um arabe... Tenho bastante atração.
Mohamed ( Sorrindo ) - Caraco... Você parece atriz de novela... Vou pagar algo para voce.
Ivana ( Com um sorriso amarelo ) - Muito obrigada. ( Pensando ). Ah... Trouxa... Você está aqui na minha mão...

Cena 8/ Copacabana / Interior / Casa de Paula / Tarde/ 

Usando muletas, Paula entra em casa e dá de cara com a empregada. 

Telma ( Cínica ) - Paula? O que houve com você?
Paula - Amputaram a minha perna e eu perdi o bebê, tudo por culpa daquela desgraçada da Janaina.
Telma - Eu também estou indo embora... Cansei de ser humilhada e maltratada por você. Talvez esse seja o seu castigo, ficar sozinha, sem sua beleza.
Paula ( Em choque ) - Como assim vai embora? Eu não posso trabalhar, não posso fazer nada sem perna.
Telma - Deveria ter pensado antes de ser mesquinha... E a propósito, você me deve meses de salario que não me paga. A sua mãe me pagava pontualmente.
Paula ( Arrogante ) - Minha mãe já tá no caixão, agora eu que importo. Se eu não  pagoé porque não tenho dinheiro.
Telma ( Enfrentando - a ) - Continue assim que cada vez sera pior, a solidão vai aumentar mais e mais... ( Abrindo a porta ) - Adeus!
Paula ( Debochada ) - Nem ligo. Quanto menos gente me incomodando melhor... Comoro uma prótese e tudo bem.

De repente, alguem bate à porta. Paula abre. 

Policial - Paula Leal?
Paula - Sim , sou eu.
Policial - Está presa por tentativa de homicídio.
Paula - (Cínica) Eu não tentei matar ninguém! 
Policial -  Há evidências que comprovam. 

O policial leva Paula presa.

Cena 9/ UFF / Interior / Sociologia / Noite / 


Wesley e Daniela andavam pelo campus da faculdade. 

Wesley - Estamos quase no final desse semestre.
Daniela - Sim... Tivemos um grande aprendizado, nada melhor do que fazermos o que gostamos.
Wesley - Sim... (T) Ficou sabendo do que aconteceu com a Paula?
Daniela ( Curiosa ) - Eu soube por alto, parece que ela caiu e teve que amputar a perna.
Wesley - Exatamente. A Janaina foi vê-la no hospital e parece que esse acidente não adiantou de nada, ela continua com o ódio de antes...
Daniela ( Em choque ) - Eu ... Eu era amiga da Paula, mas depois disso tudo eu decidi largar ela, me afastar. Não quero andar como uma racista, até a Catarina já tava cansada dela...
Wesley ( Refletindo ) - É a realidade... Pessoas que têm todas as oportunidades, acabam estragando a vida... Mas nesse momento não desejo nunca algo como aconteceu com a Paula. Não desejo o mal para ninguém, quero apenas que tudo se resolva.
Daniela - Também penso assim, não devemos encher nosso coração de ódio... ( T ) Desejo aprender Sociologia por isso mesmo, para conhecer todas as classes sociais, todos os fatos...
Wesley - Eu também... Eu me sinto encantado por você... Sua beleza, seu modo de pensar... Você aceita namorar comigo?
Daniela ( Sorrindo ) - Eu aceiro namorar com você.

Wesley e Daniela dão um longo beijo. 

Cena 10/UFF / Interior / Direito / Noite/ 

Elaine encerra a aula na faculdade e decide falar com Janaina. 

Elaine ( Arrumando a bolsa ) - Esse semestre já está quase se encerrando... O que tem achado?
Janaina - Eu tenho achado muito importantes, principalmente que tive que recuperar os conteúdos que perdi quando estava presa, por sorte eu consegui.
Elaine - Está na metade da faculdade, estagio... Logo logo estará prestes a iniciar a monografia, cheia de planos...
Janaina - Além de me formar, um dos meus planos é construir uma familia, assim como a minha mãe, justamente agora que estou prestes a me casar com o André. Por sorte a Paula não conseguiu impedir.
Elaine - Ela já foi presa?
Janaina - Já sim, creio que dessa vez ela não escape. E foi ela que armou para eu ser presa, com o namorado.
Elaine - Isso já configura outro crime, se teve outra pessoa, configura formação de quadrilha. Vão ser anos na cadeia.
Janaina - Paula e Jadson presos, a justiça segue sendo feita...
Elaine - E, eu decidi que... nas próximas eleições eu me candidatarei à vereadora.
Janaina - Vereadora? O ramo político não é arriscado?
Elaine - Pode ser... Mas quero fazer justiça, lutar pelos direitos de todos
Janaina ( Sorrindo ) - Sendo assim, eu apoio então... ( T) Preciso voltar para casa.
Elaine - Certo.

Semanas depois...

Cena 11/ Tribunal / Interior / Noite / 

Juliano está em frente ao júri, prestes a esperar a sua sentença. O juiz pede para que todos se levantem, incluindo o réu. 

Juiz - Juliano Ferreira, 27 anos Brasileiro, Solteiro, é considerado culpado por todos os crimes, tendo que cumprir uma pena de 9 anos por tráfico de drogas, tipificado no Artigo 33; 6 anos por Corrupção Passiva, tipificado no Artigo 137 e 2 anos por Formação de Quadrilha, tipificado no Artigo 288 , totalizando uma pena de 17 anos de prisão em regime fechado.

Juliano ( Com a cabeca baixa ) - Jadson, Jadson, tu acabou comigo...

Em seguida, policiais encaminham Juliano algemado para o presídio. 


Cena 12/ Tribunal / Interior / Noite/

Em outra sessão, Paula está aguardando sua sentença, até que entra o juiz. 

Juiz - Paula Leal, 25 anos, Brasileira, Solteira, é considerada culpada de todos os crimes. Condenada a cumprir uma pena de 6 anos por tentativa de homicídio contra André Rodrigues,presente no Artigo 121; e, 2 anos por formação de Quadrilha , presente no Artigo 288,num total de 8 anos de prisão em regime fechado.
Paula ,( Furiosa ) - Como vou cumprir pena na cadeia, num lugar imundo sem uma perna? Isso é inadmissível, eu nasci e cresci em Copacabana, e não vou ficar com ralé! 
Juiz - A sua pena já foi decidida, e você sera encaminhada à um presídio.
Paula ( Rancorosa ) - Tudo isso é culpa da Janaina, eu a odeio, não a suporto!
Juiz - Levem - na ao presidio!

Os policiais levam Paula, furiosa.

Paula ( Pensando ) - Maldita! Desgraçada!

Meses depois...

Cena 13/Maternidade / Interior / Quarto / Noite / 

Janaina está em um quarto da maternidade, com um bebê  nos braços e recebe a visita de André. 

André ( Sorrindo ) - Já somos pais...
Janaina ( Emocionada ) - Nosso filho é lindo... Um bebê que é fruto do nosso amor...
André - Ele tem as duas características, o que o torna mais especial, além de ser o nosso primogênito.
Janaina - Mal posso esperar para ir para casa com o nosso filho, mostrar ele para minha mae e meu irmão, anunciar o nome que foi escolhido...
André - Vai ser o que você tinha pensado?
Janaina - Vai sim , Augusto, em homenagem ao meu falecido pai... Ele prezava muito a familia, e não podia esquecer nesse momento tão lindo.
André - Eu já o amo... Assim como eu te amo...

Andre e Janaina se beijam. 

Janaina - Não vai segurar o seu filho?
André ( Sorrindo ) - Mas é claro que sim...

André pega o filho nos braços e se emociona.

André ( Olhando o filho com lagrimas nos olhos ) - Oi filho... Augusto... Você terá o nosso amor para sempre...

Cena 14/Complexo de Jericinó / Pátio / Noite / 

Jadson está em um presídio com detentos de vários tipos. Ele está fumando um cigarro, longe dos detentos. Próximo a eles, é possível perceber Juliano falando no celular. 

Ligação on

Bruno - Alô, Juliano?
Juliano - Bruno? O que você quer?
Bruno - Dá um jeito no Jadson, ele não pode continuar atrapalhando os meus negócios.
Juliano - Mas como eu faço isso?
Bruno - Dá seu jeito, mas ele não pode continuar vivo. Aí na cadeia vai parecer acidente.
Juliano - Certo.

Ligação off

Juliano desliga o celular e faz um sinal para os detentos, que se aproximam de Jadson

Detento 1 - Jadson, traficante aqui ... Preso...
Detento 2 - Forte, imponente... Queria que me protegesse...
Jadson - Eu protejo vocês, mas primeiramente eu penso em mim, para meu bem estar...
Juliano ( Cínico ) - Aceita outro cigarro?
Jadson ( Tirando da mão de Juliano ) - Aceito sim.  Pelo menos substitui a droga.
Detento 1 - Pena que logo logo chegará o fim...
Jadson - Fim? Eu nunca terei fim... Meu legado ainda continua.

Um dos detentos saca um canivete e olha com um sorriso sarcástico. Em seguida, crava na barriga de Jadson. 

Jadson - (Com a mão no ferimento) Desgraçado! 

Jadson parte para cima do detento, e lhe dá um soco. O detento cai, com sangue no nariz, porém se levanta. Nesse momento, Jadson começa a perder forças e é golpeado novamente, caindo no chão. 

Jadson - (Com sangue ao lado da boca) Malditos! Vocês irão pagar...Vocês irão pagar pela minha morte... 

Jadson continua a praguejar, até que morre.
 

Juliano e os detentos observam Jadson morto.


Juliano - É isso aí... Adeus, cara!

Em seguida, Juliano e os detentos se afastam.

Cena 15/ Complexo de Jericinó / Ala Feminina /  Banheiro / Manhã/ 

Paula caminha pelo pátio usando muletas, perante o olhar de outras mulheres , negras. 

Detenta 1 - Olha quem vemos aqui... A sacizenta. Hahaha!
Detenta 2 - Tão bonita e não tem uma perna, coitada!
Paula ( Furiosa ) - E vocês? Por que me insultam? Vocês são nojentas, pena que terei que ficar 8 anos com vocês.
Detenta 1 - Coitada... Pena que não será a mesma, tu parece uma alejada, branca azeda.
Detenta 2 -  Voce merece o que aconteceu. Então, limpe esse vaso aqui...

Paula - (Em choque) Limpar esse vaso? Eu não vou colocar minhas mãos nesse lugar imundo...

Detenta 1 - (Sarcástica) Ah... Eu te ajudo... Vai ser moleza. 

A detenta empurra Paula, que grita de ódio. 

Paula - Malditas! Desgraçadas! Nojentas!

Detenta 2 - (Intimida-a) Isso... Vai! O que mais nós somos?

Paula - (Com lágrimas de raiva) Lixo... A escória da sociedade... 

As detentas retiram as muletas de Paula.

Paula - Como eu vou me levantar?

Detenta 1 - (Sarcástica) É só limpar tudo direitinho...

Furiosa, Paula começa a limpar o vaso sujo. 



Dias depois...

Cena 16/ Vidigal / Casa de Leonor / Interior / Sala / Manhã / 

Janaina chega em casa com o pequeno Augusto no colo. 

Janaina ( Emocionada ) - Enfim chegamos...
André - O nosso filho está em casa...
Leonor ( Admirando - o ) - Como ele é lindo... Lembra você quando recém- nascida... Lembro quando trouxe os você para casa com o Augusto...
Wesley ( Brincando ) - Só sei que ele irá aprender bastante coisa conosco, com seu tio...
André ( Sorrindo ) - Ele vai sim, principalmente em relação às diferenças.
Leonor ( Curiosa ) - E, a propósito.. Já escolheram o nome do bebê?
Janaina ( Sorrindo ) - Sim... Decidi que se chamará Augusto, em homenagem ao meu falecido pai.
Leonor ( Com lágrimas nos olhos ) - Augusto? Tenho certeza que o seu pai iria adorar essa homenagem... Agora estará no meu primeiro neto...
André - Eu não cheguei a conhecê-lo, mas parece ter sido um grande homem, pelo que falam dele. ( T). Para mim é uma honra estar na familia.
Wesley- Agora a família está crescendo... E eu com a Daniela, muito bom estarmos felizes.
Leonor - A felicidade dos meus filhos é meu melhor presente. ( T). E, eu havia esquecido de falar... Vou começar a vender bolos.
Janaina ( Animada ) - Que ótima ideia mãe, seus bolos são ótimos.
André - Saiba que terá o meu apoio.
Wesley ( Mudando o assunto ) - E.. E o casamento? Já esta perto.
André - Já temos tudo em mente. Vamos nos casar na Igreja da Penha.
Leonor - Foi onde eu e o Augusto nos casamos...
Janaina - E é o lugar perfeito... E a festa sera no Baile da Gaiola.
Wesley - Adorei!
Janaina - O pequeno Augusto é só começo de nossa felicidade.
André - Com toda certeza...

Os dois se beijam.

Cena 17/ Subúrbio / Casa de Mara e Otavio / Interior / Sala / Tarde/ 

Leandro está em casa reunido com seus pais e o namorado Júlio. Então , ele decide mostrar alguns desenhos. 

Leandro ( Com papéis em mãos ) - Ai ... Estou tão orgulhoso de mim... desenhei meu primeiro traje.
Mara ( Observando os desenhos ) - Parabéns filho! Você é muito talentoso, por sorte pudemos perceber antes.
Otavio - É de se orgulhar ver um filho fazendo o que ama, o que tem vocação. Nós é que fomos tolos e não percebemos.
Julio - Eu e o Leandro estamos decididos a aprender um com o outro... Principalmente com o nosso amor...
Leandro - E eu vejo que também posso ter errado em pensar apenas em mim , depois que me assumi homossexual. Não pensei no choque que meus pais teriam.
Mara ( Refletindo ) - Mas agora tudo está corretamente, familia unida como deve ser.. ( T). E você, Leandro, quero trabalhando no meu salão.
Leandro ( Surpreso ) - Eu? Trabalhar?
Mara - Sim. Uma ótima oportunidade para aprender mais uma profissão.
Leandro - Choquei!
Julio ( Dando risada ) - Agora mesmo que vou cortar cabelo sem pagar. Menos um gasto na vida.
Leandro ( Abraçando - o ) - Te amo tanto...
Julio ( Sorrindo ) - Te amo também, gatinho...
Otavio ( Brincando ) - Olha o ambiente. Haha.
Leandro coloca uma almofada e se tampa. Em seguida dá um beijo em Julio.

Cena 18/Rocinha / Interior / Casa de Bruno / Tarde /

Bruno está em sua casa na Rocinha, na companhia de Katia. Os dois tomam champanhe.

Bruno ( Abrindo uma garrafa ) - Agora estou no comando disso tudo aqui... Daqui não saio, daqui ninguém me tira.
Katia ( Curiosa ) - E... O que aconteceu com o outro?
Bruno ( Desconversando ) - Nada que me possa incriminar... ( T) Mas o que me interessa é você. Você e sua felicidade, novinha.
Katia ( Com olhar sexy ) - Gosto quando me chama assim... Da sua beleza, do seu dinheiro... Tudo seu.
Bruno - Comigo você nem precisa trabalhar, eu darei tudo o que você precisa, gostosa. Aaaah! ( T). E esse pingente de ouro é todo seu, todinho...
Katia ( com o pingente em mãos ) - Que lindo! Adorei! É o que eu sempre quis.

De repente, o telefone toca.

Ligação on

Ivana estava transando com Mohamed .

Ivana - Filha, como está?
Katia - Acabei de ganhar um pingente de ouro.
Ivana - E eu estou na cama do arabe, logo logo vai soltar dinheiro para mim. A gente conseguiu.
Katia - Enfim conseguimos dinheiro! Ishala!

Ligação off

Bruno - Você é tão... Encantadora...


🎶 Ôh novinha, eu quero te ver contente
Não abandona o bonde da gente
Que no Helipa, confesso, tu tem moral
Vinha aqui na favela pra sen-, pra sen-, pra sentar no grau
Pra sen-, pra sen-, pra sentar no grau
Pra sen-, pra sen-, pra sentar no grau 🎶

2meses depois...

Cena 19/ Igreja da Penha / Interior / Noite / 

É dia do casamento de André e a Igreja está toda decorada para a cerimonia. André esta no altar, emocionado, e vê Janaina entrar deslumbrante com Wesley, ao som de Dona de Mim. 

🎶 Me perdi pelo caminho
Mas não paro, não
Já chorei mares e rios
Mas não afogo não

Sempre dou o meu jeitin
É bruto, mas é com carin
Porque Deus me fez assim
Dona de mim
Deixo a minha fé guiar
Sei que um dia chego lá
Porque Deus me fez assim
Dona de mim🎶

Padre - Estamos aqui no Sagrado Matrimônio, para unir esses dois casais. Peço que fiquem de frente um para o outro e dêem as mãos.
Janaina e Andre trocam olhares apaixonados.
Padre - Janaina, você aceita André como seu legítimo esposo, para amá-lo , confortá-lo, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, até que a morte os separe?
Janaina - Aceito.
Padre - André, aceita Janaina como sua legítima esposa, para amá-la, confortá-la , na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, até que a morte os separe?
André -  Aceito.
Padre - O que Deus uniu, o homem não separa. Podem se beijar.

André e Janaina dão um longo beijo, em meio aos olhares de felicidade de todos. 

Cena 20/ Complexo de Jericinó / Ala Feminina / Cela / Tarde / 

Paula está sozinha em uma cela escura, com paredes mal cuidadas. Sentada em um banco, ela olha para fora, mostrando descontentamento com sua situação. 

Paula ( Amargurada )- Castigo... Castigo é o que estou passando... Minha vida foi destruída, tinha tudo... E agora não tenho nada... Minha vida foi por água abaixo, estou destruída... Perdi o filho que esperava, ( Com a mão na perna amputada ) . Perdi minha perna... Estou aqui trancada nesse lugar horrível, esse lugar não é para mim...

Paula se levanta e encosta nas grades. 

Paula - Vou ter que passar anos aqui nesse lugar, atrás das grades, por culpa de você Janaina... Te odeio...

Ela começa a chorar compulsivamente, até se ajoelhar em meio as grades. 

Cena 21/Igreja da Penha / Salão / Noite /

Janaina e Andre estão no salão da Igreja com suas respectivas familias. O salão está com uma decoração simples, mas singela, com varias flores. 

Janaina ( Radiante ) - Enfim pude realizar o grande sonho de me casar...
André - O meu também... ( Abraçando Janaina ) Principalmente sendo com a mulher da minha
 vida, meu amor...
Leonor - A minha felicidade é ver meus filhos felizes, cheio de sonhos e objetivos...
Wanda - Por sorte nunca tivemos problemas coma diferença de classes sociais, o que importa é o amor.
Marcelo - Queremos ver nossos filhos bem, felizes, e vejo que o André já esta encaminhado... Falta o Gael.
Gael ( Rindo ) - Hahaha. Estou me encontrando, pai.
Wesley - Quando quiser podemos ir jogar uma bola.
Janaina ( Sorrindo ) - Que bom ver vocês amigos... Agora a familia está crescendo, assim como a felicidade.
Leonor - Ainda tem o meu neto Augusto, pelo qual me encanto a cada dia... Principalmente em homenagem ao homem que nos ergueu.
Janaina - Sou imensamente grata a ele. ( Olhando para o céu ). Tenho certeza que é ele que nos está proporcionando toda essa felicidade.

Caio ( Chegando com Regina ) - Pensaram que eu não viria?
Janaina ( Abraçando - o ) - A sua presença é muito importante, somos amigos desde a Rocinha.
Regina - Eu só tenho a parabenizar todos por esse casamento, você merece.
Leonor - Fico feliz em ver nossos filhos bem, com objetivos...
Regina - E o Caio... Logo logo vai competir nos torneios de natação.
Wesley ( Sorrindo) - Vou ter um amigo atleta...

André - E , a propósito... Vocês já passaram muito perigo no Vidigal, então vou levar vocês para morar comigo.
Leonor ( Receosa ) - Eu não sei se vou me acostumar. Eu cresci na Rocinha.
André - Eu quero vocês bem e felizes, prometo que vai se acostumar, terão tudo que precisarem.
Janaina ( Sorrindo para André ) - Cada vez me apaixono mais por você...
Wesley (Brincando ) - Bora pra Zona Sul... E bora pro Baile da Gaiola.
Janaina - Só eu mudar de roupa, e...( Ela joga o buquê para trás ).
Leonor ( Emocionada ) - Eu peguei!

Janaina, Andre, Gael, Wesley e Caio rumam em direção ao Baile da Gaiola.  

Cena 22/ Baile da Gaiola / Interior / Noite / 

Janaina, Andre, Wesley, Gael e Caio estão no Baile da Gaiola, curtindo as músicas e comemorando o casamento de Janaina e André.


🎶 Cheiro de perfume bom
Ei, tu tá na gaiola
Cheiro de marola boa
Ei, tu tá na gaiola
Para a malandragem eu ganho
Ei, tu tá na gaiola
Os amigos faturando
Ei, tu tá na gaiola

Vem sentando e rebola
Ei, tu tá na gaiola
Ei, tu tá na gaiola

Sentando, sentando e rebola
Ei, tu tá na gaiola
Ei, tu tá na gaiola🎶

Janaina ( Dançando ) - Amo esse lugar, e nada melhor para comemorar o nosso casamento.
André ( Com um copo em mãos ) - A sua felicidade é minha felicidade, meu amor por você é imenso.
Gael - Por sorte pude recapacitar a tempo de ver meu irmão me casar... Eu sempre quis ir num casamento.
André ( Sorrindo ) - E você ainda vai se casar ... Um dia...
Wesley - O mesmo eu com a Daniela...
Caio - Será que um dia alguem vai me querer?
Wesley - Mas é claro... O amor é independente de tudo... O que importa é o amor...

André percebe Janaina pensativa.
André ( Preocupado ) - Houve alguma coisa?
Janaina ( Refletindo ) - EEstou pensando nos próximos anos, se tudo continuará como agora, com todos nós felizes...
André ( Abraçando - a ) - Com certeza... Nossa felicidade será eterna...

Janaina e André se beijam.
.

5 anos depois...

Cena 23/ Complexo de Jericinó / Exterior / Manhã/ 

Paula está de saída da cadeia, usando muletas. Ela tem uma aparência descuidada, cabelos desarrumados e uma aparência triste. . Ela caminha lentamente, enquanto olha ao seu redor 

Paula. - 5 anos... 5
 anos que passei nesse lugar imundo... 3 anos em que minha vida foi destruída... ( Limpando o rosto ). Janaina... Você venceu, conseguiu me derrotar... E espero jamais cruzar seu caminho...( Pensativa ) O que vai ser de mim? O que vou fazer, sozinha?

Em seguida, Paula começa a andar pelas ruas. 


Cena 24/Parque Aquático / Interior / Manhã/

Caio está em uma competição paraolímpica, com vários atletas. Ele faz uma oração antes de soar o sinal. O mesmo faz a mãe Regina, que assiste a competição.

Regina ( Orando ) - Deus, faça com que o meu filho se saia bem...

Um juiz soa a a buzina e todos os competidores entram na água. Todos começam a nadar com bastante garra, mas Caio se sobressai e larga na frente. Todos na arquibancada torcem pela vitória, até chegar na ultima volta. Caio chega primeiro e é o vencedor da competição. 

Regina ( Emocionada ) - Obrigada, meu Deus...

Em seguida, os três primeiros colocados vão ao podio,, e Caio se emociona ao receber a medalha. 

Caio ( Emocionado ) - Enfim consegui essa medalha... Quero dedicar ela à todos que me apoiaram, em especial minha mãe Regina, que me incentivou a seguir em frente, depois de ficar na cadeira de rodas, por causa da violencia... Eu quero dizer que, nunca desistam dos seus sonhos, pois todos serão vencedores.

Todos aplaudem Caio. Em seguida, ele se encaminha para a arquibancada, onde assiste as outras competições.


Cena 25/Rua / Manhã/

Paula caminha pelas ruas, sem rumo, ela encontra Daniela com Wesley e Catarina, e decide falar com elas. 

Paula - Catarina... Daniela...
Daniela ( De maos dadas com Wesley ) - Paula? O que faz aqui?
Paula - Eu fui solta... E como vêem, estou nesse estado. Vocês me perdoam?
Catarina ( Séria ) - Olha... Voce foi muito arrogante durante a nossa amizade, e ela foi perdida... Tantas declarações racistas, tanta arrogância fizeram você ficar assim, nesse estado.
Daniela - Nem lembra a Paula de antes... Esta derrotada, acabada, tufo por sua arrogância.
Paula ( Fingindo chorar ) - Eu preciso do perdão de vocês, por favor...
Wesley - Olha... Rancor é uma coisa que para nós não existe, mas algumas atitudes não podem ser esquecidas,  então, por favor... Vá embora e nos deixe em paz... 
Paula ( Olhando para baixo ) - Obrigada... Muito obrigada...

Paula sai andando e vaga   pelas ruas, e dessa vez encontra André, que quase não a reconhece. 

Paula - André? É você?
André - Perdão, mas não lembro de você.
Paula - Sou... sou eu, Paula.
André ( Surpreso ) - Paula? 

Ao se dar conta, André vira as costas e vai embora, deixando Paula desolada.

Paula - (Com lágrimas nos olhos) Ninguém... Ninguém quer me perdoar... 


Cena 26/ Auditório / Interior / Manhã / 

Janaina está em um auditório, proferindo seu discurso, ao mesmo tempo que apresenta sua monografia. 

Janaina - Como podemos ver, Os negros ganham menos no Brasil do que os brancos, isso por causa da intensa desigualdade social que assola o nosso país. E nesse meio, precisamos mostrar que não podemos esmorecer, prova disso são todas as personalidades negras do nosso país. Dandara dos Palmares, heroína, uma mulher forte e destemida para o seu tempo, Rosa Parks, ativista, que se negou a ceder assento para um branco, Marielle, uma mulher guerreira, que foi assassinada, mas seu legado continua... E muitas outras mulheres negras que lutam para conseguir seus objetivos. Nunca desistam dos seus sonhos. Muito obrigada.

Janaina é aplaudida.

Semanas depois...



Cena 28/ Faculdade / Interior /Noite / 

Gael está em uma sala da faculdade de Artes Visuais. Ele senta ao lado de uma garota e começa a conversar com ela.

Gael - Oi... Eu conheço você. 
Catarina ( Sorrindo ) - Sou a Catarina, amiga da Daniela, namorada do Wesley.
Gael - Nossa... Que legal... Então vamos estudar juntos na faculdade.
Catarina - Vamos sim... Que bom que também decidiu vir para a faculdade.
Gael - Decidi que queria ter uma formação, já que o André casou, trabalha, tem filhos... Estou trabalhando com o meu pai... E é sempre bom ter um novo amor...
Catarina - O que quer dizer?
Gael ( Sorrindo ) - Hum... Encontrar alguem... Sabe como é... Gostar, amar...
Catarina ( Disfarçando ) - A aula vai começar...
Felipe Vilim - Hum... Acho que o clima está rolando aí...


Cena 29/ Câmara dos Vereadores / Interior / Manhã/ 

Elaine está em uma audiência na Câmara dos Vereadores, debatendo projetos de lei. Então ela começa a falar sobre racismo. 

Elaine -  A vida de uma pessoa negra num país racista como o nosso é completamente diferente de outra não negra. O negro aqui nasce condenado a enfrentar muito mais barreiras, impedimentos e negativas. Em todos os sentidos e quaisquer dimensões da vida. Uma pessoa branca, num país como esse, nasce com muito mais caminho aberto e possibilidades de desenvolvimento.A Lei 7716 foi criada para combater esse crime tão cruel, mas infelizmente não é respeitada...

Todos os parlamentares ouvem atentamente as palavras de Elaine. 


Cena 30/ Copacabana / Casa de André e Janaina / Interior / Manhã/ 

André e Janaina estão sentados no sofá de casa, uma casa bem arrumada e organizada, com amplos espaços. 

André ( Folheando o álbum ) - 5 anos, estamos há  5 anos juntos e felizes.
 Janaína - 5 anos que a minha vida mudou por completo,  não só nós, mas todos ao nosso redor.
André - Quem diria que a sua mãe venderia ótimos bolos?

Flashback on

Vithor - Oi, quais bolos você tem?
Leonor - Tenho de laranja, de limão, abacaxi e chocolate.
Vitor - Beleza, vou querer de laranja.
Leonor - Vou pegar para você.

Flashback off

Janaina - A minha mãe merece, está em um ótimo trabalho... ( T) Também temos que falar do seu irmão. Esse mudou mesmo...

Flashback on

Gael ( Mostrando um trabalho ) - O que achou?
Catarina - Ficou ótimo Gael...
Gael deixa cair e acaricia Catarina.
Catarina ( Surpresa ) - Gael!?
Gael ( Sorrindo ) - Desculpa...
Flashback off

Janaina - Acho que eles vão acabar namorando.
André - Mas continua desmiolado. Hahaha.  Mas o amor sempre existe, até mesmo entre pessoas do mesmo sexo.

Flashback on

Leandro ( Mostrando uma roupa ) - Aí, gato? Que achou?
Julio ( Aplaudindo - o ) - Arrasou! Se fizer maior eu uso.
Leandro - Eu te amo tanto... 

Os dois se beijam. 

Flashback off

Janaina - O amor é um belo sentimento. E melhor ainda quando quem se ama trabalha junto?
André e Janaina comentam o tempo que vivem juntos. Inicia - se um tour pelos personagens.

Flashback on

Wesley e Daniela trabalham na Rocinha

Wesley ( Segurando uma sacola ) - Esses brinquedos vão alegrar as crianças .
Daniela - Tenho me sentido muito bem nesses anos de namoro, um namorado engajado é o que amo.
Wesley - Também te amo muito...

Daniela e Wesley se beijam.

Flashback off

André - As duas amigas da Paula se encontraram, arrumaram alguem, e ela... Sozinha.
Janaina - O ódio e o rancor fizeram ela ter esse fim.

Flashback on

Paula entra em seu quarto, retira a prótese e senta na cama.

Paula - Não aguento... Não aguento mais essa solidão. ( Com lagrimas escorrendo ). Mae, por que não me levou junto... Acho que nem você me quer...

Em seguida se levanta e começa a andar pelos cômodos da casa.

Flashback off

Janaina - Eu desejo do fundo do meu coração, que todas as pessoas encontrem o amor , como nós encontramos.

Augusto aparece.

Augusto - Mamãe!

Janaina - Oi filho, como você está?
Augusto - Bem mamãe.
André - Não vai falar com seu pai?
Augusto - Papai!

André - Nossa familia é linda!
Janaina- Conseguimos... Porque acreditamos na Força de Um Sonho.

André pega um celular.
André - Preparem - se para a foto!

André, Janaina e Augusto tiram uma foto, que encerra a cena.

🎶
  Me perdi pelo caminho Mas não paro, não Já chorei mares e rios Mas não afogo não Sempre dou o meu jeitin É bruto, mas é com carin Porque Deus me fez assim Dona de mim🎶 


FIM

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.