Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Caminhos - Capítulo 14

 

CAMINHOS

novela de MIGUEL VICTOR

direção geral RICARDO WADDINGTON

CAPÍTULO 14

CENA 01. LAN HOUSE. DIA

Edu continua concentrado em seu trabalho, digitando rapidamente no teclado enquanto

navega por diferentes programas e ferramentas de rastreamento. Clara está ansiosa,

observando cada movimento de Edu, esperando por alguma resposta.

Clara: Edu, você está conseguindo alguma informação sobre o IP de JOE?

Edu: Estou fazendo o possível, Clara. Mas lembre-se de que o rastreamento de IP não é

uma ciência exata. Precisamos ter paciência.

Os segundos parecem intermináveis, até que Edu finalmente encontra uma pista.

Edu: Achei algo! O IP que está associado ao perfil de JOE no aplicativo de relacionamentos

parece estar localizado em uma região próxima à cidade. Vou tentar refiná-lo para encontrar

um endereço mais preciso.

Clara segura a respiração, esperando ansiosamente por mais informações.

Edu continua seu trabalho, digitando com agilidade, até que uma nova informação aparece

em sua tela.

Edu: Clara, consegui! O endereço associado ao IP é na Rua das Flores, número 123.

Clara sente um misto de emoções - ansiedade, curiosidade e um pouco de medo. Ela toma

fôlego e se prepara para tomar uma decisão.

Clara: Edu, preciso ver isso por conta própria. Obrigada por me ajudar. Vou lá conferir

pessoalmente.

Edu olha preocupado para Clara, mas sabe que ela está determinada.

Edu: Cuidado, Clara. Não sabemos o que pode estar por trás disso. Se precisar de alguma

coisa, me ligue.

Clara: Pode deixar, Edu. Muito obrigada novamente.

Clara deixa a lan house com uma mistura de ansiedade e determinação, enquanto Edu

observa, esperando que tudo dê certo.

CORTE:

CENA 02. RESTAURANTE. NOITE

Gabriela e Cris sentam-se em uma mesa no restaurante, em meio a conversas animadas ao

redor.

Gabriela: Cris, preciso te contar algo muito importante. Depois de assistir a muitas

reportagens e refletir bastante, eu descobri que sou gênero fluído.

Cris: Gabriela, isso é incrível! Parabéns por se descobrir e aceitar sua identidade. É um

processo libertador, mas também pode ser desafiador. Estou aqui para te apoiar.

Gabriela suspira, aliviada por ter encontrado alguém que entende o que está passando.

Gabriela: Sei que vai ser uma jornada complicada, Cris. Sinto-me animada, mas também

preocupada com a reação das pessoas ao meu redor. Principalmente a minha mãe...

Cris: Entendo sua preocupação, Gabriela. Infelizmente, nem sempre a sociedade

compreende e aceita plenamente as identidades de gênero além da binária. Mas lembre-se

de que o mais importante é ser fiel a você mesma.

Gabriela assente, absorvendo as palavras de Cris.


Gabriela: Uma das primeiras coisas que pretendo fazer é cortar meu cabelo e começar a

usar acessórios que são tradicionalmente associados ao estilo masculino. Quero que minha

aparência externa reflita minha identidade interna. Claro que eu ainda vou usar acessórios

femininos, eu adoro acessórios femininos, mas eu também gosto do visual masculino, vou

juntar os dois...

Cris: Isso é maravilhoso, Gabriela! Posso te dar até umas dicas de visual que são

lindíssimas. Lembre-se de que a forma como você se apresenta ao mundo é uma

expressão importante de quem você é. A transição pode envolver várias etapas, mas tenha

confiança em si mesma.

Gabriela sorri, sentindo-se encorajada pelo apoio de Cris.

Gabriela: Obrigada. Sua presença e apoio significam muito para mim. Ainda há muito a

descobrir e aprender, mas estou pronta para abraçar minha verdadeira identidade.

Cris estende a mão e segura a de Gabriela, transmitindo carinho e solidariedade.

Cris: Sabe, Gabi... Posso te chamar de Gabi?

Gabriela: Pode. Inclusive eu vou preferir ser chamada por esse nome de hoje em diante.

Cris: Bom, Gabi... Pode contar comigo pra tudo. Eu quero que você seja feliz, e que bom

que mais uma pessoa se descobriu, se libertou... É difícil, os julgamentos, comentários...

Mas a felicidade da liberdade... Essa, não tem quem tire da gente.

Gabriela sorri, sentindo-se confiante e fortalecida pela amizade de Cris.

CORTE:

CENA 03. LABORATÓRIO YEDDA. NOITE

Yedda está imersa em seu trabalho no laboratório, rodeada por equipamentos e telas de

computador. Sua expressão revela uma mistura de concentração e melancolia.

Yedda: Milton...

Ela pausa por um momento e olha para uma foto deles juntos, que está em sua mesa. Há

um sentimento de nostalgia em seu olhar.

FLASHBACK:

Milton e Yedda estão sentados no sofá, conversando e rindo. O clima é descontraído e

amoroso.

FIM DO FLASHBACK.

De volta ao presente, Yedda volta sua atenção para o trabalho em LUNNA, mas seus

pensamentos ainda estão com Milton.

Yedda: Eu sei que tomamos caminhos diferentes, mas ainda sinto sua falta. Nossos

momentos juntos foram tão preciosos...

Ela volta a focar na programação de LUNNA, mas sua mente está dividida entre o projeto e

as lembranças de seu relacionamento com Milton.

Yedda: Espero que ele esteja bem. Talvez, um dia, possamos encontrar um novo caminho

juntos...

Yedda volta sua atenção ao trabalho com renovada determinação, mantendo uma

esperança tênue em seu coração.

CORTE:


CENA 04. QUARTO DE GLÓRIA. NOITE

Glória está em frente ao espelho, observando seu guarda-roupa com uma expressão de

indecisão. Rebeca entra no quarto e nota a preocupação da mãe.

Rebeca: Algum problema, mãe?

Glória. Estou um pouco nervosa com esse jantar que vou ter com o seu pai. Não sei qual

roupa usar.

Rebeca se aproxima e começa a analisar as opções de roupas no guarda-roupa.

Rebeca: Vamos dar uma olhada juntas, tenho certeza de que encontraremos algo perfeito

para você.

Glória sorri, agradecida pela ajuda da filha. Elas começam a selecionar algumas opções e

colocam as roupas sobre a cama.

Rebeca: Acho que algo elegante, mas não muito formal, seria ideal. Que tal aquele vestido

azul marinho? Você sempre fica linda nele.

Glória pega o vestido azul marinho e o segura contra o corpo, avaliando a sugestão de

Rebeca.

Glória: Você tem razão. É uma boa escolha. Acho que me sentiria confortável e confiante

com ele.

Rebeca sorri, feliz com a reação positiva da mãe.

Rebeca: Tenho certeza de que você vai arrasar, mãe. O papai vai ficar impressionado.

Glória se aproxima de Rebeca e a abraça com carinho.

Glória: Obrigada, minha querida. Sempre me apoiando. Eu não sei o que faria sem você.

Rebeca: Estou aqui para te apoiar, sempre. Agora, vamos continuar escolhendo o restante

do look para você estar deslumbrante no jantar.

As duas voltam sua atenção para as roupas na cama.

CORTE:

CENA 05. RUA. DIA SEGUINTE

- ATENÇÃO: A PARTIR DE AGORA, GABRIELA COMEÇARÁ A SER CHAMADA DE GABI,

NOME QUE A PERSONAGEM PREFERE SER CHAMADA, COMO FOI DITO NA CENA 02

-

Clara e Gabi caminham lado a lado, em direção ao cabelereiro. Clara parece ansiosa,

enquanto Gabi demonstra curiosidade em relação ao que a amiga tem a dizer.

Clara: Gabi, eu descobri o IP do JOE. Eu sei onde ele mora.

Gabi: Sério? Como você conseguiu?

Clara: Lembra do Edu, aquele amigo que você me recomendou? Ele me ajudou a rastrear o

IP de JOE no aplicativo de relacionamentos.

Gabi: Incrível! E o que você pretende fazer agora?

Clara: Eu quero confrontá-lo, Gabi. Quero entender por que ele me bloqueou e o que ele

realmente é. Se ele é uma pessoa real ou algo mais... complicado.

Gabi: Clara, tenha cuidado. Você não sabe ao certo com quem está lidando. E se JOE não

for quem você espera?

Clara: Eu sei dos riscos, Gabi. Mas preciso descobrir a verdade. Eu não posso ficar nessa

incerteza. E eu queria que você estivesse ao meu lado nessa jornada.

Gabi: Clara, você sabe que eu sempre estarei aqui por você. Se é isso que você quer fazer,

eu vou te acompanhar até a casa dele. Mas prometa que vamos tomar todas as precauções

necessárias, ok?


Clara sorri.

Clara: Obrigada, Gabi. Vamos tomar todas as precauções possíveis. Eu não quero correr

riscos desnecessários.

Elas chegam a um cabeleireiro. Gabi encara e suspira.

Clara: Ei, eu tô aqui, vou te ajudar, e juntas vou te ajudar com todo e qualquer problema que

você tiver.

Gabi sorri e abraça Clara. As duas entram no salão de cabeleireiro.

CORTE:

CENA 06. CABELEREIRO. DIA

Clara e Gabi entram no cabeleireiro. O som das tesouras cortando cabelos e o cheiro de

produtos de beleza enchem o ambiente.

Cabeleireiro: Bem-vindas! Em que posso ajudá-las hoje?

Gabriela: Eu gostaria de cortar meu cabelo, algo mais masculino. Estou pronta para essa

mudança.

Clara olha para Gabi com um brilho nos olhos, cheia de admiração pela coragem da amiga.

Clara: Isso aí, Gabi! Tenho certeza de que vai ficar incrível.

O cabeleireiro acompanha o diálogo e acena em concordância.

Cabeleireiro: Claro. Podemos fazer um corte que realce sua personalidade e esse estilo

mais masculino que você quer. Vamos escolher um estilo que combine com você.

Gabi sorri, confiante em sua decisão.

Gabi: Muito obrigada! Estou ansiosa para essa transformação.

O cabeleireiro guia Gabi para a cadeira de corte, enquanto Clara se acomoda em uma

poltrona próxima para acompanhar o processo. O SOM DAS TESOURAS CORTANDO O

CABELO ecoa pelo salão, enquanto a transformação de Gabi se desenrola. Gabi olha-se no

espelho e um sorriso de libertação surge em seu rosto.

Gabi: Eu me sinto livre, Clara. Essa é a verdadeira versão de mim mesma.

Clara se levanta e se aproxima de Gabriela, abraçando-a com carinho.

Clara: Você está linda, Gabi. E eu estou feliz por fazer parte dessa jornada ao seu lado.

As duas se abraçam.

CORTE:

CENA 07. OFICINA. DIA

A oficina de Juliano está repleta de carros, ferramentas e peças espalhadas pelo ambiente.

Cassandra entra na oficina, exalando confiança e um olhar provocante. Ela caminha em

direção a Juliano, que está concentrado em consertar um motor.

Cassandra: Olá, Juliano. Está ocupado?

Juliano: Cassandra? O que faz aqui?

Cassandra se aproxima de Juliano, movendo-se graciosamente ao redor dele, como uma

pantera cercando sua presa.

Cassandra: Apenas pensei que poderíamos nos divertir um pouco, Juliano. Talvez até nos

ajudar mutuamente.

Juliano parece desconcertado com a atitude sedutora de Cassandra, mas a atração é

evidente em seu olhar.

Juliano: Cassandra, nós não estamos mais juntos, álias, a muito tempo não estamos mais

juntos. O que você quer comigo?


Cassandra se aproxima ainda mais, seus lábios quase tocando os de Juliano.

Cassandra: Eu quero lembrá-lo do que já tivemos, Juliano. Do fogo que ainda queima entre

nós.

Juliano hesita por um momento, seu olhar dividido entre a tentação e a lembrança do

relacionamento turbulento que tiveram no passado.

Juliano: Cassandra, eu não posso negar que sinto algo por você, mas não podemos

simplesmente esquecer o passado e retomar de onde paramos.

Cassandra: Quem disse que estamos retomando? Vamos apenas aproveitar o momento,

Juliano. Sem expectativas, sem compromissos.

Juliano se rende à intensidade do momento. Ele se aproxima de Cassandra e seus lábios

se encontram em um beijo ardente. Eles começam a tirar a roupa e deitam ali mesmo na

oficina, acabam transando.

CORTE:

CENA 08. RESTAURANTE. NOITE

Milton e Glória estão sentados em uma mesa elegante, iluminada por velas. O ambiente é

agradável e tranquilo, perfeito para um jantar romântico. Milton olha para Glória com um

sorriso afetuoso, e ela retribui o olhar.

Milton: Estou feliz por estarmos aqui, Glória. É bom reviver esses momentos juntos.

Glória: Também sinto isso, Milton. É como se o tempo não tivesse passado.

Os dois se envolvem em uma conversa agradável, compartilhando memórias e histórias do

passado. O clima entre eles é leve e descontraído. De repente, Milton percebe algo através

do reflexo no espelho do restaurante. Seu rosto se transforma em uma expressão de

surpresa e constrangimento. Milton vê Yedda entrando no restaurante. Seus olhares se

cruzam por um momento, causando um breve instante de tensão.

Glória: O que foi, Milton? Parece que viu um fantasma.

Milton respira fundo, tentando recompor-se.

Milton: Desculpe, Glória. Aconteceu algo inesperado. É a Yedda. Ela está aqui no

restaurante.

Glória olha na direção indicada por Milton e percebe a presença de Yedda. Ela mantém a

compostura, mas seu semblante revela um certo desconforto.

Glória: Entendo... É uma situação inesperada, de fato.

Milton se sente culpado pela situação e tenta aliviar o clima.

Milton: Glória, prometo que isso não vai atrapalhar nosso momento juntos. Estamos aqui

para desfrutar de um jantar agradável, só nós dois.

Glória olha nos olhos de Milton, compreendendo sua intenção.

Glória: Você está certo, Milton. Não vamos deixar que nada estrague esse momento

especial.

Milton sorri. Glória vira-se e encara Yedda, que se senta em uma mesa não tão longe da

deles.

CORTE;

CENA 09. FACHADA CASA DE YEDDA. NOITE

Clara e Gabi estão paradas em frente à casa de Yedda, olhando para a porta fechada.

Gabi: E agora, o que fazemos? Não tem ninguém em casa, pelo visto.


Clara: Precisamos descobrir onde JOE está. Se ele não está aqui, talvez tenha deixado

alguma pista sobre seu paradeiro.

Gabi olha ao redor, procurando qualquer sinal ou indicação que possa levar a JOE.

Clara: Eu vou atrás do JOE e só vou me aquietar quando eu descobrir porque ele me

bloqueou...

Clara está decidida.

CORTE:

FIM DO CAPÍTULO 14

Tags

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.