Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Primeira Impressão com o Senhor X - Crítica "Divergentes" - Tem2Pro04

 

Saudações! Sejam bem-vindos a mais um Primeira Impressão!

Como vocês estão? Leitores espero que lendo, escritores espero que escrevendo muito... e lendo também. Mas todos espero que estejam bem. Bem o suficiente para acompanhar mais um programa. Vamos lá?!

A crítica de hoje é sobre Divergentes, escrita por Raffa Lins e exibida no Web Novelas Channel. Confiram a sinopse:

“Carla, na sua juventude, foi obrigada a fugir de casa, após seu próprio pai a vender em um jogo de apostas. Sem nenhuma condições, ela se vê desamparada na cidade fictícia de "Nova Era". Mas tudo que parecia estar perdido muda quando ela se depara com Simone, grávida, entrando em trabalho de parto, caída em uma rua vazia. Com a ajuda de Carla, Simone consegue dar à luz seu filho, Vicente. Solidário, Mauro, marido de Simone, emprega Carla em sua casa como empregada doméstica. Dias depois, Carla se envolve com Ivan, um rapaz humilde com quem ela se casa, tendo dois filhos, Renan e Lívia. 23 anos se passam e novos desafios aparecem para Carla. No trabalho, ela é obrigada a passar por situações nada agradáveis por Simone e Vicente, que a qualquer custo a tentam ferir, mas sempre sendo amparada por Mauro, que usa da gentileza a sua forma de tratamento com Carla. Seu refúgio é Renan, seu filho que ela tem o maior orgulho. A história tem como centro a Empresa Dutra, tendo como dono e presidente Mauro, que há anos mantém a Empresa com status multimilionária. Mauro tem um sério problema com seu filho Vicente, onde para ele nunca está bom o suficiente o cargo em que ele exerce, como contador financeiro. A revolta de Mauro pelo seu filho fará com que Vicente não seja tão amigável com as pessoas ao seu redor, tendo assim uma super proteção de sua mãe, Simone, que tem como objetivo ter o seu filho no maior cargo da empresa.”

Ambientado no final dos anos 90, o início do capítulo apresenta ao leitor um interessante conflito familiar que logo se agrava para uma tragédia. E não é preciso muito tempo de leitura para notar a competência do texto em trançar ação e diálogo em uma sintonia que remete às sutilezas e sacadas de roteiros profissionais de TV e Cinema, dando à trama quase todo o necessário para ela fisgar o leitor já de entrada.

Após flagrar as agressões do pai Valdo em sua mãe Nice, a jovem Carla intervém na situação e, com a ajuda da mãe, foge de casa, pois descobrira que o pai a apostou em um jogo com um fazendeiro e perdeu. Na manhã seguinte, com a garota já distante, o tal fazendeiro, ou algum capanga seu (o texto não esclarece), vai até a casa da família atrás de seu “prêmio” e, na falta do mesmo, assassina Valdo e Nice em uma cena espetacular, pois Nice não esboça reação com a morte do marido e, antes de também ser atingida pelo disparo, ainda oferece uma xícara de café ao assassino e lhe dá as costas com um sorriso; a verdade é que Nice já estava em paz sabendo que a filha não mais corria perigo de entregar sua juventude a um velho corrupto. Que início de capítulo, não é mesmo? O que poderia então dar errado?

A falta de propósito. Acontece que conforme o leitor prossegue leitura, novas histórias vão sendo apresentadas, mas sem muita coesão. De início ainda vemos o desenrolar da vida de Carla até cruzar com a grávida Simone, a quem ela ajuda e, por recompensa, ganha a função de empregada na casa do casal. Mas após 17 anos se passarem e a trama chegar à “atualidade” (entre aspas pois se trata de 2020), os conflitos na vida de Carla parecem nulos. Bem casada, no mesmo emprego de antes e se preocupando apenas com as rabugices da filha Lívia e com o aniversário de 18 anos do filho Renan. Bom, como uma novela jamais se sustentaria apenas com isso, é apresentado então o drama do mesmo Renan que, sendo gay, é perseguido pelo arrogante Vicente, filho dos patrões de Carla, e leva uma surra no dia de seu aniversário, chegando na festa surpresa organizada pela sua mãe cheio de machucados, surpreendendo a todos ao invés de ser surpreendido.

E aqui não podemos dizer que essa não é uma boa linha narrativa, é sim. Mas vejam bem, estamos falando de um capítulo de estreia, que por natureza precisa apresentar uma coesão em termos de trama, que precisa nortear todo o restante da obra. E após a leitura desse capítulo o leitor não sabe dizer qual será a história principal da novela, pois a história começa em uma estrada, mas lá pelo meio faz uma curva acentuada pegando outra estrada, indo para outro sentido completamente diferente. O início não conversa com o final. Afinal, o que virou do passado de Carla? Se enxergarmos a história de Renan como a principal da novela, então o passado de Carla foi colocado sem propósito algum, pois não levou a nada e não fez nenhuma diferença em sua trama na “atualidade”. E se vermos Carla como a protagonista absoluta, bem, o capítulo terminou sem um conflito sobre ela, ainda que a agressão sofrida pelo filho mexa diretamente com ela.

            A estreia não fica isenta de outros erros bobos, como Simone perguntando a Carla se ela está gostando de trabalhar ali para logo depois ignorar a resposta grata da garota. Se Simone não se importa e até flerta com o destrato, por que a pergunta? Parece mais um recurso do texto a fim de expor ao leitor a situação da protagonista. Da mesma maneira Vicente, que cresceu vendo Carla trabalhar em sua casa, de repente, depois de 17 anos, reclamar da mesma “querer conversar com os patrões”, apenas para mostrar como ele é uma péssima pessoa. Nesse caso, a sutileza teria sido bem-vinda.

            Muito da qualidade que o autor viria a imprimir tempos depois em Outros Tempos já se apresenta aqui. Mas como puderam perceber, o maior pecado dessa estreia é a desconjuntura entre as duas principais histórias apresentadas, a falta de encaixe, a ausência de uma narrativa clara e sólida preenchendo o capítulo do início ao fim. Pois se pegamos essas duas peças e as analisamos isoladamente, podemos constatar que são boas peças, boas obras, mas que não tiveram a felicidade de serem bem-dispostas. Daí o título “Divergentes”? Duvido.





Novela: Divergentes

Autor: Raffa Lins

Capítulos: 28

Emissora: Web Novelas Channel

Clique aqui para ler o 1° capítulo

Saiba mais sobre a novela


Quem aqui já leu a novela? Não deixem de comentarem o que acharam dela e da minha crítica nos comentários abaixo.

Se alguém tiver perdido o programa da semana passada, basta clicar aqui para lê-lo. E para sugestões de novas webs para eu criticar, basta colocarem logo abaixo nos comentários, tudo bem?

Pois então é isso, queridos mancebos. Se cuidem, fiquem sempre atentos e tenham uma ótima semana até o próximo domingo!

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.