Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Amor Astral - Capítulo 17 (Reprise)

 


Capítulo 17 (Semana Especial) – Beto vê Orlando pela primeira vez.

- No capítulo anterior:

ORLANDO: Nunca, eu não vou sossegar enquanto não tirá-lo da vida dela. Esse homem não vai ficar com tudo o que é meu, eu não irei aceitar isso jamais.

ADELAIDE: Você não deve odiá-lo, você e ele possuem uma ligação fortíssima e tudo isso está se acertando agora, não tente impedir o destino.

ORLANDO: Eu não tenho ligação alguma com aquele canalha!

ADELAIDE: Você tem e se continuar assim, não terei outra alternativa a não ser lhe contar.

ORLANDO: Eu já sei, pensa que sou idiota? É o coração, ele recebeu o meu coração no transplante após a minha morte, preferia ter sido baleado no coração, só pra não salvar a vida desse miserável.

ADELAIDE: Você realmente não sabe o que diz, Orlando! (Conclui).

----
BETO: Te julgar? É impossível com tantas qualidades.

BEATRIZ: Você acha isso mesmo?

BETO: Se eu fosse falar tudo o que eu acho sobre você seria tempo suficiente de você tomar todo o estoque de sorvete desse lugar.

BEATRIZ: Você gosta de mim, Beto?

BETO: Como eu posso dizer que não? Até as formigas dessa cidade saberiam que eu não estou dizendo a verdade. Respondendo a sua pergunta, sim, eu gosto de você. E você gosta de mim?

----

VERA: Ah, amiga da faculdade! Bom senhorita, eu sinto muito, a Beatriz está trabalhando em um projeto especial fora da cidade, mas se quiser eu posso te passar o número do celular dela, tenho certeza de que ela também gostará de falar com você.

CAROLINA: Claro, seria ótimo. Ah próposito, em que cidade ela está mesmo?

VERA: Na cidade de Correntes, fica pertinho de carro... Foi lá que ela cresceu!

CAROLINA: (Fala consigo em pensamento) Te achei!

- Fique agora com o capítulo de hoje!

Cena 01 – Divina [Interna/Manhã]


VERA: Então senhorita, conseguiu anotar tudo?

CAROLINA: Perfeitamente, fico muito agradecida pela informação. Certamente a Beatriz ficará muito feliz quando souber que você serviu como ponte para o nosso reencontro.

VERA: Assim eu espero!

CAROLINA: Até logo! (Diz ao desligar). Bom, agora eu vou até você e me livro do meu marido de uma vez por todas, já que o imbecil do Alberto não conseguiu, eu conseguirei... Ou eu não me chamo Carolina Torres Montenegro.

Cena 02 – Sorveteria [Interna/Manhã]


BETO: Gosta ou não gosta? (Questiona).

ORLANDO: (Senta ao lado de Beatriz) Não, ela não gosta. Não tem porque gostar, ela só ama um homem e esse homem sou eu.

BEATRIZ: Se eu gosto de você? Eu não sei, estou confusa... Mas eu acho que sim, eu achou confusa, não sei se devo!

ORLANDO: Não, você não pode gostar dele, você me ama...

Música da cena: Pecado É Lhe Deixar De Molho - Silva

BETO: Eu entendo você e sei que precisa de tempo para reorganizar as coisas consigo mesma, eu vou esperar! (Coloca a mão sobre a mão de Beatriz).

BEATRIZ: Obrigada, você é um homem muito especial. Sinto que já conheço você há bastante tempo e isso me traz muita confiança e segurança.

BETO: Eu irei ficar ao seu lado e te protegerei de tudo, nunca duvide disso.

Cena 03 – Hospital de Correntes [Interna/Manhã]
(Guilherme encontra o médico responsável pelo caso de Beto quando ele chegou a cidade).


GUILHERME: Eu me chamo Guilherme Vieira, sou jornalista investigativo e estou tentando descobrir novidades sobre o caso de um paciente que o senhor atendeu aqui há algum tempo atrás. (Estende a mão para o médico).

MÉDICO: Marcos Coutinho, clinico geral. (Aperta a mão de Guilherme). E que paciente seria esse? Preciso de mais detalhes, é que passam tantos casos aqui diariamente, não é tão simples de decorar.

GUILHERME: Ele deu entrada aqui após um atropelamento e foi diagnosticado com amnésia, foi a minha amiga que o trouxe, Beatriz Grimaldi.

MÉDICO: Beatriz Grimaldi? É acho que eu me lembro dela, ela também é jornalista, não é?

GUILHERME: Exatamente, precisamos encontrar a família desse homem, queremos muito ajudá-lo a colocar a cabeça no lugar, entende?

MÉDICO: Eu me lembro dele, caso díficil. Amnésia não dura um tempo estimado, nunca temos como prevê quanto tempo ela irá persistir, mas tem uma coisa nele que me chamou muita atenção.

GUILHERME: O que? Qualquer detalhe pode ser útil e pode ligar a outros fatos, pode falar.

MÉDICO: Ele tinha uma cicatriz considerável no peito.

GUILHERME: Cicatriz? O senhor poderia lembrar qual o tipo de ferimento? Bala, arma branca?

MÉDICO: Eu não diria ferimento, pelo tipo de cicatriz, eu diria que foi uma incisão cirurgica.

GUILHERME: Incisão? Estranho... Do que será que ele teria sido operado?

MÉDICO: Existem algumas possibilidades, eu sugiro algum tipo de problema do coração, transplante...

GUILHERME: Transplante?

MÉDICO: Se for transplante mesmo, é fácil... Só existe um local onde é realizado esse tipo de procedimento, o Hospital Arlindo Dutra, em Recife. Depois é só tentar localizar a ficha, geralmente tem fotos e todo um dossiê, só que tem um porém, é sigiloso e provavelmente não irão te fornecer.

GUILHERME: Isso o senhor pode deixar comigo, eu dou um jeito de descobrir.

Cena 04 – Casa de Luiza [Externa/Tarde]
(Beto e Beatriz caminham até chegar a casa de Luiza, antes de entrar permanecem por mais alguns instantes conversando do lado de fora).

BEATRIZ: Foi divertido, não foi? Também com esse calor, um sorvete fez muito bem.

BETO: Um só? Você tomou três que eu vi.

BEATRIZ: Você estava contando quantos sorvetes eu tomei? Tá me achando gorda, é?

BETO: Estou brincando, você está ótima, mais linda cada dia mais.

BEATRIZ: Você me elogia tanto, vou acabar ficando acostumada e isso não é bom.

Música da cena: Pecado É Lhe Deixar de Molho - Silva

BETO: (Se aproxima de Beatriz) Estar com você não tem como não ser bom! (Beatriz e Beto se beijam novamente).

ORLANDO: (Observa a cena com expressão de ódio).



Cena 05 – Casa de Luiza [Interna/Tarde]
(Beto e Beatriz são recebidos por Luiza assim que entram em casa).

LUIZA: Até que enfim vocês chegaram, achei que iriam levar a sorveteria a falencia com essa demora toda!

BETO: Eu vou para o meu quarto, depois nos falamos. (Beto sai da sala).

BEATRIZ: Ah tia, foram só alguns sorvetes...

LUIZA: E aconteceu mais alguma coisa ou é impressão minha? Vocês dois estão com uma carinha feliz.

BEATRIZ: Você hein, tia? Que coisa! (Sorri e tenta disfarçar).

LUIZA: Você tem visita, tá lá na cozinha, vai ver quem é...

(Beatriz caminha apressada até chegar a cozinha da casa da tia).

BEATRIZ: Guilherme, que surpresa boa!

GUILHERME: Vim matar a saudade. (Os dois se abraçam).

Cena 06 – Ruas de Correntes [Externa/Tarde]
(Serena e Dona Cissa caminham pelas ruas da cidade).

DONA DA CISSA: Eu não sei, não... Estou achando que você está arreada pelo peão do haras, ele só quer saber de você... Sabe Deus o que fazem naquele quarto, só se escutam os gritos dele...

SERENA: O Israel é um fofo e o que nós fazemos naquele quarto é um segredo nosso e que eu irei levar para o túmulo, enquanto isso não acontece, eu levo para o meu quarto. (As duas riem).

DONA CISSA: (Fica com o olhar distraído de repente).

SERENA: O que foi Cissa? Ficou calada de repente.

DONA CISSA: Nada não, eu só tive a impressão de ver alguém conhecido, mas foi muito rápido. Enfim, deixa pra lá e vamos para casa!

SERENA: Melhor mesmo, vamos!

DONA CISSA: Vamos! Sobre o que estávamos falando mesmo?

(Cissa e Serena seguem para casa enquanto conversam).

Cena 07 – Casa de Luiza [Interna/Tarde]
(Beatriz, Luiza e Guilherme conversam enquanto tomam café).

GUILHERME: Apaixonada?

LUIZA: Vou ter que dizer com todas as letras? Ela está completamente apaixonada, só não se decide.

BEATRIZ: Gente, alô! Eu estou aqui, sabiam? E depois quem foi que disse que eu não me decidi?

LUIZA: O que? Não me digam que...

GUILHERME: Está estampado na cara dela, está rolando não é?

BEATRIZ: Está, está sim... Acho que agora vai, eu me sinto tão bem na presença dele e ele me faz tão bem, mas é meio estranho as vezes.

GUILHERME: Estranho? Não entendi o que tem de estranho nisso.

BEATRIZ: As vezes parece que ele e o Orlando são a mesma pessoa. Gostos parecidos, hábitos parecidos, tanta coisa me leva a pensar isso, fora que as vezes eu meio que sinto a presença dele, mas deixa para lá, isso é bobagem da minha cabeça.

LUIZA: Realmente, essa história não tem nem pé, nem cabeça.

GUILHERME: (Fica pensativo com o que Beatriz acabara de dizer).

(Enquanto isso, no quarto de Beto).

BETO: (Está parado de frente para o espelho se olhando, enquanto relembra do beijo com Beatriz, quando de repente sente uma forte dor de cabeça, seguido por um flashback desconexo).

Flashback:

(É noite, Beto está próximo da beirada de um precipício enquanto ouve a voz de um homem gritar com ele, em seguida, ele é empurrado rumo ao fundo do precipício e grita).

Fim do Flashback:

BETO: Não! (Assusta-se e nesse momento se olha novamente no espelho, vendo um homem logo atrás dele, é Orlando) Quem é você? Quem é você? (Repete insistentemente, porém Orlando não responde).

Cena 08 – Haras Ferraz [Interna/Tarde]
(Clarissa entra sorrateiramente no estábulo com uma cesta em uma das mãos, enquanto na outra carrega uma bolsa com alguns livros).

CORUJA: Você veio! (Fica alegre em revê Clarissa).

CLARISSA: Não achou que eu não fosse voltar, achou? Eu trouxe sua comida e como prometido, uns livros para começarmos as nossas aulas, agora come logo pra gente poder começar.

CORUJA: Está bem! (Abre a cesta e começa a comer enquanto é observado por Clarissa).

SEVERINO: Então são vocês dois que estão fazendo bagunça no alojamento dos cavalos? (Diz ao abrir a porta e surpreender os dois).

Cena 09 –  Cobertura Montenegro [Interna/Noite]
(Rangel entra na cozinha e observa Doralice)
Música da cena: Cremosa – Banda Uó

DORALICE: (Com um celular na mão, Dora imita Carolina) Oi Dodômores, como vocês estão? Aqui é a Doralice, Dora ou Dorinha para os intimos, a doméstica influencer, hoje eu vou fazer um tutorial de como lavar louça rapidamente enquanto prepara o jantar...

RANGEL: (Tosse para que Doralice perceba sua presença) O senhor Alberto está na sala, você deve servir o jantar imediatamente, vai criatura!

(Na sala de jantar).

ALBERTO: (Observa Doralice colocar os pratos na mesa e estranha que ela só arruma o seu lugar) Ué, eu vou jantar sozinho? Porque não colocou o lugar da Carolina?

RANGEL: A senhora Carolina saiu no ínicio da tarde e até agora não voltou, senhor. Ela disse que iria demorar e que não era para ninguém esperá-la.

ALBERTO: Ah foi? Está bem, pode servir o jantar... (Alberto disfarça, porém estranha e pensa no que Carolina poderia estar aprontando).

Cena 10 –  Casa de Benedito [Interna/Noite]
(Benedito fuma seu cachimbo na varanda quando é surpreendido por uma visita inesperada).

BENEDITO: Ah, enfim você chegou... Eu sabia que você viria! (Diz enquanto está sentado na cadeira de balanço, de costas).

BETO: Eu o vi, ele estava logo atrás de mim no espelho... Quem é esse homem? O que ele quer de mim e o que eu fiz para que ele me persiga? (Questiona ao se aproximar).

BENEDITO: Senta, precisamos conversar! (Diz ao se virar, ficando de frente para Beto).  

A câmera foca em Beto de pé encarando Benedito, a cena congela e o capítulo encerra com o a tela azul da cor do céu.



Trilha Sonora Oficial, clique aqui.

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.