Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Amor Astral - Capítulo 34 (Reprise - Últimas semanas)

 



Capítulo 34 (Últimas Semanas)

- No capítulo anterior:

EULÁLIA: Mamãe eu já estou bem crescidinha para tomar as minhas decisões e enquanto a você grosseirão, você não manda em mim. Não é meu pai, muito menos o meu marido, não tem direito de opinar sobre a minha vida...

SEVERINO: Não seja por isso, tá resolvido o seu problema.

LAURINHA: Está?

SEVERINO: Eu vou casar com a sua filha, ela não há de virar quenga! (Conclui).

----
DONA CISSA: Eu não sou uma mulher de rodeios, por isso serei bem clara. Eu sei quem pegou a sua filha e tentou fazer aquela maldade com ela.

BEATRIZ: Sabe? Então me diga quem foi...

DONA CISSA: Eu vou te contar a história do começo! (Cissa então começa a contar toda a história de como conheceu Carolina, a ligação dela com Iara e suas aparições na cidade).

----
CADU: Eu estava procurando a Beatriz, não a encontro em nenhum lugar. A senhora sabe onde ela está?

LUIZA: Não, eu achei que ela estivesse com você...

CADU: Não, eu fui até a lanchonete comer alguma coisa, ela disse que viria para cá!

LUIZA: Que estranho, onde será que ela está?
----
CAROLINA: (Acorda atordoada) O que é isso? Que invasão é essa? Ficou maluca?

BEATRIZ: Desculpe acordar a rainha da internet, mas eu precisava fazer essa visita!

CAROLINA: Era só o que me faltava, uma maluca invadindo a minha casa. Eu vou te chamar a polícia! (Carolina levanta da cama e veste seu hobby). Você vai voltar para a cadeia, sabia?

BEATRIZ: Eu não vou a lugar algum... Aliás, eu vou te ensinar a nunca mais mexer com o filho de ninguém!

CAROLINA: Que história é essa?

BEATRIZ: Não tá lembrada? Eu vou refrescar a sua memória, isso aqui é por você ter colocado essas suas patas sujas na minha filha, sua doente! (Beatriz dá um tapa na cara de Carolina que cai no chão).

- Fique agora com o capítulo de hoje!

Cena 01 – Cobertura Montenegro [Interna/Manhã]

CAROLINA: Você ficou louca? Eu vou acabar com você, eu vou te colocar na cadeia, você vai ter a sua carreira destruída depois disso e não vai conseguir emprego nem para escrever obituários! (Dispara).

BEATRIZ: Ah, é? Você vai me colocar na cadeia por isso? Então me deixa reforçar os seus motivos... (Beatriz parte para cima de Carolina e a agarra pelo cabelo).
(Do corredor, Doralice e Alberto acompanham a confusão aos gritos e desesperados, pois não sabem se entram no quarto ou simplesmente ignoram o que está acontecendo).

ALBERTO: Mas que feira é essa? Que gritaria é essa, gente? (Questiona ao sair do quarto).

RANGEL: É a jornalista com quem o seu irmão se envolveu, ela entrou aqui furiosa e as duas estão lá dentro, não sabemos o que fazer...

(No quarto de Carolina).

BEATRIZ: (Derruba Carolina no chão e sobe em cima dela) Você vai aprender a nunca mais tocar na minha filha, sua psicopata! (Beatriz dá sucessivas bofetadas no rosto de Carolina).

CAROLINA: Me larga... Me larga! (Grita em meio as bofetadas).

(No corredor).

DORALICE: Não está na hora de arrombar essa porta? Elas duas vão se matar.

RANGEL: Eu também acho senhor, precisamos intervir! (Responde em meio aos gritos de Carolina por socorro).

ALBERTO: Você tem razão, afastem-se! (Alberto chuta a porta do quarto e a arromba).

CAROLINA: Me solta sua vaca! (Grita).

(Alberto tira Beatriz de cima de Carolina e a segura, em seguida Rangel segura Carolina).

ALBERTO: Mas o que é isso? Vocês ficaram loucas?

CAROLINA: Chama a polícia, eu quero essa desgraçada na cadeia... Eu vou te denunciar por lesão corporal.

BEATRIZ: Não precisa se dar ao trabalho, eu já fiz o que tinha de fazer aqui. Pode me soltar... (Alberto solta os braços de Beatriz).

CAROLINA: Saiba que você vai pagar caro cada tapa que me deu...

BEATRIZ: Eu não tenho medo das suas ameaças Carolina! A justiça pode estar cega ao seu respeito, mas eu vejo muito bem quem você é verdadeiramente. Você pode achar que pode brincar com a vida das pessoas, mas você não vai fazer isso com as pessoas que eu amo. Encosta na minha filha de novo e eu sou capaz de te matar, entendeu? Eu mato você! (Beatriz pega a bolsa que deixou cair no chão e vai embora, mas antes de sair no quarto, ela olha para trás). Ah, se eu fosse você eu colocava um gelinho nesse rosto... Vai ficar roxo e vai ser difícil gravar seus vídeos assim! (Vai embora).

(Rangel e Doralice permanecem olhando para Carolina chocados com o que acabaram de presenciar).

ALBERTO: Olha, eu preciso admitir... Jamais pensei que a jornalista fosse tão boa de briga, ela acabou com você... Olha só o seu estado!

CAROLINA: O que estão esperando para sair daqui? Vão embora, saiam do meu quarto, saiam! (Aos empurrões, Carolina expulsa Alberto, Rangel e Doralice do seu quarto). Isso não vai ficar assim, não vai!

Cena 02 – Ruas de Correntes [Externa/Manhã]
(De óculos escuros e roupa justa, Iara deixa a padaria do centro da cidade com uma sacola de pão em uma das mãos).

IARA: (Após rever alguém conhecido, Iara abaixa o óculos) Não! Eu não acredito no que eu estou vendo... (Iara corre e atravessa a rua). Coruja? (Grita).

CORUJA: (O menino que estava na porta da escola acompanhado de Tobias) Iara!

TOBIAS: Você conhece essa mulher? (Questiona).

IARA: Que coincidência, como você veio parar aqui? (Se aproxima do menino).

TOBIAS: Eu conheço você de algum lugar... (Diz após Iara se aproximar).

IARA: (Percebendo que Tobias estava prestes a lhe reconhecer, tenta disfarçar) Não, acho que o senhor deve estar enganado, eu não te conheço... Com licença, preciso ir...

TOBIAS: Não, espera... Vamos conversar!

IARA: (Corre e some no fim da rua).

TOBIAS: (Relembra de uma noite em que estava no cabaré de Cissa na companhia de Carolina e ela lhe apresentou Iara como sua amiga) É ela, a desgraçada! Escuta moleque, de onde você conhece essa mulher?

CORUJA: Conheço sim, ela é filha da mulher que me criou.

TOBIAS: A mesma que você disse que te explorava e te obrigava a trabalhar?

CORUJA: Hunrum, ela mesma. (Responde).

(Distante da escola e ainda surpresa com o reencontro, Iara não perde tempo e resolve contar a novidade para a pessoa mais interessada).

IARA: Cacau? Tenho uma bomba para te contar, mas antes de te dizer, saiba que vai custar caro essa informação, entendeu? (Diz ao falar com Carolina no celular).

Cena 03 – Hospital de Correntes [Interna/Manhã]
(Na UTI e entubada, Luciana recebe a visita de Carina).

INSPETORA CARINA: Mãe, a senhora precisa ficar boa logo... Eu sinto muito a sua falta, a senhora não sabe o quanto me dói te ver assim... (Chora). Eu não vou sair do seu lado, eu juro! (Carina segura a mão da mãe e em seguida, cuidadosamente pousa sua cabeça sobre o peito da mãe).

Cena 04 – Casa de Benedito [Interna/Manhã]
(Enquanto amamenta Alice, Beatriz e Clarissa conversam).

CLARISSA: Você bateu nela? (Questiona surpresa com o que acabara de ouvir).

BEATRIZ: Bati, mas bati tanto que deixei a cara dela vermelha. Desgraçada, psicopata teve a coragem de colocar as patas sujas em cima da minha filha, mas ela já foi avisada, se ela tocar na minha filha de novo eu a mato com as minhas próprias mãos.

CLARISSA: E você a ameaçou assim, na frente de todo mundo e no território dela?

BEATRIZ: Sim!

CLARISSA: Você não deveria ter feito isso, ela pode usar isso contra você no processo, Bia!

BEATRIZ: Eu não tenho medo daquela mulher e tem mais, vou dar um jeito de provar que ela está metida nisso até o pescoço. Enfim, você tá com uma cara estranha, aconteceu alguma coisa?

CLARISSA: Sim e não... Na verdade eu gostaria de te fazer umas perguntas!

BEATRIZ: Pode perguntar.

CLARISSA: Como foi quando você descobriu que estava esperando a Alice? Teve algum sintoma ou...

BEATRIZ: (Interrompe Clarissa) Não, para! Não me diga que você...

CLARISSA: Eu não sei, geralmente nunca atrasa e dessa vez atrasou alguns dias, mas pode ser qualquer coisa.

BEATRIZ: Inclusive gravidez. Só tem uma forma de descobrir, fazendo um teste!

CLARISSA: Eu já comprei, só não tive coragem de fazer antes. (Diz ao tirar a caixinha da bolsa com um teste de farmácia).

(Algum tempo depois, Clarissa está no interior do banheiro e Beatriz parada do lado de fora).

BEATRIZ: E então, vai demorar? Estou curiosa! (Questiona encostada na porta).

CLARISSA: (Abre a porta do banheiro e sai) Eu não tive coragem de olhar, toma! (entrega o teste).

BEATRIZ: É, não resta mais dúvida... Você e o Tobias terão um filho! (Diz ao olhar o teste).



Cena 05 – Haras Ferraz [Externa/Manhã]
(Cadu visita o haras para recordar o tempo trabalhando no local).

TOBIAS: Mas que honra você aqui e que reviravolta a sua vida passou nos últimos dias!

CADU: É verdade, não imaginei que tudo fosse terminar desse jeito...

TOBIAS: Agora que você é um homem rico, imagino que não precise mais trabalhar.

CADU: Engano seu, agora que é necessário para trabalhar e manter as coisas como estão.

TOBIAS: Então podemos colocar em prática algo que nós combinamos há um certo tempo.

CADU: O que?

TOBIAS: Se você pretende se tornar um homem do campo e continuar nesse lugar, precisa aprender a andar a cavalos e aqui é um haras, melhor lugar do mundo para isso. O que acha de darmos uma volta pela fazenda?

CADU: Eu acho ótimo!

TOBIAS: Vou pedir para o Israel celar um cavalo e sairemos em seguida.

Cena 06 – Casa de Benedito [Interna/Tarde]
(Clarissa anda de um lado para o outro em seu quarto enquanto é observada por Beatriz).

BEATRIZ: E então, já decidiu o que vai fazer?

CLARISSA: Eu não sei, sinceramente eu não sei!

BEATRIZ: Que tal começar contando ao pai da criança? Tenho certeza de que ele ficará muito feliz com a notícia.

CLARISSA: E se ele achar que eu fiz de propósito só para amarrá-lo?

BEATRIZ: Então isso só vai mostrar que ele não é bom para você, apesar de que eu duvido que ele faça isso.

CLARISSA: Está bem, eu vou contar!

Cena 07 – Cobertura Montenegro [Interna/Tarde]
Música da cena: Cremosa – Banda Uó
(Doralice tira a poeira dos móveis enquanto dança ouvindo música no celular).

CAROLINA: Era só o que faltava, bailarina de FitDance da terceira idade! (Diz enquanto desce a escada).

DORALICE: (Tira o fone de ouvido ao perceber a presença de Carolina) Dona Carolina, eu nem vi que a senhora estava aí...

CAROLINA: Eu percebi, bem que dizem aquele ditado que quando o patrão sai, os ratos fazem a festa. Eu vou sair, não tenho horas para voltar, entendido?

DORALICE: Está bem, mas para onde a senhora vai caso alguém pergunte?

CAROLINA: Caso alguém pergunte, você responde o mesmo que eu falo para vocês: “Não é da conta de ninguém”. (Pega a bolsa e sai de casa).

DORALICE: Surucucu, o que é seu tá guardado! (Pega o espanador e vai dançando para a cozinha).

ALBERTO: (Após perceber que não tem mais ninguém na sala, Alberto abre a porta do escritório) Que bom que resolvi não ir ao escritório hoje, essa daí está aprontando de novo, não posso perder de vista se não me rouba tudo... Vamos ver onde ela vai! (Alberto pega as chaves do carro e sai logo em seguida).

Cena 08 – Casa de Laurinha [Interna/Tarde]
(Eulália desce até a mercearia e encontra Laurinha acertando alguns detalhes do casamento com Severino).

EULÁLIA: Vocês dois não se desgrudam mais!

LAURINHA: Filha! Estamos acertando alguns detalhes do casamento, venha aqui dar uma olhada...

EULÁLIA: Vocês ainda não se atentaram a um mero detalhe em meio a tudo isso.

SEVERINO: Que detalhe?

EULÁLIA: Que eu não vou casar, principalmente com um homem cheirando a cavalos.

LAURINHA: Ah, mas você casa, casa nem que seja amarrada e eu te leve amordaçada até o altar. Você vai casar ou eu não me chamo Laura Maria Pedrosa!

SEVERINO: Você vai casar comigo, não tem mais como voltar atrás...

EULÁLIA: Veremos, veremos!

Cena 09 – Haras Ferraz [Interna/Tarde]
(Após Carolina estacionar o carro e descer, Alberto se aproxima logo em seguida).


ALBERTO: Que lugar é esse? O que essa maluca veio fazer aqui? (Questiona ainda dentro do carro).

(No escritório, Tobias organiza uma papelada em sua mesa quando é surpreendido).

TOBIAS: (Percebe a presença de alguém e ao levantar a cabeça, se depara com Carolina) Mas o que significa isso? O que você está fazendo aqui?

CAROLINA: Você não se faça de santo, eu já sei muito bem onde você pretende chegar e o que está fazendo. Onde ele está? Quero vê-lo, eu também tenho direitos!

TOBIAS: Você está completamente desequilibrada! Do que você está falando? (Fica de pé).

CAROLINA: De quem mais? Do nosso filho!

(Do lado de fora, Clarissa caminha em direção à entrada do haras).

CLARISSA: Ele vai gostar, ele vai ficar feliz... Coragem, coragem! (Repete enquanto caminha segurando um urso de pelúcia e o teste de gravidez para dar a notícia).

(No estábulo, Sérgio e Israel conversam enquanto preparam os cavalos para Tobias e Cadu usarem).

SÉRGIO: Escolheu um cavalo manso? Lembre-se que o Cadu não sabe montar, é iniciante.

ISRAEL: Claro, já pensei nisso. Escolhi o Quixote, ele é um grande amigo, vou só terminar de posicionar a cela e ele já estará pronto.

ALBERTO: Quer dizer que o meu irmão agora inventou de aprender a montar? Pelo o que vejo, a Carolina continua sendo muito passional e se continuarmos assim, nossos planos irão por água abaixo, exceto se eu der continuidade aos meus planos iniciais... Tornar a Carolina viúva! (Fala consigo mesmo em pensamento).

Cena 10 – Hospital de Correntes [Interna/Tarde]
(A Inspetora caminha pelo corredor do hospital rumo a UTI onde a mãe está internada, porém, antes de entrar ela encontra com uma enfermeira saindo do local).

INSPETORA CARINA: Boa tarde! Eu vim visitar a minha mãe que está internada aqui, com licença.

ENFERMEIRA: Nesse momento a senhora não pode entrar!

INSPETORA CARINA: Como assim eu não posso entrar? A minha mãe está lá dentro, sou filha dela e tenho autorização para entrar, com licença. (Tenta passar, mas a enfermeira se mantém firme em frente a porta).

ENFERMEIRA: Sim, eu sei disso senhorita. Acontece que as regras do hospital só permitem a entrada de um visitante na UTI e nesse momento, a paciente já está acompanhada por uma pessoa.

INSPETORA CARINA: Quem? (Questiona).

ENFERMEIRA: Imagino que seja sua irmã, disse que também é filha dela!

(Na UTI).

BEATRIZ: (Com uma vestimenta apropriada para visitantes, Beatriz se aproxima da mãe que segue em coma) Os médicos disseram que você consegue me ouvir, eu espero que realmente ouça o que irei dizer. Agora que eu sou mãe, posso compreender esse amor tão grandioso e transcendente, eu só queria dizer... Obrigada! Se hoje você está aqui lutando contra a morte foi por ter se jogado na frente daquele carro para salvar a vida da minha filha, só uma pessoa genuína seria capaz de tal ato, jamais terei como agradecer o suficiente pelo o que você fez. Sei que te disse coisas horríveis, eu estava realmente muito magoada... Eu gostaria que a gente tentasse conviver melhor a partir de agora, tentar de alguma forma resgatar o elo que se perdeu com o tempo... (Beatriz pousa sua mão sobre a da mãe nesse momento). A minha filha saberá um dia que a avó dela salvou sua vida...

LUCIANA: (Lentamente começa a mexer os dedos e a abrir os olhos. Os monitores começam a apitar rapidamente e seus batimentos cardíacos começam a acelerar).

BEATRIZ: O que foi? O que está acontecendo? Eu vou chamar alguém... (Beatriz corre e abre a porta bruscamente, encontrando com Carina e a enfermeira). Está acontecendo alguma coisa com a minha mãe, eu preciso de socorro! (Diz ofegante).

ENFERMEIRA: Eu vou chamar o médico! (Sai em disparada pelo corredor).

(Rapidamente, Carina e Beatriz entram no quarto e se deparam com Luciana de olhos abertos e com dificuldade para respirar).

Cena 11 – Cabaré de Dona Cissa [Interna/Tarde]
(Em seu quarto, Iara contabiliza o que já conseguiu extorquir de Carolina nos últimos meses com base nas chantagens e ameaças).

DONA CISSA: (Após observar pela porta entreaberta, entra no quarto sem ser notada) Pelo o que vejo, você está garantindo bem o seu pé de meia, não é?

IARA: (Fecha sua mala rapidamente) Madrinha, eu não sabia que estava aí...

DONA CISSA: Talvez se soubesse, não se permitira há tanto! Eu vejo que você não mudou nenhum um pouco.

IARA: Porque a senhora está falando comigo assim? Eu não fiz nada de errado.

DONA CISSA: Iara, olhe bem para a minha cara! Você acha mesmo que essa história para boi dormir vai me convencer? Eu conheço a sua raça, sua mãe não valia nada, era minha sócia aqui no cabaré, mas me deu o golpe porque era ruim e queria tudo para ela. Você e a Cacau fugiram depois de depenar o fazendeiro sem nem pensar em me dar notícias, você não ganha tão bem aqui para conseguir tanta coisa e essas joias nem de longe são bijuterias. Em que rolo você se meteu agora?

IARA: A senhora está me ofendendo desse jeito...

DONA CISSA: Não force, eu praticamente te criei e sei quando você está mentindo. Você conseguiu isso daí se aproveitando de alguém. Com quem você está envolvida? É a Cacau, não é? O que pretendem fazer?

IARA: Eu não admito que a senhora...

DONA CISSA: (Interrompe com um grito) Chega! Eu que não admito que você continue debaixo do meu teto me fazendo de idiota e a mercê da polícia baixar aqui e acabar com o que eu demorei anos para construir. Acho que é melhor você bater asas daqui!

IARA: O que quer dizer com isso? A senhora está me expulsando daqui?

DONA CISSA: Eu te dou meia hora para desaparecer do meu cabaré! Não vou abrigar uma bandida aqui dentro. E um conselho, tome muito cuidado, pessoas como você não costumam ter um bom final. (Sai do quarto em seguida).

IARA: A senhora está muito enganada, o meu final será grandioso. Pode apostar! (Fala sozinha).
Cena 12 – Haras Ferraz [Interna/Tarde]
(De todos os cantos no haras podia-se ouvir a gritaria no escritório de Tobias).

TOBIAS: Que loucura é essa dessa vez? O que você está dizendo?

CAROLINA: Você está com o nosso filho e mentiu para mim, é disso que eu estou falando.

TOBIAS: Eu não sei do que você está falando, você só pode ter ficado louca, é isso!

CAROLINA: Vai me dizer que não sabe do que eu estou falando? Eu já sei que o nosso filho está aqui, como foi que você descobriu que o Gael era o nosso filho? Me responda!

(Nesse momento Tobias fica em choque ao descobrir que esse tempo todo estava abrigando o próprio filho sem saber. Do corredor, Clarissa sente um arrepio na espinha ao ouvir a voz da mãe do menino).

TOBIAS: O que você disse? O Gael é o nosso filho? O menino de rua de Recife?

CAROLINA: Sim, ele que eu entreguei para a Candelária criar...

CLARISSA: (Invade o escritório, joga a sacola que trouxera consigo numa estante e fica ao lado de Tobias) Então essa é a ordinária que abandonou o seu filho!

TOBIAS: Ela disse que o Gael é o meu filho, eu não posso acreditar nisso... (Diz completamente anestesiado com a revelação de Carolina).

(No estábulo, após colocar as celas nos cavalos, Sérgio e Israel vão verificar outros animais, sem perceberem a presença de Alberto).

ALBERTO: E aí rapaz, quer dizer que o meu irmão vai aprender a montar? (Fala com o cavalo enquanto alisa sua crina). Ouvi dizer que quedas de cavalos podem ser fatais... Será que a Carolina vai ficar viúva e o meu irmão vai partir dessa para melhor? (Nesse momento, Alberto olha para os lados e se certifica de que não está sendo observado e afrouxa a cela do cavalo para que ela se desprenda durante o passeio). Pronto amigão, agora o resto eu deixo com você, tá certo?

(No escritório).

CAROLINA: Que cara é essa? Eu não vou acreditar em você, Tobias. Eu quero ver o meu filho, sou mãe dele e tenho direitos.

CLARISSA: Você não vai ver ninguém, perdeu seus direitos quando o abandonou e deixou ele para trás como se fosse um traste.

CAROLINA: E essa daí, quem é? Pode pedir para ela sair, essa conversa é particular querida!

TOBIAS: A Clarissa é a minha companheira, uma mulher imensamente melhor que você. Quanto ao Gael, foi Deus que o colocou no meu caminho, o meu próprio filho! Você não vai mais se aproximar dele, eu não permitirei... Que direitos você tem sobre ele? Você nunca quis ter um filho, tudo não passava de interesse e quando ele nasceu, você o eliminou do seu caminho para conseguir alcançar seus objetivos. Mãe cria, dá amor, carinho, afeto... Coisas que você jamais seria capaz de dar a um ser humano!

CAROLINA: Eu era muito jovem, estava com medo. Um filho iria atrapalhar os meus planos, eu não queria um filho, tinha aversão a ele quando chorava, por isso eu quis fazer um aborto, mas não consegui. Não conseguia gostar dele quando vi aquela criança nos meus braços, então eu o abandonei!

(Ouve-se um barulho nesse instante, são bolinhas de gude que caem no piso de madeira lentamente e que Coruja segurava. O menino acabara de ouvir toda a confusão parado na porta).

CLARISSA: Gael!

TOBIAS: Vem cá, meu filho... A gente precisa conversar, tenho tanta coisa para te dizer.

CAROLINA: É ele? O meu filho? (Carolina impressiona-se ao rever o filho depois de tantos anos e tenta se aproximar dele, porém o menino corre).

CLARISSA: Gael, volta aqui... Gael! (Clarissa corre atrás do menino).

TOBIAS: Eu vou buscar o meu filho e você pode desistir de se aproximar dele de novo, entendeu? Chegue perto dele e eu te mato! (Diz para sair logo em seguida e ir atrás de Gael e Clarissa).

CAROLINA: Eu não tenho medo das suas ameaças, eu vou atrás do meu filho! (Fala sozinha e ao sair do corredor, ela encontra com outra pessoa que também ouviu toda a discussão). Cadu? O que você está fazendo aqui?

CADU: O que eu estou fazendo aqui não importa, o importante agora é o fato de que você é uma mentirosa e que nós dois precisamos ter uma conversa séria!

(Do lado de fora do Haras, Clarissa procura pelo o menino, mas não o encontra).

CLARISSA: Gael, Gael! (Grita pelo menino. Em seguida vai ao encontro de Sérgio e Israel). Vocês viram o menino? Eu preciso encontrá-lo).

SÉRGIO: Sim, ele passou por a gente e não falou, estava chorando.

CLARISSA: E para que lado ele foi?

ISRAEL: Para lá, rumo a mata! (Aponta).

CLARISSA: Mas é muito perigoso, daqui a pouco vai anoitecer... (Nesse momento Clarissa avista o cavalo, corre até ele, monta e vai atrás do menino).

(Aos prantos, Gael corre pela mata após descobrir que a mãe não gostava dele e por isso o abandonou. Clarissa cavalga em alta velocidade, enquanto chama pelo o menino que não responde. Um close na cela do cavalo revela que o assento está se soltando).

CLARISSA: Vamos Quixote, mais rápido, mais rápido... (Diz enquanto balança as rédeas do cavalo).

(A cela do cavalo se desprende completamente, Clarissa cai do cavalo e fica inconsciente no meio da mata).

A câmera foca em Clarissa caída de bruços no chão e inconsciente, a cena congela e o capítulo encerra com o a tela azul da cor do céu.



Trilha Sonora Oficial, clique aqui.

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.