Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Noites Sangrentas - Episódio 03

 


Episódio - 3 Floresta Negra 

 

23 De junho 1838

 

 

 

  Depois daquele fatidico dia em que eu mordi aqueles dois caçadores que apareceram do nada naquela floresta estranha, eu voltei para a casa desnorteado e sem chão. Sujo de sangue meu avô me tratou logo de dar um banho. Contei tudo a ele sobre o que se passou la e ele refutou:

 

Vovô Miguel: Onde você estava e esse sangue cobrindo todo seu corpo ?

 

Daniel: Vovô acho que me tornei um vampiro igual os das lendas. Lembra daquela mordida estranha que parecia ser a mordida de um animal selvagem? Então... acho que fui mordido por algo que me transmitiu esse vampirismo.

 

Vovô Miguel: Daniel... eu ja estava desconfiado... desde o dia que tu matou aquela coruja. A sua intolerancia ao sol, seus exames com dados alterados e sua sede por sangue. Sim, seus amigos passaram aqui em casa e me contaram sobre o que houve naquela floresta. Meu filho, toma cuidado... aquela floresta é um lugar estranho, tem muito bicho desconhecido e muita coisa sobrenatural andando por lá. Não vá pisar em ovos andando naquele lugar trevoso.

 

Daniel: Vovô eu matei e bebi do sangue de dois caçadores que andaram la. Eles apontaram a espingarga deles em minha direção. Meu reflexo de vampiro acabou falando mais alto mesmo eu pedindo pra eles irem embora. Eles nao queriam sair. Então me movi com muita agilidade, consegui desviar dos tiros e mordi todos eles. Eles estao em algum lugar daquela floresta e agora estou me sentindo mal por isto.

 

Vovô Miguel:  Agora é tarde pra isso meu netinho. Toma essa toalha e vá tomar um banho. A janta ta na mesa. Come um pouco e vai dormir.

 

Bem... eu tomei meu banho, tirei aquele sangue do meu corpo. Ae vesti uma roupa leve e fui jantar. Meu vô preparou figado com suco de laranja. Tomei tudinho e depois ajudei ele com as louças. Terminado tudo, ele disse que iria se deitar. Ele se deitou ja cansado. Eu fiquei na sala lendo alguns livros sobre vampiros. Neste momento eis que meus amigos chegam em casa. Eu os recebo e então eles perguntam como estou:

 

Diogo: Maninho ta tudo bem? Cara eu e o Carlos trouxemos um pouco de pão de queijo pra você e seu avô. E... me desculpa por te deixar naquele matagal sozinho amigo. Daniel, você é nosso irmão e aqui é um por todos e todos por um!

 

Carlos: Tambem tenho que me desculpar irmão, por minha culpa você terminou se perdendo o controle. Olha, eu e o Diogo so queremos que você fique bem irmão. Conta conosco!

 

Daniel: Rapazes... relaxem... eu ja to melhor... bem... mais ou menos eu matei 2 caçadores na floresta ontem. Mas eles iam me matar se eu não reagisse. No mais podem ficar sossegados, eu nunca vou atacar nem vocês nem meu vovô. Aos tenho tentado controlar essa fera inquieta dentro de mim. E vocês tem me ajudado bastante nesta missão!

 

Diogo: Oh amigão... obrigado mesmo e desculpa de verdade por te julgar mal! Me sinto mal por tantas palavras idiotas que disse a você naquela floresta...

 

Daniel: Relaxa Diogo, eu sei que encarar um vampiro como eu não deve ser facil. E tudo muiti novo pra vocês 2 como pra mim tambem. O importante é que no final das contas a nossa amizade é mais poderosa do que qualquer empecilho que a vida colocar em nosso caminho. Juntos somos mais fortes!

 

Carlos: Exatamente amigos... Nada nem ninguem irá abalar a nossa amizade.

 

Então começamos a comer aqueles pão de queijo que os meninos trouxeram numa grande cesta. Eu fiz mais suco de laranja para acompanhar aquele lanche super discontraído. Eu e os meninos estivemos a conversar muito sobre a floresta negra. Entao eles dois preocupados comigo e com toda a situação fizeram um breve resumo sobre o que eles sabiam a despeito daquele bosque misterioso.

 

Carlos: Olha Daniel, eu ja escutei muito sobre desaparecimentos, criaturas sobrenaturais, eventos estranhos que acontecem ali naquele lugar. Ouvi tambem uma historia de um lobisomem que andava por la. Você sabe que lobisomens e vampiros não se dão muito bem. Se você ver um deles, corre dali meu amigo!!!

 

Diogo: Olha Dan... meu conselho é você nem botar seus pés ali. Vai que numa dessas você me some. Serio mano. Não faz muito tempo que uma garotinha foi andando pra lá, se perdeu de seus pais, desapareceu e nunca mais voltou pra sua familia. Fora a vez que um caçador alegou ter visto um objeto estranho e circular que voava por cima daquele lugar. Sei la irmão... penso que aquela mata possa ser um local de pouso para criaturas de outros mundos. Toma muito cuidado ao chegar perto dali. Sabemos que a sua casa é bem proxima da floresta negra, e por isso não queremos que nada de mau te aconteça. Seu avô tambem nos disse que aconselhou você a nem sequer chegar longe de lá. E ele nao tá errado viu maninho!

 

Daniel: Rapazes... eu tô bem e se essa floresta está aqui foi porque assim quis o destino. No entanto, não vou viver minha vida em função dessa floresta misteriosa. Eu não devo temer nada e nem ninguem sabe. Desde criança, tenho a sensação de algo querendo me puxar pra lá. Porem meu avô sempre me impedia de ate chegar perto de lá. Agora sou mais grandinho. Dono de mim mesmo. Se esse lugar misterioso está aqui e quer me atrair de alguma forma, então eu sinto que preciso me deixar atrair por ele sabe. Então obrigado pelos conselhos galera. Porem jamais irei baixar a cabeça pro medo que o povo tanto diz falar que esse lugar emana. Eu sempre mantenho minha cabeça levantada e firme. Preparado pra qualquer dificuldade que vier!

 

Diogo: Eh isso aeeew manoo... baixar a cabeça pro medo ? JAMAISSS!!!

 

E de repente escuto sozinho uma voz misteriosa pedindo que eu fosse a floresta.

 

Voz misteriosa: Venha... venha... para a floresta... venha para mim... Daniel... rapidooooo... venhaa!

 

Daniel: Amigos, vocês escutaram? Uma voz misteriosa me dizendo pra eu ir a floresta!

 

Carlos: Eu não escutei nada Dan!

 

Diogo: Nem eu irmão...

 

Voz misteriosa: Venhaaaaa até mim Danieeeel... venhaaaa a floresta logoooo... venhaaa rapidoooo!

 

Daniel: Droga... de novo essa voz... eu a escutava vez ou outra na minha infancia.  Mas era muito baixo o timbre. Agora parece vir com mais força e intensidade dentro dos meus ouvidos!

 

Carlos: Dan... não vai... ta muito tarde meu amigo. Você acabou de sair de lá e se lembra o que você fez com aqueles caçadores. Não vai fazer besteira.

 

Daniel: Carlos, eu preciso ir. Sinto no fundo do meu coração que a floresta quer me mostrar algo. Que seja bom ou ruim, mas não vou conseguir viver com as vozes dessa floresta no meu ouvido nem com a curiosidade de saber o que pode haver de tào misterioso naquele lugar. Preciso voltar logo pra lá,  agoraaa!

 

Diogo: Carlos... deixa o Dan ir... nós temos de apoiar ele. Somos amigos do peito do Daniel e nossa função é a de dar apoio emocional pro nosso melhor amigo. Dan, pode contar conosco. Se quiser podemos te acompanhar. Tmb estamos com você nessa!

 

Daniel: Rapazes eu vou sozinho. Não quero mais que nenhum de vocês se machuquem por minha causa. Fiquem aqui e enquanto eu estiver fora, fiquem de olho no vovô Miguel ok?

 

Carlos e Diogo: Certooo!!!

 

Então eu fui ao meu quarto e vesti algumas roupas apropriadas. Coloquei minha bota para não me machucar nos pés, boas luvas pretas para evitar lesionar os punhos. E também peguei emprestado no quarto do vovô Miguel, um agasalho escuro que recobria todo meu corpo e a  minha cabeça. Pois vai saber se eu iria ficar lá até o amanhecer né! Saí de la agasalhado e fui no quarto do vovô dar um beijo na testa dele e pensando que seria apenas um pequeno passeio rapido naquele local sombrio. Depois saí do quarto e pedi que meus amigos deixassem a casa organizada antes de irem embora e refutei para eles:

Daniel: Vou sair e talves fique fora por um ou dois dias. Preciso saber o que tanto se passa ali naquele mato e que sentimento forte é este que possuo para com aquele bosque misterioso. Deixem tudo organizado e se puderem, escrevam uma carta explicando os motivos de eu partir para aquele lugar. Se possivel venham aqui de manhã e expliquem tudo para o vovô mesmo com a carta ja tendo sido lida por Ele. Não quero que meu bom velhinho se preocupe comigo. E vocês dois, em hipotese nenhuma, devem pisar naquele mato. Não quero que vocês se metam em confusão por minha causa. E não deixem o vovô ir pra la tambem. Eu vou voltar com noticias e eu tenho certeza que muita coisa ira se esclarescer pra mim nesta ida a floresta. Eae amigos, posso contar com a solidariedade de vocês dois hein???

 

Carlos: Claro que sim irmão! Como nós ja haviamos dito anteriormente, conta com a gente pra tudoo melhor amigo! 

 

Diogo: Deixa a carta comigo, Dan! Tenho uma letra mais bonita e bem mais legível que a do Carlinhos. Fica sossegado e tenha uma boa jornada mano, vou vir aqui de manhã cedo tentar alcalmar o coração dele viu maninho 

 

Daniel: Sei que com vocês dois, o meu vovô Miguel está seguro. Agora chegou a hora de partir. Me dêem aquele abração triplo irmãos.

 

Eu dei um forte abraço junto aos três, os deixei cuidando e preparando a carta la na minha casa. E partir em direção a aquele bosque tenebroso. As voz misteriosa não parava de soprar em meu ouvido e eu encapuzado dava passaos rapidos para logo estar ali e descobrir o que tanto aquele  lugar misterioso havia reservado para mim e para o meu futuro sombrio!

 

Continuando a andar e a escutar aquela voz misteriosa da Floresta Negra, me sentia mais e mais atraído por seu encanto e misterio inerente. A medida que eu me aproximava dela, Ela parecia estar mais convicta de que eu deveria seguir em frente e percorrer todas as suas entranhas. Na entrada daquele lugar, eu parei para pensar um pouco e refletir sobre minha segurança ao entrar la. Eis que a voz voltou a sussurar minhas orelhas.

 

Voz Misteriosa: Seja bem vindo Daniel... agora você pode me explorar livremente e sem medo ou remorso. Finalmente você se livrou do medo que te bloqueava de descobrir coisas novas. Aqui você pode explorar novas possibilidades... vamos... não perca mais tempo... entre logo!

 

Daniel: Escuta não tenho ideia do que você queira comigo Floresta. Mas tenho certeza de que você não pertence a este lugar.

 

Voz Misteriosa: Huuuum... quem sabe ne Daniel haha... posso ser a Floresta, posso ser um Ser... posso ser o Nada... posso ser o Tudo ou posso nem existir bem como coexistir... enfim em parte você tem razão... talves não seja do seu mundo, mas posso ser de todos os mundos. Eu vou aonde o tear do destino me empurrar. Sou uma entidade macrocosmica. E você por ser de uma epoca muito atrasada, jamais saberá como funciono na realidade desta livre e conturbada existencia. Muitos me chamam de Floresta Negra, outros me chamam apenas de Paradoxo e uma minoria ate ja me aclamara como uma especie de Deus da Natureza. Mas eu não sou isto, eu sou apenas eu e nada mais nada menos do que eu mesmo. Mas respeito a visão dos demais seres sobre minha simplória existência nos mais diversos planos cármicos. Agora nao perca tempo, entre e me explore meu rapaz. Tem algo que te pertence la dentro. Algo que  o caos não quer que você chegue nem perto. Algo que pode ajuda-lo a conseguir muitas glórias e determinação genuína meu caro Daniel.

 

Daniel: então é isso... você tem algo pra mim ne Floresta. Mas um de seus misterios. Eu quando era criança ja me via atraído por este lugar. Você me mandava sinais, vozes baixas e até sonhos sobre o que poderia ter de valioso aqui dentro. So me diz se eu vou voltar vivo depois de te explorar por agora.

 

Voz Misteriosa: Não se preocupa rapaz. Te garanto que por hoje, você sai vivo daqui. A sua hora ainda está longe de chegar. Você tem uma missão muito importante para cumprir. E sim era eu quem te manda va tudo aquilo que você citou. Eu já sabia que você jamais entraria aqui. Todavia, já iniciei a sua preparação mental e espiritual para que chegasse ate aqui neste nosso encontro. Daniel, voce é um homem corajoso e isso me atraiu muito em você. Tenho certeza que cumprirá tudo que está sendo preparado para você.

 

Bem era meio enigmatico tudo que aquela voz estranha da floresta soprava nos meus ouvidos. Mais ao mesmo tempo me motivava mais ainda por uma busca de respostas. Então depois de tanto refletir, resolvi seguir em frente. Entrei dentro da floresta e percebi que ela estava muito diferente do mesmo bosque em que eu havia entrado horas atras. Dessa vez havia um corredor unico cheio de arvores fechadas ao redor. Eram arvores repletas de espinhos nos troncos e o corredor era de terra de cemiterio e fedia a animal morto. Entao andei tipo uns 6 metros e o caminho me levou a um bosque  com arvores mais altas e mais afastadas umas das outras. Dava de ver o céu e a lua. Aquele pedaço do bosque era novo e eu não tinha visto da primeira vez. Entao resolvi perguntar a Voz o que houve com os corpos daqueles dois caçadores, e então a voz foi bem precisa e clara!

Voz Misteriosa: Aqueles dois idiotas foram apagados , devorados pelas minhas entranhas. Tiveram o azar de virem me pertubar e tiveram o que mereceram. A uma hora dessas ja devem ter virado adubo para as minhas arvores famintas.  Pelo menos você poderá ficar despreocupado quanto as pessoas de seu vilarejo. Todos haverão de crer que esses 2 patetas sumiram por minha causa. E na verdade, eles estarão certos mesmo. Você matou eles e Eu sumi com a carne podre deles para sempre hahahaha...

 

Daniel: Escuta, não sei ao certo o que você quer de mim, mas não consigo confiar em você. Não me passa nenhuma segurança. Tenho um pressentimento muito estranho a seu respeito.

 

Voz Misteriosa: Bem... se vai ou não confiar isso ja e problema seu. Minha missão aqui é apenas te guiar ao seu caminho de glorias. Odeio trabalhar junto de meros humanos insignificantes iguais a você. Mas é algo necessario  te ajudar até aqui. Se não fosse por isso fedêlho, eu ja teria te devorado com as minhas entranhas a muito tempo. Mas você é um personagem muito importante por hora, então preciso somente que você me escute. Se quiser desistir... problema teu... mas seu mundo, seus amigos... sua familia, seu avô e tudo aquilo que você mais preza na sua rélis vida insignificante, estarão fadados ao esquecimento e a a um vazio de emoções reais. Entretanto, se continuar a seguir minha voz, será o salvador de sua especie e quem sabe até eu possa livrar você desse vampirismo que tanto tem te assolado ultimamente.

 

Daniel: Então seu fizer o que você quer, posso ter minha glória e também posso ser curado do vampirismo?

 

Voz Misteriosa: Sem duvidas! Eae você vai me seguir Daniel ou vai voltar com os rabinhos entre as pernas como um covarde inerte para a casa do vovô? Estou a espera de uma resposta concisa meu caro!

 

Daniel: Eu ja cheguei até estas arvores compridas que mais parecem pinheiros. Ja decidi com meus amigos que eu viria te explorar de cabeça erguida. E vou repetir o que disse a você. Vou entrar nesta missão e vou seguir com ela até o final. Não importa o que você tenha de bom ou ruim ae guardado pra mim. Eu não vou desistir NUNCA! Entendeste entidade?!

 

Voz Misteriosa: Sua determinação em seguir em frente é admiravel, meu caro Daniel... muito bem você realmente está preparado para o que esta porvir em sua vida de agora e diante meu rapaz. Apenas escute sobre algo que tenho a dizer!

 

Daniel: Diga! Vou dar conta do recado Floresta Negra. Vou provar minha coragem aos meus amigos, familia e para o que você tem guardado pra mim. Estou pronto!

 

Voz Misteriosa: Pois então vamos iniciar seu primeiro teste de coragem aqui e agora! Muito bem, você percebeu que eu mudo a minha forma e estrutura conforme minha vontade propria ou conforme meus visitantes. E como de praxe, eu mudei de novo para te receber sozinho. Cada um que entra aqui tem uma visão sobre mim. E eu me adapto holisticamente conforme cada visitante que entra aqui.  Da vez passada você veio com seus amigos e mais atras veio aqueles caçadores. Eu estava diferente em meu interior. Desta vez você se deixou guiar pela minha viz e veio sozinho sem seus amigos. Ae tive de mudar para te receber e te guiar ate onde você deve chegar. Adaptação é uma das minhas principais caracteristicas. Mas agora Daniel eu quero que você preste atenção, me escute por favor... primeira coisa que você deve fazer é andar mais dez passos a frente. Quando terminar, você chegará em uma encruzilhada. Nela você vizualizará 4 caminhos: 


Norte- Que te levará aos Alpes Congelados.

Sul- Que te leva de volta para sua casa.

Leste- Que te leva a região das Dunas brandas.

Oeste- Que te leva ao rio das almas mortas daqui de dentro.

 

Daniel: Obviamente que isso é apenas um pequeno pedaço dessa sua imensa vastidão de Mata que você possui por dentro.

 

Voz Misteriosa: Acertou garoto. Isso e so um pedacinho pequeno de todo o meu ser e não-ser. Seria dificil tu tentar me entender por hora. O que você precisa saber é que toda vez que você entrar dentro de mim e sozinho. Eu sempre vou manter este formato para você Daniel. Se você entrar acompanhado de algum outro de sua especie. Eu vou mudar por dentro eae as coisas podem ficar dificeis para você. Por isso te peço que nesta sua iniciaçâo aqui dentro, venha sempre sozinho e desacompanhado!

 

Daniel: Sim... não te preocupa com isto. Ja deixei meus amigos e familia sob aviso.

 

Voz Misteriosa: Certo... então dando continuidade, neste momento você deverá seguir o caminho OESTE dessa encruzilhada. Devera tomar o caminho do rio das almas mortas. Como o nome ja sugere, em hipotese alguma você deve cair neste rio ou vsi morrer. Nele existe uma ponte velha e você deve atravessa-la com cuidado. Ao atravessar, você chegará em uma ilhota no meio deste rio. E logo de cara no centro dessa ilhota, você verá uma arvore centenaria. Nesta arvore, tem uma adaga verde imprensada em seu tronco. Ela é sua! Retire-a de lá e espere novas instruções.

 

Daniel: De acordo!

 

Então segui os 10 passos e cheguei na encruzilhada. Engraçado que cada trilha era diferente. No norte era uma trilha de neve e gelo, no Sul era de terra de cemiterio, no leste era de areia branca e dunas, no oeste era uma trilha pantanosa, cheia de plantas e animais mortos. Ainda bem que eu estava bem paramentado com botas de couro preta, luvas escuras, agasalho e um bom capuz. Vai saber se aquela floresta tinha algo de ruim guardado pra mim ne. Seguindo pelo Oeste conforme pedido da Voz, tive muita dificuldade ao andar por aquela trilha pantanosa. Sentia meus pés bem presos e enterrados no chão. Depois de algum tempo consegui achar o rio e a tal ponte velha. Andei com bastante cuidado por aquela ponte segurando nas bordas e não olhando para baixo. Era uma ponte muito velha e que tinha madeira podre e algumas inclusive tão velhas chega caíam no rio so com um pouquinho de impacto de minha pisada cuidadosa. Eu andava e escutava gritos, risadas e choros advindos daquele rio  sem vida. Quando estava proximo de chegar, o pedaço de madeira em que eu tava andando se quebrou e eu quase caí dentro daquele rio pavoroso. Consegui me segurar nas cordas de apoio e dando um impulso com braços e pernas, eu cheguei no final da ponte e na superfice da ilha. Me agarrei bem ao apoio daquela ponte na ilhota e consegui colocar todo meu corpo pra dentro da ilhota. Fiquei aliviado por não cair naquele rio e já de cara, achei a tal arvore centenária. Cheguei mais perto da arvore e vizualizei a adaga verde. Não pensei 2x... puxei a adaga do tronco da arvore e sem muita dificuldades eu a tive por completo em minhas mãos. Então a voz apareceu.

 

Voz Misteriosa: Muito bem rapaz, você se saiu muito bem nesta prova. A partir de agora você é dono desta adaga magica. Esta adaga funciona como uma especie de chave mágica que ajudara você a capturar varios tipos de poderes de agora em diante. Você vai precisar se acostumar a isto. Precisar a aprender usar este objeto tão valioso em suas mãos. E mais importante, aprender a capturar os poderes da natureza que surgirão para você. Agora você e a adaga são apenas um só ser! Guarde-a como se fosse seu segundo coração viu!

 

Daniel: Pode ter certeza que sim senhora entidade da floresta. 

 

De repente, aquela arvore centenaria começou  a brilhar aos meus olhos e de poucos ela começou a se transformar numa especie de gosma preta e essa gosma foi se concentrando em um so ponto, se tornando assim uma especie ds livro preto com figuras semelhantes a um sol, 2 luas e varias estrelas espalhadas naquela capa dura do livro. Quando a transformação da arvore em livri terminou, a voz reapareceu.

 

Voz Misteriosa: Muito bem Daniel... essa arvore nada mais era do que um livro transfigurado. E ao retirar a adaga da arvore, você conseguiu ativar automaticamente uma magia de transfiguração programada para este objeto magico. O criador desta magia fez isso pensando minimamente em todas as probabilidades. Outra pessoa que não fosse você, sequer conseguiria tocar nesta chave-adaga, pois apenas quem tiver coragem mais que suficiente e autodeterminação genuína poderia fazer tudo isto e conforme meu pensamento, você superou todas as expectativas meu rapaz... Parabéns!!!

 

Daniel: Obrigado! Fiz isso por tudo que amo e considero nesta vida!

 

Voz Misteriosa: Chegou a hora de você abrir o livro. Ele tambem é seu junto da sua chave. Pegue-o!

 

Peguei o livro e reparei que na sua contra-capa havia um a especie de bolsa de couro contendo no seu interior 5 cartas elementais que remetia a natureza daquele lugar deveras misterioso. O livro tambem tinha alguns desenhos, inscrições e paginas em branco. No momento em que me sentei para observar melhor aquele objeto sobrenatural, notei que a minha chave-adaga começou a brilhar. Então tive umas visões com uma especie de chave no fundo de algo que parecia ser um lago, tambem vi visões de cartas magicas que viravam verdadeiras bestas do caos, tive visões de locais aleatorios de dentro da propria floresta, visões dos meus amigos do vilarejo e do meu vovô Miguel, e visões de mim mesmo me tornando um vampiro assassino. Pedi para que aqueke tormento parasse e a voz voltou a falar.

 

Voz Misteriosa: As suas visões serão seus guias e a sua chave está apenas destravando todas elas que até então ficavam presas em seu subconsciente e inconsciente. Vez ou outra a chave irá te advertir por meio delas. Fique atento a tudo que ela puder te revelar. E quanto ao livro, tem algumas inscrições em lingua estranha nele mesmo. Mas conforme você for se graduando, logo você poderá encontrar algo que possa traduzir essas mensagens estrangeiras que nele contem. As folhas em branco, um dia serão preenchidas e o livro voltará a ser completo tanto quanto o seu poder. Você será um ser emponderado Daniel, so precisa acreditar!

 

Daniel: Mais uma vez obrigado. Não sei ao certo suas intenções sobre mim floresta. Mas tô disposto a embarcar nessa nova aventura. Quero vencer na vida!

 

Voz Misteriosa: Que assim seja meu rapaz, agora eu quero que você atravesse de volta e siga reto em direção ao horto das oliveiras. Atravesse o horto e se deixe guiar pelo brilho da sua chave. Quanto mais forte for o brilho dela, mais perto do objetivo de sua missão você estará. Siga o brilho da sua chave e não esqueça nada sobre o que você enxergou em suas visões!

 

Daniel: Positivo!

 

Depois de todo esse surrealismo, eu atravessei a ponte de volta sem olhar para baixo e mais uma vez com cuidado. Chegando perto do final, corda da ponte se rompeu e então botei bastante forças em minhas pernas e dei um super salto. Graças a Deus consegui chegar sã e salvo de volta daquele outro lado da margem. Então segui em direção do horto das oliveiras contornando a margem pela esquerda. Ao chegar no horto andei por dentro dele, e ao passar por ele, reparei que no final havia apenas uma unica saída que me levou direto a um lugar desconhecido. Esse lugar era muito diferente do mundo pastoril em que eu costumava viver. Era um lugar bem moderno, revolucionario, não era um simples vilarejo, era uma cidade gigantesca, com casas gigantescas e carroças movidas sem cavalos ou animais de tração. Era uma cidade iluminada por objetos que emitiam luz propria, sem lampiões ou velas ou lamparinas. Aquilo tudo era muito novo para mim e me questionei incessantemente o porquê da floresta me levar para aquele mundo estranho. De repente a adaga voltou a brilhar e eu reparei que a floresta negra ao qual havia me permitido chegar naquela cidade misteriosa tinha desaparecido. Eu estava sozinho naquele mundão estranho e sem a floresta pra me guiar, então segui os conselhos da voz e deixei me guiar pela adaga. A adaga me guiou ate uma lagoa que tinha ali naquele local. Ali tambem era noite e tinha algumas pessoas estranhas ali proximas. Então resolvi entrar dentro desse lago e dei um mergulho. Pensando comigo mesmo eu refleti...

 

Daniel: Ok... to num lugar estranho e a floresta quis assim. Agora é não baixar a cabeça e continuar me guiando pelo brilho da adaga-chave. Quanto mais eu mergulho mais intenso o brilho fica. Vamos lá!

 

Antes de mergulhar havia deixado o livro e o meu agasalho com as botas num local seguro e bem escondido. Nadei muito profundo e depois de tanto imergir, consegui achar a chave dourada que estava em uma de minhas visões era uma chave que emitia uma luz esverdeada. Então segurei mais um pouco de ar e cheguei perto da chave. A adaga entao vibrou forte e se posicionou junto ao meu braço direito para perto desta chave dourada. Depois disso ela jogou uma especie de magia em cima do objeto e o transfigurou em uma carta bem parecida com as 5 cartas que haviam no meu livro. Eu consegui pegar essa carta com cuidado embaixo da agua e a segurei forte em minha mão esquerda que para meu espanto, a tal carta não sofrera nenhum dano naquele ambiente cheio de agua. Voltei a emergir para a superfice do lago bem rapido pois o ar ja estava acabando. Ao voltar, resgatei minhas coisas as quais havia deixado escondidas. Abri o livro e vi que a carta tinha uma imagem em seu verso que era igual a tal chave que vi no fundo daquela lagoa  e nas minhas visões dentro da floresta negra. Cobri meu corpo de volta com o capuz e os demais paramentos e andando pela margem da lagoa para tentar encontrar  o caminho de volta pra minha casa e sair daquele mundo estranho e bizarro, me deparo com um rapaz forte com uma especie de begala na mão e um tipo de criatura em seu pescoço que lembrava um gato preto. Eu os vi antes de mergulhar no lago. Eram os tais estranhos que estavam tambem andando por la e de olho na lagoa. Entao me escondi atras da arvore e observei seus movimentos. A adaga não parava de brilhar quando apontada em direção a aquele homem estranho e a criatura bizarra que estava em seu pescoço falando consigo. Tentei ouvir o que eles diziam de longe e ao que parece o rapaz se chama Bills e a criatura bizarra se chamava Spin. Ambos estavam preocupados com uma carta magica. Seria essa carta o que a minha adaga estava por apontar ? Enfim resolvi esperar e ver o que iria acontecer. De repente de dentro daquele lago algo estranho acontece e sai um vortice estranho de dentro dele. A minha adaga brilhou mais forte. Entao aquilo tambem deveria ser capturado por mim. E de repente ouvi o tal de Bills recitar um tipo de feitiço com aquela bengala preta nas maos dele:

 

Bills: Retorne a sua forma original, Carta Mágica!!!

 

Spin: Mestre Bills o senhor foi cirurgico nesta captura!

 

Bills: Eu sou o MELHOR meu caro Spin, e logo conseguirei reunir todas as cartas kosmos comigo e serei o novo dono delas.

 

Spin: Meu Mestre o senhor é realmente uma Lenda... É o dono da porr4 toda... te amo Mestre!

 

Fiquei impressionado com a devoção daquela criatura com aquele homem babaca. Então resolvi tomar uma descisão errada porén necessária. Fui correndi ate aqueles dois, cheguei de surpresa por tras e roubei a tal carta que aquele mau caráter havia transfigurado aki naquela lagoa e corri como se não houvesse amanhã para tentar achar um lugar seguro naquele mundo desconhecido. Ouvi os gritos daqueles dois mau carateres porem os ignorei. 

 

Spin: Mestreee o senhor precisa recuperar aquela carta. A carta da água é uma das principais cartas do baralho dO Senhor Kosmo. Mestre não deixa esse cara estranho fugir!

 

Bills: Volta aqui seu merda, você pegou algo que é meu por direito. DEVOLVE A MINHA CARTA seu filho da puta desgraçado!

 

Daniel: Se quiserem essa carta, vão ter de passar ppr cima de meu cadáver seus mostros sem caráter. O Poder sem honra de vocês não vai manchar a minha honra. EU JURO!

 

Bills: Esse cara é maluco mesmo Spin... ah filho da puta se eu te pegar, você já era viu. Vou quebrar seu nariz seu ladrão!

 

Spin: Calma Mestre Bills!

 

Então continuei a correr e correr a procura de um lugar seguro para mim e para aquele objeto de valor. Não vou permitir que as mãos sujas daquelas duad bestas demoniacas chegassem perto daquela carta mágica que era minha por direito de acordo com as minhas visões e a minha adaga mágica. Minha missão era por hora reunir aqueles tipos de cartas da natureza e aprender a manusea-las dd maneira coerente e concisa. Nada nem ninguem me impediria de alcançar isto nem de ajudar a proteger todos que mais amo neste mundo. Se for preciso eu lutar com esses dois para provar minha honra, eu o farei sem problema algum. Daria meu sangue em nome da minha missão aqui neste lugar estranho!

 

Observação: Crossover com Cardcaptor Bills... continua no capitulo 5 de Cardcaptor Bills!!!!!

 

OBRIGADO!!!




Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.