Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Destinos Ligados (Reprise) - Capítulo 04

 


Capítulo 04:

 

Cena 01 – Imagens Diversas [Passagem de tempo]

Música da cena: Hoje Lembrei Do Teu Amor – Tiago Iorc

 

(Imagens do cotidiano e da vida dos personagens são apresentadas, conforme os dias se passam, a cidade é apresentada, conforme o sol nasce e vai embora)

 

* Malu continua indo regularmente até a delegacia, em busca de notícias da filha, conhecendo um grupo de mães em busca de filhos desparecidos;

* Rosana observa Francisco se aproximar de Maria Eduarda;

* Alfredo e Malu se aproximam ainda mais;

* Lurdinha e Valentina espalham pela vizinhança os ensinamentos de Malu e novas aspirantes à modelos surgem na porta da pensão;

* Ingrid começa a crescer;

* Rosana e Francisco brincam com Isabela;

* Malu resolve dar uma chance a Alfredo, que continua lhe ajudando a procurar a filha;

* Rosana e Francisco promovem uma festa de aniversário em prol do primeiro ano de Isabela;

* Malu sofre por não estar com a filha ao comemorar a data especial;

* Malu é convidada para trabalhar numa agência de modelos como preparadora;

* Rosana comemora os primeiros passos de Maria Eduarda;

* Malu fica encantada em ver como Ingrid se dá bem com Alfredo;

* Maria Eduarda ganha presente de aniversário ao completar dois anos;

* Malu e Alfredo se casam;

* Ingrid se aproxima de Alfredo, deixando Malu emocionada;

* Após juntar dinheiro por um período, Malu consegue montar uma pequena agência de modelos.

 

ANOS DEPOIS...

 

Segunda Fase / São Paulo – 2019.

 

Cena 02 – Paradise Models [Interna/Dia]

 

Música da cena: Agora Só Falta Você – Sky e Anne Jezini

 

(As modelos estão em polvorosas em fotografar para a capa da Revista Marie Claire)

 

PÉROLA: Vamos lá meninas! (Fala enquanto fotografa algumas modelos posicionadas no estúdio da agência).

MALU: Minha filha, a mamãe não tem como te agradecer. Você está me saindo melhor do que imaginei. O nosso fotografo caiu de moto e quebrou o braço, precisamos dessas fotos até o final do dia e você sabe como sou perfeccionista, não iria aceitar qualquer trabalho.

PÉROLA: Eu sei mamãe, também tenho que colocar em prática os cursos que fiz, todo investimento que a senhora fez, tem que valer a pena!

RENATA: (Brinca com a conversa de mãe e filha) Que pessoas melosas, hein?

MALU: Minha amiga, verdade seja dita, meus filhos além de lindos, só me dão orgulho. Ingrid é um verdadeiro fenômeno nas passarelas do exterior, Pérola faz jus ao nome, uma joia preciosa, olha que talento para fotografar, vou acabar contratando. Antônio é um menino de ouro, super esforçado na faculdade de medicina, vai seguir os passos do pai e o Alfredo, esse é um verdadeiro companheiro. Minha felicidade só estaria completa se a Isabela aparecesse!

RENATA: Nunca mais você teve notícias da sua filha desaparecida, Malu?

MALU: Durante esse longo período de mais de vinte anos apareceram várias pistas falsas, impostoras, menos a Isabela de verdade, eu daria tudo o que tenho para encontrar a minha filha.

PÉROLA: (Pérola percebe que a mãe está ficando triste ao tocar no assunto da irmã desaparecida e tenta animá-la) Ih mãe... Sem deprê! Vai até ali, que agora eu vou fazer umas fotos suas com as modelos.

MALU: Minhas? Mas que ideia estapafúrdia é essa menina?

PÉROLA: Não discute, Dona Maria Lúcia. A senhora pode ser dona e presidente dessa agência, mas no estúdio quem manda é o fotografo e adivinha quem está com a câmera?

RENATA: (Sorri) Se eu fosse você, já estaria lá com as modelos...

MALU: (Revira os olhos, mas cede e se junta as modelos para ser fotografada).

 

(Pérola fotografa a mãe e as modelos, enquanto os outros funcionários da agência observam a sessão de fotos dos bastidores).

 

Cena 03 – Barcelona, Espanha. [Interna/Tarde]

 

(Modelos desfilam uma nova coleção de um conceituado estilista, enquanto Ingrid é escolhida para finalizar o desfile)

 

INGRID: (Desfila e é ovacionada pela plateia e fotógrafos que disputam quem a fotografa mais)

 

(Ingrid encerra o desfile ao lado do estilista sob fortes aplausos e vai para seu camarim)

 

PRODUTORA: Ingrid, tem um senhor lá fora querendo falar com você.

INGRID: Diga a ele que estou cansada e que não irei receber ninguém.

PRODUTORA: Ele é um dos ministros da Espanha, aquele que lhe manda flores!

INGRID: E daí, fofa? Primeiro que, eu odeio flores, não existe presente pior e mais brega, flor murcha numa facilidade, é tipo cara de boia-fria no sol. Quem sabe eu não o receberia se ele não me disse algumas joias valiosas. Segundo, nem de política eu gosto, ou seja, nem que ele fosse o presidente. Ficou interessada? Diz pra ele que te ofereço como brinde, agora não cansa a minha beleza.

PRODUTORA: (Fica imóvel sem reação com a resposta de Ingrid).

INGRID: (Visivelmente irritada) Querida, já deu pra perceber que inteligência não é o seu foco, porque isso é como beleza, uns nascem providos, outros são como você, não tem nem um, nem outro. Tá esperando o que urubu sem asa pra desparecer? Agora! (estala os dedos, enquanto a produtora corre assustada).

 

(Ingrid olha-se no espelho e começa a rir da produtora. Do lado de fora do camarim, a produtora comunica ao ministro que Ingrid não irá recebê-lo)

 

MINISTRO: Como disse? Ela não vai o quê?

PRODUTORA: Ela disse que não pode receber o senhor, pois está muito cansada.

MINISTRO: Eu não estou perguntando se ela está cansada, volte lá e diga a ela para me receber agora. Vocês sabem com quem estão falando, não sabem? Vamos!

PRODUTORA: Ela foi bem clara senhor, não irá recebê-lo.

 

(Ingrid sai do camarim toda produzida para aproveitar a noite na frente do ministro e da produtora)

 

MINISTRO: (Agarra Ingrid pelo braço) O que pensa que está fazendo? Acha que eu sou um moleque com quem você vai brincar? Você vai sair comigo agora e isso não é um pedido.

INGRID: Carlo querido! Não acho que você seja um moleque, aliás, ninguém acha. Você está velho demais para ser um, só quis me divertir, usei até onde deu, agora eu sinto ânsia só de olhar na sua cara. Nosso “acidente” acaba aqui queridinho e antes que eu me esqueça, se eu fosse você eu largava o meu bracinho agora, porque se ficar marcado, eu divulgo as nossas conversas. Eles vão adorar saber que o ministro Carlo Martínez é sadomasoquista e ama apanhar!

MINISTRO: Você não sabe com quem se meteu!

INGRID: Não querido, você que não sabe quem conheceu. Vai soltar ou prefere que eu também divulgue... (Ingrid se aproxima do ouvido do ministro). Aquela sua foto algemado, tudo e todo marcado de chicote. Já pensou que escândalo?

MINISTRO: (Encara Ingrid e solta seu braço).

INGRID: Ótimo, eu gosto assim. Homens inteligentes, mas que sabem que as mulheres são as que comandam!

MINISTRO: Você vai me pagar!

INGRID: Já paguei querido, eu te aturei por todos esses meses e sem cobrar hora extra, trate de voltar para sua vidinha medíocre a partir de agora. “Nunca más, bebê”! (Vai embora).

 

(Ingrid vai para uma boate sozinha, onde toma alguns drinks, dança e flerta com vários homens diferentes).

 

Cena 04 – Avenida Food-Park/Maceió - Alagoas (Quiosque de Francisco e Rosana) [Interna/Noite]

 

Música da cena: Nada Será Mais Como Era Antes – Silva

 

(Maria Eduarda caminha pela praia mostrando seus artesanatos como bolsas, pulseiras e colares antes de encontrar com os pais)

 

PORTEIRO: E aí Maria, como vão as vendas?

MARIA EDUARDA: Hoje o movimento está fraco, vendi só algumas bolsas. Meus pais estão aí?

PORTEIRO: Estão sim, hoje o movimento na praça de alimentação está cheio, acho que seus pais nunca venderam tanta tapioca como hoje.

MARIA EDUARDA: Então deixa eu ir até lá, ajudar um pouco. Boa noite Seu José, fica bem!

 

(Maria Eduarda enrola o cabelo e o prende, enquanto caminha apressada em direção ao quiosque dos pais, guardando sua mercadoria numa grande sacola)

 

ROSANA: Filha, que bom que você chegou. Veio ajudar a gente?

MARIA EDUARDA: Vim sim, mãe. Oi pai! (Cumprimenta o pai, que está no preparo das tapiocas).

ROSANA: Conseguiu vender todas as suas coisinhas?

MARIA EDUARDA: Pior que não, a praia nem estava tão movimentada hoje. Mas um cliente me chamou atenção hoje.

FRANCISCO: Por que?

ROSANA: Coisas de garota, Francisco. E ele era bonito, filha?

MARIA EDUARDA: Não, não foi isso mãe. Ele me falou algo que achei estranho, mas devia estar bêbado, sabe como são os turistas...

ROSANA: Então que raios esse bendito te falou, minha filha?

MARIA EDUARDA: Ele disse que eu parecia com alguém que ele conhecida, ficou insistindo que já tinha me visto em algum lugar e toda hora ficava perguntando se eu não tinha uma irmã gêmea, vê se pode? Uma irmã gêmea, até parece... (Cai na gargalhada).

FRANCISCO: Gêmea? (Questiona Francisco, olhando para Rosana que já está visivelmente assustada com a história contada pela filha).

ROSANA: (Derruba um copo, que se quebra ao cair no chão).

MARIA EDUARDA: Mãe! A senhora se machucou? (Se abaixa e começa a recolher os cacos de vidros).

ROSANA: O copo escorregou da minha mão filha, foi isso.

FRANCISCO: (Desconversa) Filha, tem como você levar essa tapioca aqui na mesa 7? Eles pediram já tem um tempo.

MARIA EDUARDA: Claro pai, levo sim. (Maria Eduarda leva a tapioca em uma bandeja, deixando os pais a sós).

ROSANA: Você acha que ela percebeu alguma coisa?

FRANCISCO: Não, eu acho que não. Mas quem será esse homem? Será que tem ligação com a família biológica dela? Ela tem uma irmã gêmea, você lembra?

ROSANA: Sim, até hoje eu guardo vários jornais da época, a mãe dela nunca a esqueceu. E agora? Ela não pode descobrir a verdade, eu não quero perder a minha filha.

FRANCISCO: Só sei que a partir de agora precisaremos ficar de olho, Maria Eduarda não pode sequer imaginar a ligação dela com essa irmã gêmea.

 

 

Cena 05 – Barcelona (Quarto de Hotel de Ingrid) [Interna/Manhã]

 

(O celular de Ingrid desperta e ela acorda de ressaca ao lado de um desconhecido)

 

INGRID: Céus, que dor de cabeça! (Ingrid senta na cama coberta com o lençol da cama e olha para o homem deitado ao seu lado).

HOMEM: Buenos días, que noche tan cálida, no? [Bom dia, que noite quente não?]

INGRID: Cariño, presta mucha atención a lo que te diré: me levantaré, me ducharé y comeré algo, porque ya tengo que tomar un avión a Brasil. Así que cuando salgo de la ducha, ya no quiero mirarte a la cara. ¿Entendiste o quisiste que dibujara? [Querido, presta bem atenção no que eu vou te dizer: Eu vou levantar, tomar um banho e comer alguma coisa, pois tenho que pegar um avião para o Brasil já, já. Então, quando eu sair do banho, eu não quero mais olhar na sua cara. Entendeu ou quer que eu desenhe?]



Música da cena: Louca – Alice Caymmi



(Ingrid toma banho tranquilamente, como se nada tivesse acontecido. Ao sair do banho, o homem já não está mais no quarto, então ela recebe o serviço de quarto e toma café. Alguns instantes depois, troca de roupa e um funcionário do hotel desce com suas malas. Ingrid cruza o hall principal do hotel chamando atenção por sua beleza, o que faz com que ela deboche de alguns homens que babam por ela. Na porta do hotel, um táxi a espera e ela segue para o aeroporto).

 

Cena 06 – Casa de Rosana e Francisco [Interna/Noite]



(Maria Eduarda chega em casa e encontra com a prima, Marcela que está secando a louça)



MARIA EDUARDA: Prima, boa noite!

MARCELA: Oi, você não foi pra aula hoje? Não te vi na faculdade.

MARIA EDUARDA: (Abre a geladeira e toma um copo d'água) Fui, só que não tive a segunda aula, daí passei na praia pra ver se conseguia vender algo, mas o movimento estava tão fraco de turistas, sabe?

MARCELA: Ah, entendi. Eu cheguei há pouco tempo. Quer comer alguma coisa?

MARIA EDUARDA: Não, obrigada. Menina, nem te conto... Você acredita que um louco hoje na praia cismou que me conhecia de algum lugar? É, ele disse até que eu deveria ter uma irmã gêmea.

MARCELA: Gêmea? Que loucura!

MARIA EDUARDA: Foi o que disse a ele, que isso era loucura. Já pensou? Eu com uma irmã gêmea?





Cena 07 – Mansão Germai (Quarto de Malu) [Interna/Manhã]



Música da cena: Mentiras – Adriana Calcanhotto

(Alfredo chega do hospital após um plantão e acorda Malu que está na cama ao beijá-la)




MALU: Alfredo, nem vi você chegar! (Senta na cama)

ALFREDO: Eu acabei de chegar, tive uma cirurgia longa, mas graças a Deus o paciente vai sobreviver.

MALU: Meu marido é um herói da neurocirurgia. (Beija Alfredo).

ALFREDO: Está com fome?

MALU: Faminta!

ALFREDO: Vamos tomar um banho e descer para tomar café com os meninos?



(Malu e Alfredo se beijam intensamente durante o banho)



Alguns instantes depois, na sala de jantar da Mansão...



ANTÔNIO: Olha só quem resolveu descer, achei que já estava na agência.

MALU: (Malu se acomoda na cadeira que Alfredo puxou para ela sentar) Bom dia meus filhos. Eu resolvi ir um pouco mais tarde hoje, nós tivemos uma sessão de fotos bem demorada ontem, não foi Pérola?

PÉROLA: Foi, com direito a Dona Maria Lúcia fotografando!

ALFREDO: Modelo? Quero dar uma olhada nessas fotografias, aposto que ficaram lindas.

MALU: Bobagem dela, para Pérola!

BETÂNIA: Os senhores vão querer café?

MALU: Sim, por favor Betânia!

ALFREDO: E a Ingrid? Teve notícias?

MALU: Sim, eu falei com ela por mensagem ontem. O vôo dela chega pela tarde. Betânia, eu gostaria de umas torradas com aquele queijo branco, você poderia pegar para mim, por gentileza?

BETÂNIA: Claro senhora, agorinha mesmo! (Betânia caminha em direção da cozinha).

MALU: Pérola, me passa uma fatia desse bolo por favor?

 

 

Cena 08 – Casa de Rosana e Francisco (Cozinha) [Interna/Manhã]



(Rosana e Francisco tomam café na cozinha)



ROSANA: Eu não consegui pregar o olho a noite inteira com esse raio de história.

FRANCISCO: Eu percebi, você se mexeu a noite inteira. Confesso que também fiquei preocupado, mesmo com todos esses anos, ter aceitado participar de toda essa mentira, eu tenho medo...

ROSANA: Aconteça o que acontecer, Francisco. Você nunca, jamais irá contar a verdade para a Maria Eduarda, nunca!



(Maria Eduarda entra na cozinha acompanhada de Marcela)



MARIA EDUARDA: Verdade? Que verdade eu não posso saber?

FRANCISCO: (Percebe que Rosana ficou estarrecida com a presença da filha, resolve então intervir) Coisa da sua mãe, não sabe como ela é? Dia desses passou mal no quiosque e se recusou a procurar um médico, então estava ameaçando ela que, caso ela não vá até um médico, eu iria pedir a sua ajuda.

MARIA EDUARDA: Eu bem que reparei que a senhora não está bem, ontem à noite a senhora estava nervosa, com direito a quebrar coisas. A senhora vai marcar uma consulta com um médico no posto de saúde essa semana ainda, eu vou com a senhora, ok?

ROSANA: (Permanece em silêncio).

MARCELA: Tia, a senhora está bem? Está pálida.

ROSANA: Estou sim minha querida, pode ficar tranquila. Irei marcar o médico que seu tio sugeriu, agora se vocês me dão licença, preciso organizar algumas coisas do quiosque, vem comigo Francisco? (Rosana se levanta da mesa).

MARIA EDUARDA: (Estranha a reação da mãe) Mãe, a senhora nem terminou de tomar o seu café...

ROSANA: Eu não estava com muita fome, você pode recolher o prato por favor? Obrigada. (Rosana sai da cozinha acompanhada de Francisco).

MARIA EDUARDA: Não estou gostando nada disso...

MARCELA: Do que se refere?

MARIA EDUARDA: Esses dois estão escondendo algo e eu vou descobrir o que é, ah se vou!



Música da cena: Café – Vitão.



(Ao chegar no quarto, Francisco encontra a esposa mexendo no armário até tirar uma caixa do seu interior).



ROSANA: (Pousa a caixa no colo, abre e começa a olhar o que tem dentro. São recortes de matérias da época em que pegaram Maria Eduarda para criar, onde falam que ela na verdade chama-se Isabela e que sua mãe verdadeira a procura).

FRANCISCO: Você ficou doida? Isso é hora de olhar essa caixa velha? Já deixou a menina desconfiada, imagina se ela entra no quarto e te vê com esse seu acervo bizarro. Guarde isso agora, jogue fora, queime, mas se livre disso!

ROSANA: (Olha para Francisco, fecha a caixa e a guarda no mesmo lugar).

 

Cena 09 – Mansão Germai [Interna/Tarde]



(Betânia atravessa a sala correndo extremamente apressada, pois alguém está tocando insistentemente)



BETÂNIA: Já vai, já vai! (Betânia abre a porta e dá de cara com Ingrid).



Música da cena: Louca – Alice Caymmi.



INGRID: Pelo que vejo, continua extremamente lenta em urubu? Que moleza, a sua sorte é que minha mãe te adora, porque se dependesse de mim você já estaria no olho da rua. (Entra).

BETÂNIA: Eu estava na cozinha dando instruções a cozinheira, Ingrid.

INGRID: Te perguntei alguma coisa, urubu? Para você é Senhorita Ingrid, entendeu? Empregado só é bom mesmo na cozinha, que criadagem mais folgada, me chamando pelo nome... Mande o Romeu subir com as minhas malas e vá preparar meu banho de hidromassagem com todos os sais de banho que tenho direito. (Tira os óculos escuros). Você ainda consegue fazer isso, não consegue?

BETÂNIA: Sim... Senhorita!

INGRID: Foi o que pensei! (Sobe a escada).

BETÂNIA: (Revira os olhos, fecha a porta e sobe a escada em direção ao quarto de Ingrid).

 

Cena 10 – Avenida Food Park (Quiosque de Rosana e Francisco) [Interna/Tarde]



(Rosana e Francisco chegam à praça de alimentação que ainda está pouco movimentada, somente com os proprietários de comércio naquela região, sem perceber que o quadro de medidores está com faiscamento).

 

ROSANA: Não adianta Francisco, eu não vou contar nada para a Maria Eduarda. O que você acha que vai acontecer? O óbvio, ela vai querer conhecer a família biológica dela. E se ela gostar deles e quiser nos abandonar? Eu não vou suportar.

FRANCISCO: Ela não faria isso, ela nos ama. Pode querer conhecer a família, vou achar natural, mas ela nunca nos viraria as costas, eu duvido.

ROSANA: Não sei, eu não quero pagar pra ver, não quero. Essa história vai continuar assim, bem guardada.

FRANCISCO: Como naquela sua caixa velha de recortes? Eu nunca entendi porque você guardou tudo aquilo, juro.

ROSANA: Nem eu, Francisco!

 

(Os medidores começam a pegar fogo sem que as pessoas percebam).

 

Cena 11 – Mansão Germai [Interna/Tarde]

Música da cena: Nada Será Mais Como Era Antes – Silva

(Imagens de São Paulo são apresentadas enquanto o fim da tarde se aproxima. Malu chega em casa acompanhada de Pérola, as duas são recebidas por Betânia).

 

MALU: Nem estou acreditando que consegui fugir mais cedo daquela agência e cheguei em casa antes de anoitecer.

PÉROLA: (Senta no sofá toda largada) É, milagres acontecem e no seu caso, sabemos qual foi o milagre que te fez querer vir para casa mais cedo.

MALU: Engraçadinha! Betânia, onde ela está?

BETÂNIA: Ela...

INGRID: (Aparece no alto da escada e interrompe Betânia) Se está se referindo a mim, estou bem aqui!

PÉROLA: (Murmura) Estava bom demais pra ser verdade...

 

(Ingrid desce e vai de encontro com a mãe, as duas se abraçam).



MALU: Deixe-me olhar pra você... Você está linda filha, cada dia mais!

INGRID: Modéstia à parte, mas isso não é nenhuma novidade mamãe. (Olha para Pérola). Não vai me cumprimentar, irmãzinha? Não está feliz em me ver?

PÉROLA: Claro! (Pérola se levanta do sofá e abraça a irmã).

INGRID: (Observa a irmã com desdém) Cortou o cabelo, está meio...

PÉROLA: (Interrompe a irmã antes que ela seja indiscreta) Está meio não querida, está completamente do jeito que eu queria, afinal fui eu quem escolheu o corte e pagou por ele.

INGRID: (Cai na risada) Calma! Ia falar que estava somente um pouco desalinhado, nada que um toque do meu cabeleireiro não resolva, mas depois falaremos disso. Onde está o Antônio e o Alfredo?

MALU: Estão no hospital. Alfredo tinha uma reunião com o conselho e seu irmão permanece estagiando, como previsto. Devem chegar daqui a pouco para o jantar.

INGRID: Que bom, porque estou com muita fome. Seria capaz de matar uma pessoa e comê-la inteira. (Olha para Pérola, tentando atingi-la com suas ironias).

MALU: Que coisa mais mórbida de se dizer, Ingrid!

PÉROLA: Cuidado para não ter uma indigestão, afinal até as sucuris podem morrer depois de devorar a presa em sinal de indigestão! (Devolve a ironia).

 

Cena 12 – Avenida Food Park [Interna/Noite]



(Rosana e Francisco estão no quiosque, quando percebem uma grande movimentação na praça de alimentação, seguida por gritos e um forte cheiro de queimado).



FRANCISCO: Que cheiro é esse?

ROSANA: É cheiro de queimado, tem alguma coisa pegando fogo!



(Francisco e Rosana rapidamente saem do quiosque e percebem que existe um incêndio se alastrando pela praça de alimentação).



ROSANA: Fogo! (Grita).

FRANCISCO: Precisamos chamar o corpo de bombeiro e sair daqui!



(Pessoas tentam apagar o incêndio com baldes com água, entretanto as chamas avançam cada vez mais)



HOMEM: O fogo se alastrou na região da saída principal, não vamos conseguir sair!

FRANCISCO: Mas nós temos que sair daqui, a praça tem uma saída de emergência, tem que ter!

HOMEM: Ela está interditada, a obra nunca foi concluída, a saída de incêndio dá acesso a um beco que não tem saída, ninguém tinha pressa de concluir essa obra. Quem poderia imaginar que isso iria acontecer?

ROSANA: Meu Deus, nós vamos morrer queimados! (Rosana se desespera).

FRANCISCO: Não vamos não, eu não vou deixar!

 

Cena 13 – Mansão Germai (Sala de Jantar) [Interna/Noite]



(Toda a família Germai está sentada a mesa jantando).



INGRID: Eu trouxe presentes para todos, depois do jantar eu entrego.

ALFREDO: Eu fico impressionado, mesmo com essa sua agenda lotada, você ainda conseguiu fazer tantas compras.

INGRID: Meu querido padrasto, quando nós realmente queremos algo, arrumamos tempo. Por menor que seja, sempre conseguimos.

ANTÔNIO: Além dos presentes, ela voltou com uma grande bagagem de filosofias.



(Todos sorriem).



MALU: Meus contatos me falaram que a Ingrid se saiu muito bem na semana de moda de Barcelona, os agentes da agência já receberam inúmeras ligações, eles te querem em todo mundo.

INGRID: Querer é uma coisa, mamãe. Ter, é outra bem diferente.

MALU: Minha filha, assim serei obrigada a concordar com o seu irmão, você está realmente muito filosófica. O que você quer dizer com isso agora?

INGRID: Que eu resolvi me aposentar das passarelas!

ALFREDO: Aposentar? Mas já?

INGRID: Sim, já estou praticamente na idade de abandonar as passarelas, fora que sinto a vontade de seguir novos desafios.

MALU: E o que está pensando em fazer da vida, então?

INGRID: Pensei em trabalhar com a senhora na agência, posso te auxiliar, ser seu braço direito, assumir um posto na diretoria, conselho ou quem sabe a vice-presidência.

PÉROLA: (Engasga com um gole de vinho) Vice-presidente da agência?

MALU: Minha filha, precisamos amadurecer melhor esses seus pensamentos. Você sabe como eu sou ali dentro, aquela agência é a minha vida. Tudo que construí me rendeu muito esforço, fora que já tenho o René como vice-presidente, em quem confio de olhos fechados. Você precisaria se capacitar para tal cargo, não posso simplesmente te colocar na diretoria como quem caiu de paraquedas ou te beneficiar por ser minha filha, acima de tudo eu sou justa.

INGRID: Estudar mamãe? A senhora só pode estar brincando, eu sei todo o fluxo daquela agência, ninguém é mais capacitado que eu. Posso inclusive lhe substituir!

MALU: Me substituir? Quem está falando de aposentadoria aqui é você e não eu. Eu ainda pretendo dirigir a agência por muito tempo. Para assumir um cargo na diretoria da agência, você terá que se capacitar, até segunda ordem. Caso contrário, terá que fazer como eu, começar de baixo.

INGRID: (Se irrita, mas disfarça) Claro mamãe, tem razão. Tem toda a razão!



Cena 14 – Avenida Food Park [Externa/Noite]



(Maria Eduarda e Marcela estranham a movimentação na porta da praça de alimentação, principalmente após notarem a presença da polícia e corpo de bombeiros).



MARCELA: Mas o que está acontecendo aqui?

MARIA EDUARDA: É fogo, a praça de alimentação está em chamas... Meus pais! (Maria Eduarda corre entre a multidão para se aproximar da praça de alimentação).

POLÍCIAL: Moça, você não pode passar dessa parte! (Orienta o policial).

MARIA EDUARDA: Os meus pais, eles estão lá dentro, eu preciso vê-los, saber como eles estão, se estão bem. O senhor tem que me deixar entrar!

POLÍCIAL: Eu entendo a sua aflição, mas infelizmente eu não posso deixá-la entrar. É perigoso, os bombeiros estão tentando conter as chamas nesse momento. A informação que temos até o momento é que o fogo já se alastrou em pelo menos 80% da praça de alimentação.

MARIA EDUARDA: Meu Deus, eu preciso salvar os meus pais! (Maria Eduarda tenta furar o bloqueio policial, mas é contida). Meus pais, meus pais! (grita).


A imagem foca em Maria Eduarda sendo segurada por um policial, a cena congela e o capítulo encerra com o som de uma câmera fotografando.



TRILHA SONORA OFICIAL, clique aqui.

 



Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.