Type Here to Get Search Results !

Marcadores

PRAZER, SATISFAÇÃO- CAPÍTULO 18

 



Cena 1. Hospital. Frente. Rua. Noite.

Quando o carro vai pra cima de Juliana... Luciano corre, a empurra e se joga na frente, sendo atropelado em seu lugar. Foco em Juliana caida, assustada. O carro acelera e dá partida...

Cena 2. Carro de Renato. Noite.

Renato dirigindo, satisfeito.

Renato: Deu certo!

Cena 3. Hospital. Frente. Rua. Noite.

Muitas pessoas se unem em volta de Luciano (desacordado, com um corte na testa). Amanda vê Juliana caída e corre pra ajudá-la.

Amanda: Juliana! O que aconteceu aqui amiga?

Juliana sem reação, machucada, apenas lágrimas caem de seus olhos.

Amanda: (chama Rodrigo) Rodrigoooo, a Juliana aqui! Ajuda!

Rodrigo vê e corre até elas.

Rodrigo: Meu Deus Ju! Aquele homem que te salvou, foi? (T) Vou pedir uma maca pra você!

Juliana só consegue ficar assustada.

Corta para/ Luciano e Juliana são levados de maca para dentro do hospital. Luciano de repente abre os olhos e dá um sorriso cínico. Close.

Cena 4. Bordel Lovely's. Salão. Noite.

Kelly sentada no balcão tomando uma água. Seu cel. toca, ela atende.

Kelly: (cel) Alô? (T) A MINHA MÃE FOI ATROPELADA? (T) Onde? (T) Tô indo já pra aí!

Kátia vai até ela.

Kátia: O que aconteceu?

Kelly: Minha mãe foi atropelada! Eu tenho que voar pra aquele hospital!

Kelly pega sua bolsa e sai apressada.

Kelly: Talvez eu não volte aqui hoje, viu?

Kátia: Ok. Melhoras pra ela! Manda notícias!

Kelly se dirige à saída e Kátia fica apreensiva.

Cena 5. Ap de Stela. Sala. Dia.

Stela impaciente, tira o celular do ouvido.

Stela: Porquê será que ela não tá atendendo?... (t) Deve tá no trânsito... Melhor pensar assim...

Close.

Cena 6. Casa de Juliana. Sala. Noite.

Anne e Thiago estão tomando um refrigerante enquanto assistem tv.

Thiago: Ai Anne, eu tô com medo do Danilo espalhar isso... Se uma coisa dessas chegar no ouvido do meu pai... Eu não sei o que eu faço!

Anne: Mas o seu pai não sabe?

Thiago: Não! Na verdade, não sei...

Anne: Todo pai sabe... Não adianta! O seu finge, só se for!

Thiago: Ele é muito homofóbico Anne... Eu sinceramente tenho medo!

Anne: Calma vem cá!

Anne dá um abraço no amigo.

Anne: Se caso acontecer alguma coisa, você fica aqui em casa viu!

Thiago se emociona...

Anne: Mas me conta do Gabriel, me conta de hoje... Como foi?

Thiago vai falando fora de áudio... 

Cena 7. Hospital. Corredor. Noite.

Kelly acompanhada de Amanda percorrem o corredor.

Kelly: Qual é o quarto Amanda?

Amanda: É esse aqui!

Kelly: Obrigada!

Ela abre a porta.

Cena 8. Hospital. Sala de curativos. Noite.

Kelly adentra a sala e vê a mãe numa poltrona, apenas com um curativo na testa. 

Juliana: Kelly, filha!

Kelly: Mãe? Tá tudo bem com você? Como foi isso?

Juliana: Bem eu tô, agora seu pai, eu já não sei...

Kelly olha pra cama do quarto e vê Luciano, deitado, tomando soro.

Kelly: (surpresa) Pai? É você?

Luciano: (olha pra Kelly) Eu voltei filha! Não vai me dar um abraço?

Kelly ainda chocada, não consegue ter reação.

Kelly: Antes você vai ter que explicar muita coisa pai! Onde você tava esses anos todos? Porquê abandonou a gente?

Luciano: (se fazendo de bonzinho) São tantas perguntas né filhinha...

Juliana revira os olhos a cada palavra dita.

Luciano: (cont.) E eu vou responder todas elas! (T) Mas antes eu quero ver a Anne, cadê ela?

Kelly: Ela tá em casa! 

Luciano: Chama ela por favor! Mas antes, Kelly. Eu quero um abraço seu!

Kelly engole seco, sem saber se deve fazer isso. Juliana olha aquilo enjoada...

Kelly: Tá!

Ela se abaixa dá um abraço bem "seco". Luciano sorri ironicamente.

Cena 9. Casa de Juliana. Sala. Dia.

Anne ao celular.

Anne: (cel) Hospital?

Kelly: (cel) É! Vem pra cá agora que você vai ter uma surpresa!

Anne: (cel) Tá, eu só vou me arrumar e tô indo!

Elas desligam.

Thiago: O que houve? 

Anne: Não sei... Mas eu vou ter que ir pro hospital agora!

Thiago: Eu também tô indo pra casa!

Eles se despedem com beijinhos e Thiago se vai.

Cena 10. Ap de Stela. Cozinha. Dia.

Adelaide de pijama, em frente ao microondas fazendo pipoca. Stela entra na cozinha, chateada.

Adelaide: Tô fazendo pipoca, vai querer?

Stela: Não!

Adelaide: Que cara de bunda é essa?

Stela: Quê que é hein? Não te interessa!

Adelaide: Tá bom, grossa!

Stela pega um copo e enche d'água. Adelaide a olha com deboche...

Cena 11. Casa de Gabriel. Quarto. Noite.

Gabriel deitado na cama deprimido e pensativo... 

Gabriel: Talvez seja melhor...

Ele abre o celular e manda uma mensagem para Thiago:

— Oi Thiago, precisamos conversar.

Close.

Cena 12. Hospital. Corredor. Noite.

Rodrigo acompanha Anne até o quarto e ela entra.

Cena 13. Hospital. Quarto. Noite.

No quarto estão Juliana, Kelly e Luciano. Anne entra, vê Luciano na cama e surpreende, em choque.

Anne: (chocadíssima) Espera aí? Pai? É você?

Closes alternados em Anne e Luciano...

Abertura:


Cena 14. Hospital. Quarto. Dia.

Continuação: Anne chocada diante de Luciano.

Anne: Eu... Eu não tô acreditando...

Luciano: (p/ Kelly e Anne) Eu senti tanta falta de vocês duas... Minhas filhas lindas!

Anne olha pra Kelly. Juliana continua olhando, se segurando para não explodir.

Luciano: Me dê um abraço minha filha.

Anne hesita um pouco, olhando para Luciano.

Anne: Não! Eu quero que você explique tudo antes! Quero saber por que você nos abandonou! (Revoltada) ERA A SUA FAMÍLIA LUCIANO!

Juliana: Calma filha!

Anne: Calma nada mãe! Eu quero saber, quero não, eu tenho o direito de saber por qual motivo ele nos deixou!

Luciano respira fundo.

Luciano: Eu vou contar tudo!

Na expectativa de todas, corta:

Cena 15. Ap de Thiago. Quarto. Noite.

Thiago mexendo no celular, logo ele vê a mensagem de Gabriel. A TELA SE DIVIDE EM DUAS, MOSTRANDO OS DOIS DE CADA LADO. Thiago responde a mensagem.

— Posso imaginar o motivo de querer conversar...

Gabriel responde:

— Mas prefiro que seja pessoalmente. Amanhã.

Thiago responde:

— Tudo bem. Boa noite ; )

A TELA VOLTA A FOCAR APENAS EM THIAGO.

Thiago: (apreensivo) O que será que só pode ser contado pessoalmente?

Close.

*Aqui já ouvimos as vozes da próxima cena*

Luciano: (OFF) Eu fui sequestrado!

Cena 16. Hospital. Quarto. Noite.

Juliana, Kelly e Anne desacreditadas.

Juliana: (se levanta da poltrona) Olha aqui Luciano, é melhor você contar a verdade. Seu eu não te conhecesse como eu te conheço, eu podia até fingir que eu acreditaria... Mas o seu ar de mau caratismo não me deixa dúvidas...

Luciano: Juliana, eu te salvei de um atropelamento e é assim que você me trata? Me colocando contra as nossas filhas.

Anne e Kelly se olham apreensivas.

Juliana: Ah então foi por isso... Luciano põe na sua cabeça uma coisa! Seu tempo passou! Quê que adianta você voltar agora? As meninas já tão grandes, criadas.../

Luciano: (corta) CHEGA JULIANA. Você até agora não me deixou explicar o que aconteceu nesses últimos cinco anos! Eu devo uma satisfação pra vocês!

Kelly: Mãe, pensa bem... É melhor a gente ouvir a versão dele!

Juliana: Pois então Luciano. Fale!

Luciano: Como eu ia dizendo... Eu fui sequestrado! Fui mantido num cativeiro na Amazônia! O que não me deixa mentir é essa cicatriz aqui no meu braço!

Luciano levanta a manga da blusa e mostra a cicatriz. As três olham chocadas.

Luciano: Isso foi por eu ter ficado tanto tempo amarrado, tanto com corta, corrente de metal, fio de cobre... 

Juliana: (irônica) E qual foi o motivo de 5 anos de sequestro?

Luciano: Trabalho escravo!

Cena 17. Hospital. Corredor. Noite.

Juliana, Kelly e Anne saem do quarto.

Anne: Será que não seria melhor, uma de nós passar a noite aqui com ele? 

Juliana: Ah Anne, me poupa né? Seu pai não é nenhum bebê de colo, pra ser paparicado!

Kelly: Mãe, você acreditou nele?

Juliana: Em nenhuma palavra!

Kelly: Talvez se ele apresentasse uma prova mais concreta...

Juliana: Apresentando ou não, não dá sabe... Com ele... Não dá pra dar confiança!

Anne pensativa de costas pras duas.

Juliana: O que foi Anne?

Anne: Eu não sei! É muita coisa pra minha cabeça!

Juliana: Vem, vamos pra casa, descansar! (T) Putz, o meu celular! Eu acho que perdi durante o atropelamento! E eu tinha um encon.../ Ah deixa!

Kelly: Vamos procurar na rua, as vezes ainda está lá!

E elas correm até a saída do hospital.

Cena 18. Hospital. Quarto. Noite.

Luciano ao celular.

Luciano: (cel) Oi pai! (T) Pode vir! Mas cuidado pra não ser visto!

Ele desliga.

Cena 19. Ap de Stela. Suíte. Noite.

Plano aéreo. Stela pensativa, deitada na cama olhando a foto da sua filha... Batidas na porta.

Stela: (escondendo a foto debaixo dela) Entra!

Adelaide: A pilha do controle do ar condicionado acabou! Queria saber onde tem!

Stela: (virando os olhos) Tem uma aqui no armário!

Quando Stela se levanta, Adelaide vê a foto e na curiosidade vai ver o que é.

Adelaide: Você tem uma foto da sua filha?

Stela: (se vira irritada) O que você tá mexendo aí sua fuxiqueira? 

Adelaide: Calma!

Stela encontra uma embalagem de pilha e joga pra irmã.

Stela: Toma! E tchau!

Adelaide larga a foto na cama e sai do quarto fechando a porta.

Cena 20. Ap de Stela. Corredor. Noite.

Adelaide escorada numa porta analisando idéias... Suspense.

Adelaide: Porquê será que a Stela guardou a foto da menina? Tomara que ela não vá remexer nessa história de mais de 20 anos...

Close.

Cena 21. Cachoeira da Prata. Noite.

Takes da cidadezinha de Adelaide.

Cena 22. Rua escura. Noite.

Juarez anda pela rua até que vê uma mulher (cerca de 55 anos, carregando sacolas) que lhe parece familiar.

Juarez: Espera... Ela é vizinha da Adelaide!

Ele vai abordá-la.

Juarez: Oi senhora tudo bem!

Mulher: Que foi minino?

Juarez: A senhora sabe da Adelaide? Eu já te vi conversando com ela e tô precisando muito falar com de um assunto com ela...

Mulher: Sei não muleque. Xô passar!

Juarez: Você sabe se ela tem família em outra cidade, dona? Ó, acho bom colaborar...

Juarez levanta a blusa que mostra o cabo de revólver. A mulher fica pálida de medo...

Mulher: (nervosa) Olha meu filho, tudo que eu sei é que ela tem parente em Belo Horizonte.

Juarez: BH é muito grande... Quero a localização!

Mulher: (tremendo) Ai sei lá... Eu ouvi alguma coisa de... Bairro Buritis... Como é que eu vou saber? Só sei isso meu filho, agora por caridade me deixa ir?!

Juarez: Tá bom! Já foi útil! Agora vaza, velha idiota!

A mulher não pensa duas vezes e sai correndo. Juarez fica pensando...

Cena 23. Hospital. Entrada. Noite.

Movimentação de pessoas. Renato entra, discretamente e segue um corredor que leva ao quarto que Luciano está.

Cena 24. Hospital. Quarto. Noite.

Renato sentado em uma cadeira ao lado da cama de Luciano, conversando com ele.

Renato: E aí?

Luciano: No caminho pra ganhar cinco milhões!

Renato: Você sabe que vai ter que rebolar muito pra poder reconquistar essa Juliana!

Luciano: Ah pai... Você não sabe da melhor!

Renato: O quê?

Luciano: Foi bem como eu esperava... A Anne foi a primeira que se sensibilizou comigo! Já Kelly e a Juliana foram mal... Querendo ou não, isso já tava no script.

Renato: É filho... Usa todos os seus truques! Conquista a menina, dê presentes, seja um pai presente! Em pouco tempo ela vai tá comendo aí na sua mão! 

Luciano: Agora você tem que ir embora! Se alguma delas volta e te vê aqui... Pra todos os efeitos você morreu um ano antes de eu conhecer a Juliana! Também, quem mandou você sumir né!

Renato: (sarcástico) E você seguiu os mesmos passos do seu papai! Nós somos iguais Luciano! Não tem jeito... É o sangue!

Luciano: Mas por uma coisa você merece um elogio! Você ligou os pontos sobre o caso da Juliana...

Renato: E ainda descobri que ela tem pra receber...

Luciano: (interrompendo-o) Fala baixo porra! Ela trabalha aqui! O que mais tem é gente de butuca! 

Renato se reduz.

Luciano: (fala baixo) Esse casamento em comunhão de bens foi o melhor negócio que eu fiz na minha vida! Nem sabia de nada e pluft! Ganhei na loteria! Literalmente!

Renato: Ok, ok! Mas você sabe que vai ter que ter paciência! Nossa expectativa é de 5 meses até pormos a mão nessa bolada!

Luciano e Renato sorriem um pro outro.

Renato: Agora filho... Preciso voltar pro meu trabalho! 

Luciano: Vai lá!

Renato se levanta e segue em direção à saída do quarto.

Cena 25. Frente do Hospital. Rua. Noite.

Juliana, Kelly e Anne andam pela rua procurando o celular de Juliana. Anne tira seu aparelho, liga a lanterna e aponta pro chão, em seguida Kelly faz o mesmo.

Anne: Foi nesse ponto que você acha que perdeu seu celular mãe?

Juliana: Foi filha! Eu não posso perder ele gente... Tanta coisa tá ali!

Kelly: Mãe! Achei!

A lantena aponta pro celular ao lado do meio fio. Kelly vai até o aparalho, mas neste momento um garoto passa, pega o celular e sai correndo com toda velocidade.

Kelly: (brava) EIIIII!

Juliana: (grita desesperada) Meu celular!!!!!!!!

Anne: Eu vou atrás!

Anne não pensa duas vezes e sai correndo atrás do garoto.

Juliana: FILHA NÃO! Ai meu Deus!

Cena 26. Rua. Noite.

O bandido corre muito rapidamente pela calçada, pula caixas e outros obstáculos. Anne vem correndo ainda mais rápida. O garoto atravessa a rua, Anne corre atrás e neste momento um carro que vinha, freia e quase a atropela.

Anne: Foi mal, foi mal!

Dito isso, ela corre ainda mais rapidamente atrás do marginal, até que ela consegue se aproximar dele e pula em suas costas, o derrubando.

Anne: Devolve o celular da minha mãe bandido!

Bandido: Sai de cima de mim garota!

Anne o imobiliza, colocando o joelho no pescoço dele, enquanto pega uma pedra.

Anne: (ameaçando bater a pedra nele) Bora ladrãozinho! 

Bandido: (Sem ar) Se você me soltar eu te devolvo!

Anne larga a pedra, enfia a mão dentro do short dele, pega o celular e se levanta.

Anne: (ofegante) Pronto! Peguei! Não doeu nada!

De repente, Anne sente algo sendo encostado sua cabeça, ela paralisa.

Bandido 2: (off) Pode ir devolvendo princesinha!

Câm se abre e vemos outro bandido apontando um revólver para a cabeça de Anne, que está em estado de choque. Tensão. 

Cena 27. Barraco de Juarez. Quarto. Noite.

Em meio àquele quarto bagunçado e de paredes mal rebocadas, Juarez coloca algumas roupas numa mochila.

Juarez: Belo Horizonte... Bairro Buritis! Eu vou te achar Adelaide, vou te achar vagabunda! E tú vai pagar!

Ele fecha o zíper da mochila, tira uma passagem de ônibus do bolso e fica a olhar pra ela.

Cena 28. Ap de Stela. Quarto. Noite.

Stela toma um vinho... Ela inquieta olha no celular.

Stela: Nada... É Stela... Ou a Juliana me deu um bolo ou então aconteceu alguma coisa... O que será? Tô preocupada...

Stela passa a mão no peito. Close.

Cena 29. Ap de Stela. Quarto de Adelaide. Noite.

Adelaide sentada na cama pensativa... 

Adelaide: (pensando/off) A Stela não pode voltar nesse assunto da filha! Ela não pode! Seria o meu fim... Um crime inafiançável!

Ela se ajeita na cama, se cobre com o cobertor e apaga a luz ao seu lado.

Cena 30. Rua em frente ao Hospital. Noite.

Juliana e Kelly tensas ali. 

Juliana: (desesperada) Meu Deus do céu cadê a Anne? Cadê a minha filha?

Kelly: Ela é louca! Foi mesmo atrás daquele pivete!

Juliana: Se acontecer alguma coisa com ela eu não vou me perdoar nunca!

Kelly: Calma mãe!

Neste momento Talita sai pela porta automática, atravessa o estacionamento e vai ao encontro de Juliana e Kelly.

Talita: (preocupada) E aí amiga?

Juliana: Talita, eu tô desesperada! Roubaram meu celular e a Anne correu atrás do bandido pra tentar recuperar. E até agora ela não voltou! Eu tenho medo de terem pego a minha filha!

Talita: Calma Jú! Eu vou acionar meu amigo delegado agora!

Talita saca o celular, desbloqueia, disca uns número e põe no ouvido. Close em Kelly e Jú tensas. As duas dão as mãos.

Cena 31. Rua. Noite.

O bandido 2 apontando a arma para a cabeça de Anne.

Bandido 2: Bora mocinha!

Anne está tremendo de medo.

Cena 32. Rua. Carro de Renato. Noite

Renato fecha o porta luvas, quando olha pelo retrovisor. Ele vê a cena de Anne sendo ameaçada e se choca.

Renato: Espera aí... É a Anne! É a minha neta!

Ele imediatamente vira a chave do carro, passa a marcha e dá ré no carro.

Cena 33. Rua. Ext. Noite.

Em slow motion: Anne vai entregar o celular na mão do bandido 2. Ela sente mais medo do que nunca... O suor frio escorre em seu rosto. Ouvimos em off batimentos cardíacos. O bandido 1 olha toda a cena. Cena volta ao normal: Num rompante: o carro de Renato invade a cena e atropela fatalmente o bandido 2. Anne se vira surpresa. Renato buzina.

Renato: Entra menina!

Anne dá volta para entrar no carro.

Renato tira do porta luvas uma pistola e aponta para o bandido 1.

Renato: (apontando a arma) Cê não quer sentir a dor de um tiro não né meu querido? 

O menino não pensa duas vezes e sai correndo.

Anne entra no carro.

Anne: (ofegante) Muito obrigada!

Anne abraça Renato muito grata... Ele se rende e abraça de volta. Depois de um tempo eles se soltam.

Anne: (emocionada e com os olhos marejando) Você salvou a minha vida!

Os dois sorriem um pro outro.

Foco em Anne e Renato/ A imagem congela com o fundo esfumaçado.

(Encerramento com a música: Troca de calçada - Marília Mendonça)



Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.