Type Here to Get Search Results !

Marcadores

VENTO NORTE: Capítulo 34



Cena 01/ Residência Trajano Ferraço/ Suíte principal/ Dia. 

Close em Regina se aprontando em frente ao espelho. Ela penteia os cabelos. Close nela reflexiva enquanto se observa sob o espelho.

Cena 02/ Dentro do trem/ Saguão 01/ Dia. 

(cena sem fala, as vozes dos figurantes estão desfocadas) 

Close em Carlos sentado sob o banco enquanto olha uma fotografia de Melissa. Ele derrama uma lágrima seca e fica reflexivo e pensativo. 

Cena 03/ Bosque/ Dia. 

Plano geral do bosque. A CAM vai se locomovendo até o acampamento da gangue. Há uns cincos homens já mascarados. Close no capitão Reginaldo (60) colocando a máscara.

Reginaldo: (olha para seu relógio de pulso) O trem já deve estar a caminho, aprontem os cavalos... 

Close em Reginaldo confiante e determinado.

Cena 04/ Estrada/ Dia. 

A CAM acompanha o trem passando em uma velocidade média aos arredores do bosque.


Cena 05/ Bosque/ Dia. 

Close em Reginaldo apreensivo. Se ouve o barulho do trem chegando. 

Reginaldo: (grita) Chegou a hora! Vamos cambada!  

Reginaldo corre em direção à seu cavalo e o monta. Close nele partindo em direção à estrada. Close nos capangas montando em seus respectivos cavalos. Os homens gritam enquanto galopam.

Cena 06/ Estrada/ Dia. 

A CAM novamente acompanha o trem passando pelas linhas ferroviárias. 


A CAM agora foca em Reginaldo acompanhado de seus homens galopando em direção ao trem em movimento. 


Cena 07/ Dentro do trem/ Saguão 01/ Dia.

(cena sem fala. as vozes dos figurantes estão desfocadas. )

Close em Carlos pensativo enquanto observa o movimento lá de fora. Ele nota uma pequena movimentação na estrada. 

Cena 08/ Estrada/ Dia.

A CAM acompanha a gangue se aproximando do trem. Eles pausam os cavalos e descem. Eles se dirigem até o trem. 


Cena 09/ Dentro do trem/ Saguão 01/ Dia.

Close em Carlos olhando pela janela e notando uma movimentação estranha na estrada. As pessoas começam a ficar inquietas e comentar, com as vozes desfocadas. 

mulher: (voz de fundo) Meu Deus, estão invadindo o trem! 

homem: (voz de fundo) É a gangue do falcão, estamos perdidos!

Começa uma movimentação de desespero no saguão. Close em Carlos perdido e sem reação. 

Cena 10/ Estrada/ Dia. 

Close em Reginaldo acompanhado de sua gangue entrando no trem em movimento. 


Cena 11/ Dentro do trem/ Saguão 01/ Dia. 

Close em Reginaldo entrando na cabine. As pessoas se desesperam com as vozes desfocadas. 

Reginaldo:  (apontando uma arma) Calem a boca! Vocês (para seus comparsas) Se dirijam às outras cabines. Há três cabines nesse trem. 

Um dos comparsas gesticula com a cabeça simulando um sim. Os bandidos partem em direção às outras cabines. 

Reginaldo: (apontando uma arma, ele tira o chapéu da cabeça) Passem tudo que tiverem, rápido! 

Close em Reginaldo se locomovendo entre os bancos, adquirindo os pertences das pessoas. Foco em Carlos transtornado. 

Cena 12/ Residência Trajano Ferraço/ Sala de estar/ Dia. 

Close em Regina pronta para sair, ela pega sua bolsa que está sob o sofá e se dirige até a porta, onde fica parada em uma espécie de transe. Ela começa a ficar inquieta. Ela caminha um pouco pela sala e coloca a mão no peito aflita.

Cena 13/ Dentro do trem/ Saguão 01/ Dia.

Close em Reginaldo circulando entre os assentos e adquirindo os pertences alheios. Foco nas pessoas apreensivas e com medo. Ele se dirige até Carlos. 

Reginaldo: (aponta a arma para ele) O relógio! Vamos homem! 

Carlos: (nervoso) Calma, calma...

Carlos tira o relógio de seu pulso e entrega à Reginaldo. 

Reginaldo volta a circular. Close em Carlos agoniado. 

Cena 14/ Dentro do trem/ Saguão 02/ Dia.

(cena sem fala, as vozes dos figurantes estão desfocadas)

Close em dois capangas circulando pela cabine com armas nas mãos e adquirindo os pertences dos passageiros. Foco nas pessoas aflitas e com medo. 

Cena 15/ Dentro do trem/ Saguão 03/ Dia.

A CAM acompanha dois capangas circulando pela cabine armados enquanto se apossam dos pertences dos passageiros. Close nas pessoas assustadas. Um dos capangas ao olhar pela janela se depara com um carro da polícia seguindo o trem. 

Capanga: Droga! 

Close no bandido aflito. 

Abertura: 


Vinheta de intervalo: 


Cena 16/ Dentro do trem/ Saguão 01/ Dia.

Close em Reginaldo circulando pela cabine armado. Os quatro capangas aparecem. 

Capanga 01: Capitão, a polícia está seguindo o trem... 

Reginaldo: (nervoso) Inferno! (grita) Inferno! (para os capangas) Vocês trouxeram a gasolina? 

Capanga 02: Aqui capitão, dois galões. (mostra o galão) 

Reginaldo: Excelente! Vamos despistá-los! Você (para um dos capangas) espalhe a gasolina pelas cabines. 

Close nas pessoas aflitas e transtornadas, suas vozes estão desfocadas. O capanga pega os dois galões e se dirige até as outras cabines. Close em Reginaldo observando o movimento pela janela junto com os outros capangas. 

Mulher: (voz de fundo) Valei-me! 

Homem: (voz de fundo) Ah meu Deus do céu!

Close em Carlos sem reação e aflito. Reginaldo espalha a gasolina pela cabine 01. Foco nas pessoas desesperadas. 

Reginaldo: (ele aponta a arma sem rumo) Calem a boca! 

Close nas pessoas transtornadas. 

Cena 17/ Dentro do trem/ Saguão 02/ Dia.

Close em um dos capangas espalhando a gasolina pela cabine. Foco nas pessoas aflitas, suas vozes estão desfocadas. 

Cena 18/ Dentro do trem/ Saguão 03/ Dia.

Close no capanga espalhando a gasolina pela cabine. Foco nas pessoas transtornadas, suas vozes estão desfocadas. 

Cena 19/ Dentro do trem/ Saguão 01/ Dia.

O capitão continua a olhar o movimento pela janela. O meliante encarregado de espalhar a gasolina pelas cabines entra na cabine. 

Capanga: Feito capitão!

Close em Reginaldo confiante e cínico. Foco nas pessoas transtornadas. Ele pega um fósforo do bolso e o acende. A CAM fica em câmera lenta. O reflexo dele aparece sob o fogo. Ocorre uma sonoplastia ao fundo. 

Instrumental: 


Ele joga o fósforo no chão sob a gasolina. O saguão começa a incendiar. O instrumental termina. As pessoas se desesperam e começam a gritar. Reginaldo e os capangas fogem pela janela inversa à janela onde a polícia está cercando. Ocorre uma grande movimentação na cabine. Close em Carlos desesperado, sem saber o que fazer. Carlos começa a rezar enquanto a tensão e o desespero tomam conta do saguão. 

Carlos: (orando) Pai nosso que estás no céu, santificado seja o vosso nome, vem a nós o nosso reino, seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje, perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido, não nos deixei cair em tentação mas livrai-nos do mal... (pausa profunda)

Ocorre um eco na palavra final proferida por Carlos. 

Carlos: Amém! 

Close em Carlos aflito se dirigindo até uma das janelas no meio das pessoas transtornadas. Close no fogo se espalhando pela cabine.  

Cena 20/ Residência Trajano Ferraço/ Sala de estar/ Dia.

Close em Regina ainda aflita. Ela caminha transtornada pela sala. Regina começa a sentir uma forte dor no peito. Ela coloca a mão no peito. Foco nela inquieta e aflita. 

Cena 21/ Dentro do trem/ Saguão 01/ Dia.

Close no desespero das pessoas em meio às chamas. Foco em uma mulher com todo o corpo pegando fogo enquanto corre em direção à outra cabine. Foco em Carlos sem reação, tentando se locomover em meio às chamas.

 Cena 22/ Estrada/ Dia.

A CAM acompanha o trem em chamas através das janelas. Se vê os passageiros correndo de uma cabine para a outra. Também se ouve o grito das pessoas em meio ao fogo. 


Alguns segundos se passam e o trem explode. Foco no momento exato da explosão. 


O trem vai parando lentamente. 

 Cena 23/ Residência Trajano Ferraço/ Sala de estar/ Dia.

Close em Regina aflita sob a sala.

Regina: Meu Deus... Que sensação ruim... 

Foco nela desnorteada. Ela se dirige até o corredor que leva até a cozinha.

 Cena 24/ Residência Trajano Ferraço/ Cozinha/ Dia.

Regina entra na cozinha e se dirige até a mesa onde está o jarro de água na bandeja junto aos copos. Ela se serve e bebe a água. O rádio está ligado. 

Radialista: (off) E termina de maneira trágica o sequestro ao trem da linha vinte e cinco. 

Regina se choca com o que ouve no rádio. Ela se dirige até o aparelho e aumenta o volume. 

Radialista: (off) O trem que estava indo em direção à ferroviária de São Paulo foi incendiado por bandidos liderados por Reginaldo Monteiro. Ainda não se tem dados de quantas pessoas... 

A voz do radialista fica desfocada. Close em Regina sem reação. Ela caminha um pouco pela cozinha. Regina dá um arrepiante grito de se lavar a alma. Ela se ajoelha no chão, onde fica desolada e desesperada junto à uma sonoplastia de fundo.

Instrumental: (dura até o final da cena 30)


 A CAM vagueia em câmera lenta pela cozinha se dirigindo até o corredor. Se ouve apenas os gritos de Regina.. 

 Cena 25/ Residência Trajano Ferraço/ Corredor/ Dia.

A CAM vagueia em câmera lenta pelo corredor. Se ouve apenas os gritos de Regina. 

 Cena 26/ Residência Trajano Ferraço/ Suíte principal/ Dia.

A CAM vagueia em câmera lenta pelo quarto de Regina. Se ouve apenas os gritos dela.

 Cena 27/ Residência Trajano Ferraço/ Quarto de Melissa/ Dia.

A CAM vagueia em câmera lenta pelo quarto de Melissa. Se ouve apenas os gritos de Regina. 

 Cena 28/ Residência Trajano Ferraço/ Quarto de Carlos/ Dia.

A CAM vagueia em câmera lenta pelo quarto de Carlos. Se ouve apenas os gritos de Regina. 

 Cena 29/ Residência Trajano Ferraço/ Sala de jantar/ Dia.

A CAM vagueia em câmera lenta pela sala de jantar. Se ouve apenas os gritos de Regina. 

 Cena 30/ Residência Trajano Ferraço/ Sala de estar/ Dia.

A CAM vagueia pela sala de estar. Se ouve apenas os gritos de Regina. Plano geral da sala. A CAM se dirige até uma fotografia da família Trajano Ferraço, onde toda a família está reunida. Na imagem em questão estão Regina, Celso, as crianças, Eleonora, Alberto e Vera. 

 Cena 31/ Stock Shots. 

Ocorre uma transição entre o sol e a lua, anoitece. 



 Cena 32/ Bordel Le Blanc/ Saguão principal/ Noite. 

Close em Laura vestindo luto e totalmente desolada entrando em casa. As meninas a olham com pena. Alice se dirige até ela. 

Alice: Laura...

Laura: (a interrompe) Amanhã, amanhã, por favor...

Alice gesticula com a cabeça simulando um sim e se afasta. Laura se dirige desolada até seu quarto.

 Cena 33/ Bordel Le Blanc/ Suíte principal/ Noite. 

Laura entra em seus aposentos e se dirige até sua cama, onde desaba. Close nela aos prantos enquanto abraça o travesseiro. 

 Cena 34/ Residência Muniz/ Sala de estar/ Noite. 

Plano geral da sala. Roberto, Helena, Rosália e Vicente estão vestindo trajes negros. 
Helena e Carlos estão de pé observando Rosália e Vicente sentados sob o sofá. Rosália está consolando o amado.  

Vicente: (aos prantos) Eu ainda não consigo acreditar... Ele era meu melhor amigo... Até alguns meses atrás nós éramos inseparáveis... 

Rosália: (o acaricia no rosto e logo em seguida o abraça) Eu sei, eu sei...

Close em Rosália e Vicente abraçados. Foco em Vicente desolado. 

 Cena 35/ Praia/ Noite. 

Plano geral do mar. 


A CAM vagueia até Regina que está vestindo um traje negro enquanto observa o mar. Ela está segurando uma urna. Regina derrama uma lágrima seca. Alguns minutos se passam e ela abre a urna. Ela  fica reflexiva e pensativa. Regina joga as cinzas que estão dentro da urna sob o mar. As cinzas voam devido ao vento. Close em Regina desolada sob o mar. 

 Cena 36/ Residência Trajano Ferraço/ Sala de estar/ Noite. 

Regina entra em casa desolada. Ela coloca seu chapéu sob o gancho ao lado da porta e logo em seguida coloca sua bolsa sob a mesinha lateral. Ela se dirige exausta até o corredor, que leva ao quarto. 

 Cena 37/ Residência Trajano Ferraço/ Sala de estar/ Noite. 

Regina entra em seus aposentos, se dirige até sua escrivaninha, abre a gaveta do armário ao lado da mesa, pega seu diário e o abre. Logo em seguida ela pega sua caneta e começa a escrever. 

Regina: Perdi mãe, pai, avó, marido (pausa profunda) filhos... Perdi todas as pessoas que amava, já não possuo forças para lutar, já não possuo por quem lutar... Éramos uma família tão feliz, tão feliz... Queria poder voltar no tempo e pensar que o que estou vivendo é um sonho ruim... Queria poder acordar e ter toda a minha família ao meu lado, me dando amor, apoio e afeto... (derrama uma lágrima seca) Me sinto vazia por dentro como nunca havia me sentido antes... 

Close em Regina reflexiva e desolada. Ela começa a debulhar-se em lágrimas em um emocionante e copioso choro de se lavar a alma. Foco nela aos prantos sentada sob a mesa. 

A imagem fica em preto e branco, como se fosse um filme dos anos 40. Close em Regina desolada sob a mesa. 

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.