Type Here to Get Search Results !

Marcadores

ALTOS & BAIXOS - CAPÍTULO 20

  



Cena 1/ Casa de Carla e Vanessa/ Quarto de Sarah/ noite

Lisa entra no quarto e percebe Sarah tristonha, agarrada ao travesseiro.

Lisa: Sarah minha filha... Tá tudo bem?

Sarah: Mais ou menos... Só preciso dormir!

Lisa se senta na cama ao lado da filha.

Lisa: (preocupada) O que aconteceu?

Sarah: Nada, relaxa!

Lisa: Você nunca escondeu nada de mim Sarah! Conta pra sua mãe qual o motivo de você estar triste!

Sarah: A Giovanna, que tava esperando um filho do Fellipe perdeu a criança e eu tô com medo do Fellipe querer ficar com ela...

Lisa: Mas Sarah isso não faz sentido! Ele gosta é de você filha... E já provou isso muitas vezes!

Sarah: É... Eu devo estar muito sensível mesmo... 

Lisa: Eu vou tomar um banho e dormir também! Boa noite filha!

Sarah: Boa!

Lisa dá um beijo na cabeça de Sarah, apaga a luz e sai do quarto. Sarah se ajeita na cama e tenta dormir...

Cena 2/ Casa de Carla e Vanessa/ Sala/ Noite

Carla entra em casa e vê Lisa passando por ali.

Carla: Filha?

Lisa: Oi mãe! Como foi lá na casa da Ana Luiza?

Carla: O Fellipe, tadinho, tá triste né... Mas ele vai superar tudo!

Lisa: E a Ana?

Carla: A Ana tá na menopausa... Tá que não se aguenta em pé...

Lisa: Mas menopausa aos 42? Isso aí tá estranho...

Carla: Mas só pode ser isso!

Lisa: Você não sabe da maior... Fui eu que ajudei na operação dessa menina... Giovanna né?

Carla: Gente que coincidência!

Lisa: E ainda fiquei responsável por dar a notícia à mãe dela! Loucura né?

Carla: É... Ia ser meu primeiro bisneto...

Lisa: Não fica assim mãe... Outros netos e bisnetos virão sim. A Vanessa, a Sarah e o Fellipe tão aí... Daqui a pouco fazem 30 anos e tão aí com um penca de filhos...

Carla: Você acha mesmo que a Sarah e o Fellipe vão dar certo juntos? Porque eles são primos e normalmente esse tipo de relação não é durável... 

Lisa: Isso só tempo pode dizer mãe... E eles também! Cabe a nós apenas olhar de fora!

Carla: Se você diz...

Closes alternados nas duas.

Cena 3/ casa de Ana Luiza/ Quarto de Fellipe/ Noite.

Quarto escuro. Fellipe está deitado na cama, olhando pro teto, pensativo... Tempo.

Cena 4/ casa de Ana Luiza/ Suíte de Ana Luiza/ Noite.

Ana Luiza dormindo profundamente... Close fechado em seu rosto:

(( Sonho on: ))

Praia/ Dia.

Numa praia deserta, Ana Luiza anda pela areia, plena e leve. Ela olha o mar à sua volta e sente a brisa e o frescor... De repente, o tempo se fecha e um relâmpago risca no céu. Pingos de chuva começam a cair, até que se forma uma tempestade. Ana corre para tentar se abrigar, mas acaba tropeçando e caindo na areia... A chuva fica cada vez mais intensa e Ana, cada vez mais encharcada...

(( Sonho off. ))

Ana Luiza acorda, curiosa.

Ana Luiza: Chuva? Será que eu...

Ela levanta o edredon para conferir se está molhada.

Ana Luiza: Tô seca!

Ela liga o abajour, coloca os óculos e pega seu tablet que está em cima do criado mudo. Ela digita algo:

Ana Luiza: (digitando) Sonhar com chuva, o que é?

Ana Luiza lê o resultado da pesquisa, estranhando.

Ana Luiza: Fertilidade? Gravidez?... (se dá conta) Ah! Só pode ter sido por causa da Giovanna...

Ela desliga o abajour, guarda o tablet, tira os óculos e se ajeita na cama...

Ana Luiza: (fechando os olhos) Só pode ser...

Cena 5/ Apartamento de Lourenço/ Quarto/ Noite

Lourenço mexendo em seu notebook, concentrado. Close na tela do notebook que mostra que Lourenço acessa um site de relacionamentos.

Lourenço: Eu tenho que achar alguém!

Ele recebe um like de uma garota e logo se anima...

Lourenço: Opa! Essa aqui faz meu tipo... Nicolle o nome dela. Bonitinha até. Vou entrar no chat.

Lourenço digita algo, entusiasmado e sorridente. Close nele.

Cena 6/ Casa de Yoná/ Quarto de Bernardo/ Noite.

Ritmo. Louca e histérica, Yoná pega todos os objetos da prateleira e joga no chão, com raiva. Bernardo entra no quarto e a segura, mas ela consegue empurrá-lo.

Yoná: Me larga!

Bernardo: Por que você tá fazendo isso comigo mãe? Do que vai adiantar destruir as minhas coisas?

Yoná: É pra você aprender!

Bernardo: Pra quê tanto ódio e tanta ignorância?

Yoná: Você tem noção do que você acabou de me contar? Você disse pra mim que você... Que você... Eu nem consigo dizer!

Bernardo: Gay!

Yoná não se segura e dá uma bofetada na face do filho.

Yoná: Nunca mais repete essa palavra na minha frente! Te criei com esforço, te dei tanto amor, pago escola cara e você me vem me dar esse desgosto?

Yoná vai até o interior do quarto e arranca com toda raiva os lençóis da cama, em seguida começa a puxar e consegue rasgar um travesseiro.

Yoná: Você vai sair dessa casa, Bernardo!

Bernardo: Cê tá louca mãe?

Yoná: Vai morar com seu namoradinho, vai!

Bernardo: Não é possível que a senhora seja tão obtusa! Eu não estou te reconhecendo! Você dizia que me amava e agora me expulsa de casa! O preconceito te cegou mesmo!

Yoná cospe na cara do filho. Bernardo fica incrédulo e paralisado. Yoná vai até o guarda roupa, pega uma mochila, enche de roupas do filho, em seguida joga-a pro garoto.

Yoná: (grita) SAI DA MINHA CASA!

Uma lágrima escorre do olho de Bernardo. Ele chega bem perto da mãe e olha no fundo dos olhos dela:

Bernardo: Eu saio! Mas tenha certeza de uma coisa: Quando eu sair por aquela porta, a senhora nunca mais vai me ver! Tenha certeza disso!

Bernardo dá as costas e segue para a sala... Yoná mordida de ódio, pega um porta retrato e atira contra a parede.

Yoná: (grita) AHHHHHHHH!

Cena 7/ Rua/ Noite.

Instrumental (até o fim da cena 8)

Bernardo anda pela rua, enquanto se acaba de tanto chorar... Ele se senta em uma calçada, tira o celular da mochila e faz uma ligação.

Bernardo: (cel/ chorando) Alô Ian?

(Alternar com Ian em seu quarto:)

Ian: (cel) Bernardo? Tá tudo bem?

Bernardo: (cel) Minha mãe... Me expulsou de casa!

Ian: (cel) Eu não acredito nisso! Aonde você está?

Bernardo: (cel) Tô na rua!

Ian: (cel) Vem pra minha casa!

Cena 8/ Casa de Ian/ Sala/ Noite.

(Cena fora de áudio) Ian abre a porta, Bernardo entra. Bernardo abraça fortemente Ian e cai em em prantos... Ian dá um beijinho na cabeça de Bernardo...

Cena 9/ Paris/ Noite.

Takes aéreos da cidade de Paris. Plano geral na fachada do "Aeroporto Charles de Gaulle".

Cena 10/ Aeroporto Charles de Gaulle/ Pista de vôo/ Noite.

Bang caminha até um jatinho, enquanto fala ao celular.

Bang: (cel) Estou na França! (T) A conexão foi no Aeroporto Charles de Gaulle. (T) Vou pegar o jatinho e em 6 horas estarei no Brasil! (T) Vai ser uma surpresa pra Lisa e pra Sarah!

Bang desliga o aparelho, sobe as escadas e entra no jatinho.

Cena 11/ Céu/ Noite.

Foco no jatinho voando, muito veloz, até sumir pelas nuvens...

Abertura




Cena 12/ Casa de Carla e Vanessa/ Sala/ Dia

Carla, Lisa e Sarah tomam café à mesa.

Lisa: Graças a Deus, hoje é sábado e eu não trabalho!

Sarah: (com a voz triste) Que bom mãe!

Carla: Tá tudo bem, Sarah?

Sarah: Sim vó! Só acordei meio indisposta...

A campainha toca.

Carla: Quem será?

Lisa: Deixa que eu atendo! Deve ser a Talita! A gente marcou de sair...

Sarah: E vão pra onde?

Lisa: Vamos pra um sítio... É coisa do pessoal do hospital...

Sarah: Ah sim!

Lisa se levanta, segue até a porta e abre. Ela e Talita se cumprimentam com um abraço.

Lisa: Entra! Aceita um café?

Talita: (entrando) Já tomei amo/ (se corrige) Lisa!

Lisa fecha a porta e as duas seguem para a mesa.


Cena 13/ Casa de Ian/ Quarto de Ian/ Dia.

Bernardo e Ian dormem abraçados, sem camisa. Bernardo acorda, abre os olhos e beija os lábios de Ian, que também acorda.

Ian: Bom dia meu amor!

Bernardo: Bom dia...

Ian: Ainda tá chateado?

Bernardo: Você não imagina como...

Ian: Imagino sim... Meus pais me aceitaram numa boa, mas existem muitos pais com a mente fechada... O preconceito é uma coisa tão idiota, não é?

Bernardo: Eu não entendo! Nunca vou entender como eu posso ser tão julgado e maltratado apenas por gostar de alguém!

Ian: Se as pessoas se preocupassem em amar mais, julgar menos e cuidar mais de si... O mundo seria muito melhor!

Bernardo: O que mais me choca é a minha própria mãe... (começa a chorar) A minha mãe! A pessoa que me pariu, que mais deveria me amar... Ela me expulsou de casa como se eu fosse um bandido! Como se eu tivesse matado alguém! Mas eu só estava amando! (Aqui ele desaba no choro)

Ian: Calma meu amor!

Ian abraça Bernardo...

Bernardo: Eu vou voltar naquela casa em uma hora que a minha mãe não esteja e vou pegar o restante das minhas coisas! Isso se ela já não tiver queimado!

Eles se soltam.

Ian: Tenho certeza que ela não fez isso!

Bernardo: Eu nem imaginava que a minha mãe podia ser tão descontrolada!

Closes alternados nos dois.

Cena 14/ Hospital da Baleia/ Quarto/ Dia.

Giovanna acorda e se ajeita na cama... Flávia entra no quarto trazendo uma bandeja com uma sopa, um suco e uma gelatina.

Flávia: Filha?

Giovanna: Mãe?

Flávia: (deixando a bandeja no colo de Giovanna) Trouxe pra você!

Giovanna: Nossa... (irônica) Essa sopa deve tá ótima né?

Flávia: Come pelo menos um pouquinho!

Giovanna: Quando é que eu saio daqui?

Flávia: Se tudo der certo... Amanhã mesmo!

Giovanna: Ai ufa! Não aguento mais esse lugar, mãe!

Giovanna afasta a bandeja.

Flávia: Eu sei, eu entendo! Mas você precisa comer um pouco! Vamos Giovanna!

Giovanna: Tudo bem...

Giovanna toma um colherada da sopa... Flávia olha-a...

Cena 15/ Prostíbulo/ Quarto/ Dia.

Vanessa e sua colega Débora (23) conversam, enquanto se maquiam.

Vanessa: Hoje é meu último dia aqui Débora! 

Débora: Sério Van? E o que você vai fazer?

Vanessa: Graças a Deus eu consegui juntar um bom dinheiro trabalhando aqui e vou entrar como sócia numa boate! Ainda não está cem porcento certo, mas eu conversei bastante com a dona!

Débora: Saiba que eu estou torcendo por você!

Vanessa sorri.

Vanessa: Depois que a Jéssica sumiu... Você foi minha única amiga aqui dentro! Eu nunca vou te esquecer!

Débora: Eu ainda tenho esperanças da Jéssica dar algum sinal de onde ela possa estar.

Vanessa abaixa a cabeça, tristonha. O telefone do quarto toca. Débora atende:

Débora: (tel) Sim? (T) Ok!

Ela volta o telefone pro gancho.

Débora: Vanessa, tão nos chamando pra descer! Chegaram clientes!

Vanessa dá a última olhadinha no espelho.

Vanessa: Vamos!

As duas saem do quarto juntas. 

Cena 16/ Prostíbulo/ Salão/ Dia

Vanessa conversando com Raul:

Raul: Já que é o seu último dia... Capricha com aquele cliente ali!

Close em um homem de meia idade observando Vanessa, malicioso.

Vanessa: Tudo bem!

Vanessa pisca sensualmente pro homem e ele vai até ela...

Cena 17/ Prostíbulo/ Quarto/ Dia.

Vanessa e o Homem entram no quarto. O Homem já vai beijando o pescoço de Vanessa, que se esquiva.

Vanessa: O pagamento é antecipado amor!

O homem bate no bolso e percebe que não está com a carteira.

Homem: Putz, esqueci minha carteira lá no carro, mas depois do seu serviço eu vou lá e busco, pode ser?

O Homem volta a tentar beijar Vanessa, mas ela o empurra.

Vanessa: Sinto muito então! Não vai dar! 

Vanessa abre a porta e faz menção para o Homem sair. O cliente puxa Vanessa, a segura pelo braço e bate a porta fortemente.

Instrumental: (até o fim da cena 21)


Vanessa: (insultada) Quê isso?

Cliente: Quem você pensa que é, sua putinha? Você tá aqui é pra servir um macho! E você vai me servir sim! Nem que seja de graça!

O Homem joga Vanessa fortemente na cama e começa a tirar o cinto de sua calça. Vanessa se levanta da cama e tenta chegar até a porta. Mas o Homem a alcança, segura seu braço e lhe dá uma bofetada. Com o impacto, Vanessa cai no chão e bate a boca num móvel.

Vanessa: (grita) SOCORRO! SOCORROOOOO!

Cena 18/ Prostíbulo/ Corredor/ Dia

Em off, ouvimos os altos gritos de Vanessa. Dois seguranças do prostíbulo correm até a porta do quarto e chutam, arrombando-a.

Cena 19/ Prostíbulo/ Quarto/ Dia.

Os seguranças pegam o homem, o seguram e o levam pra fora do quarto. Vanessa observando tudo chorando, abismada e com a boca sangrando.

Cena 20/ Prostíbulo/ Galpão/ Dia

Os dois seguranças prendem o homem pelas mãos, em uma parede que mais se parece com um alvo de dardo. Vemos que na frente dessa parede possui um fuzil apontado pra ela.

Segurança 1: É aqui que os playboy acabam quando não querem pagar o combinado ou então agridem uma das meninas! Tu cometeu as duas coisa comédia!

Cliente: (de mãos atadas/ chorando) POR FAVOR NAAAAAAÃO! Eu tenho família, dois filhos pra criar! Não faz uma maldade dessas! Cês vão se arrepender!

Vanessa desce as escadas e observa a cena.

Segurança 2: (ao homem) Te prepara pra morrê cumpade!

O Segurança 1 mira o fuzil no Homem. Ele sua frio e engole seco... Em câmera lenta a mão do segurança vai apertar o gatilho e... O fuzil dispara e o homem leva inúmeros tiros em todas as partes do corpo. Muito sangue. Vanessa vira o rosto e fecha os olhos, apavorada com a cena...

Vanessa: (grita traumatizada) AHHHHHH!

Ela sai correndo até a saída do prostíbulo, incrédula.

Cena 21/ Rua/ Dia.

Vanessa sai do prostíbulo, completamente transtornada. Uma viatura de polícia passa ao seu lado com a sirene ligada e para bem na porta de prostíbulo. Vanessa olha.

Vanessa: Vão fechar o bordel!

Ela corre dali, sem olhar para trás...

Cena 22/ Ônibus/ Dia

Bernardo numa poltrona. Ele pega o celular e liga para lan.

(Alternar com Ian em casa)

Ian: (cel) E aí?

Bernardo: (cel) Tô dentro do ônibus!

Cena 23/ Shopping/ Escadas rolantes/ Dia.

Yoná (com algumas sacolas) sobe as escadas rolantes, com uma expressão amarga, fria... Tempo.

Cena 24/ Ônibus/ Dia.

Instrumental: (até o fim do capítulo)


Bernardo ao telefone, fora de áudio. De repente o ônibus dá uma sacudida e todos os passageiros se assustam.

Bernardo: (assustado) O quê que é isso?

Cena 25/ Avenida/ Viaduto/ Dia

Nesse momento, aparece um carro na frente do ônibus. O ônibus buzina alto, desvia, ultrapassa a mureta de proteção e se despenca do viaduto, se destruindo todo lá em baixo... Tensão.

(Congela no Ônbius)

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.