Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Força de Um Sonho - Capítulo 05 (Reprise)

 

Cena 1 / Ipanema / Casa de Marcelo e Wanda  / Manhã/

Marcelo ( abordando Gael ) - Eu posso saber o que aconteceu ontem?
Gael ( esfregando o rosto ) - Ai, eu só estava me divertindo...
Marcelo ( relembrando ) - Com uma prostituta? ( T ) Seu comportamento passou dos limites.
Gael - Já sou maior de idade , Transo com quem quiser.
Marcelo ( irritado ) - Quer saber, pode sair da minha casa.
Gael ( surpreso ) - Como assim sair de casa?
Marcelo - Você entendeu bem. Pegue suas coisas e saia da minha casa. Já estou cansado de suas rebeldias, agora irá sofrer as consequências.
Gael - Qual é pai...
Marcelo ( repreendendo - o ) - Qual é nada! ( apontando o dedo ). Pode pegando suas coisas e xispa da da minha casa.
Gael ( irritado ) - Então eu vou... Mas vai ter volta.
 Marcelo - Arrume logo!

Cena 2/ Ipanema / Casa de Paula / Tarde

Leonor está no seu turno de trabalho e sozinha com Paula. 


Leonor - Paula, sabe onde está sua mãe?
Paula ( lixando as unhas ) - Ai, não sei... Ela deve estar por aí.
Leonor - Precisava falar com ela, então vou começar a trabalhar enquanto ela não chega . ( T). Poderia fazer o favor de não pentear os cabelos na pia?
Paula ( incomodada ) - Ai tá... Não fui essa semana ao salão, aí ele fica assim... ruim. Por isso sempre procuro me cuidar, não quero ficar igual essa negalhada desleixada.
Leonor ( repreendendo - a ) - Sabe que algumas coisas que você fala são racismo?
Paula ( desdenhando ) - Ai, vai limpar o meu quarto... Está a maior zona lá.
Leonor - Certo. Vou começar a trabalhar.
Paula ( em voz baixa ) - Mucama eu trato assim.

Em seguida ela volta a lixar as unhas.



Cena 3/ Copacabana / Casa de Douglas / Tarde

Já recém - saído de casa, Gael esta na casa de seu amigo Douglas. Ele chega com varias sacolas.

Gael - E aí bro?
Douglas ( surpreso ) - Nossa Gael, que sacolas são essas?
Gael ( sentando no sofá ) - O meu pai me botou para fora de casa.
Douglas - Sério, cara? Como foi isso?
Gael ( relembrando ) - Ontem cheguei meio bêbado, com uma prostituta, aí o coroa não gostou e me botou pra fora, nem me deu chance.
Douglas - É ... Esse é o chato dos pais, mesmo a gente sendo maior de idade, continua mandando na gente... Sorte que minha mãe trabalha e não enche o meu saco.
Gael - Essa é uma verdade... ( T) O André não ouve nada do pai, mas se eu falo um "a " , já vem falatório. Já estava de saco cheio disso, cara.
Douglas ( apoiando Gael ) - Eu também. assim como você, também já estava de saco cheio, aí decidi parar de obedecer, tanto que nem escuto mais nada, e quando vier na telha, saio de casa. Sou filhinho de mamãe e de papai, posso ter tudo que quero e quando quero.
Gael ( dando risada ) - Você é ótimo cara. ( T). Vou precisar ficar  aqui por uns tempos, até conseguir um apê. ( T).
Douglas - Pode ficar , cara. A casa é sua.
Gael - Mas o papai vai ver só, vou dar o troco nele, mas cedo ou mais tarde.
Douglas - Isso aí. ( T). Aceita uma cerva?
Gael - Claro que aceito.

Os dois dividem a lata.

Cena 4/ Faculdade / Noite

Janaina estava no final de sua última aula do dia, Elaine , sua professora, e decide conversar com ela.

Elaine ( arrumando alguns papeis ) - Janaina, você tem ido muito bem durante as aulas do semestre.
Janaina - Muito obrigada, é que o Direito me faz ter desejo de aprender mais e mis. ( T ). Mulheres negras como nós não podemos deixar nada para trás.
Elaine - Concordo com você , os negros sempre foram marginalizados, e precisamos dismistificar isso.
Janaina - Eu , como moradora do Vidigal, convivo com inúmeras injustiças. Um amigo ficou numa cadeira de rodas apos ser baleado. E o meu pai... ( lembrando a morte de Augusto ). Foi cruelmente morto por um traficante. São situações que mexeram muito comigo e ainda mexem. O meu irmão Wesley sempre se revolta.
Elaine - Mulheres negras estão aos montes na nossa história. ( T) . Dandara dos Palmares, Elza Soares , Marielle Franco... Essas são inspirações para nós.
Janaina ( preocupada ) - Às vezes eu me preocupo com as provas, venho da casa da minha patroa para cá e só tenho a parte que não trabalho para estudar. E às vezes até estudo no ônibus.
Elaine ( apoiando Janaina ) - Pode ficar tranquila que você é uma excelente aluna. Vejo você uma mulher batalhadora e creio que ira se sair bem em todos os exames.
Janaina - Muito obrigada Elaine, obrigada mesmo.

Janaina vai embora, enquanto Elaine encerra as atividades.

Dia seguinte...

Cena 5/ Ipanema / Casa de Paula / Interior / Sala / Manhã

André vai visitar Paula após sua caminhada matinal.

Paula ( recebendo André ) - André, oi... Como vai?
André ( entrando ) - Estou muito bem... ( T). Teve um probleminha, mas nada demais.
Paula - O que aconteceu?
André- O meu irmão saiu de casa por causa de uma briga, e...
Ele para ao perceber Janaina limpando o chão.
André ( desconcertado ) - Me... Me desculpe. Eu mao sabia que estava limpando o chão.
Janaina ( varrendo o chão ) - Não tem problema... A gente limpa de novo. ( T). Voce é o namorado da Paula?
André ( sendo educado ) - Sou sim... E voce é do lar?
Janaina - Sou sim. Eu e minha mãe trabalhamos para a Dona Carmen um tempo.
André - Esse trabalho tem que ser valorizado... Tem muita gente que destrata as domesticas por desprezo... ( T). Ainda mais sendo você tão bonita.
Paula ( incomodada ) - Vamos conversar no quarto.
Andre ( p/ Paula ) - A gente vai em breve pode deixar.
Janaina ( sorrindo ) - Não quero atrapalhar vocês.
André - Não está atrapalhando não, ela sempre foi assim.
Janaina ( sorrindo ) - Mas não deve deixar sua namorada esperando.
Paula ( em tom de deboche ) - Principalmente quando tem uma loira linda esperando por você André, olha a minha beleza.
André ( incomodado ) - Como é? Sabe que não gosto dessa sua atitude, já falei sobre isso.
Paula - Você sempre quer ajudar os negros, vai logo para a África ou para a senzala.
Janaina ( intrometendo - se ) - Olha como fala!
André - É mesmo Paula. Quer saber, esta tudo terminado. Não quero namorar uma racista.
Paula ( cínica ) - Faça o que quiser.
André vai embora e bate a porta, deixando Paula sozinha com Janaina.
Janaina - Que  pena que vocês terminaram...
Paula ( arrogante ) - Tá se metendo em que? Volte ao seu trabalho!

Em seguida Paula se tranca no quarto.

Cena 6/ UERJ / Tarde/ 

Gael vai até a faculdade onde o pai trabalha, indo diretamente à recepção.

Gael- Boa tarde, poderia saber quais horas o Prof Marcelo, do curso de História trabalha?
Recepcionista - Amanhã ele vai estar no campus, vai dar aulas de História Medieval para o 4º e 5º período. ( T). Deseja falar com ele?
Gael - Não, não, obrigado, vou conhecer o campus. ( sorrindo ). Estou pensando em estudar aqui.
Recepcionista ( tentando ajudar ) - Caso queira mais informações, pode vir aqui.

Gael começa a andar pelo campus.



Cena 7/ Rocinha / Estrada / Tarde

Um casal , em viagem, entra por engano na Rocinha e se perde.

No carro...

Homem - Nossa, acho que estamos perdidos.
Mulher - Eu disse para você não seguir o GPS, a gente ia se perder.
Homem - Acho melhor procurarmos um retorno, não podemos ficar aqui, é perigoso.
Mulher - Então vamos logo!

Jadson e os capangas rendem o carro.

Jadson ( com um fuzil em mãos ) - Por que estao em nossa propriedade?
Homem - É que nos perdemos. ( com medo ). Mas, não nos faça nada.

Jadson faz sinal para os capangas e eles fuzilam o carro. É possível ver os corpos ensanguentados do casal.

Jadson - Intruso a gente faz assim . Hahaha

Cena 8/ UERJ / Campus História / Corredor /  Tarde

Após terminar a aula , Julio sai cabisbaixo da sala de aula de Marcelo.

Marcelo ( em direção à porta ) - Bem, alunos... A aula está terminada e vocês já podem ir.

Marcelo percebe Julio triste e mais uma vez decide falar com o rapaz.

Marcelo ( solidário ) - O que foi cara? Voce tem estado muito triste ultimamente.
Julio ( limpando o rosto ) - Não... Não foi nada...
Marcelo ( preocupado ) - Como não foi nada? Voce tem estado relapso nas aulas, triste... ( T). Tenho filho na sua idade e me preocupo que você tenha passado por alguma coisa.
Julio - É que... Eu sou homossexual, mas até agora ninguém me notou.
Marcelo ( aconselhando - o ) - Olha, isso não é um problema, Julio, talvez ainda não chegou ninguém para voce , e de repente , quando menos esperar, irá aparecer alguem para você.
Julio - É que já faz 4 anos que me assumi, tive relacionamentos rápidos, mas nunca ninguém para que eu me apaixonasse.
Marcelo - Dê tempo ao tempo e tudo ficará bem. Ficar assim só irá piorar tudo.
Julio ( aliviado ) - Muito obrigado, professor... Obrigado mesmo.

Marcelo e Julio se abraçam. Gael grava tudo.

Gael ( pensando ) - Ah papai... Vai ver o que acontecerá com essas fotos... Hahaha.


Cena 9/Boate /  Interior / Noite

Após o termino do seu namoro, Paula está com suas amigas Daniela e Catarina.

Paula ( com um copo na mão ) - Ai migas... Terminei meu namoro.
Catarina ( próxima a mesa ) - Fiquei sabendo miga... O que foi que houve?
Paula - O André ficou de papinho com a suja da empregada lá de casa, querendo ser solícito e ajudar , como ele tem mania, aí disse a real e ele não gostou.
Daniela ( apoiando Paula ) - Que pena que aconteceu isso... ( T) Com certeza voce irá arrumar um outro namorado. Mas agora é hora de nós curtirmos o momento.
Catarina ( tomando o drinque de Paula ) - É verdade Dani, devemos curtir o momento em que estamos solteiras... Nós três na pista podemos sair e fazer o que a gente quer, sem homem do nosso lado.
Paula - Eu vou seguir a de vocês, mas se aparecer um boy eu vou ficar sim. Não quero ficar enrolada. ( T). Mas tem que ser um sem assistencialismo , cachorrão.

Começa a tocar Olhos Coloridos.

🎶 Os meus olhos coloridos
Me fazem refletir
Eu estou sempre na minha
E não posso mais fugir
Meu cabelo enrolado
Todos querem imitar
Eles estão baratinados
Também querem enrolar🎶

Paula ( pegando sua bolsa ) - Ai não gente... Não sou obrigada a escutar essa música. ( T). Vamos embora.
Daniela ( sem entender ) - Mas por que, miga? Esta legal aqui.
Catarina - A Paula não gosta dessa música.
Paula ( indo em direção à porta ) - Estou indo embora , vocês querem ficar ou ir?
Daniela - Eu vou ficar.
Catarina ( para Paula ) - Eu vou com você, miga.

Daniela ( pensando ) - Eu hein?...

Cena 10/ Copacabana / Calçadão / Manhã/

Marcelo e André dão uma corrida matinal.

Marcelo - E aí André, como tem estado o namoro?
André - Namoro? Eu terminei tudo com a Paula.
Marcelo - Terminou?( surpreso ). Mas como assim?
André - A Paula é racista e egoísta, já presenciei muitas cenas da Paula agindo de maneira mesquinha. Ela deu piti porque eu ajudei um vendedor de picolés que é negro, e destratou a própria empregada, também negra, e eu não podia mais permitir isso.
Marcelo ( surpreso ) - Eu não esperava que a Paula fosse assim. Aliás , eu achava a Paula metida, mas não que ela fosse dessa maneira. ( T). Se tem uma coisa que sempre ensinamos é não ter quaisquer preconceito.
André ( lembrando ) - Por muitas vezes eu tentei aconselhar a Paula, para mudar esse comportamento dela, mas de nada adiantou.
Marcelo - Se for assim, é melhor desistir dela e partir para outra, a não ser que você já tenha alguem em mente.
André ( pensando em Janaina ) - Tem uma menina, empregada da Paula que me atraiu , sabe? Ela é negra, usa cabelo afro, achei bem bonita e educada.
Marcelo - Que bom então... De onde ela é?
André - Pelo que sei, ela é do Vidigal.
Marcelo ( pensativo )  -Hummm... Já pode pensar então...Vasmos continuar a corrida.
André - Vamos ( sorrindo ) - Ainda é bem cedo.

Marcelo e André continuam a corrida.

Cena 11/ Casa de Haroldo / Manhã

Despretensiosamente , Ivana e Kátia vão visitar Haroldo.
Ivana - Papai, quanto tempo...
Haroldo ( recebendo - as ) - Ivana, Katia... Enfim vieram me visitar...
Ivana ( sendo direta  ) - Estamos precisando de dinheiro...( T). A vida tem sido tao dificil desde que perdi meu marido... Contas e mais contas para pagar... Economias para fazer e temos que contar o dinheiro até mesmo para comer.
Haroldo ( acreditando ) - Não sabia que a vida de vocês estava assim... Podiam ter vindo até mim. Sabe da aposentadoria que recebo, da sua mãe e minha também. ( T). Posso estar velho e com algumas limitações, mas também sei cuidar muito bem do meu dinheiro.
Katia ( mentindo ) - Ah... E também  tem a minha faculdade, estou cursando Artes Cênicas, mas infelizmente a faculdade é paga... ( cínica ) . Sabe comoé difícil passar no vestibular...
Ivana ( pegando o gancho ) - Ah... É sim. Mesmo com bolsa, a mensalidade fica alta, e tira parte da renda.
Haroldo - Fico feliz em ver minha neta estudar ... Prova de que nao é apenas uma menina, agora tem responsabilidades.
Katia ( fingindo estar lisonjeada ) - Obrigada vovô, eu sempre quis ter um curso superior, e preciso dar o devido valor à minha mãe.
Haroldo - O seguinte... A minha aposentadoria eu separarei uma parte do dinheiro para ajudar vocês com todas as contas. Mas é para isso , hein?
Ivana - Mas é claro vovô. Nunca passaríamos a perna em você. ( pensando ). Ai , continua o mesmo tolo.
Haroldo ( acreditando na inocência das duas ) - É para isso que servem os pais. ( indo em direção ao quarto ). Irei pegar o talão de cheques para ajudar.
Katia ( falando baixo ) - Ai... No demos bem.
Ivana - Com certeza filha. Haha.

Cena 12/Ipanema / Casa de Paula / Interior / Sala / Tarde

Leonor está em seu trabalho diário na casa de Carmen, e elas estavam bem próximas.

Carmen ( aproximando - se de Leonor ) - Gostaria de dizer que você tem feito um ótimo trabalho .
Leonor - Muito obrigada patroa, esse emprego é importante para mim.
Carmen - Existe um motivo para voce e a Janaina decidirem trabalhar juntas?
Leonor - Existe sim. ( lembrando ). O meu marido Augusto, tinha uma dívida com um traficante, como não pagou, foi assassinado. Nem gosto de lembrar. (  T) . Temos 1 mês para pagar a divida, mas como ficamos com medo, fugimos para o Vidigal.
Carmen (surpresa )  - Nossa...( colocando a mão no rosto ). Então voces tem uma vida sofrida.
Leonor - Temos sim, e o Wesley, meu  outro filho, passou no vestibular e vai estudar Sociologia.
Carmen - Que bom então... A Paula é formada em Direito, mas nunca exerceu a profissão, queria que ela tivesse a mesma força. ( T). E eu tenho percebido que a minha saúde não têm andado muito bem, por isso decidi contratar uma empregada.
Leonor - Já foi ao medico?
Carmen - Ainda não... Mas pretendo ir, sinto que vou ficando fraca..

Paula ouvia tudo.
Paula ( mesquinha ) - Afff, minha mãe se aproximando dessa nojenta. Mas gravei tudo para o caso de precisar. Hahaha.

Cena 13/ Rua / Tarde/ 

Janaina está no caminho para a faculdade e se encontra com André, ex namorado de Paula e eles começam a conversar.

Janaina ( com uma bolsa em mãos ) - Oi... Lembro de você. Não é o namorado da Paula?
André ( sorrindo ) - Sou sim. Mas na verdade a Paula é minha ex namorada.
Janaina - É verdade... Tinha me esquecido. Uma pena que ela tenha esse comportamento racista.
André - E eu gostava dela, mas essas atitudes me fizeram perder pouco a pouco a atração , tanto que acabei terminando quando a vi te destratar daquela maneira. Sabe... Eu não suporto preconceito.
Janaina ( refletindo ) - Sabe ... Eu também não... Venho de uma comunidade, sou negra, pobre e todas as vezes que vejo um caso como esse, não deixo de me expressar. Não é porque sou doméstica que vou ser destratada.
André ( apoiando - a ) - Tá certa mesmo. O país está assim por isso, por causa de pessoas preconceituosas que não querem aprender.
Janaina ( olhando o relógio ) - Olha a hora... Preciso ir para a faculdade, não posso me atrasar.
André - Gostei de você, tem telefone?
Janaina - Claro que sim, vou anotar.
Janaina pega um papel e anota seu telefone. André faz o mesmo.
André ( olhando interessadamente ) - Nos encontramos qualquer dia.
Janaina ( sorrindo ) - Até.

Janaina segue seu caminho para a faculdade.

Cena 14/ Rua / Tarde

Paula anda pela rua ouvindo música. Destraída, ela não percebe um vendedor se aproximar dela.

Paula - 🎶 'Cause baby now we got bad blood
You know it used to be mad love
So take a look at what you've done
'Cause baby now we got bad blood🎶

Vendedor ( com uma caixa em mãos ) - Por favor , moça , poderia me ajudar comprando esses doces?
Paula ( tirando os fones ) - Eu? Comprar doces? Voce acha que vou estragar meu corpo comprando coisas de um Zé ninguém como você?
Vendedor ( sem entender ) - É que... Estou com um filho doente em casa e preciso desse dinheiro, por isso estou vendendo.
Paula ( grosseira ) - Tô nem aí para doença de ninguém , tchau. ( com a mão na cara do vendedor).

Ela segue caminho.

Vendedor - Como tem gente antipática nesse mundo...


Cena15/  Casa de Mara / Quarto de Leandro / Noite

Leandro está no seu quarto usando o computador. Ele havia escrito uma postagem.

" 24 de agosto, mais um dia escondendo a minha sexualidade, sou homossexual e não sei como vou contar isso pros meus pais."

Após terminar, Leandro sai do quarto e deixa o computador ligado. Ao ver o filho fora do quarto, Mara decide ir ver o computador.

Mara ( em choque ao ler ) - O Leandro é gay?

Leandro ( assustado ao ver a mãe no quarto ) - Mãe, o que faz aqui?
Mara - Leandro, tu é gay?



GANCHO



Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.