Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Amor Astral - Capítulo 21 (Reprise)

 



Capítulo 21

- No capítulo anterior:
BEATRIZ: Para você está me ligando uma hora dessas, eu imagino que tenha notícias quentes!

GUILHERME: Quentes não, quentíssimas e que irão te interessar muito, mas eu preciso que veja pessoalmente, é algo muito importante...

BEATRIZ: Pessoalmente? O que pode ser de tão grave que você não quer me contar agora?

GUILHERME: É algo que está ligado a sua vida.

BEATRIZ: (Estranha o comentário de Guilherme).

----

BETO: Não estou com fome! Onde está a Beatriz? Fui até o quarto dela e não a encontrei...

LUIZA: Ela saiu cedinho, o dia nem tinha amanhecido direito.

BETO: Saiu? Mas o carro dela está lá fora, eu vi pela janela.

LUIZA: Ela disse que esqueceu de abastecer e como estava muito cedo, os postos aqui só abrem lá pelas oito da manhã, aí já viu, foi de ônibus...

----
LUCIANA: Desculpe! Esse carro fui eu quem chamei...

BEATRIZ: Acredito que a senhora deva ter se enganado, fui eu quem chamei.

LUCIANA: Não, não... Eu conferi bem no aplicativo, aqui diz um carro preto, de placa DHY – 4578. E o seu?

BEATRIZ: Exatamente! Eu também conferi, quer ver só? A placa que diz aqui é... DHY – 4875. (Beatriz percebe que se confundiu). Que droga, eu vi tão rápido que confundi os números... Vou descer!

LUCIANA: Bom, podemos compartilhar a corrida. Para onde você está indo?

BEATRIZ: Boa viagem e você?

LUCIANA: Pina! Pertinho, facilita para você?

BEATRIZ: Bastante!

MOTORISTA: Podemos iniciar a corrida, Dona Luciana?

LUCIANA: Podemos sim!

(O motorista segue pela rua, enquanto Beatriz e Luciana conversam sentadas no banco de trás do carro).

BEATRIZ: Seu nome é Luciana?

LUCIANA: É sim, nome comum. Não acha?

BEATRIZ: Ah, é... Tanto que é o mesmo nome que a minha mãe.

LUCIANA: (Surpreende-se com a coincidência) Ah, é? E você, como se chama?

BEATRIZ: Bem, eu me chamo...

LUCIANA: Cuidado! (Grita)

ORLANDO: (Surge no carro ao lado de Beatriz e uma grande luz percorre todo o carro).

(Quando o carro está prestes a atravessar um cruzamento, é acertado em cheio por outro veículo em alta velocidade. O carro de aplicativo onde estão Luciana e Beatriz capota algumas vezes).

- Fique agora com o capítulo de hoje!

Cena  01 – Rua (Recife) [Externa/Manhã]
(O carro fica emborcado após o acidente. O motorista consegue se desprender do cinto e sai do carro para pedir socorro. Várias pessoas começam a se aproximar do veículo, assustadas com o acidente, é com essa movimentação que Luciana acorda assustada com o impacto que acabara de sofrer, ao olhar para o lado, percebe que Beatriz está incosciente e com um corte profundo na testa).

LUCIANA: (Solta seu cinto de segurança) Moça, acorda... Precisamos sair daqui, esse carro está cheirando a gasolina, é perigoso ficar aqui dentro!

(O carro que bateu no veículo para depois de alguns metros do local do acidente, pelo retrovisor pode-se notar que quem está ao volante é Dinho).

DINHO: (Do celular, ele faz uma ligação) Pronto, tá feito.

(Com o forte odor de gasolina, Luciana se desespera quando nota que o veículo está começando a ser coberto por uma fumaça).

LUCIANA: Acorda, menina... Temos que sair daqui, vamos! (Luciana desprende Beatriz do cinto de segurança e sai do carro pela janela. Em seguida e lentamente, ela puxa Beatriz para o lado de fora, sendo ajudada pelo motorista).

(Quando Luciana e o motorista conseguem se afastar o veículo, ele explode).

Cena  02 – Casa de Luiza [Interna/Manhã]
(Luiza dobra umas roupas que acabara de tirar do varal na sala de casa, enquanto está sozinha em casa. Logo interrompe a atividade quando o telefone começa a tocar).


LUIZA: Aposto que é a Beatriz dando sinal de vida, mas ela deveria ter falado no celular, tão prático...Alô? (Diz ao atender o telefone). Sim, é daqui sim, ela é minha sobrinha... Como disse? Acidente? Mas como assim um acidente? Como ela está? Em que hospital ela está? Sei, eu sei sim onde fica, estou indo até aí agora mesmo.

(Luiza corre até o quarto, pega sua bolsa e sai de casa apressadamente em seguida).

Cena  03 – Haras Ferraz [Interna/Manhã]
(Tobias entra em seu escritório após anunciarem que ele tem visita).

TOBIAS: A Marilda disse que o senhor gostaria de me ver. Em que posso ajudar?

BETO: Eu estou procurando um emprego e pensei que você poderia me ajudar.

TOBIAS: Um emprego? Mas nós não estamos contratando! O senhor já trabalhou como peão?

BETO: Na verdade não! Eu não sei em que trabalhei antes, se possuo experiência, mas estou disposto a aprender, só preciso de uma oportunidade.

TOBIAS: Como eu vou te dar um emprego sem experiência ou carta de recomendação? E que história é essa de que não sabe? Não me diga que está desmemoriado? (Ri da situação).

BETO: Pois eu digo, sim, eu estou desmemoriado!

TOBIAS: (Engole seco após perceber que foi inoportuno).

Cena  04 – Hospital Geral [Interna/Tarde]
(Beatriz acorda deitada numa cama com um curativo na testa após ter o corte suturado. Luciana que estava descansando na poltrona ao lado, se aproxima ao perceber que a jovem acordou).

LUCIANA: Você acordou! Como se sente?

BEATRIZ: Confusa, a minha cabeça dói... Foi tudo muito rápido, eu só lembro de sentir uma luz em todo o meu corpo e de ouvir um barulho muito forte.

LUCIANA: Nós sofremos um acidente, agora estamos num hospital vai ficar tudo bem. Você já está sendo atendida!

BEATRIZ: Acidente? Meu Deus, o meu bebê! (Beatriz toca em seu ventre temendo que o acidente possa ter afetado sua gestação).



Cena  05 – Hospital Geral [Interna/Tarde]

BEATRIZ: Minha filha, eu preciso saber como a minha filha está!

LUCIANA: Calma, fique tranquila, procure descansar....

BEATRIZ: Eu não posso me acalmar sem saber se a minha filha está bem.
(Doutora Cecília, médica que está acompanhando a gravidez de Beatriz entra no quarto).

DRA. CECÍLIA: Acordou a dorminhoca! Achei que fosse descansar a tarde toda.

BEATRIZ: Doutora, eu estou aflita. Minha filha está bem?

DRA. CECÍLIA: Olha, eu devo admitir que estou impressionada. Vi fotos do acidente e eu não sei como explicar, é díficil falar essas coisas, mas acho que você passou hoje por um milagre.

BEATRIZ: Milagre?

DRA. CECÍLIA: Exatamente, um milagre! Não consigo entender como um acidente dessa gravidade só te rendeu esse corte na testa. Milagrosamente você e o bebê continuaram intactos, sua gravidez continua muito bem, fiz alguns exames quando soube que você tinha dado entrada e não há nenhum indício de que o o bebê tenha sofrido algum dano, vocês duas estão perfeitamente bem.

BEATRIZ: Ah, que maravilha! (Beatriz respira aliviada).

LUCIANA: Viu? Eu falei, vai ficar tudo bem.

BEATRIZ: E quando eu vou poder embora?

DRA. CECÍLIA: Bem, avaliando o seu prontuário, eu acredito que no fim da tarde você seja liberada, vou procurar o médico que lhe atendeu quando você deu entrada e vamos assinar a sua alta, tudo bem?

BEATRIZ: Sim, Doutora! Muito obrigada.

(Doutora Cecília deixa o quarto e Beatriz segura a mão de Luciana e a aperta em sinal de alívio).

Cena  06 – Apartamento de Dinho [Interna/Tarde]
(Carolina toma um pouco de wisky enquanto está sentada no sofá da sala de Dinho, que liga para o hospital para confirmar a fatalidade do acidente).

CAROLINA: (Bebe mais um gole enquanto observa Dinho falar ao telefone).

DINHO: (Desliga) Pronto, já tenho novidades...

CAROLINA: Então desenbucha, matou a jornalista intrometida?

DINHO: Eu não consigo entender como isso é possível ou como isso aconteceu, mas segundo a recepcionista, ela não teve sequer uma fratura. É impossível, o carro capotou várias vezes, eu vi. Não entendo como ela conseguiu escapar!

CAROLINA: (Lança o copo pela janela) Maldição! Precisamos dar um jeito de nos livrar daquela jornalistazinha antes que ela descubra algo que não deve.

DINHO: Se você quiser, eu posso ir até o hospital e termino o serviço.

CAROLINA: Claro, ótima ideia! E em apenas poucos minutos depois, você será o assunto mais comentado das redes sociais com vídeos seus na Internet. Não seja idiota, Anderson! Hoje em dia todo local possui um sistema de câmeras, por mais pobre que seja, imagine um hospital. Nós iremos dar um jeito na jornalista, mas não agora...

DINHO: Então qual será o próximo passo?

CAROLINA: (Sorri e ironiza em seguida) Dá pra ver que você não tem tanta inteligência quanto músculo, o que te salva é a sua beleza.

DINHO: Também não precisa ofender! Vai dizer ou não o que iremos fazer?

CAROLINA: Vou sim! Agora nós iremos cuidar de enfraquecer a fonte de informações e investigações da jornalistazinha.

DINHO: Como?

CAROLINA: O óbvio, vamos atrás do jornalista cúmplice. Nos livramos do amigo e depois da outra! Entendeu bebê? Vamos fazer uma surpresinha, só não disse que é boa. (Cai na gargalhada).

Cena  07 – Haras Ferraz [Interna/Tarde]
(Tobias e Beto caminham pela propriedade).

BETO: É realmente uma belíssima propriedade!

TOBIAS: Bom, você já me contou a sua história, pelo menos a partir do momento que você lembra, eu só não sei como te ajudar... Você não tem cara de que sabe lidar com cavalos. Acha que sabe montar?

BETO: Realmente, eu acho que não. Posso aprender, se alguém me ensinar.

TOBIAS: É, isso podemos ver depois, professor de montaria é o que não falta nesse haras.

BETO: E no escritório? Alguém te ajuda com documentos, organizando contas e esse tipo de coisa?

TOBIAS: Não, essa parte eu faço sozinho e é bem complicado, tem dia que eu preciso sair e resolver outras coisas, seria interessante ter alguém que me ajudasse nisso. Acha que consegue?

BETO: Pode apostar que sim!

TOBIAS: Então está contratado!

(Beto e Tobias apertam as mãos).

Cena  08 – Hospital Geral [Interna/Tarde]
(Mais tranquila, Beatriz e Luciana conversam).

LUCIANA: Bom, você já sabe o meu nome. Eu sei que você será mamãe em breve, que vai ser uma menina, que a sua mãe tem o mesmo nome que o meu. E você? Afinal como você se chama?

BEATRIZ: É verdade, eu nem me apresentei!

(Alguém bate na porta do quarto nesse momento).

INSPETORA CARINA: Mãe! Que susto a senhora me deu, vim assim que eu soube. Como a senhora está? (Diz ao entrar no quarto).

LUCIANA: (Luciana abraça Carina) Eu estou bem minha filha, pode ficar tranquila que não foi dessa vez.

INSPETORA CARINA: Credo mãe! Não fale uma coisa dessa nem brincando.

BEATRIZ: (Observa as duas conversando atentamente).

LUCIANA: Bom, essa daqui é a minha filha... O nome dela é Carina e ela é uma policial, você acredita?

BEATRIZ: Muito prazer Carina, sua mãe tem razão... Você é muito bonita!

INSPETORA CARINA: Ah, gentileza sua. Você também é muito bonita.

(Doutora Cecília volta a entrar no quarto).

DRA. CECÍLIA: Boas notícias, após as suas serem avaliadas, foi constatado que já estão fora de perigo e já estão liberadas. Já podem ir para casa!

LUCIANA: Que notícia boa. (Comemoram).

Cena  09 – Rede Montenegro [Interna/Tarde]
(Alberto deixa sua sala pronto para ir embora, quando cruza pela recepção e encontra com Zoraide).

ALBERTO: Escuta, Zoraide, a minha cunhada já foi?

ZORAIDE: Ah sim! Já faz algumas horas que ela foi embora, na verdade ela não demorou muito.

ALBERTO: Sei... Bem, eu já estou indo para caso, peço que desmarque todas os meus compromissos para o fim da tarde, qualquer situação atípica, você pode me ligar no meu celular.

ZORAIDE: Está bem, senhor. Até amanhã!

ALBERTO: (De costas, Alberto acena com uma das mãos e em seguida fala consigo mesmo em pensamento) Não sei porque, mas tenho impressão de que aquela vadia está aprontando, preciso está de olhos bem abertos, ela já demonstrou que é capaz de me passar a perna e isso eu não vou deixar, ah mas eu não vou mesmo.

(Nesse momento as portas do elevador se abrem e Alberto entra nele, aperta o botão que fará com que o elevador desça até a garagem, indo embora logo em seguida).

Cena  10 – Mercearia de Laurinha[Interna/Tarde]
(Laurinha observa a filha inquieta, indo a todo instante até a porta da mercearia, como se estivesse esperando alguém).

LAURINHA: É impressão minha ou você está esperando alguém, minha filha?

EULÁLIA: Eu? Esperando alguém? Claro que não, só estou com um pouco de calor e vim tomar a fresca.

LAURINHA: Esse seu “calor” está ficando cada vez mais rotineiro, não acha?

EULÁLIA: O que a senhora quer dizer com isso?

LAURINHA: Que esse calor tem outro motivo, duas pernas e usa calça jeans e chapéu.

EULÁLIA: A senhora está insinuando que eu estou pensando em homem? Logo eu? Que decepção, mamãe! Eu vou me manter pura e castra até o fim dos meus dias, nunca vou me interessar por esse mundo de pecado, nunca! (Eulália entra correndo para dentro de casa).

LAURINHA: Nunca, é? Acho que isso já aconteceu e você só não quer aceitar. (Fala sozinha em voz alta).

(Dentro de casa, Eulália vai até a cozinha beber água).

EULÁLIA: Onde já se viu? Pensar que eu estou interessada num homem daquele, de mãos grandes, fortes e másculas... Que mãos, que pegada! (Diz em voz alta, logo em seguida se recorda da última vez em que esteve com Severino).

Flashback:

EULÁLIA: Me solte, se não eu vou gritar!

SEVERINO: Gritar? Você quer é me beijar que eu sei...

EULÁLIA: Eu jamais cometeria esse pecado. Sou pura, você que é um enviado das trevas, fica por aí exibindo as partes intimas para mulheres indefesas como eu, seu lugar é na cadeia... Seu grosseirão, depravado, imoral!

Fim do Flashback.

EULÁLIA: Meu Deus, tira esses pensamentos impuros e pecaminosos de mim, eu não quero ir para o inferno... Sai de mim calor da luxúria! (Eulália joga a água em seus seios na tentativa de conter seu calor).



Cena  11 – Hospital Geral [Interna/Tarde]
(Beatriz está sozinha no quarto, sentada numa cadeira de rodas e pronta para ir embora, quando Luiza adentra no recinto).

LUIZA: Minha filha, que susto você me deu! Você está bem, está machucada? (Diz olhando em volta do corpo de Beatriz, se certificando que realmente ela está bem).

BEATRIZ: Eu estou bem, tia. Pode ficar tranquila, graças a Deus e a um anjo que salvou a minha vida.

LUIZA: Um anjo? Do que está falando, meu bem?

BEATRIZ: Eu conheci por acaso uma mulher, a gente estava dividindo uma corrida num carro de aplicativo quando de repente um carro bateu no nosso. Com o impacto da batida, eu fiquei inconsciente e se não fosse essa mulher, eu teria morrido... Ela me ajudou a sair do carro antes que ele explodisse!

LUIZA: Meu Deus, que perigo! E cadê essa mulher? Preciso agradecer por tudo, ela salvou a sua vida.

(Nesse momento, Carina abre a porta do quarto e entra acompanhada por Luciana).

BEATRIZ: Aí está ela! Tia, essa é a Luciana. Luciana, essa é a minha tia, Luiza!

(Luiza se vira e dá de cara com a própria irmã, que não via há mais de duas décadas, desde o dia em que ela fugiu com o seu noivo no dia do casamento).

LUCIANA: Luiza? (Luciana fica aterrorizada ao perceber que está diante da irmã).

LUIZA: Mas o que significa isso? Que brincandeira é essa? O que essa mulher está fazendo aqui? (Grita).

INSPETORA CARINA: Vocês se conhecem?

BEATRIZ: Tia, o que foi? A senhora está muito nervosa!

LUIZA: O que foi? Você não se apresentou? Vagabunda! (Luiza acerta um tapa na cara de Luciana).

INSPETORA: Você não vai tocar na minha mãe! (Carina fica entre Luiza e Luciana).

BEATRIZ: Tia, você ficou louca? (Surpreende-se com a cena que acabara de presenciar).

LUIZA: Não me diga que você não falou quem você é...

LUCIANA: Eu não sabia... Eu juro Luiza! Por favor, não faça isso, vamos conversar...

BEATRIZ: Mas o que é que está acontecendo aqui, será que alguém pode me explicar?

LUIZA: Eu posso, essa ordinária que você se referiu é a sua mãe, a mesma que te abandonou quando você tinha apenas três anos e fugiu com o meu noivo, no dia do meu casamento. (Grita).

A câmera foca em Luciana desesperada com a revelação, a cena congela e o capítulo encerra com o a tela azul da cor do céu.



Trilha Sonora Oficial, clique aqui.

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.