Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Amor Astral - Capítulo 35 (Reprise - Últimas semanas)

 


Capítulo 35 (Últimas Semanas)

- No capítulo anterior:

BEATRIZ: E então, vai demorar? Estou curiosa! (Questiona encostada na porta).

CLARISSA: (Abre a porta do banheiro e sai) Eu não tive coragem de olhar, toma! (entrega o teste).

BEATRIZ: É, não resta mais dúvida... Você e o Tobias terão um filho! (Diz ao olhar o teste).

----
(No escritório, Tobias organiza uma papelada em sua mesa quando é surpreendido).

TOBIAS: (Percebe a presença de alguém e ao levantar a cabeça, se depara com Carolina) Mas o que significa isso? O que você está fazendo aqui?

CAROLINA: Você não se faça de santo, eu já sei muito bem onde você pretende chegar e o que está fazendo. Onde ele está? Quero vê-lo, eu também tenho direitos!

----
DONA CISSA: (Interrompe com um grito) Chega! Eu que não admito que você continue debaixo do meu teto me fazendo de idiota e a mercê da polícia baixar aqui e acabar com o que eu demorei anos para construir. Acho que é melhor você bater asas daqui!

IARA: O que quer dizer com isso? A senhora está me expulsando daqui?

DONA CISSA: Eu te dou meia hora para desaparecer do meu cabaré! Não vou abrigar uma bandida aqui dentro. E um conselho, tome muito cuidado, pessoas como você não costumam ter um bom final. (Sai do quarto em seguida).

IARA: A senhora está muito enganada, o meu final será grandioso. Pode apostar! (Fala sozinha).

----

CAROLINA: Eu era muito jovem, estava com medo. Um filho iria atrapalhar os meus planos, eu não queria um filho, tinha aversão a ele quando chorava, por isso eu quis fazer um aborto, mas não consegui. Não conseguia gostar dele quando vi aquela criança nos meus braços, então eu o abandonei!

(Ouve-se um barulho nesse instante, são bolinhas de gude que caem no piso de madeira lentamente e que Coruja segurava. O menino acabara de ouvir toda a confusão parado na porta).

CLARISSA: Gael!

TOBIAS: Vem cá, meu filho... A gente precisa conversar, tenho tanta coisa para te dizer.

CAROLINA: É ele? O meu filho? (Carolina impressiona-se ao rever o filho depois de tantos anos e tenta se aproximar dele, porém o menino corre).

CLARISSA: Gael, volta aqui... Gael! (Clarissa corre atrás do menino).

----
(Aos prantos, Gael corre pela mata após descobrir que a mãe não gostava dele e por isso o abandonou. Clarissa cavalga em alta velocidade, enquanto chama pelo o menino que não responde. Um close na cela do cavalo revela que o assento está se soltando).

CLARISSA: Vamos Quixote, mais rápido, mais rápido... (Diz enquanto balança as rédeas do cavalo).

(A cela do cavalo se desprende completamente, Clarissa cai do cavalo e fica inconsciente no meio da mata).

- Fique agora com o capítulo de hoje!

Cena 01 – Haras Ferraz [Externa/Tarde]
(A cavalo, Tobias, Severino, Israel e Sérgio buscam por Gael e Clarissa na mata).

TOBIAS: Eu acho que é melhor nos separarmos, desse jeito não vamos encontrá-los nunca. Eu e o Israel vamos para esse lado! (Aponta).

SÉRGIO: Eu e o Severino vamos pelo outro lado então, nos reencontramos aqui!

(Os quatro se dividem em duplas para encontrarem Clarissa e Gael perdidos na mata enquanto o anoitecer se aproxima. No haras, Cadu confronta Carolina).

CADU: Como você pode ser capaz de fazer tamanha monstruosidade dessas?

CAROLINA: (Finge chorar para ludibriar o marido) Tente me entender, eu era muito jovem, estava apavorada com a maternidade, tive medo de não ser boa o bastante para ele e por isso eu dei o menino.

CADU: Eu sinceramente acho até bom estar com amnésia esse momento, teria vergonha em descobrir esse seu passado sujo!

CAROLINA: Por favor, não me julgue! Eu estou arrependida, quero o meu filho de volta.

CADU: Isso só reforça o meu desejo de que é melhor para nós dois o divórcio!

CAROLINA: Como se atreve a se aproveitar desse momento de fragilidade para falar em divórcio? Saiba que eu não vou deixar você se juntar com aquela sequestradora. Você sabia que ela foi em nossa casa me agredir?

CADU: Eu não acredito mais em você, Carolina! Peça a Deus que nada aconteça a esse menino, peça a Deus!

(Na mata, Sérgio e Severino encontram o cavalo de Clarissa sem ela e sem usar a cela de montar).

SÉRGIO: Veja, aquele foi o cavalo que a Clarissa saiu!

SEVERINO: Se o cavalo está aqui, onde será que a professora está?

(Ouve-se um barulho de galhos quebrando-se ao serem pisoteados).

SÉRGIO: (Ilumina com uma lanterna em direção as árvores e percebe que Gael se aproxima).

SEVERINO: Menino, que susto você nos deu... Todos estão te procurando, sobe aqui, vou te levar para casa!

GAEL: (Sem dizer nenhuma palavra e com os olhos inchados, Gael monta no cavalo de Severino).

(Do outro lado da mata, Tobias e Israel continuam buscando por Clarissa).

ISRAEL: (Observa um certo ponto da mata e desce do cavalo) Acho que vi algo ali... (Israel aponta com a lanterna e encontra Clarissa caída e inconsciente). Patrão, eu a encontrei, ela está aqui... (Grita).

TOBIAS: (Ao ouvir os gritos de Israel, rapidamente ele se aproxima, desce do cavalo e vai ao encontro do peão e a professora) Clarissa, meu amor... Fala comigo, o que você tem, responde por favor... (Fala inclinado perto do corpo de Clarissa, que segue desmaiada). Vai buscar ajuda Israel, volte até o haras e chame uma ambulância, não podemos removê-la daqui, ela pode ter quebrado alguma coisa, é muito perigoso. Vá e eu fico com ela, depressa! (Ordena).

ISRAEL: (Seguindo as ordens de Tobias, rapidamente Israel monta de volta em seu cavalo e vai até o haras buscar ajuda).



Cena 02 – Casa de Luiza [Externa/Tarde]
Música da cena: Abrázame - Camila
(Orlando brinca com a filha que consegue notar sua presença enquanto Luiza dobra umas roupinhas da menina).

LUIZA: Está sorrindo meu anjinho? (Diz ao perceber que a menina se mexe e sorri como se estivesse brincando).

(A campainha toca).

LUIZA: Será que a mamãe voltou? Vou abrir e porta e já volto! (Vai até a porta e a abre em seguida). Você? O que faz aqui, veio ver a Beatriz?

OTTO: Não, apenas vim lhe fazer uma visita de cortesia. Me convida para entrar?

LUIZA: Claro, entre por favor...

OTTO: Conversamos tão pouco das vezes que nos vimos, gostaria de me aproximar mais de você.

LUIZA: De mim? Eu não entendo o motivo, não preciso de um advogado.

OTTO: Não estou aqui como advogado, estou aqui como amigo!

Cena 03 – Mata [Externa/Noite]
(Com ajuda de Israel, a ambulância consegue chegar ao local do acidente).

TOBIAS: (Observa Clarissa ser imobilizada cautelosamente pela equipe de emergência enquanto está numa maca).

CORUJA: Foi tudo culpa minha, se eu não tivesse corrido, a professora não teria vindo atrás de mim e caído do cavalo. (Diz entristecido).

TOBIAS: (Se aproxima do menino e se agacha de frente para ele) Uma criança do seu tamanho não pode carregar uma culpa desse tamanho, meu filho. Foi uma fatalidade, um acidente. Infelizmente essas coisas acontecem, o importante é que o socorro chegou e que ela ficará bem. Agora preciso que você vá para casa com o Severino e se comporte, prometo que assim que tiver notícias eu te avisarei. Posso contar com você?

CORUJA: Pode!

PARAMÉDICO: Ela está pronta, podemos seguir. (Avisa após colocar a maca no interior da ambulância).

TOBIAS: Eu vou com vocês! (Tobias entra na ambulância e segura a mão de Clarissa que continua desacordada).

(Sérgio, Severino, Israel e Gael observam a ambulância partir rumo ao hospital).

Cena 04 – Hospital de Correntes [Interna/Noite]
(Completamente lúcida e sem os tubos de ventilação, após ser examinada, Luciana conversa com as filhas).

INSPETORA CARINA: E então doutor, como a minha mãe está?

MÉDICO: Bem, ela será transferida para o quarto e se as coisas continuarem progredindo bem assim, logo terá alta.

LUCIANA: Eu estou bem minha filha, pode acreditar!

INSPETORA CARINA: Agora a senhora diz isso, mas antes quase me matou de susto. A senhora quase morreu, sabia?

BEATRIZ: Eu fico feliz que esteja se recuperando.

LUCIANA: Eu que fico ainda mais feliz em saber que você se preocupa comigo e veio me ver. Obrigada! (Estende a mão para Beatriz).

BEATRIZ: (Segura a mão de Luciana) Bem, agora eu preciso ir para casa. A Alice ficou com a minha tia e daqui a pouco é hora de amamentar, sabe como é...

LUCIANA: Eu entendo sim, pode ir minha filha. Espero que venha me visitar mais vezes!

BEATRIZ: Claro, eu voltarei em breve.

(Pensativa após deixar o quarto, Beatriz caminha pelo corredor e ao cruzar a recepção, ela encontra com pessoas conhecidas).

BEATRIZ: Ué, o que estão fazendo aqui? Vieram visitar a Luciana?

CADU: (Levanta-se da poltrona em que estava sentado ao lado de Tobias) Infelizmente não...

BEATRIZ: Não? Então o que foi que aconteceu e porque o Tobias também está aqui?

TOBIAS: A Clarissa... (Engole seco).

BEATRIZ: A Clarissa está ótima, eu encontrei com ela mais cedo e ela tinha ido até o haras te dar uma notícia. A propósito parabéns!

TOBIAS: Eu não estou entendendo, do que você está falando?

BEATRIZ: Ela não te contou? (Beatriz observa melhor e percebe a cara tensa de Tobias e Cadu). O que está acontecendo? Eu estou começando a ficar assustada...

(Benedito entra na recepção rapidamente).

BENEDITO: Onde está a minha neta? Onde ela está? Eu quero vê-la!

TOBIAS: Calma, Seu Benedito! Ela está lá dentro, os médicos ainda não vieram nos comunicar qual o quadro dela.

BEATRIZ: Gente, alguém pode me explicar o que está acontecendo aqui? O que houve com a minha amiga?

CADU: A Clarissa sofreu um acidente, ela caiu do cavalo...

MÉDICA: Os familiares de Clarissa de Oliveira!

TOBIAS: Aqui, nós estamos aqui... Como ela está?

MÉDICA: (Observa a todos com um semblante fechado).



Cena 05 – Hospital de Correntes [Interna/Noite]

BENEDITO: Fale de uma vez doutora, como a minha neta está!

MÉDICA: Felizmente fora de perigo! Ela não teve nenhuma fratura ou lesão cerebral.

TOBIAS: Graças a Deus!

MÉDICO: Só que com a queda, infelizmente ela perdeu o bebê.

TOBIAS: Bebê? Que bebê? (Estranha).

MÉDICA: A paciente estava com aproximadamente quatro semanas de gestação. Com a queda, o saco gestacional se deslocou e desprendeu completamente, era impossível não perder o bebê. Peço que deem bastante apoio a ela, pois ela está muito fragilizada com o que aconteceu, por mais que a gestação estivesse no comecinho, é sempre muito triste perder um bebê. Ela está no quarto 8, daqui há 15 minutos estará pronta para receber visitas, somente uma pessoa por vez. Com licença! (Se retira em seguida).

TOBIAS: Eu não consigo entender...

BEATRIZ: Ela tinha descoberto hoje de manhã, fizemos um teste de farmácia e ela estava indo te dar a notícia... Eu sinto muito! (Diz com lágrima nos olhos).

(No quarto, Clarissa está abatida e com os olhos inchados depois de chorar muito com a notícia sobre o bebê. Tobias é o primeiro ao entrar).

CLARISSA: Eu quero ficar sozinha, não quero falar com ninguém agora... (Começa a chorar).

TOBIAS: (Sem dizer nenhuma palavra, vai até a cama, deita ao lado de Clarissa e abraça) Eu não vou te deixar sozinha, essa dor é nossa! Eu não vou mais te deixar sozinha, eu prometo.

Cena 06 – Cobertura Montenegro [Interna/Tarde]
Música da cena: Cremosa – Banda Uó
(Na sala e sozinha, Doralice novamente faz uma live, mas ninguém a assiste).

DORALICE: Oi Dodôfãs, como vocês estão? Por aqui está tudo ótimo, hoje meu dia foi incrível, eu faxinei, fiz almoço e agora vamos fazer um tutorial, eu vou ensinar para vocês.

CAROLINA: (Abre a porta e corre em direção ao quarto sem falar nada).

DORALICE: Vai jantar senhora? Senhora? Surucucu... Aposto que deve ter comido sua presa na rua, nojenta! Poxa... ninguém viu minha live.

(Carolina entra em seu quarto bruscamente).

CAROLINA: (Se olha no espelho e lembra do rosto de Gael) Meu filho... Eu preciso recuperar o meu filho! (Diz para si própria).

Cena 07 – Ruas de Correntes [Interna/Noite]
(Com o carro estacionado em uma das ruas da cidade de Correntes, Alberto fuma seu cigarro frustrado por não ter conseguido eliminar o irmão).

ALBERTO: Desgraçado, parece que adivinha quando algo vai acontecer. Queria saber quem tanto protege esse maldito! (Alberto se cala quando ouve a porta do lado do passageiro se abrir).

IARA: Eu sabia que era você, te reconheci de longe... Que carrão, hein? (Diz ao sentar no banco do passageiro e fechar a porta).

ALBERTO: Era só o que me faltava, a amiguinha da Carolina...

IARA: Carolina não, Cacau do Pandeiro... Aquela ali tem o passado mais sujo do que pau de galinheiro.

ALBERTO: E vocês se conhecem há muito tempo, eu imagino.

IARA: Sim, tem pra lá de quinze anos. Conheci aquela vaca quando ela era bem jovem, mas e você, vai ficar aí parado me fazendo pergunta ou vai me levar para dar uma volta?

ALBERTO: Oi? Ficou doida?

IARA: Eu vou te mostrar do que uma doida é capaz de fazer... (Iara parte para cima de Alberto e o beija intensamente).

Cena 08 – Casa da Família Grimaldi [Externa/Tarde]

Atenção leitor(a): A partir de agora faremos uma viagem no tempo e regressaremos algumas décadas e vidas passadas, as próximas cenas serão ambientadas na década de 50.

Correntes, 1953
Música da cena: Que Será – Dalva de Oliveira
(Beatriz observa seu reflexo no espelho e percebe que sua barriga está cada vez mais em evidência).

BEATRIZMeu bebê, como eu gostaria que o seu pai estivesse aqui... Tenho certeza de que ele estaria extremamente feliz se você estivesse aqui. (Diz enquanto acaricia a barriga).


ORLANDO: Eu posso entrar? (Pergunta com a porta entreaberta).

BEATRIZ: Se eu disser que não, você entraria do mesmo jeito.

ORLANDO: Sua mãe e sua tia já foram? (Diz ao entrar).

BEATRIZ: Sim, a essa altura elas já devem estar perto da nossa chácara. Minha mãe sente-se melhor com o ar de lá, eu gostava muito de ir para lá quando era criança. Enfim, se me permite, eu gostaria de ficar sozinho.

ORLANDO: Até quando vai me tratar assim? Eu amo você, Beatriz!

BEATRIZ: Mas eu não! O nosso casamento é apenas um acordo por conveniência, você sabe que fui praticamente obrigada, para prezar esse maldito sobrenome. Eu não vou te amar nunca, nunca! (Diz irredutível).


Cena 09 – Clube de Lazer da cidade de Correntes [Externa/Tarde]
(Sentadas em cadeiras próxima a piscina, Carolina e Iara tomam sol enquanto tomam um coquetel).

IARA: Que bom que você saiu, fazia tempo que não saia de casa, estava virando um móvel.

CAROLINA: Sair para que? Aqui todo mundo fica mal falado, vivemos em boca de Matilde, bando de fofoqueiros.

(Sem perceber que Carolina está no clube, Orlando toma banho na piscina olímpica, trajando apenas calção de banho e ao sair, chama atenção devido o seu corpo em forma).

CAROLINA: (Observa fixamente Orlando sair da piscina).

IARA: (Nota o olhar indiscreto de Carolina e alfineta) É impressão minha ou você está secando o marido da sua prima?

CAROLINA: Melhor você cuidar da sua vida e ficar quietinha, amiga! (Disfarça).

Atualmente, 2020.
(No plano astral, Orlando e Adelaide continuam conversando sobre vidas passadas).

ORLANDO: Quanto mais você me fala de vidas passadas, menos eu entendo essa história de ligações.

ADELAIDE: Na realidade tudo está bem claro, só você não percebeu.

ORLANDO: Mas do que você está falando?

ADELAIDE: Sua missão agora é proteger o Cadu nessa vida, cabe a você permitir que ele tenha uma vida feliz agora.

ORLANDO: (Olha para Adelaide surpreso com o que acabara de ouvir).


Cena 10 – Cidade de Correntes [Externa/Tarde]
Música da cena: Anjo – Roupa Nova
(Os dias anoitecem e amanhecem rapidamente, uma passagem de tempo começa).

- Beatriz e Cadu cuidam de Alice.
- Luciana tem alta do hospital.
- Carolina observa Gael escondida.
- Tobias cuida de Clarissa e a ajuda a se recuperar.
- Severino e Eulália brigam como cão e gato.
- Iara e Alberto continuam se encontrando em motéis.
- Almeida interroga Beatriz e Cadu novamente sobre seu desaparecimento.
- Laurinha discute com o Padre Fernando sobre o casamento de Eulália.
- Otto visita Luiza novamente e dessa vez traz flores.
- Beatriz visita Luciana com Alice.
- Adelaide continua com seus ensinamentos de vidas passadas para Orlando, enquanto Bonifácio os observa.
- Doralice continua insistindo em lives, porém Rangel debocha dela.
- Serena dança no poledance para Israel no cabaré.
- Gael e Tobias levam café na cama para Clarissa.
- Daniel continua cuidando de Guilherme que segue em coma.
- Beatriz evita contar o que sabe para reunir provas mais concretas sobre Carolina.
- A pasta que revela que Cadu recebeu o coração de Orlando continua em cima da cômoda, esquecida.
- Eulália prova o vestido de noiva as turras com a mãe.

UM MÊS DEPOIS...

Cena 11 – Igreja Nossa Senhora da Conceição [Externa/Manhã]
(Chega o dia do casamento de Eulália e Severino. Todos estão reunidos na igreja, no altar, Severino espera com bastante ansiedade. Do lado de fora, o carro estaciona com Laurinha e Eulália).


EULÁLIA: Nem por um decreto eu desço desse carro, não vou casar com o domador de jumentos.

LAURINHA: (Furiosa, desce do carro e abre a porta do lado de Eulália violentamente) Ah, mas você desce! Você vai entrar nessa igreja, nem que eu saia te arrastando pelo véu, desce do carro Eulália, eu estou mandando!

(A marcha nupcial começa e Eulália entra na igreja acompanhada da mãe, que a leva até o altar e a entrega para Severino).

PADRE FERNANDO: Estamos aqui reunidos para celebrar a união em matrimônio entre esses dois jovens, Eulália Pedrosa e Severino Bezerra.

(A cerimônia prossegue, os moradores da cidade assistem atentamente ao casamento. Padre Fernando abençoa as alianças com água benta).

PADRE FERNANDO: Severino Bezerra, você aceita Eulália Pedrosa como sua esposa, para amá-la e respeitá-la, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, até que a morte os separe?

SEVERINO: Sim padre, eu aceito.

PADRE FERNANDO: Eulália Pedrosa, você aceita Severino Bezerra como seu esposo, para amá-lo e respeitá-lo, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, até que a morte os separe?

EULÁLIA: (Fica em silêncio).

(Diante do silêncio de Eulália, começa um burburinho na igreja).

DONA CISSA: Agora danou, a vara-pau perdeu a língua!

SERENA: Ela não é nem doida de perder essa chance, o Severino é um pedaço de mal caminho, mas também foi o único doido a querer se casar com essa doida, se ela não casar hoje, morre encalhada...

LAURINHA: Minha filha, o padre falou com você, faça o favor de responder.

SEVERINO: Além de Maria Mijona, você ficou surda? Nem se atreva a me deixar plantado no altar que aqui não é novela, eu vou te buscar onde você tiver e você casa.

PADRE FERNANDO: Vou repetir... Eulália Pedrosa, você aceita Severino Bezerra como seu esposo, para amá-lo e respeitá-lo, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, até que a morte os separe?

EULÁLIA: (Olha para a mãe, para o padre e para Severino, em seguida responde a contra gosto) Sim, eu aceito.

(Pode se ouvir um suspiro de alívio de todos os convidados).

PADRE FERNANDO: Então, o que Deus uniu, o homem não poderá separar. Eu vos declaro, marido e mulher. O noivo pode beijar a noiva!

Música da cena: Quem Me Dera – Márcia Fellipe e Jerry Smith

EULÁLIA: (Levanta-se arrumando o vestido) Até parece que vou beijar um homem que fede a jumento!

SEVERINO: Só espero que você não se mije de novo... Se você não beija, eu beijo! (Severino curva Eulália e a beija ardentemente sobre aplausos de todos na igreja).

Cena 12  – Clube da Cidade [Interna/Tarde]
(Uma banda toca músicas românticas na recepção do casamento de Eulália e Severino).

CLARISSA: (Segura Alice no colo) Vem cá com a dinda, vem princesa!

TOBIAS: É uma linda criança, não é?

CORUJA: (Corre de volta até a mesa) Quero bolo.

TOBIAS: Não seja esfomeado... Daqui a pouco eles irão servir, cuidado para não cair e não esbarrar em ninguém enquanto corre.

SEVERINO: (Conversa com Eulália enquanto dança com ela na pista) Sabe o que eu acho?

EULÁLIA: O que?

SEVERINO: Que a gente deveria fugir daqui e adiantar a nossa noite de núpcias...

EULÁLIA: Noite de núpcias?

SEVERINO: Vai dizer que não sabe o que acontece na noite de núpcias? (Questiona sem perceber que deixara Eulália apreensiva).

(A banda da festa começa a tocar a música tema de Beatriz e Cadu).
Música da cena: How Deep Is Your Love

BEATRIZ: Sabe que olhando tantos casais dançando, deu inveja? (Comenta com Cadu).

CADU: Não seja por isso! (Levanta-se e estende a mão para Beatriz). Senhora, me concede esta dança?

CLARISSA: Vai lá, eu fico com a minha afilhada...

BEATRIZ: (Segura na mão de Cadu e os dois caminham até a pista de dança).

(Em meio aos outros casais, Beatriz e Cadu dançam abraçados. De repente, Cadu sente uma forte dor na cabeça e flashes começam a surgir, transitando entre o passado e o presente).

BEATRIZ: Cadu, tá tudo bem? (Fala ao perceber a expressão estranha de Cadu, porém ele não a ouve, por mais que esteja olhando diretamente para ela).

CADU: (Uma mistura de imagens começa a percorrer seus pensamentos. Flashes de outra vida revelam ele dançando com Beatriz exatamente a mesma música que os dois estavam dançando naquele momento. Vozes começam a surgir em sua cabeça. Ele então recorda o dia em que sofreu um acidente, do sequestro arquitetado pelo próprio irmão e que ele tentou matá-lo, recuperando finalmente a memória).

A câmera foca no rosto de Cadu atordoado, a cena congela e o capítulo encerra com o a tela azul da cor do céu.



Trilha Sonora Oficial, clique aqui.

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.