Type Here to Get Search Results !

Marcadores

PRAZER, SATISFAÇÃO - CAPÍTULO 22

 



Cena 1. Shopping. Toalet Feminino. Dia.

No escuro, Adelaide apavorada na mira da arma de Juarez:

Juarez: Escuta aqui vagabunda, eu tô louco pra fazer alguma ruindade com você! Mas se você não quiser, é só me pagar os 4 mil!

Adelaide: Mas não era 2?

Juarez: A sua dívida dobrou minha linda! Paga! Paga logo, que a minha mão tá coçando pra atirar na sua cara!

Adelaide engole seco.

Adelaide: Para com isso Juarez! Você gosta de mim! Porquê você tá fazendo isso? Hein?

Juarez: É o comando lá de cima! Eles mandam e eu obedeço!

Adelaide: E é assim? Você vai ser pra sempre o pau mandado deles? Se une a mim! A gente cria uma rede de tráfico muito maior que a desses caras! Esquece essa gente! A gente some, vai pro Paraguai! Pensa!

Juarez dá um tapa em Adelaide:

Juarez: (nervoso) Cê não vai me enrolar não! Se você não me pagar agora, eles me caçam até o inferno! Não só eu, como você também!

Adelaide: É? Então morre sozinho!

Num rompante, Adelaide pula em cima de Juarez e o derruba no chão. Um tiro acaba saindo  pro alto.

Cena 2. Shopping. Corredor. Dia.

Pessoas que andavam pelo local, escutam o estrondo do tiro e estranham.

Cena 3. Shopping. Toalet Feminino. Dia.

Adelaide e Juarez lutam no chão. Adelaide tenta pegar a arma da mão de Juarez. Eles rolam e se engalfinham... Tensão.

Cena 4. Avenida. Carro de Stela. Dia.

Stela dirige, Juliana ao seu lado.

Stela: Ai Juliana, eu acho que você devia procurar logo um advogado! Ajeita essa situação!

Juliana: Você sabe que as vezes eu até me esqueço que eu sou casada com o Luciano? Esse homem foi tão irrelevante na minha vida...

Stela: Você tem uma foto dele? Tenho até curiosidade de saber como é esse cara que te traumatizou!

Juliana: Não... Nem tenho foto dele no meu celular. Devo ter lá em casa! Mas quem sabe um dia vocês não se vêem...

Stela: Eu sou capaz de voar nele isso sim!

As duas riem.

Cena 5. Shopping. Toalet Feminino. Dia.

Na briga: Adelaide e Juarez se levantam disputando a arma. Juarez joga Adelaide contra a parede, mas ela não a solta. Os dois vão parar dentro de uma cabine e a arma acaba caindo dentro da privada.

Juarez: Sua idiota!

Adelaide aproveita o momento de distração e empurra Juarez pra trás, que derruba a porta da cabine e cai. Ela sobe em cima da privada, se pendura no basculante e foge por ele. Juarez tenta se levantar, mas cai. Neste momento ouvimos batidas na porta em off:

Mulher: (off) Tem alguém aí?

Close nele, tenso.

Cena 6. Shopping. Lado de fora da janela. Dia.

Adelaide anda pelo parapeito da parede, se segurando em um cabo de metal, com cuidado. Câm mostra que abaixo dela é muito alto.

Adelaide: (respira fundo) Sem olhar pra baixo Adelaide!

Uma árvore enorme é avistada. Adelaide se solta do cabo e vai escalando pela árvore até chegar lá em baixo...

Cena 7. Shopping. Corredor de Banheiros. Dia.

Juarez sai da porta do toalet feminino e logo é abordado por uma senhora idosa.

Mulher: Ei isso aí é o banheiro feminino!

Juarez: Sai fora velha!

E ele sai trombando nela, que fica chocada.

Mulher: Tarado, mal educado! Eu hein...

A mulher entra no toalet indignada.

Cena 8. Rua do Shopping. Dia.

Juarez sai do shopping atordoado. Ele olha para todos os lados, até que vê Adelaide correndo e virando uma esquina. Rapidamente, ele sobe em sua moto, põe o capacete e segue pro mesmo rumo de Adelaide.

Cena 9. Colégio Progredir. Sala de Aula. Dia.

Professor escrevendo no quadro. Os alunos copiam. Anne que está sentada atrás de Thiago, o cutuca.

Anne: (cochicha) Thiago?

Thiago: Oi amiga!

Anne: Você vai poder me levar hoje?

Thiago: Claro! Depois da aula! Eu vou te ajudar! Fica tranquila.

Reação de Anne, aliviada.

Cena 10. Bordel Lovely's. Gramado. Dia.

Kelly entrando em seu carro. Kátia conversa com ela.

Kelly: Eu vou passar na distribuidora pra pedir pra renovar o estoque das cervejas.

Kátia: Acho que hoje vem um novo recorde de convites amiga!

Kelly: Já reservaram 100! Até 10 da noite já são 150! Isso aqui vai lotar!

Kátia: E os nossos bolsos também... Já vai dar pra eu dar a entrada no meu carro!

Kelly: Você não me falou que pretendia comprar um carro... 

Kátia: Decidi assim, de ontem pra hoje!

Kelly: Ah... Bom, deixa eu ir! Beijos!

Kelly entra no carro, liga e arranca. Kátia fica por lá e suspira, avoada... Taís aparece por ali.

Taís: Kátia?

Kátia se assusta.

Kátia: Nossa que susto Taís... 

Taís: Tava voando né?

Kátia: É eu tava... (ri)

Taís: Kátia, eu vou te fazer uma pergunta meio indiscreta.

Kátia: Que pergunta?

Taís: Você e a Kelly tão ficando?

Kátia olha pra Taís com uma expressão de "pode ser que sim, pode ser que não". Taís fica curiosa. Close nela.

Cena 11. Favela. Barracão. Dia.

No barracão de paredes mal rebocadas, estão alguns homens numa mesa fumando enquanto jogam baralho. Um dos homens é o que ofereceu droga para Danilo no capítulo anterior. Focar nele jogando concentrado enquanto fuma.

Cena 12. Favela. Viela. Dia.

Luciano e Renato caminham pela viela até pararem na porta de um barracão.

Renato: (Mostrando o local) É aqui meu filho! É aqui que a gente vai ganhar dinheiro pelos próximos 5 meses!

Luciano: Nem acredito que a gente tomou posse dessa boca... Isso aqui não é pro nosso nível pai!

Renato: Deixa de ser fresco garoto! É provisório! É só até sair a herança da Juliana. Depois você some e eu também!

Luciano: Então... Vamo entrar e ver que fuleragem é essa que você arrumou! (Começa a rir) Você pensa em cada coisa hein pai... Boca de fumo! (Gargalha ainda mais)

Renato olha torto. Os dois entram... De repente, uma senhora abre uma janela de uma casa em frente.

Senhora: Eu ouvi eles falando de uma tal "herança da Juliana"? Meu Deus... Será coincidência?

Muito suspense...

Cena 13. Favela. Barraco. Dia.

Renato e Luciano entram, cheios de si. Os quatro homens que jogavam baralho olham pra eles:

Renato: Como vai rapaziada? Agora é eu e ele que manda aqui! Tenderam?

Os homens balançam a cabeça. O homem que ofereceu drogas a Danilo, se levanta e vai até eles cumprimentá-los.

Luan: Prazer, Luan!

Ele estende a mão e Luciano aperta.

Luan: Vai ser um prazer trabalhar com vocês!

Instrumental: Ação

Cena 14. Avenida. Matagal. Dia.

Adelaide sai correndo por uma avenida. Até que vê uma mata ao seu lado. Ela entra entre as moitas ofegante. Imediatamente, Juarez vem andando, para no mesmo local e olha pros lados à procura de Adelaide.

Juarez: Ela não deve ter ido muito longe...

Ele olha pra mata ao seu lado e vem uma luz em sua mente!

Juarez: (conviccto) Ela deve ter vindo pra cá!

E ele então, entra no mesmo lugar que Adelaide entrou.

Cena 15. Colégio Progredir. Sala de Aula. Dia.

O sinal toca, a sala se movimenta para ir ao recreio. Anne e Thiago conversam:

Anne: Podemos ir agora?

Thiago: Tudo bem Anne!

Anne: Se você precisar de alguma ajuda na matéria... Eu te ajudo!

Thiago: Não precisa Anne! Você já fez muito me emprestando seus cadernos, já que eu faltei ontem...

Anne: Então vamos logo que a Kelly deve estar quase saindo de lá de casa! 

Os dois pegam suas mochilas e saem da sala...

Cena 16. Rua da Casa de Juliana. Dia.

Atrás de uma árvore, Thiago e Anne montados numa moto. Anne olha no relógio ansiosa:

Anne: Tá quase na hora!

Do PV deles, vemos Kelly abrindo o portão e saindo da casa.

Thiago: Ih, acho que ela acabou de sair!

Anne: Segue Thiago!

Eles fecham os capacetes e Thiago avança com a moto bem devagar.

Cena 17. Rua. Dia.

Kelly vira uma esquina, anda até o seu carro e entra nele. A moto para distante. Anne observa Kelly entrar no carro, espantada.

Anne: Mas que carro é aquele? 

Thiago: Pode ser emprestado de alguém!

Anne: E porquê ela não guardou na garagem lá de casa? Deixou estacionado há 2 quarteirões...

Neste momento, Kelly liga seu carro. Thiago já se preparando para seguí-la...

Cena 18. Mata. Dia.

Ritmo e ação: Adelaide corre desesperadamente pela mata. Corta para: Juarez está ali por perto a procurando, com uma arma na mão.

Juarez: Aparece Adelaide! Se entrega por bem! Se eu te pegar vai ser pior, demônia!

Adelaide escuta os passos se aproximarem e se esconde atrás de uma árvore. Juarez anda mais um pouco e para bem ao lado dessa árvore, mas sem vê-la. Muita tensão.

Juarez: Eu tô sentindo o cheiro do seu perfume vagabundo! Tú tá aqui perto! 

E num rompante, Adelaide mete uma pedra na cabeça dele, que cai no chão, com a cabeça sangrando e urrando de dor. Ela corre como nunca. Juarez atira várias vezes na direção dela, que desvia.

Cena 19. Mata. Ponte. Dia.

Adelaide vem correndo e para em frente a uma ponte de madeira, em cima de um pequeno riacho com muitas pedras.

Adelaide: (sem ar) Essa ponte! É ela quem vai me salvar!

Ela olha pro lado e vê um facão caido na grama. No close malicioso dela, corta:

Cena 20. Mata. Ponte. Dia.

Juarez anda com dificuldade e com a mão na testa, que sangra muito. Ele dá mais alguns passos e para em frente a ponte. Olhando mais adiante, ele vê Adelaide do outro lado da ponte, parada.

Adelaide: Você conseguiu Juarez! Me entrego! Não aguento mais fugir. Se for pra me matar, me mata logo!

Juarez: Mas com muito prazer!

Ele recarrega a arma e aponta para ela.

Adelaide: Não! Se for pra ser assim, que seja de perto! Respeita o último desejo da pessoa que você vai tirar a vida! (T) Vem aqui!

Juarez: Você é quem sabe! 

Em câm lenta Juarez vai andando pela ponte... Adelaide assiste tudo com expectativa. E quando ele chega na metade do caminho... A ponte despenca e ele cai no riacho, batendo com a cabeça nas pedras. Close em seus olhos arregalados. Adelaide olha pro corpo caído lá em baixo.

Adelaide: Você já era pra ter morrido há muito tempo... Foi péssimo te conhecer e um prazer te despachar! 

Clima de suspense...

Abertura:

Cena 21. Mata. Ponte. Dia.

Mesma posição da cena anterior:

Adelaide: Agora eu preciso fugir!

Adelaide sai correndo dali com toda velocidade. Foco em Juarez morto nas pedras... Seu sangue se esvai pela cabeça.

Cena 22. Mata. Ribanceira. Dia.

Adelaide correndo veloz, até que ela tropeça numa raíz, cai, rola uma ribanceira e só para ao bater a cabeça no tronco de uma árvore, já desmaiada. O clima despenca.

Cena 23. Colégio Progredir. Sala de Aula. Dia.

Sala vazia. Felipe entra e vai falar com Gabriel.

Felipe: Biel?

Gabriel: Oi Felipe!

Felipe: Saudades de você mano! Você sumiu da nossa amizade. Não só você como o Danilo também! Pô, a gente era um trio e agora fragmentou! Me conta o que tá acontecendo com você! Sou seu amigo!

Gabriel: Ah cara... Nada não!

Felipe: Para! Me fala se não eu vou fazer cosquinha em você!

Gabriel: Não não!

Felipe começa a fazer cosquinhas em Gabriel, que tenta fazê-lo parar.

Gabriel: (rindo) Para Felipe! Paraaaaaa! Eu falo!

Felipe para.

Gabriel: Você jura que não vai julgar? 

Felipe: Juro!

Gabriel: Jura que vai ser meu amigo acima de tudo?

Felipe: Claro Biel! Agora fala e não enrola!

Gabriel: Eu tô ficando com o Thiago!

Felipe abre a boca chocado.

Felipe: O quê?

Closes alternados.

Cena 24. Belo Horizonte. Avenida. Trânsito. Dia.

Em um take aéreo, vemos o carro de Kelly em meio ao trânsito caótico e logo atrás a moto com Thiago e Anne.

Cena 25. Rua. Bordel Lovely's. Dia.

O carro de Kelly para no gramado. Em seguida ela desce e segue até a entrada do bordel. Anne e Thiago vêem tudo. Anne está completamente chocada e não consegue dizer nada.

Thiago: Anne... Eu sinto muito te dizer isso... Mas a sua irmã entrou num bordel, num prostíbulo!

Anne tem uma idéia:

Anne: Thiago eu vou te pedir um favor!

Thiago: Fala!

Anne: Vai lá e pergunta o que a Kelly faz lá!

Thiago: Anne, eu acho que tá muito claro o que ela faz!

Anne: Eu preciso ter certeza! Vai lá com um jeito que tá interessado e pergunta pra aquela menina que tá lá na porta!

Focar em Lara molhando as plantas do gramado.

Anne: Você vai saber o que fazer!

Thiago: Tá bom!

Thiago desce da moto, tira o capacete e caminha até o gramado do bordel, onde Lara está. Ele fala com ela:

Thiago; Opa, tudo bem?

Lara: Oi... E aí?

Thiago: Então, entrou uma moça aqui, uma loira, gostosona... Você sabe se ela é cara?

Lara: Quem? A Kelly?

Thiago: Se for a que chegou de carro...

Lara: Ah não... A Kelly não faz programa mais! Ela é a dona do bordel!

Thiago: (em choque) Ah... Dona?

Lara: É! Mas se você quiser tem eu! Faço muito gostoso! Ainda mais pra um novinho gostoso igual a você... (acariciando o peito dele)

Thiago: Fica pra próxima! (Risos) Valeu aí!

Thiago sai de lá e vai até sua moto.

Thiago: Anne!

Anne: O quê?

Thiago: Se prepara amiga! O babado é forte!

Na expectativa de Anne, corta:

Cena 26. Colégio Progredir. Diretoria. Dia.

Stela em sua cadeira falando ao celular: 

Stela: (cel) Mas Jú, você tem que pedir o divórcio imediatamente! Não dá mais pra adiar!

(Alternar com Juliana no vestiário do hospital:)

Juliana: (cel) É eu sei! Eu vou procurar um advogado ainda hoje pra resolver isso! Pode deixar! Ah amor, eu já liguei pro hospital e eles me disseram que amanhã eles me recebem pra olhar o caso da sua filha!

Stela: (cel) Jura linda? Eu não acredito! Eu tive tanta sorte de te encontrar na minha vida!

Juliana: (cel) Ah... Nós tivemos!

Stela: (cel) Agora preciso desligar que eu tenho que voltar pro trabalho! Beijos!

Juliana: (cel) Bom trabalho! Beijos!

Cena 27. Colégio Progredir. Sala de arquivos. Dia.

Yara abre a gaveta de um armário pega uma pasta e a abre. Ela pega seu celular e fotografa um dos papéis.

Yara: Perfeito!

De repente a porta é aberta. Yara se assusta.

Stela: Yara? O que você tá fazendo aqui?

Yara gagueja.

Yara: Ah... É que um ex-aluno pediu pra eu pegar o histórico escolar dele pra uma faculdade... É isso!

Stela: (desconfiada) Ah! Entendi!

Closes alternados.

Cena 28. Flat. Sala. Dia.

Vanessa de vestido de noiva. A costureira ajustando o véu.

Vanessa: Ai menina nem vejo a hora de casar... Já é na semana que vem acredita?

Costureira: E tem tanto tempo que você planeja né?

Vanessa: E como tem... Esse casamento é um sonho! Meu noivo é um sonho...

Costureira: Menina, esse mundo tá tão moderno... Ontem eu fiz dois vestidos pra duas noivas! As duas iam casar!

Vanessa: Até aí nada de novo...

Costureira: Não, mas as duas namoradas iam casar com mais um homem! Eles chamam de trisal!

Vanessa fica interessada...

Vanessa: Um trisal é?... (fala baixinho) Eu sempre quis formar um trisal...

Coatureira: (espantada) Oi?

Vanessa: Não, nada!

A mulher volta a costurar... Vanessa fica pensativa...

Vanessa: (pensamento) Será?...

Cena 29. Hospital. Sala de Rodrigo. Dia.

Rodrigo faz massagem nas costas de Amanda, que está sentada na cadeira.

Amanda: Isso, isso! Mais pra direita! Ain, vai, isso! Vai que tá gostoso!

Rodrigo: Quê isso? Cê tá gemendo!

Amanda: Desculpa!

Amanda se levanta e fica em frente a ele, quase grudada.

Amanda: E hoje? Tem motel?

Rodrigo: Tem! Tem motel sim!

Ele morde a boca dela, safado.

Amanda: Eu comprei muitas lingeries e muitos brinquedinhos no sex shop da Érika...

Rodrigo: Ai... Não fala assim que você me deixa... Você sabe! E eu tô em horário de trabalho!

Amanda: (irônica) Você se preserva tanto né?

Rodrigo: Ééeee!

Cena 30. Colégio Progredir. Pátio. Dia.

Horário de saída. Felipe e Gabriel descem juntos.

Felipe: Eu vou falar com o Danilo! 

Gabriel: Tá bom! Mas eu não faço questão!

Felipe vai até Danilo, que anda sem rumo.

Felipe: Danilo?

Danilo se vira pra Felipe e vemos que ele está com as púpilas dilatadas.

Felipe: Danilo, seu olho tá estranho, aconteceu alguma coisa?

Danilo: Nada! Falou aí!

Danilo sai pela catraca e Felipe fica sem entender... Gabriel se aproxima.

Felipe: Tô achando que o Danilo tá usando droga!

Gabriel: Meu Deus... Se for mesmo... É muito grave!

Closes alternados.

Cena 31. Favela. Barracão. Dia.

Luan por lá fumando... Em outro canto: Renato e Luciano olham um caderno. Alguem bate na porta:

Luan: Deixa que eu atendo!

Ele se levanta e abre a porta. É Danilo!

Danilo: E aí? Cê tem mais daquela parada?

Luan sorri maliciosamente.

Cena 32. Belo Horizonte. Takes do Anoitecer. Noite.

Imagens aéreas da cidade à noite.

Cena 33. Favela. Barracão. Noite.

Luciano e Renato se preparando pra sair do barraco. Eles comemoram.

Luciano: 3 mil conto! Só hoje!

Renato: É filho... Maconha tá na moda!

Luciano: Não só maconha né pai? Tem muita droga pesada aqui na nossa lojinha!

Renato: Você disse certo! Agora aqui é uma lojinha! Sem a papelada necessária? Sim! Mas uma loja, que mais importante que tudo, dá lucro! (Ri)

Luciano: Agora vamo fechar isso aqui e ir embora!

Cena 34. Mata. Ribanceira. Noite

Adelaide acorda com a visão super embaçada.

Adelaide: Ai... Onde é que eu tô? Eu preciso sair daqui!

Ela esfrega os olhos. Neste momento escutamos passos de pessoas se aproximando.

Pessoa 1: (off) Como será que aquele homem foi morrer?

Pessoa 2: (off) Ou a ponte caiu, ou alguém deu um tiro nele... Você viu a arma que tava com ele?

Pessoa 1: (off) De qualquer forma, já chamei a polícia...

Adelaide: (pensamento) Não! Polícia não!

Adelaide se desespera. Ela cria forças, se levanta e desce a mata a fora. Mais adiante ela começa a correr...

Cena 35. Mata. Perto da Avenida. Noite.

Adelaide anda pela mata, mancando, até que vê as luzes e ouve os barulhos de carros.

Adelaide: Até que enfim a civilização!

Ela suspira e vai sair para a avenida.

Cena 36. Avenida. Carro de Renato. Noite.

Luciano dirige, Renato está do seu lado.

Luciano: Eita pai... Com esse dinheiro dá até pra gente ir naquele Lovely's... Não acha?

Renato: Acho... (rindo)

Adelaide atravessa a rua bem em frente ao carro de Renato, sem olhar. Luciano freia bruscamente, mas não evita de atropelá-la.

Luciano: Ai eu não acredito!

Renato: Ô porra!

Luciano desce do carro e vai socorrer Adelaide que está com a cabeça abaixada.

Adelaide: Aiii, tá doendo meu joelho!

E quando ela levanta a cabeça... 

Luciano: (a reconhecendo) Pera aí... Adelaide?

Adelaide: Luciano?...

Muita tensão...

Cena 37. Bordel Lovely's. Gramado. Noite.

Anne sai de um táxi, usando uma peruca loira e vai até a entrada do bordel.

Segurança: Identidade por favor!

Anne mostra a identidade, dá 20 reais ao segurança e entra.

Cena 38. Bordel Lovely's. Salão. Noite.

Música animada. Anne entra no local e olha ao seu redor o ambiente e sua movimentação... Ela vê Kelly atrás do balcão do bar, conversando com um cliente, e a olha com negação...

Cena 39. Bordel Lovely's. Escritório. Noite.

Kelly entra no escritório, segurando uma taça de champanhe. Ela vê que a cadeira está virada pra parede.

Kelly: Ué... Porquê essa cadeira tá virada?

Kelly vai até a cadeira e quando vira, se surpreende ao ver Anne de peruca loira. Ela derruba a taça de champanhe no chão...

Kelly: (assustada) Quê isso? 

Anne: Então é aqui... Eu já sei de tudo Kelly! Agora me fala: Pra quê? Por que você mentiu pra mim? Justo pra sua irmã! A pessoa que você mais devia confiar!

Kelly engole seco e não consegue dizer nada.

Foco em Kelly/ A imagem congela com o fundo esfumaçado.

(Encerramento: Só porque eu sou mulher - Lourena)



Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.