Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Débora - Capítulo 07

 



Débora
CAPÍTULO 07

uma novela de
FELIPE LIMA BORGES

escrita por
FELIPE LIMA BORGES

baseada nos capítulos 3 a 5 do livro de Juízes

No capítulo anterior: Débora implora para que Jaziel a ajude e Tamar a permita ir atrás de Lapidote e Misael, e a mãe acaba permitindo. No terceiro dia de busca, sem sucesso, os dois garotos encontram no deserto um grande acampamento filisteu onde estimam haver 500 homens. Elian diz à filha que ela não deve mais se referir a Lapidote como seu namorado, e Débora pergunta se ele gosta de falar isso, ao que ele nega. Na rua, Débora fala com o povo. Diz que, baseado no passado, só há duas formas de se libertarem da opressão: voltando para Deus e lutando. O povo começa a insultá-la, e ela conta sobre a descoberta que fez no deserto. Continua dizendo que podem se unir ao restante de Israel e vencer seus dominadores, mas ninguém acredita em seu próprio potencial, zomba dela e vai embora. Querendo se divertir, o Comandante manda um soldado queimar parte das propriedades de Sangar. À noite, antes da refeição, Débora emenda a oração do pai pedindo que o Senhor amoleça o coração do povo para que voltem aos caminhos de Deus e queiram lutar por sua liberdade. Sangar está jantando tranquilamente quando é surpreendido por um incêndio em seu celeiro, causado por dois soldados filisteus que vão embora. Sangar corre para tentar apagar o fogo.
FADE IN:

CENA 1: EXT. CASA DE SANGAR – QUINTAL – MANHÃ SEGUINTE
Sangar amanhece sentado no chão e com semblante de derrota. À sua frente, o celeiro e parte de outras propriedades estão em cinzas.
Ao redor dele estão Débora, Jaziel, Tamar e Elian.
SANGAR
Estou perdido... Quase tudo foi destruído pelo fogo...
Todos o olham com pesar.
SANGAR
Os filisteus se sentem superiores... Não basta cobrarem altíssimos impostos, precisam acabar com tudo!
Termina a frase batendo no chão com raiva.
TAMAR
Nós sentimos muito, Sangar... No que pudermos ajudar, pode contar conosco.
ELIAN
Sim...
JAZIEL
E com a minha família também.
Então Sangar põe-se de pé de uma vez.
SANGAR
Chega! Isso não vai ficar assim!
DÉBORA
Do que está falando?
SANGAR
Se o povo não quer lutar, eu mesmo vou até lá lutar com eles!
TAMAR
Quê?!
ELIAN
Do que está falando, Sangar?
JAZIEL
Você enlouqueceu?!
SANGAR
Eu estou farto! Farto de tanta injustiça! Isso não pode continuar assim, não está certo! O povo não deve sofrer dessa maneira! Não Israel! Não o povo escolhido por Deus!
DÉBORA
Mas você está ouvindo o que está dizendo?! Ir lá sozinho?! É perigoso!
TAMAR
Não, “perigoso” é nada perto do que realmente isso é!
JAZIEL
É impossível...
SANGAR
Estamos habitando a terra que Deus prometeu a Abraão! Estamos aqui para vivermos fartos e felizes! Não para sermos escravos!
DÉBORA
E como pretende ir sem arma alguma?!
SANGAR
Não seja por isso, eu levo minha aguilhada.
Sangar se abaixa e pega um objeto caído. Trata-se de sua aguilhada, uma vara com uma ponta de ferro usada no pastoreio de seus rebanhos.
Débora parece ficar um tanto mais tranquila, mas não Tamar.
TAMAR
Pretende enfrentar os soldados filisteus sozinho e usando apenas uma aguilhada?
SANGAR
Errado. O Deus dos deuses estará comigo. Agora apenas me digam onde é o acampamento desses incircuncisos!
DÉBORA
(um tanto empolgada) Jaziel e eu podemos te levar até lá.
TAMAR
Negativo! Não quero de forma alguma Débora correndo perigo!
DÉBORA
Mas mãe--
TAMAR
(interrompendo) Sem “Mas”, Débora! Não invente! Você tem apenas 12 anos!
ELIAN
Sua mãe tem razão.
Débora, frustrada, olha para Sangar.
JAZIEL
Eu o levo até lá, Sangar.
TAMAR
E quanto aos seus pais, Jaziel?!
JAZIEL
Não há tempo para isso. Mas os senhores podem avisá-los.
SANGAR
Pois vamos agora mesmo, Jaziel!
Logo Sangar, com Jaziel atrás, sai cavalgando o mais rápido possível.
ELIAN
(apreensivo) Hoje ou será a nossa sonhada libertação, ou a triste morte de um amigo.
TAMAR
(lamentando) Quem dera fosse a primeira... Mas acho que será a segunda...
DÉBORA
(confiante) E eu tenho certeza de que será a primeira!
Tamar dá uma olhada para Débora, olha para Elian e continua a observar o cavalo se distanciando.



CENA 2: EXT. DESERTO – DIA
O cavalo chega ao paredão de rocha e para; Jaziel e Sangar descem.
JAZIEL
É do outro lado desse paredão. Dá para ver daqui.
Sangar, já empunhando a aguilhada, olha por um buraco e nota o grande acampamento.
SANGAR
Malditos...
Jaziel respira fundo e faz que sim.
SANGAR
Fique aqui, Jaziel. É apenas um garoto.
JAZIEL
Ficar aqui?! Eu já sou um homem, Sangar!
SANGAR
Você já cumpriu a sua missão me trazendo até o local certo. Agora é comigo... e, principalmente, com o Senhor nosso Deus.
JAZIEL
Sangar, por favor... Deixe-me ir com você... Pode precisar de mim, eu posso te ajudar de alguma forma! Posso até salvar a sua vida!
SANGAR
Não sou responsável por você, Jaziel, deve ficar aqui. Se algo acontecer, volte imediatamente para Betel. Se não der tempo de fazer isso, se esconda. Entendeu?
JAZIEL
(a contragosto) Sim...
SANGAR
Se bem que não pretendo que nada disso seja necessário, pois vou em nome do Deus dos exércitos.
JAZIEL
Você é louco.
SANGAR
Eu sou um hebreu. E com orgulho!
Jaziel o encara.
SANGAR
Já vou indo. Até logo...
Sangar vira e vai se afastando.
JAZIEL
Sangar!...
Sangar para e olha.
JAZIEL
Shalom.
Sangar dá um sorrisinho.
SANGAR
Shalom, Jaziel.
Sangar volta a caminhar e some atrás do paredão de rochas. Logo Jaziel segura no mesmo e observa o acampamento por uma das fendas.

CENA 3: EXT. ACAMPAMENTO FILISTEU – DIA
No acampamento, o Comandante sente dor na barriga de tanto gargalhar da imitação da reação de Sangar feita diversas vezes pelo soldado.
COMANDANTE
(gargalhando) De novo, de novo! Faz!... Como foi que ele fez?!
O soldado então imita grosseiramente a angústia de Sangar e o Comandante cai em mais risadas.
COMANDANTE
Eu vou precisar... ir eu mesmo aprontar uma... com ele... para ver essa cara feiosa!
E gargalha. Mas uma voz fala atrás dele.
SANGAR
Então por que não olha para trás?
Surpreso, o Comandante vira e para de rir: Sangar, segurando a aguilhada, está ali, parado e de pé. Os soldados levam as mãos ao cabo de suas espadas.
COMANDANTE
Ora, ora... Como chegou aqui? Como nos encontrou?
SANGAR
Isso não interessa. Só o que interessa é o que eu vou fazer em instantes.
Cheio de confiança, o Comandante sorri de orelha a orelha.
COMANDANTE
(fazendo biquinho) Oh, o cicatriz está ressentido... Tão ressentido que até perdeu a cor... Está cinza, assim como as suas propriedades!
Todos os soldados ali gargalham de Sangar, que permanece quieto.
COMANDANTE
(tranquilamente) Cerquem-no, vão...
Quase vinte soldados armados cercam Sangar, deixando apenas um espaço para o Comandante visualizá-lo.
COMANDANTE
Diga-me, Sangar... E o que é que você pretende fazer aqui em instantes?
SANGAR
Matar todos vocês e livrar o meu povo da opressão.
É uma gargalhada generalizada, não há um ali que não se curva de tanto rir. O Comandante até limpa sua boca das salivas vindas do riso.
COMANDANTE
Um pouquinho ousado, você... Ai, Sangar... Sangar, Sangar. Acho que hoje é o melhor dia da minha vida. Não sabe como eu ri dos relatos dos soldados que queimaram as suas coisas na noite passada, e agora você próprio vem até mim me proporcionar mais risos e alegria!...
Sangar continua firme, apenas encarando o Comandante.
COMANDANTE
Quantos homens acha que há aqui, Sangar?
Sangar dá de ombros, não dando a mínima.
COMANDANTE
600 homens.
Sangar apenas levanta uma sobrancelha e faz que sim devagarinho.
COMANDANTE
Pretende enfrentar 600 homens com espadas e couraças usando apenas uma aguilhada de pastor e sua veste comum?
SANGAR
Eu tenho Deus ao meu lado. Mais afiado que qualquer espada de ferro e mais seguro que qualquer couraça feita pelas mãos de homem.
Vários ali riem.
COMANDANTE
Ahhh, sim, claro! O Deus invisível dos hebreus.
SANGAR
É isso mesmo.
COMANDANTE
(rindo) Ele está aqui agora? E te ajudará?
SANGAR
Logo você terá essa resposta.
Rindo, o Comandante vai até uma cadeira ali perto, senta-se, cruza as pernas, serve uma taça de vinho e toma.
COMANDANTE
(apreciando o sabor do vinho) Matem-no.
Alguns dos soldados que o cercam avançam com suas espadas, mas o inesperado acontece: com rápidos movimentos, Sangar desarma a todos e os fere com a ponta da aguilhada; caem sangrando. Ainda tranquilo em sua cadeira, o Comandante continua a beber.
COMANDANTE
Confesso que por essa eu não esperava, Sangar. Então o hebreu pastor sabe lutar...
SANGAR
(um tanto maravilhado) Eu não faço ideia do que as minhas mãos estão fazendo!
O restante dos soldados próximos avança gritando, mas, a uma velocidade incomum, Sangar usa sua aguilhada para bloquear os golpes, arrancar as espadas e finalizar os soldados. Um a um, aqueles homens vão caindo aos seus pés.
O Comandante, já visivelmente incomodado, larga a taça de vinho e fica desconfortável em sua cadeira. Faz sinal para outros soldados avançarem contra Sangar, mas o sucesso não vem. O hebreu continua a lutar eximiamente, de forma que os soldados filisteus não tenham chance alguma. Espadas continuam a voar para longe, mãos continuam a serem cortadas, e peitos atravessados pela simples ferramenta de pastoreio.
Inquieto na cadeira e sem o menor traço de diversão em seu rosto, o Comandante observa a luta preocupado e raivoso ao mesmo tempo.
Outros soldados do acampamento, mais receosos que os anteriores, correm até Sangar, mas é como se uma força invisível guiasse os movimentos perfeitos e certeiros de seus braços, de forma que não leve nenhum arranhão, mas fira gravemente a todos.

CENA 4: EXT. DESERTO – DIA
Jaziel está maravilhado com o que vê pela fenda na rocha.
JAZIEL
Como eu queria que estivesse aqui, Débora!

CENA 5: EXT. ACAMPAMENTO FILISTEU – DIA
O Comandante então se levanta e faz sinal para todo o acampamento.
COMANDANTE
TODOS!!! AQUI, TODOS!!! AGORA!!!
Dezenas e dezenas de homens avançam contra Sangar de todos os lados. Seus olhos parecem tremer, mas seu corpo não o trai: chutes, cotoveladas, tudo com a finalização da aguilhada. Enquanto agarra um braço, fere um soldado, chuta o primeiro, desvia de um golpe, de outro, mais outro, desfere um soco, usa a base da aguilhada no rosto de um, imediatamente a ponta é fincada em outro... E assim, um a um, todos os soldados vão, incrivelmente, sendo derrotados.
COMANDANTE
(tremendo) Impossível!... VÃO!!! Cercar e cobrir!!! CERCAR E COBRIR!!!
Sangar se afasta da pilha de soldados caídos e os outros o cercam. Ele olha para todos os lados, todos prontos para avançar, mas parados. Cada rosto filisteu ali lhe olha num misto de ódio e medo.
De repente, um atrás grita e Sangar olha. É quando todos se aproximam ao mesmo tempo. Ele olha para outro lado, e jogam terra em seus olhos; ele cai. Os homens então pulam em cima dele, um a um vão formando uma montanha de homens sobre Sangar, e então param.
O Comandante, esperançoso, olha para a pilha de soldados que pressionam um ao outro. Eles gritam de raiva, usando de todo seu peso para esmagar Sangar lá embaixo. É impossível vê-lo, e o Comandante se aproxima.
COMANDANTE
Agora eu te peguei...
De repente, um barulho... Um barulho estranho de perfuração... Gemido... Rasgo... Perfuração... O Comandante olha bem... e se assusta com o que vê: a aguilhada de Sangar, de baixo para cima, perfurou 4 soldados da montanha e sai rasgando a costa de mais um.
COMANDANTE
MALDITOOO!!!
A aguilhada volta para baixo, os feridos são jogados para o lado e Sangar fere cada um dos que se jogou em cima dele. Desesperado, o Comandante começa a se afastar, quase incrédulo com o que vê. Sangar se levanta, se limpa e olha para o resto dos soldados.
Então, lutando com os restantes, Sangar começa a se aproximar do outro lado do acampamento, onde há um pequeno abismo. Sua aguilhada trabalha como nunca desarmando, bloqueando e ferindo.
À beira do abismo, Sangar chuta aqueles que está enfrentando e também os que estão ao redor, fazendo-os despencar pelo ar e cair no riacho lá embaixo.
Os últimos três soldados se aproximam com lanças, mas ele pressiona uma no chão com o pé, usa a aguilhada para quebrar duas de uma vez, pega a lança que pressionou, bate em um com  a base dela (que cai), fere outro com a lança, rasga o pescoço do terceiro e joga a aguilhada no soldado caído, fincando-a nele.
Abismado, e como último sobrevivente, o Comandante o encara com os olhos vermelhos. Sangar se aproxima do último derrotado, arranca a aguilhada e fica parado, olhando para o Comandante.
COMANDANTE
mim não. Não a mim... Não a mim!
Então o Comandante, segurando sua espada com firmeza, corre até Sangar. Ao chegar perto, o hebreu não tem muita dificuldade em se proteger dos golpes. Logo chuta o adversário no peito, que se afasta, mas não cai. O Comandante volta a investir contra, mas Sangar agarra seu braço, bate na mão com a aguilhada fazendo com que a espada caia no chão, agarra seu pescoço, e encosta a aguilhada em seu peito.
SANGAR
Morra... sabendo que o Deus invisível... derrotou você!
Sangar atravessa a ponta do aguilhão na couraça do Comandante e a finca em seu peito. O homem, olhando-o com raiva, tosse e sua boca se enche de sangue. Sangar então o leva até a beira do abismo e o joga dali.
O corpo bate nas pedras lá embaixo e fica estirado junto aos outros.
Cansado, Sangar desaba de joelhos. Logo Jaziel chega no acampamento e corre até ele.
JAZIEL
(gritando) Sangar!!! Você conseguiu!!! Você conseguiu, Sangar!!!
Jaziel derrapa e ajoelha de frente para Sangar.
JAZIEL
Você conseguiu, matou a todos!!!
SANGAR
(exausto) Não... Foi Deus... Foi Deus quem me usou.
JAZIEL
Precisamos ir e espalhar a nova! Israel está livre!!!

CENA 6: EXT. BETEL – ENTRADA – DIA
Parados no portão da cidade, Tamar, Elian e Débora observam o cavalo que se aproxima. Jaziel, atrás de Sangar, não para de falar em alta voz.
DÉBORA (NAR.)
O que ouvi a seguir me proporcionou um dos momentos mais alegres da minha vida até ali...
DÉBORA
É impressão minha... ou estão berrando... que estamos livres?...
TAMAR
Será possível?...
O cavalo se aproxima e eles entendem.
JAZIEL
Estamos livres!!! Livres!!!
Eles descem e Jaziel já vem contando tudo o que aconteceu.
ELIAN
Sangar?! 600 homens?!
E continuam a relatar eufóricos.

CENA 7: EXT. BETEL – RUAS – NOITE
A noite cai e a festa em Betel é generalizada! Comidas e bebidas em fartura. Danças e cantorias em cada canto das ruas. E crianças correndo como se não houvesse amanhã.
No meio da rua, Sangar recebe tapas nos braços e na costa, e o povo levanta suas taças de vinho para ele. Débora sorri para Jaziel e seus pais e se afasta. Pega um doce em uma mesa por ali e fica num canto. Então tira de um bolso a semente de tamareira com o cordão e a aperta firme. Apesar de aparentemente estar observando o povo, seus pensamentos estão bem distantes...
DÉBORA
(baixinho) Como eu queria que você estivesse aqui...
Na cantoria do povo e no olhar levemente sorridente, mas saudosista, de Débora, IMAGEM CONGELA
CONTINUA...
FADE OUT:


No próximo capítulo: Uma nova fase começa em “Débora” quando 6 anos se passam. Aos 18, Débora usa seu tempo com aventuras, treinos à espada e conversas com o ancião Aliã sobre as coisas de Deus. Mal sabe ela que uma terrível força começa a se levantar em um reino vizinho chamado Hazor.





Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.