Type Here to Get Search Results !

Marcadores

AMOR DE VERÃO - Capítulo 08

 



CENA 01: APARTAMENTO DE ILANA. INTERIOR. NOITE


TRILHA SONORA: Instrumental - Brigas e Discussões (até o fim da cena)


Continuação imediata do capítulo anterior. Paula continua provocativa diante de Ilana.


ILANA – Como é que você tem coragem de vir aqui na minha casa?

PAULA – Nós não somos amigas? Amigas fazem visitas umas às outras.

ILANA – Deixa de cinismo! Você veio aqui só pra me provocar.

PAULA – Te provocar?! Eu vim aqui pra gente conversar.


Paula tenta entrar dentro do apartamento, mas Ilana entra na frente.


ILANA – Da porta você não passa.

PAULA – Ilana, você tem que aceitar que o seu tempo com o Fernando acabou, agora é a minha vez/


Sem pensar duas vezes, Ilana desfere um tapa no rosto de Paula, que é surpreendida com a atitude. 


PAULA – Uau…

ILANA – A traição do Fernando me doeu bastante, Paula. Mas não mais do que a sua. Você entrou e saiu da minha casa durante vinte anos, eu te confidenciei os meus segredos, minhas intimidades, todos os meus problemas com o casamento e mal sabia que estava alimentando uma cobra para me morder! A troco de quê você fez isso? O que você ganhou me enganando por todos esses anos? Por que vocês dois não foram justos comigo e, ao perceberem que estavam apaixonados, não me contaram a verdade e foram viver juntos? Se é que isso que vocês tem pode se chamar de paixão, porque a atitude de vocês é de psicopata e psicopata não sente nada.

PAULA – Você já está indo longe demais com essas suas ofensas, querida. Psicopata é muito pesado. 

ILANA – Que tipo de ser humano é você então?

PAULA – Um ser humano que não mede esforços para crescer na vida. (P) Se você me permitir entrar, eu posso até te contar toda a história. 


Ilana respira fundo e abre espaço para que Paula entre. Ela entra e caminha desfilando até o sofá, onde senta.


PAULA – Não vai me oferecer um café?

ILANA – Para com esse deboche barato e fala logo.

PAULA – Bom, Ilana, quando a gente virou amiga, você já tava namorando o Fernando. Desde o começo, quando eu comecei a frequentar sua casa, ele soltava umas gracinhas pra mim, mas eu ignorava. Até que as coisas foram esquentando e eu não tive como resistir. Um certo dia, você havia viajado com a sua família e não tinha me avisado, eu cheguei aqui e só havia ele. Ele logo me seduziu e fomos pra cama… a sua cama. Transamos a noite inteira!


Ilana fica perplexa com aquela revelação e não sabe como reagir.


PAULA – E dessa noite de amor acabou sendo gerada a Miriam. Eu era muito pobre, ele já estava pra casar com você e a família dele jamais aceitaria que ele te deixasse por mim. Ele prometeu que me ajudaria com tudo e que a gente continuaria se encontrando, e assim ele fez.

ILANA – (voz de choro) Aquelas viagens quase que semanais… era pra sua casa que ele ia, não é?

PAULA – Bingo! Até que ele cansou de frequentar o subúrbio e comprou aquela mansão pra mim. E daí em diante as coisas só foram melhorando, sabe? Eu consegui um bom emprego, o Fernando começou a passar mais tempo comigo e ser mais presente na vida da Miriam e a gente foi cansando dessa nossa brincadeirinha. Confesso que era bem divertido essa vida perigosa, mas tem uma hora que enjoa. Fui pressionando, pressionando, pressionando… e aí ele tomou coragem de te deixar.

ILANA – E você conta tudo como se fosse uma piada…

PAULA – Pra mim é.

ILANA – Sabe o que você é, Paula? Uma invejosa. Uma piranha da pior espécie!

PAULA – Nossa.

ILANA – Agora fique ciente de uma coisa: você nunca vai chegar aos meus pais. Você nunca vai ter minha elegância, minha classe, meu prestígio, muito menos o meu caráter. Mesmo que você saia na rua banhada a ouro, vai permanecer sendo uma "Santos da Silva".


Paula respira fundo e levanta do sofá, ficando de frente para Ilana.


PAULA – E fique você também ciente de uma coisa, Ilana: isso não acaba aqui. O seu pesadelo só está começando. 

ILANA – VAI EMBORA DA MINHA CASA!


Ilana pega Paula pela gola da roupa e arrasta ela até o lado de fora do apartamento. Ao trancar a porta, Ilana começa a chorar desesperadamente, em choque com tudo o que ouviu.


CENA 02: MANSÃO DE PAULA. SALA. INTERIOR. NOITE

Miriam vem da cozinha carregando um copo d'água. A jovem sente uma fraqueza e acaba derrubando o copo de vidro, que se parte em vários pedaços no chão. 


MIRIAM – Droga!


Nesse momento, Fernando chega em casa e vê a filha apanhando os cacos, ficando assustado.


FERNANDO – Filha! O que foi que aconteceu?

MIRIAM – Eu tive um mal-estar agora e acabei derrubando o copo.

FERNANDO – Você tá bem? Cuidado com os cacos de vidro.

MIRIAM – Tô bem sim…

FERNANDO – Cadê a sua mãe?

MIRIAM – (distraída) Foi na casa da Ilana.

FERNANDO – (surpreso) Como é que é?

MIRIAM – (caindo em si) Não… Ela foi na casa de uma amiga/

FERNANDO – (com raiva) Não tenta mentir pra mim, Miriam! Eu ouvi muito bem que ela foi na casa da Ilana. Agora fazer o quê?!


Miriam fica nervosa por ter falado demais. Fernando está extremamente sério. 


CENA 03: APARTAMENTO DE RENATA/APARTAMENTO DE CAIO. INTERIOR. NOITE

Renata decide ligar para Caio para compartilhar as informações sobre o jantar de Jéssica com ele. Renata disca o número de Caio e após alguns toques, Caio atende a ligação.


CAIO – Alô?

RENATA – Caio, sou eu, Renata. Tenho que falar com você sobre algo importante.

CAIO – Claro, Renata. É sobre a Jéssica?

RENATA – Sim. Ela vai sair para jantar hoje à noite, um encontro.

CAIO – Um encontro? Com quem, Renata?

RENATA – Ela vai jantar com Gabriela, a fotógrafa que você disse, lá no Cavallini. Como eu fui tonta em não acreditar no que você disse, Caio

CAIO – (Bravo) Muito obrigado por me avisar. (Desliga o telefone)

RENATA – Caio? Caio? Alô? 


Enfurecido, Caio pega o porta retrato com uma foto sua e de Jéssica e joga violentamente no chão. Close no vidro do porta retrato quebrado.


CAIO – Eu não vou deixar isso acontecer.


CENA 04: RESTAURANTE. INTERIOR. NOITE

Jéssica e Gabriela estão sentadas em uma mesa. Elas desfrutam de um agradável jantar, conversando e compartilhando risadas. À medida que a noite avança, elas bebem algumas taças de vinho, criando uma atmosfera de descontração e intimidade. Gabriela, com um olhar leve, começa a acariciar sutilmente a mão de Jéssica sobre a mesa. Jéssica percebe o que está acontecendo.


JÉSSICA – Gabriela, eu... acho que está ficando tarde. Acho melhor eu ir embora.


Gabriela olha para Jéssica, surpresa com a mudança repentina.


GABRIELA – Porque, Jéssica? A gente tava tão leve aqui, o que aconteceu?

JÉSSICA – Nada, sério. É que eu durmo cedo, você também deve ter trabalho amanhã né?


Jéssica se levanta até a saída e deixa Gabriela sozinha.


ABERTURA:



CORTE:


CENA 05: RESTAURANTE. FACHADA. EXTERIOR. NOITE

Jéssica está do lado de fora do restaurante quando Gabriela se levanta da mesa e vai atrás dela. Gabriela segura o braço de Jéssica, criando uma tensão palpável entre as duas.


GABRIELA – Jéssica, espera um minuto. Ainda temos que conversar.


TRILHA SONORA: Tânia Mara - Só Vejo Você (até o fim da cena)


Jéssica se vira para encarar Gabriela, sentindo-se atraída e dividida ao mesmo tempo.


JÉSSICA – Gabriela, eu não posso. Eu tenho um relacionamento com o Caio.


Gabriela se aproxima mais de Jéssica e Caio chega ao local, percebendo a tensão no ar.


CAIO – O que tá acontecendo aqui?


Jéssica, nervosa e confusa, olha para Caio em busca de uma saída daquela situação.


JÉSSICA – Caio, por favor, vamos embora. Eu preciso ir com você.

CAIO – Claro, segura em mim.


Caio olha para Gabriela com raiva e leva Jéssica até um carro de aplicativo. Gabriela fica preocupada com a sua relação com Jéssica.


CENA 06: MANSÃO DE PAULA. SALA. INTERIOR. NOITE

A porta da residência é aberta e Paula entra, sendo surpreendida ao ver Fernando sentado no sofá da sala. Ele estava esperando por ela.


PAULA – Meu amor, chegou?

FERNANDO – O que é que você foi fazer na casa da Ilana?

PAULA – (nervosa) Quê? Como assim? Quem te contou isso?

FERNANDO – Ah, então você confirma.

PAULA – Quem te falou isso, Fernando?

FERNANDO – A Miriam. Ela estava distraída e acabou soltando a informação. 

PAULA – Não devia ter falado, a Miriam não se aguenta!

FERNANDO – Você ainda não me respondeu. O que você foi fazer lá?

PAULA – Fui tentar conversar com ela/

FERNANDO – (corta) Tentar conversar… Faça-me o favor, Paula. Você foi provocar a Ilana que eu sei!

PAULA – O que é que você pensa de mim, hein? Que eu sou uma monstra? Pronto, eu sou a vilã dessa novela!

FERNANDO – Não é isso! Mas eu te conheço o suficiente pra saber que você adora soltar um veneninho/

PAULA – (corta, furiosa) Eu já disse que fui conversar, dialogar! Somente isso.

FERNANDO – Paula, eu concordei em me separar da Ilana, me casar com você, para que a gente pudesse ser feliz em paz juntos. Longe dela!

PAULA – E é isso que vai acontecer.

FERNANDO – Então para de ir atrás dela!

PAULA – Só quando você assinar o papel do divórcio e depois o matrimônio comigo!

FERNANDO – Eu já disse que está tudo encaminhando.

PAULA – Pois bem! Agora me deixa em paz, se for possível. 


Furiosa, Paula passa pela sala em direção ao quarto, sem olhar mais para Fernando.


CENA 07: COBERTURA DE HELENA. SALA. INTERIOR. NOITE

Ana está sentada em frente à televisão. Helena chega na sala carregando uma panela de brigadeiro e um balde de pipoca, sentando ao lado da filha.


ANA – E aí, que filme vamos assistir?

HELENA – Queria ver uma comédia romântica. 

ANA – Humm… Que tal um clássico? Grease.

HELENA – Perfeito!


Ana dá um sorriso e procura por Grease no streaming, encontrando.


ANA – Vamos dar um play na nossa Girls Night?

HELENA – Yes!


Ambas sorriem e Ana dá play no filme. Elas começam a comer a pipoca e o brigadeiro. 


CENA 08: LEBLON. EXTERIOR. DIA


TRILHA SONORA: Gal Costa - A Coisa Mais Linda Que Existe (até o 1° diálogo da cena 9)


Amanhece na trama. CAM circula pelos principais pontos do Bairro do Leblon. Entre eles, o Penhasco Dois Irmãos, o Lagoon e termina em frente a Companhia de Teatro.


CENA 09: COMPANHIA DE TEATRO. FACHADA. EXTERIOR. DIA

André e Daniel andam juntos em direção à companhia de teatro.


ANDRÉ – Pai, você tem ideia do porquê cancelaram os resultados dos testes de ontem?


Daniel, com uma expressão levemente preocupada, disfarça e responde ao filho.


DANIEL – Na verdade, André, eu nem sabia disso. Talvez seja algum contratempo ou mudança de planos. Mas não se preocupe, tenho certeza de que logo teremos uma resposta.

ANDRÉ – Tudo bem, pai. Vamos esperar para ver como as coisas se desenrolam então.


Daniel sorri para o filho, tentando transmitir confiança e tranquilidade.


DANIEL – A melhor coisa que você pode fazer é continuar se dedicando aos ensaios e aguardar.


CENA 10: COBERTURA DE HELENA. INTERIOR. DIA

Helena e Ana estão deitadas no sofá, acabaram dormindo na sala após terminarem o filme. Helena acorda e olha para o relógio, desesperando-se ao ver o horário. 


HELENA – Ana! Nós perdemos a hora de ir para a agência. 

ANA – (acordando) Ai, meu Deus, que preguiça…

HELENA – Vamos, levanta! Precisamos trabalhar.


Contra sua vontade, Ana levanta e acompanha Helena até o andar de cima, para se arrumarem. Um tempo se passa e agora já visualizamos as duas descendo, arrumadas.


ANA – Nós somos as chefes, não precisamos cumprir horário. 

HELENA – Por sermos as chefes, temos que dar o exemplo. Pelo menos uma de nós tem que estar lá no horário!


Helena pega a chave do carro que está em cima de uma bancada e caminha até a porta com Ana. Ao abrir, depara-se com Ilana na entrada.


ILANA – Eu já ia tocar a campainha…

HELENA – Ilana! O que você está fazendo aqui?

ILANA – Preciso muito conversar com você, minha amiga.

HELENA – É claro, pode entrar.

ANA – Então eu vou na frente pra agência, mãe?

HELENA – Vá. Depois eu chego lá. 


Ana assente e deixa a cobertura. Helena recebe Ilana no apartamento e fecha a porta.


CENA 11: CASA ROSADA. INTERIOR. DIA

Gabriela está na recepção da agência, aguardando a chegada das modelos. Jéssica chega e Gabriela logo a aborda.


GABRIELA – Bom dia, Jéssica. Vamos às fotos?

JÉSSICA – Vou só me arrumar, tá bom?

GABRIELA – Certo…


Jéssica corta a conversa e deixa Gabriela para trás, que não entende a rispidez da jovem.


CENA 12: COMPANHIA DE TEATRO. SALÃO. INTERIOR. DIA

Bárbara, Henrique, Marina e André estão reunidos, ansiosos pelo resultado dos testes do musical "Mamma Mia!". Vicente entra na sala, carregando um papel em suas mãos. 


VICENTE – Obrigado a todos pela paciência. Chegou o momento de revelar os resultados dos testes.


Bárbara, Henrique, Marina e André trocam olhares.


VICENTE – Para o papel de Tany, temos... Bárbara! (Aplausos)

BÁRBARA – Ahh! Que luxo.

VICENTE – (Prosseguindo) Para o papel de Sophie, teremos... Marina! (Aplausos) E para o papel de Sky, teremos... André! (Aplausos)

HENRIQUE – Que? Vicente, e eu?

VICENTE – A Rose tá chegando aí com os papéis do restante do pessoal, mas eu acho que eu não escalei você para nenhum papel, vai me ajudar na produção.

HENRIQUE – Mas como assim? Eu to aqui muito mais tempo que o André.

VICENTE – Sim, mas para esse papel, achei ele melhor que você, além que não tem personagens tão novos, fica difícil de te encaixar.

HENRIQUE – Isso não é justo.

BARBARA – Ai, Henrique. Para de chorar. Ele foi melhor que você no teste e ponto.

VICENTE – (Andando até os outros membros da companhia) Vocês podem pegar seus resultados com a Rose. Tenho que ir.


Nesse momento, a porta da sala se abre e Rose entra, segurando outra lista de papéis. André fixa seu olhar em Rose, sua mãe, a figura que ele não vê há muito tempo. Sentimentos de raiva, tristeza e amor se misturam dentro dele. Ele está em choque, incapaz de pronunciar qualquer palavra.


ENCERRAMENTO (ao som de Ana Carolina - Se Essa Rua Fosse Minha):







Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.