Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Débora - Capítulo 18


Débora
CAPÍTULO 18

uma novela de
FELIPE LIMA BORGES

escrita por
FELIPE LIMA BORGES

baseada nos capítulos 3 a 5 do livro de Juízes

 No capítulo anterior: Débora revela a Éder que aquele é Lapidote, com quem namorou tempos atrás. Jabim se satisfaz com a forma que Sísera usou para punir o Entregador, e chama os nobres para declarar guerra contra o reino de Amom; Sísera deve partir com o exército na manhã seguinte. De mal humor, Jeboão responde mal a Najara e ela resmunga que ali há coisa e vai descobrir. Tamar confessa a Elian ter medo de que Débora seja infeliz no casamento. Débora explica a Éder porque estava andando e conversando com Lapidote. Apesar da rispidez do noivo, ela orienta o ex-namorado a como chegar à hospedaria. Sama flagra Gaja humilhando-a para o filho Jaziel, e sai em lágrimas. Débora, Éder, Elian, Tamar, Aliã e outros anciães se reúnem com o juiz Sangar na casa desse. Sangar faz perguntas ao casal sobre casamento de acordo com as leis, mas Éder ou não sabe responder ou responde errado, diferente de Débora, que acerta todas. Elian e Éder ficam raivosos. Éder chama Débora lá para fora e, apontando o dedo no rosto dela, diz para ela nunca mais o envergonhar na frente das pessoas.
FADE IN:

CENA 1: EXT. CASA DE SANGAR – FRENTE – NOITE
Débora e Éder se encaram na rua vazia. Ambos com os olhos marejados; ela de frustração, ele de raiva.
ÉDER
Entendeu bem, Débora? Nunca mais me envergonhe na frente das pessoas! Contenha seus impulsos emocionais ou teremos graves problemas em nosso casamento.
Débora se esforça para falar o que precisa falar.
DÉBORA
(a contragosto) Eu não farei mais aquilo...
De repente a porta da casa se abre e Tamar aparece.
TAMAR
Está tudo bem?!
Débora olha para a mãe e de volta para o noivo.
ÉDER
Volte para dentro.
Débora funga e limpa o rosto.
DÉBORA
Está tudo bem, mãe.
E sai rapidamente. Tamar observa a filha passando por ela seguida por Éder, que seca o rosto.

CENA 2: INT. CASA DE TAMAR – SALA – NOITE
Mais tarde, Débora, Éder, Elian e Tamar chegam em casa. Revoltado, Elian fecha a porta e já descarrega para cima da filha.
ELIAN
Você não deveria ter feito aquilo! Meu Deus, que vergonha! Que vergonha eu, como pai, passei essa noite! Foi a pior da minha vida inteira! Não consigo nem lembrar disso sem sentir um embrulho gélido nas entranhas! A vergonha que você fez todos nós passar! Que absurdo! Onde você estava com a cabeça, Débora?!
TAMAR
Você não está exagerando, Elian?
ELIAN
Pergunte ao seu futuro genro se estou exagerando, Tamar!
Todos ali ficam quietos por alguns segundos.
Por fim, Débora finalmente se ajeita para falar.
DÉBORA
Apesar de eu não concordar com uma palavra sequer que o senhor e Éder dizem, não farei mais isso. Já disse.
ELIAN
Você não tem o direito de não concordar, você tem só que aceitar! Esqueceu que é mulher?! Você é filha, noiva! Por enquanto sou eu, mas em breve será Éder quem estará à sua frente!
Débora encara o pai com uma leve mas visível raiva no olhar. Percebendo, ele se aproxima devagar.
ELIAN
(provocando-a) Fale... Fale, Débora. Transforme em palavras o que esse seu olhar quer me dizer. Coloque para fora, vamos...
Débora, no entanto, nada fala, porém seus olhos estão mais vermelhos e marejados do que nunca. Elian para bem perto da filha.
ELIAN
Quando não convém, você é uma intrometida. Mas quando quero que fale, nada diz.
DÉBORA
(segurando o choro) Eu sei... que está apenas me provocando... Não vou cair nessa cilada.
Elian se aproxima ainda mais da garota.
ELIAN
Se você não quer falar, nós falamos. E preste bem atenção porque isso será um ensinamento. Não deve jamais se esquecer. Éder, diga quais são as qualidades que uma mulher deve ter para se casar!
Éder se aproxima olhando fixamente em Débora, que ainda encara o pai.
ÉDER
Obediente. Reservada. Quieta.
Éder para ao lado de Elian, que então aponta o dedo para o rosto da filha.
ELIAN
Obediente. Reservada. Quieta. Quieta! Falar apenas quando convidada! Essas são as qualidades de uma mulher de verdade. De uma esposa de qualidade. São as qualidades que eu e Éder queremos em você daqui até o resto de seus dias.
Débora, ainda com os olhos fixos nos do pai, se esforça muito para não explodir em raiva e frustração.
ELIAN
Entendido?!
Alguns segundos...
DÉBORA
Sim.
ELIAN
Pois bem. Agora vamos comer.
Elian imediatamente sai dali e vai para a mesa.
DÉBORA
(ríspida) Perdi a fome.
Na mesma hora ela passa por Éder, pelos pais e vai para a escada.
ELIAN
Volte aqui.
Débora para em um dos degraus e olha para Elian.
DÉBORA
Querem mesmo minha presença com essa cara o tempo todo? Pois ela não vai mudar, é assim que vou ficar.
Silêncio absoluto...
Entendendo, Débora faz que sim e volta a subir; some lá em cima.
Elian, um tanto constrangido, olha para Éder.
ELIAN
Queira me desculpar por todo esse infortúnio, Éder. Quando se casarem, você terá toda a liberdade para corrigi-la como bem entender.
ÉDER
Farei isso sim, senhor Elian.
Tamar toma a direção da escada.
ELIAN
Tamar, não vá atrás dessa menina. Chega de adular e passar a mão na cabeça dela.
Tamar para e olha para o marido.
TAMAR
Eu vou sim.
ELIAN
Eu estou mandando você ficar!
Tamar, encarando o marido, parece tomar um pouco mais de coragem.
TAMAR
Elian, você acha mesmo que tem moral para falar dessa forma comigo? Acha que tem moral até pra falar essas coisas com a Débora, visto tudo o que você já fez?!
Pego de surpresa, Elian fica constrangido.
TAMAR
Você quer que eu o relembre do que fez, Elian?
Sem jeito, Elian olha para Éder, que não entende nada, e de volta para Tamar.
ELIAN
Vá. Vá logo.
Tamar, satisfeita, vira e sobe a escada.
Elian respira fundo.



CENA 3: INT. CASA DE TAMAR – QUARTO DE DÉBORA – NOITE
Débora, jogada de qualquer jeito em sua cama, está chorando quando a porta abre devagar e Tamar entra.
DÉBORA
Não é uma boa hora, mãe...
TAMAR
É a exata hora de eu estar aqui, com minha filha.
Tamar fecha a porta e vai até a cama onde arruma as pernas da filha e senta ao seu lado. Então limpa as lágrimas do rosto da garota.
DÉBORA
(chorando) Eu me esforço pra gostar do pai... e até para agradá-lo... (funga) Mas ele se esforça muito mais para impedir que isso aconteça!... Não sei o que acontece, ele nem parece o mesmo que me apoiou quando tentei convencer o povo a lutar anos atrás...
Tamar suspira.
TAMAR
A verdade é que Elian mudou depois que se acomodou em nossa família. E agora está preocupado com sua própria imagem como chefe de casa, como pai... (acariciando Débora) Mas você precisa entender nossas funções no mundo, minha filha. Somos mulheres, temos sentimentos, desejos, queremos escolher, queremos ser felizes, viver, mas... não podemos, não dessa forma. Porque não é assim que as coisas funcionam. Eles são os homens da casa, são eles quem têm a liberdade total.
DÉBORA
A senhora pensava assim quando o expulsou de casa?
Tamar parece recordar o momento em sua mente...
TAMAR
Para ser sincera, Débora, muitas vezes eu me envergonho do que fiz.
Débora olha para ela com surpresa e indignação.
TAMAR
Não que o que o seu pai fez não foi algo horrível, desprezível... Mas o que eu fiz foi uma afronta muito grande à autoridade de marido. Talvez... (suspira) Não sei, talvez eu devesse ter chamado os anciães para resolverem nosso caso.
DÉBORA
Eu sinto é orgulho pelo que a senhora fez.
TAMAR
Foi uma forte emoção que me motivou na época. O sentimento de defesa, proteção...
Apesar do choro, Débora sorri.
DÉBORA
Mas então eu devo apenas aceitar que o meu destino... é viver o resto da minha vida com Éder.
TAMAR
Débora, apesar de tudo... eu sou feliz com Elian. Poderia ser melhor, poderia ser muito melhor. Mas eu tenho tudo de que preciso. A vida é um eterno aprendizado, e não demora muito para descobrirmos que o que sonhamos e idealizamos na juventude não passa de uma ilusão, ou um plano muito exagerado e enfeitado.
Débora fica abatida.
TAMAR
E eu preciso pedir cuidado para você agora que Lapidote voltou. Você está noiva, tem um compromisso. Seria um desrespeito não só a Éder, mas a Deus.
DÉBORA
Eu jamais trairia Éder. E muito menos o meu Deus. Mas... não posso deixar de pensar que seria muito bom se fosse me casar com Lapidote, e não com Éder. Se eu pudesse escolher assim como os homens podem... terminaria tudo com Éder e só então me aproximaria de Lapidote.
Tamar lamenta com o olhar e respira bem fundo.
TAMAR
Oh, minha filha... Sempre esse Lapidote. Quando vai tirá-lo da cabeça?
DÉBORA
Vou tentar fazer isso o mais depressa possível...
Tamar faz que sim.
DÉBORA
Lapidote é tão diferente... Ele me elogia, mãe. E eu não estou acostumada com elogios quando faço as coisas que faço. Em tudo ele fica admirado... Lembro que era exatamente assim 6 anos atrás. Desde jovenzinho...
TAMAR
Orarei para esse encanto todo desaparecer. Débora é de Éder e Lapidote de outra.
DÉBORA
Orar, tudo bem. Mas dizer o que disse agora não ajuda em nada, mãe.
TAMAR
Mas é a realidade. E temos que ser maduros o suficiente para enfrenta-la.
Débora respira fundo.

CENA 4: INT. CASA DE TAMAR – SALA – NOITE
Elian e Éder conversam sentados à mesa.
ELIAN
Já está tudo acertado com os músicos?
ÉDER
Sim. Já paguei o adiantamento.
ELIAN
Ótimo. Então não falta muita coisa.
ÉDER
Senhor... Eu... tenho algo a lhe falar.
ELIAN
Pois fale.
ÉDER
Hoje na rua eu vi Débora com um tal de Lapidote, que ela confessou ter sido seu namorado há alguns anos.
Imediatamente o rosto de Elian se empalidece e sua boca abre um pouco involuntariamente.
ELIAN
Como é?...
ÉDER
Débora... Ela estava com um tal de Lapidote... Eu os flagrei andando juntos e conversando na rua hoje mais cedo...
ELIAN
Éder, você tem certeza do que está dizendo?! Era realmente Lapidote o nome desse rapaz?!
ÉDER
(confuso) Sim... Tenho certeza. Débora mesma disse seu nome. Há algum problema, senhor?
ELIAN
Não!... Não, não, não há problema. Eu só pensei... ser outra pessoa.
Enquanto Éder, desconfiado, bebe seu vinho, Elian encara o nada visivelmente preocupado.

CENA 5: EXT. DESERTO – DIA
A noite passa e o dia amanhece.
Na aridez do deserto, os primeiros carros de ferro da frota avançam sem muita pressa pelo chão seco. Em cada um vão dois soldados hazoritas, sendo um para guiar o cavalo. No carro da frente estão Sísera, com o olhar concentrado no horizonte, e seu Primeiro Oficial segurando as rédeas do cavalo.
Após os intermináveis 900 carros e cavalos, o restante do gigantesco exército marcha firmemente.
A manhã avança e o sol ascende cada vez mais na abóboda celeste...
Finalmente os carros da linha de frente chegam em uma região onde se consegue ver toda a planície à frente e, mediante um sinal de Sísera, param antes de o terreno fazer um descida até lá. Sísera nota algo do outro lado da planície, assim como os soldados ali da frente também notam: um exército inteiro parado.
SÍSERA
Quem são eles?...
PRIMEIRO OFICIAL
Os amonitas... Provavelmente fomos descobertos, senhor. Mensageiros devem ter alertado o rei de Amom sobre nosso avanço. Ao que parece não será uma invasão, mas uma batalha.
SÍSERA
Que seja. Com esses carros de ferro os esmagaremos antes que espada encontre espada. Chame a atenção de todos.
Então o Primeiro Oficial pega uma trombeta e toca um som característico, ao que todos os soldados olham para Sísera.
SÍSERA
Homens de Hazor! Para os que não perceberam, o exército amonita está à nossa frente! Esses selvagens ousaram saírem de suas tocas, se colocarem em nosso caminho e nos desafiarem! Mas agora nós temos em nossas mãos a melhor arma que um exército poderia ter, e muitos de vocês estão sobre ela! Eu sei que não tiveram tempo suficiente de treinarem, apenas de ouvirem instrução, mas não será muito diferente de uma carruagem comum. A diferença é que a comum serve apenas de transporte, enquanto essa... essa é a nossa arma. Vamos provocar um verdadeiro terror em nossos inimigos! Além do barulho das rodas de ferro, o segundo soldado de cada carro deve bater incessantemente sua espada na lateral! Quando finalmente os alcançarmos, estarão paralisados de medo, assombro, à beira da loucura! Serão um alvo fácil. E, se sobrar algo, o restante do exército destrói com facilidade.
Todos os soldados então gritam animando uns aos outros e alguns já batem suas espadas na lateral dos carros de ferro.
Sísera, confiante, vira para frente e encara o distante e estático exército amonita.

CENA 6: EXT. BETEL – RUA PRINCIPAL – DIA
Perto do portão da cidade, Baraque conversa com Débora e Jaziel.
BARAQUE
Jaziel, Débora... Eu os agradeço muito por terem me ajudado. Mas agora está na hora de eu voltar para casa.
JAZIEL
Você desistiu do tal tesouro?
BARAQUE
Não, jamais. Mas vou procurar estudar melhor o pergaminho e também a história de minha família... Acho que vai ajudar.
DÉBORA
Baraque, será que eu posso lhe dar um conselho?
BARAQUE
Claro, Débora.
DÉBORA
Durante essa sua busca seja mais discreto. Não fale tanto sobre esse tesouro, e de forma tão aberta... Infelizmente as pessoas podem ter algo contrário no oculto de seus corações. Nem sempre um sorriso é evidência de coisa boa, pode ser um mero disfarce. Enfim, que você faça uma boa viagem e tenha cuidado. E mande saudações do povo de Betel ao povo de Quedes.
BARAQUE
Pode deixar, eles serão saudados. Mais uma vez agradeço, Débora. Vou guardar no coração o seu conselho.
Baraque então monta em um cavalo ali ao lado, onde já estão suas coisas presas.
BARAQUE
Shalom!
DÉBORA, JAZIEL
Shalom!
Baraque cavalga para a saída, atravessa o portão e some lá fora.
JAZIEL
É cada peça que aparece nessa cidade...
SAMA
Oi... Shalom, gente!
Os dois olham e sorriem para Sama, que chegou ali.
DÉBORA
Shalom, minha prima!
JAZIEL
Meu amor...
Jaziel pega as mãos da namorada.
SAMA
Ahn, sei que vocês treinaram durante a manhã toda, e devem estar famintos, mas... será que antes eu posso falar com você, Jaziel?
JAZIEL
Sim, claro...
DÉBORA
(sorrindo) Eu os espero.
SAMA
Obrigada, prima.
Sama e Jaziel se afastam um pouco e se olham.
JAZIEL
E então, meu amor? O que tem para falar?
Sama parece um tanto aflita.
SAMA
Jaziel, eu... Sinceramente, eu nem sei como dizer isso... Não sei qual a melhor forma, mas...
Jaziel franze a testa.
SAMA
Eu tenho que dizer e só sei dizer dessa forma... Eu... Eu estou terminando o nosso namoro.
Jaziel, espantado, franze ainda mais a testa.

CENA 7: EXT. DESERTO – DIA
Ao sinal de Sísera, todos os 900 carros de ferro e os soldados à pé correm descendo a ladeira e avançando pela planície.
Centenas de metros à frente, os soldados amonitas, tensos com a frota que se aproxima violentamente, aguardam o sinal de seu Comandante. Finalmente esse aponta o braço para frente e os amonitas, todos à pé, correm contra os hazoritas.
O barulho das centenas de cavalos, das rodas de ferro e das espadas começa a aumentar colossalmente, e diversos amonitas, com medo, simplesmente param de correr. Sísera e os seus gritam apontando as espadas para frente. Logo os dois exércitos colidem, mas é um banho de sangue generalizado. Os carros de ferro passam pelos soldados inimigos como se esses não fossem nada, e não demora muito para a planície ficar banhada em sangue e lotada de cadáveres despedaçados.
Pouco depois são poucos os amonitas que restam, e todos horrorizados e em pânico com o que aconteceu. Imediatamente o restante do exército hazorita se aproxima e, sem encontrar quase nenhuma dificuldade, mata a todos ao fio da espada.
Apesar de impressionado com o estrago que sua frota de carros de ferro foi capaz de fazer, Sísera não perde tempo e aponta para frente; todo o exército avança.

CENA 8: EXT. BETEL – RUA PRINCIPAL – DIA
Incrédulo, Jaziel encara Sama.
JAZIEL
Do que você está falando, Sama?!
SAMA
(começando a chorar) Exatamente do que eu disse...
JAZIEL
Eu... Não estou entendendo! Isso é alguma brincadeira, meu amor?!
Apesar de chorosa, Sama fecha o semblante.
SAMA
Não passei a noite chorando e pensando em uma brincadeira.
JAZIEL
Eu estou em choque, Sama! O que é isso?! Não vejo motivo algum para você fazer isso comigo, me abandonar!
SAMA
Não mesmo, Jaziel? Nada passa pela sua cabeça?
Jaziel parece se lembrar.
JAZIEL
Bom, você falou... sobre os meus pais, mas eu já te disse, isso não é nada! Isso não nos separará e não impedirá que nos casemos!
SAMA
Não, Jaziel. Eu não suporto mais... Não suporto ser tão malvista assim por sua família. Ser tão maltratada, humilhada. Nunca na minha vida as coisas foram desse jeito. Cresci pobre, sim, mas rodeada de pessoas maravilhosas, amorosas, carinhosas umas com as outras... E sentir esse tipo de tratamento foi a pior coisa.
Os olhos de Jaziel começam a marejar.
JAZIEL
Tudo isso por causa da vez que te convidei para jantar em minha casa.
SAMA
Não. Ontem, depois que você entrou, eu ouvi sua mãe. Ouvi tudo.
Jaziel então chora.
JAZIEL
Sama! Por favor, não se importe com os meus pais!
SAMA
(chorando mais) Jaziel, por mais que o ame... Por mais que eu o ame muito, eu não sou o suficiente para você, e essa é que é a verdade. Você também não merece ficar ouvindo aquelas coisas dos seus pais. Você merece uma moça boa, do seu nível, que combine com você.
JAZIEL
Você é que é boa para mim!!! É você quem eu amo!
SAMA
(limpando as lágrimas) Por favor, Jaziel, não insista. Não torne isso tudo ainda mais difícil do que é. Eu estou com meu coração despedaçado, mas não dá mais! Antes, quando eu me deitava, pensava em nós, sonhava com um futuro. Agora... é tudo escuro, é tudo medonho... Eu tenho medo desse futuro que se aproximava de nós quando namorados.
JAZIEL
Não fale assim, Sama! Se for preciso nós fugimos! Vamos embora de Betel para algum lugar bem longe, Sama! Para outra tribo! Seremos só nós! Só nós dois!... Juntos, juntos até o fim! Nós dois, Sama... Nós dois contra o mundo!
SAMA
Jaziel... Entenda. Eu te amo. Eu te amo muito, mais do que qualquer uma que já te amou e mais do que qualquer uma pode te amar. Mas eu pensei muito nisso e, se não fizermos assim, se não nos separarmos de uma vez por todas... jamais seremos felizes nessa vida.
JAZIEL
Por favor!...
SAMA
Adeus... Eu nunca me esquecerei de você. Nunca, jamais.
JAZIEL
Sama, meu amor, não faça isso comigo... Vamos conversar...
SAMA
Já está tudo esclarecido... Tudo explicado... Não há mais o que conversar, porque não há mais como as coisas mudarem. (pequena pausa) Adeus.
Sama então passa por ele e vai embora. A respiração de Jaziel aumenta, fica mais ofegante, e ele vira para trás a tempo de vê-la sumir por entre o povo. Desesperado, ele cai de joelhos e chora amargamente. Logo Débora chega ali correndo.
DÉBORA
Jaziel! O que aconteceu?!
JAZIEL
Sama!... Sama me deixou, Débora!...
E desaba a chorar. Surpresa, Débora fica momentaneamente sem reação.

CENA 9: EXT. CIDADE AMONITA – DIA
A cidade dos amonitas é pega de surpresa. Gritos e correria em todas as ruas.
No lado de fora, os carros de ferro param. Sísera desce de seu carro e corre na direção do portão da cidade.
SÍSERA
Vamos, avante!!!
Os soldados hazoritas então correm contra o portão fechado e, após insistência violenta, conseguem quebra-lo e invadir a cidade.
Nas ruas a violência é desenfreada. Os hazoritas matam a todos, soldados, velhos, mulheres... Tudo o que há pela frente é destruído, depredado e incendiado.
Logo Sísera chega ao palácio. Seus soldados matam os guardas e eles entram.

CENA 10: INT. PALÁCIO AMONITA – DIA
Na sala do trono, o velho rei amonita, ouvindo os barulhos e gritarias distantes, mas a cada momento mais próximos, faz sinal para um jovem servo seu fechar todas as portas.
Quando assim o faz, o rei senta no trono e o servo, amedrontado, se mantém ao lado, um pouco atrás.
REI AMONITA
(angustiado) Malditos hazoritas... Como não prevemos?! Deveríamos ter sido mais firmes e incisivos! Maldição! Jabim é um louco, onde já se viu adquirir carros de ferro?! Quase mil carros de ferro! Que loucura é essa?! (respira aflito) Vamos, sirva-me um pouco de vinho. Não aguento tanta tensão!
O rei espera, mas não ouve o servo agir.
REI AMONITA
(virando para o servo) Não ouviu o que eu disse?!
Mas ele paralisa ao ver que o servo, ainda de pé, agoniza com uma flecha recém cravada em seu peito. Assustado, o rei olha para frente e vê um soldado hazorita segurando um arco em posição. O rei olha novamente para o servo, que cai morto. Um barulho e ele olha de novo para frente: Sísera sai das sombras e se aproxima devagar. A espada na bainha.
SÍSERA
Quando o seu servo fechou a sala, nós já estávamos aqui.
O rei, indefeso em seu trono, treme com a presença dos inimigos.
SÍSERA
Isso o que está sentindo... O medo... Não é muito comum a um rei, não é mesmo? Esse sabor... amargo... mas que gruda, impregna na língua e nas narinas... E o cheiro... O cheiro do pesadelo.
Sísera se aproxima mais da escadinha que leva ao trono.
SÍSERA
Eu sou o seu pesadelo, ó rei. O Capitão mais poderoso da Terra.
Sísera pisa no primeiro degrau e começa a subir.
SÍSERA
(devagar) Sou o homem que sobe à imponência das alturas dos montes onde se assentam os reis, olha-os nos olhos... e os destrona.
Sísera então pega no braço do rei, trêmulo de aflição, e o puxa com delicadeza. O velho se levanta e se afasta. Devagar, Sísera se ajeita e senta no trono. Olha para frente apreciando a visão.
REI AMONITA
Quem é você?! Sei que não era você o Capitão de Hazor!
Sísera olha para ele.
SÍSERA
Sou Sísera, o novo Capitão de Hazor. Mas pode me chamar de o “destronador” de reis.
Horrorizado, o rei encara Sísera, que o encara com um olhar absolutamente maligno... Até que Sísera se levanta, arranca sua espada e a crava nas entranhas do rei.
REI AMONITA
Maldito...
Sísera arranca a espada e joga o corpo, que rola na escadinha e para lá embaixo. Logo mais soldados hazoritas entram no salão e observam o rei morto e Sísera ao lado do trono.
SÍSERA
Que todos saibam que a partir de agora Amom é território de Hazor!
Os soldados ali presentes bradam em comemoração, e Sísera sorri.

CENA 11: EXT. CASA DE TAMAR – FRENTE – DIA
Tamar ajuda Elian em um conserto na frente de casa.
ELIAN
Você se lembra daquele rapaz que namorou Débora, o Lapidote? Filho do Misael?
TAMAR
(tentando disfarçar) Sim... Claro.
ELIAN
Ele voltou. Voltou para Betel.
TAMAR
Mesmo?
ELIAN
Você sabia?
Tamar engole em seco.
TAMAR
Sim. Débora me contou.
ELIAN
Olhe, Tamar, eu já me indispus demais com Débora. Que essa garota não venha arranjar o menor dos problemas com esse rapaz. E que não venha a irritar Éder, porque senão tomarei medidas drásticas.
Tamar claramente não gosta do que ouve, mas fica quieta.

CENA 12: INT. PALÁCIO – SALA DO TRONO – DIA
Algum tempo do dia se passa.
Sujo, Sísera está de pé diante do trono de Jabim, mas um sorriso cansado está estampado em seu rosto.
JABIM
Meus parabéns, Capitão! Rá, mas que campanha maravilhosa, que feito!
SÍSERA
Muito obrigado, meu rei. E os carros de ferro se mostraram uma maravilha sem igual. Destruíram os amonitas como faca quente em manteiga. E em poucas horas os boatos se espalharão por toda a terra de Canaã e o terror será geral. Todos temerão o reino de Hazor e o grande rei Jabim, senhor de Canaã.
JABIM
Mas agora é hora de festa! Que todo o povo comemore por muitos dias a nossa vitória sobre Amom!
Os nobres ali perto comemoram e conversam animados entre si.
JABIM
Quanto a você, Sísera, tenha seu descanso merecido e comemore junto aos outros. Mas por menos tempo. Quero que aproveite e se prepare para atacarmos Israel.
Sísera sorri e faz uma pequena reverência.
SÍSERA
Como ordena, meu grande rei.
Jabim sorri. No misterioso sorriso de Sísera, IMAGEM CONGELA
CONTINUA...
FADE OUT:


No próximo capítulo: Definhando, Sangar passa um importante último recado para Débora. Najara descobre a verdade sobre as saídas de Jeboão. E o namoro de Débora e Éder encontra seu destino.

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.