Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Disputa pelo poder - Capítulo 15

 



Disputa pelo Poder  - Capítulo 15

Anteriormente...

Logo num táxi, descem Simone e Jorge.

Cristiano os avista.

Cristiano: Espera aí, aquela ali é...

(Demais - Veronica Sabino).

A música embala a emoção de Cristiano. 

Cristiano: Simone!

Simone olha e Cristiano fica feliz.

Fique agora com o capítulo de hoje. 

Capítulo 15 

Miro: Macaco, tem um carro vindo!

Um carro se aproxima da calçada do Teatro.

Logo o chofer desce e abre a porta aos passageiros.

Aristides desce com Laura. 

Simone olha Cristiano agachado.

Jorge: Simone, vem, vamos entrar logo a peça começa. 

Simone: Vamo sim, Jorge é que eu tô...

Aristides e Laura se aproximam de Jorge e Simone e os cumprimentam.

Juntos: Boa noite!

Simone: Boa noite.

Jorge: Boa noite. Vamos, não podemos nos apressar. 

Eles entram.

Cristiano e Miro se levantam.

Miro: Essa foi por pouco hein macaco! Mas o que te deu ao ver aquela moça hein?

Cristiano: Ela é minha... namorada.

Miro: Olha ele... todo charmoso!

Cristiano: Para com isso, Miro.

Miro: Mas é a verdade, rapaz. Tô mentindo?

Cristiano: Não mas... agora não é hora de brincadeira. 

Miro: Tá certo, macaco. Bom vou falar com meus cumpadi pra deixar eles a par.

Cristiano: Volta logo, hein.

Miro sai.

Cena 2, Quarto de Diva e Zelinha, Casa dos Vilhena (núcleo 2), noite.

Zelinha ajuda Diva a se arrumar. 

Diva está linda e radiante.

Zelinha: Diva! Você tá muito bonita!

Diva: Obrigada Zelinha, o Estêvão aquele lá da polícia foi quem me deu esse vestido...

Zelinha: Tem certeza de que vai trabalhar agora a noite?

Diva: Sim, ele disse que ia me dar um emprego e não vou recusar sabe...

Zelinha: Só espero que o pai não veja...

Logo Sebastião aparece cansado. 

Sebastião: Berê, me ajude! Berê!

Berenice aparece.

Berenice: O que aconteceu homem?

Sebastião: Fiquei cansado depois dessa subida pra cá, Berê. Acho que vou descansar um pouco.

Berenice: Quer que eu faça o seu jantar, Bastião?

Sebastião: Não, agora não Berê. Aonde estão minhas filhas?

Berenice: Descansando, meu velho.

Sebastião: A essa hora?

Berenice: Sim, já tá virando costume isso.

Sebastião: Pois bem, então eu vou me deitar.

Sebastião se levanta com esforço. 

Berenice: Boa noite Bastião.

Cena 3, Teatro, interior, noite.

Simone e Jorge andam até suas cadeiras reservadas a eles.

Simone: Jorge, você viu aquele rapaz que chamou o meu nome?

Jorge: Vi sim. Era o Cristiano, não era?

Simone: Era sim, mas não sei o por quê não veio até mim pra falar comigo.

Jorge: Talvez ele estava ocupado.

Simone: Talvez sim... Não sei.

Jorge: Olha a apresentação já está começando. 

Aplausos da plateia.

A apresentação logo começou.

(Musica Clássica).

Cena 4, Quarto de Cíntia, Casa dos Vilhena, noite.

Cíntia está deitada do lado contrário da cama e olhando o luar, quieta.

Fernanda logo aparece em seu quarto.

Fernanda: Posso entrar, meu amor?

Cíntia: Pode, pode sim, Nanda.

Fernanda entra e se senta sob a cama.

Fernanda: O que aconteceu com você, Cíntia?

Cíntia: Lembra sobre um assunto que eu ia te contar, mas nem contei?

Fernanda: Lembro sim, mas o que tem a ver isso?

Cíntia: Tem tudo a ver com agora.

Fernanda: Pois então me conta.

(Tema de suspense).


Cena 5, Quarto de Cíntia, Casa dos Vilhena, interior, noite.

Cíntia se levanta da cama, nervosa.

Cíntia: Acho que ainda tá cedo...

Fernanda: Cedo, Cíntia? Pra quê se já estamos aqui?

Cíntia: É que eu tô nervosa Nanda, eu nunca pensei que fosse voltar nessa prerrogativa de novo... Não agora, sabe.

Fernanda: Olha, eu respeito a sua decisão seja ela qual for, entende?

Cíntia: É claro que entendo, meu amor é que eu tô meio confusa, sabe.

Fernanda se levanta e a abraça. 

Fernanda: Eu tô aqui com você pro que der e vier, Cíntia. 

Cíntia: Eu sei.

(Perigo - Zizi Possi).

Fernanda: Eu te amo.

Elas se beijam.

Cena 6, Sala, Pensão Palácio, noite.

Fanny está assistindo o Jornal.

Fanny: Que absurdo meu deus essas tragédias! 

Irene: Também acho Fanny, esse mundo tá perdido.

Fanny: Ai Irene, bem que a gente podia ir junta lá no pagode que tá tendo né?

Irene: Ai Fanny eu tô cansada. 

Fanny: Cansada de quê, Irene que mal faz alguma coisa!

Irene dá uma risada que comove Fanny.

Irene: Eu cuido da Lurdes, Fanny.

Fanny: Só isso que você faz.

Irene: Mas é claro! Tenho que formar uma bailarina!

Fanny se levanta.

Fanny: Quem te conhece que te compre hein, Irene! Bom, eu vou tomar um banho e sair.

Irene: Bom passeio!

Fanny sobe.

Abude aparece.

Abude: Irene, você por aqui? E Fanny? Aonde tá Fanny?

Irene: Fanny vai sair pro Pagode.

Abude: Pra Pagode? A esse hora?

Irene: Pois é. 

Cena 7, Teatronoite.

Simone olha a apresentação com certo interesse.

Os atores começam a voltar a interpretar seus personagens cativando a plateia.

Miro e Cristiano saem da apresentação. 

(Rua).

Cristiano: Miro, daqui a pouco acaba a apresentação e a gente põe o nosso plano em ação. 

Miro: A esposa do coroa tá com uma bolsa branca e nela deve ter documentos e dinheiro, meus parceiros vão fingir um assalto e nós entramos como salvadores!

Cristiano: Espero que esse plano dê certo, hein não quero erros.

Miro: Calma macaco, fica tranquilo que com o Miro aqui tudo sai lisinho!

Logo as pessoas começam a sair do Teatro.

Laura conversa com Jorge.

Laura: Jorge meu amigo, desculpa eu não ter falado contigo, é que o Tide tava meio apressado, sabe.

Aristides: Você é quem estava apressada, Laura. 

Laura: Enfim, temos que marcar de você ir lá em casa jantar conosco ou vir a um almoço, seria adorável. 

Jorge: Eu não prometo, mas assim que der eu vou sim.

(Risos).

Os capangas de Miro logo assaltam Laura e Aristides.

Bandido: Perdeu! Perdeu senhora, passa a grana!

Laura: Tide....

Bandido: Vamo logo passa tudo!

(Tema de tensão).

--- Estamos Apresentando -- 

-- Voltamos a Apresentar --

Cena 8, Sala, Casa dos Vilhena (núcleo 2), noite. 

Diva vai até a sala, toda arrumada.

Berenice vai até o quarto ver como está Sebastião e volta.

Zelinha: Olha lá hein Diva, toma cuidado.

Diva: Eu sei né, Zelinha! Tomo cuidado.

Zelinha: Do jeito que é avoada...

Diva: Me deixa Zelinha! Você é muito chata hein!

Zelinha: Chata é você sua insuportável. 

Elas começam a discutir.

Berenice logo aparece.

Berenice: Chega de briga, as duas! O pai de vocês tá cansado e vocês aí brigando como se fossem duas crianças pequenas!

Elas se calam.

Berenice: Diva, eu a acompanharei até o ponto junto com a Zelinha pra você ir pra esse seu novo trabalho.

Diva: Não precisa, mãe. Eu sei ir sozinha.

Berenice: Mas é muito perigoso, ainda mais esse horário. 

Diva: Tá bom, tá bom.

Elas saem.

Um rapaz logo aparece na casa de Diva e bate na porta.

Rapaz: Diva! Diva!

Cena 9, Rua, Teatro, noite.

O bandido pega as coisas de Laura. 

Miro e Cristiano saem de trás do carro e o perseguem.

Aristides: Você está bem, meu amor?

Laura: Sim, eu tô sim Tide... mas o que foi aquilo?

Aristides: É claro que foi um assalto, né Laura?!

Laura: Ah isso eu sei, né Tide, mas fazer isso aqui? Num lugar movimentado.

Aristides: Vamos embora, vamos a delegacia e prestamos uma queixa.

Logo que rapidamente Cristiano e Miro são avistados voltando com a bolsa.

Simone: Jorge olha lá o Cris!

Cristiano vem correndo e cansado entregar a bolsa a Laura. 

Laura: Aquela ali é a minha bolsa!

Cristiano: Aqui senhora.

Laura: Senhora não, dama.

Cristiano (ri): Desculpe dama.

Laura: Não tem de quê. 

Aristides: Rapaz eu sinto que te conheço de algum lugar.

Cristiano: Talvez.


Cena 10, Casa dos Vilhena (núcleo 2), noite.

Logo após as batidas, Sebastião acorda. 

Sebastião: Quem será essas horas hein?

Sebastião abre a porta.

Sebastião: Quem é o senhor?

Rapaz: Sou um amigo da Diva. Vim levá-la para sair.

Sebastião: Sair? A essa hora?

Rapaz: Isso.

Sebastião: Espera aí. 

Sebastião logo vai ao quarto das meninas.

Sebastião: Diva? Zelinha?

Ele liga a luz e vê o quarto arrumado. 

Sebastião: Aonde elas foram?

(Tema de tensão).


Sebastião anda pelos cantos em casa.

Sebastião: Aonde vocês estão??

Ele começa a delirar.

Rapaz: Diva, tá aí?

Sebastião: Diva não está! Ela saiu.

(Tema de mistério).

Sebastião sai de casa e vai pelos cantos procurar sua esposa e filhas.



Cena 11, Rua, Teatro, Noite.

Aristides: Ficamos muito agradecidos por vocês terem resgatado a bolsa da minha mulher. Obrigado. 

Laura: Tide, tinha uma ideia! Que tal convidarmos o rapaz para vir a nossa casa almoçar conosco?

Aristides: Olha não é uma má ideia. 

Laura: É claro que não é uma má ideia. 

Aristides: Bom, aqui está o endereço da minha casa.

Aristides entrega a Cristiano.

Cristiano: Muito obrigado, senhor Vilhena.

Aristides: Como sabe meu sobrenome?

Cristiano: Temos um certo parentesco, tio.

Aristides se surpreende.

Aristides: Cristiano?

(Tema de surpresa).

Cena 12, Casa dos Vilhena, sala, noite.

Caio está escrevendo em seu caderno de anotações e Cíntia está mexendo no celular.

Caio: Tá achando estranho a demora deles virem, Cíntia?

Cíntia: Não muito, eles são adultos, Caio. Sabem se cuidar.

Caio: Pois é. 

Cíntia: Caio por quê você não sai com alguém? Acho ótimo sabe. 

Caio: Você sabe que não. 

Cíntia: E a Olga?

Caio: Olga é passado. Uma aventura, Cíntia. 

Cíntia: Não acho que a Olga seja uma aventura, Caio.

Aristides e Laura chegam. 

Caio: Até que enfim vocês chegaram!

Aristides: Temos uma notícia. 

Cíntia (animada): Espero que seja boa!

Laura: É sim queridinha! Encontramos o Cristiano!

(Tema de suspense).



Cena 13,  Sala, Casa dos Vilhena, noite.

Caio se surpreende. 

Caio: É o quê?

Laura: É isso mesmo que você ouviu, Caio. Eu e o Tide vimos o Cristiano, o primo de vocês.

Caio: Mas esse rapaz não se manca mesmo hein...

Cíntia: Mas por quê diz isso, Caio?

Caio: Por quê esse rapaz já veio aqui em casa procurar o nosso pai.

Aristides: Mas já?

Laura: Ah é Tide, tinha até esquecido de te falar que ele veio aqui.

Aristides: E por quê não me disseram?

Caio: Achei desnecessário ficar te preocupando com um pé rapado como o Cristiano.

Aristides: Mais respeito com os nossos familiares, Caio!

(Tema de tensão).

Caio: Mas por quê todo esse respeito por eles pai? Nunca quiseram saber da gente e por quê agora?

Aristides: Isso não é da sua conta, Caio!

Aristides sobe.

Laura: Viu o que você fez, moleque?

Caio: Não me chame de moleque!

Laura: É um moleque sim! Um moleque que não sabe se comportar!

Caio: E quem é você pra me dar lições de comportamento?

Laura: Sou sua madrasta!

(Tema de suspense).

Cena 14, Sala, Pensão Palácio, noite.

Cristiano leva Simone e Jorge para a Pensão.

Miro os acompanha.

Miro: Chegamos ao nosso cafofo, senhores!

Simone: Então é aqui que você mora?

Cristiano: Por enquanto, Simone. Eu vou mudar de vida, e vou mostrar a todos do que eu sou capaz.

Jorge: E o que é que você é capaz, seu Cristiano?

Cristiano: Por quê a pergunta, Jorge?

Jorge: Nada, só curiosidade.

Miro: Olha não se incomodem com a estrutura, a Fannyquita dá um jeito no local sempre que pode.

Fanny logo se levanta após ouvir os murmúrios dos transeuntes. 

Fanny: Mas que papagaiada é essa aqui?

(Tema de mistério).

--- Estamos Apresentando -- 

-- Voltamos a Apresentar -- 

Cena 15,  Delegacia, noite.

Sebastião chega a delegacia, atônito.

Policial: Boa noite o que deseja?

Sebastião: Desejo fazer uma denúncia de desaparecimento. 

Policial: Por aqui, por favor.

O policial leva Sebastião até o delegado.

Policial: Delegado, o senhor Vilhena deseja fazer uma denúncia de desaparecimento. 

Delegado Ambrósio: Ora seu Vilhena, qual é essa denúncia em questão?

Sebastião: Minha esposa e filhas sumiram delegado. Elas saíram enquanto eu estive dormindo sem avisar e quando acordei havia um rapaz procurando a minha filha, e... quando fui procurá-las não encontrei.

Delegado Ambrósio: Olha senhor Vilhena, quem sabe elas não saíram pra algum lugar e logo voltam. Foi recorrente?

Sebastião: Parece que foi.

Delegado Ambrósio: Pois então, seu Sebastião, elas devem ter saído e logo voltam. Não podemos prestar queixa até as 24 ininterruptas sucederem.

Sebastião: Entendo. Bom, muito obrigado por tudo.

Delegado Ambrósio: Não tem de quê, seu Sebastião. Oswaldo, acompanhe o senhor.

Sebastião sai.

Cena 16, Sala, Pensão Palácio, noite.

Miro: Fannyquita, não tem nenhuma papagaiada não. É só o Cristiano que tá mais serelepe por quê vai ver o tio dele.

Fanny: E precisa de folia por isso?

Irene: Fanny, deixa de ser chata um instante! Gente ela tá de neura por quê ninguém levou ela pro pagode esses dias!

Fanny: Não é verdade, Irene! Não liguem pra o que ela fala.

Cristiano: Fanny, não se preocupa! Vamos para o pagode agora!

Fanny (animada): É sério, Cris?

Cristiano: Não falo mais sério em toda a vida.

Fanny: Mas então eu vou me arrumar, hoje quero tá tinindo pra sair!

(Risos).

Cena 17, Ruas, Duas Barras, noite.

Diva, Berenice e Zelinha estão andando pelos cantos.

Zelinha: Mãe, eu já tô cansada de tanto andar...

Berenice: Eu também minha filha, mas a sua irmã parece que não vai sossegar até estar bem longe de casa.

Diva: Vamos descansar por aqui, tá mais fácil. 

Zelinha: Ótimo, pois já estou cansada.

Elas entram numa casa abandonada.

Dentro do local estava empoeirado e os móveis cheiravam a mofo.

Zelinha: Mas que lugar podre... Diva, é melhor voltarmos pra casa.

Diva: Eu não vou voltar, vou pro Rio pra ficar com o Cris. 

Berenice: Estamos sem dinheiro no momento, minha filha.

Diva: Arranjamos mãe, não se preocupe... vamos sair dessa.

(Tema melancólico).

-- Estamos Apresentando -- 

-- Voltamos a Apresentar -- 

Cena 18, Rua, Pagode, noite. 

Fanny e o grupo chegam até onde está rolando o pagode.

A música está agradável e as pessoas estão dançando, animadas.

Fanny: Isso sim é que é festa! Bom vou pegar bebidas com o Miro pra gente, ok?

Cristiano: Tudo bem.

Eles se sentam em um lugar.

Cristiano: Simone, me conta aonde esteve todo esse tempo.

Simone: Bom, estive morando na casa do Jorge, e depois na prima dele.

Cristiano (irônico): Ah é? E como foi?

Simone: Uma experiência ótima, recomendo.

Cristiano (com ciúmes): E você Jorge, aproveitou muito a minha esposa?

Jorge: Primeiro, ela não é sua esposa pois não se casaram, são noivos, e segundo eu e a Simone nos divertimos muito.

Cristiano: Ainda não nos casamos, mas vamos, não é Simone?

Simone: É sim, Cris.

Eles se beijam.

Cena 19, Sala, Apartamento de Walkíria, noite.

Walkíria chega cansada em casa.

Logo ouve-se um estrondo da batida da porta.

Jandira: Dona Walkíria?! O que houve?

Walkíria: Eu estou bem, estou cansada só. 

Jandira: Que marcas são essas no seu rosto?

Walkíria: Eu só me acidentei...

Walkíria desmaia.

Jandira a socorre. 

Jandira: DONA WALKÍRIA!

A cena congela com o rosto de Walkíria desacordado no chão que se transforma em gesso.

Fim de Capítulo. 




Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.