Type Here to Get Search Results !

Marcadores

ENTRE MÁSCARAS - Capítulo 3

 




ENTRE MÁSCARAS 

                                                      Capítulo 03 

CENA 1/ MORAIS FARMACÊUTICA/ RECEPÇÃO/ MANHÃ/ INT. 

Trilha sonora: Suspense – Alberto Rosenblit 





Continuação imediata da última cena do capítulo anterior. Aline encara Marisa, que reage com estranheza à reação da filha de Glauco, que franze a testa.

ALINE (Repete) — Marisa?

MARISA — Não é nada urgente, como eu falei. Diga ao seu pai que quando ele puder falar comigo,

pode ligar. Não vou ficar esperando-o não.

ALINE — Mas eu queria falar com você antes de você sair. Venha aqui na sala do meu pai. 

Aline pega a chave da sala de Glauco com Irene. A filha de Glauco e Marisa entram na sala do patriarca,

onde a cena continua. Aline fecha a porta e em seguida se senta na cadeira do pai. Marisa se senta numa

cadeira de frente para a filha do patriarca.

ALINE — Você vai dizer logo para que veio aqui ou vai continuar com essa mentira que não me conven-

ce? 

MARISA — Não estou entendendo! 

ALINE — Não se faça desentendida porque eu conheço muito bem o seu tipo.

MARISA — Continuo sem entender aonde você quer chegar. 

ALINE — Eu sei muito bem que você não é uma simples amiga do papai. 

MARISA — Acho que não devo satisfação da minha vida a você. 

ALINE — E eu pouco me importo com o que você faz da sua vida, até o ponto que não envolve a minha

família. Você é muito esperta e eu sei que você sabe em que ponto eu quero chegar. 

MARISA — Se você não for diretamente ao ponto, eu não vou saber onde você quer chegar. 

ALINE — Eu sei que é com você que o papai vai se deitar todas as noites em que ele dorme fora dizendo

que saiu para resolver coisas da empresa. 

MARISA (Assustada) — Eu não sei do que você está falando! 

ALINE — Você vai continuar negando o seu envolvimento amoroso com meu pai? MARISA — Vou, por

que eu não tenho nada com ele. 

Marisa se levanta e fica de costas para Aline. 

ALINE — Eu vi as suas ligações. Não adianta mentir. Eu sei quem você é porque eu via o seu nome nas

chamadas. É muita coincidência, não é? O meu pai tem uma amante chamada Marisa e você, que se cha-

ma Marisa, vem à procura dele, não acha? 

MARISA (ofegante) — Eu admito que eu tenho uma relação com seu pai. Mas quando a gente começou

a se encontrar eu não sabia que ele era casado. Eu era uma moça que se relacionava com um e com outro,

mas sem compromisso sério. ALINE — Mas quando soube que ele era casado continuou a se relacionar

com ele.

MARISA — Eu errei, confesso. Mas eu não consigo parar de pensar nele. Glauco é talvez o único homem

que eu tenha amado em toda minha vida. 

ALINE — Eu sei muito bem que mulheres do seu tipo querem fama, dinheiro e poder. 

MARISA (Exaltada) — Eu não admito que você fale assim comigo! 

ALINE — Eu só digo uma coisa. Se eu souber que você continua a se encontrar com meu pai, te parto

em pedacinhos! 

MARISA — Vou embora porque eu não estou com paciência para escutar esse tipo de coisa. 

Enquanto Marisa sai da sala, Aline a encara friamente. 

Corta para:

CENA 2/ APARTAMENTO DE RODRIGO/ SALA DE JANTAR/ MANHÃ/ INT. 

Rodrigo e Sabrina estão sentados à mesa e tomando café. 

RODRIGO — Sabe, meu amor, quanto mais o tempo passa mais eu sinto que você foi a pessoa certa que

eu escolhi para amar eternamente. (Pega na mão de Sabrina). 

SABRINA — O amor é um sentimento profundo e que é a junção de dois corpos, duas almas. 

RODRIGO — Tantas vezes eu te ignorei e te maltratei. Não com agressividade física, mas com palavras,

meu amor. 

SABRINA — Mas por que isso agora, meu amor? 

RODRIGO — É que eu não gosto de ser injusto com ninguém e, principalmente, com você. Nem sempre

eu te amei, mas aprendi a te amar. 

SABRINA — Isso é o que importa, meu amor! Precisamos viver o agora. O que está no passado não inte-

ressa mais. 

RODRIGO — Você tem toda razão! A gente podia andar um pouco hoje na praia. Mas antes eu queria vi-

sitar meu irmão. 

SABRINA — Cale-se! Preciso te dizer uma coisa. Eu te amo! 

RODRIGO — Você fica tão mais atraente e excitante quando fica brava. 

SABRINA — Mas eu não estou brava. Que motivos eu teria para ficar brava com você? Eu pedi para se

calar para eu me declarar. (coloca uma uva na boca de Rodrigo). Eu não tenho olhos mais para ninguém! 

Eles se abraçam e se beijam. Corta para: 

CENA 3/ MANSÃO CAVALCANTE/ QUARTO DE CLARICE/ MANHÃ/ INT. 

Clarice acende uma vela, junta as mãos e fecha os olhos e começa a rezar em silêncio. Alberto entra

também em silêncio. Clarice abre os olhos ao perceber a presença de alguém no quarto. 

CLARICE — Estou rezando pela alma do seu pai, meu filho! 

ALBERTO — Continue rezando, minha mãe! O papai está em um bom lugar. 

Clarice levanta e abraça o filho. 

CLARICE — Me sinto tão só, meu filho! Só você me dá forças para viver!

ALBERTO — Não fica assim, minha amada mãe! A senhora ainda tem muito a viver. (Beija a cabeça da

mãe). Eu te amo! 

CLARICE — Ah, meu filho! Vá aproveitar a sua vida. Não precisa se preocupar comigo. 

ALBERTO — Claro que eu me preocupo e tenho que me preocupar, minha mãe! Você é a pessoa mais

importante para mim. 

CLARICE — Eu sou uma velha caquética. 

ALBERTO — Não fale assim, mamãe! 

CLARICE — Acho que você está atrasado para o trabalho, meu filho! 

ALBERTO — Eu vou para o trabalho, mas me ligue se sentir vontade. 

CLARICE — Você já tem os seus problemas, meu filho. Não precisa se preocupar comigo, como eu já

disse. Eu, como mãe, é que devo cuidar de você. 

ALBERTO — A minha vontade é ficar o dia todo com a senhora, mas o trabalho realmente me chama. 

Clarice beija a mão do filho, que sai em seguida. 

Corta para: 

CENA 4/ MANSÃO CAVALCANTE/ QUARTO DE ARTHUR/ MANHÃ/ INT. 

Arthur está deitado e cabisbaixo quando Guiomar entra. 

GUIOMAR — Anda tão para baixo, meu filho! 

ARTHUR — Acho que estou gostando de uma menina. 

GUIOMAR — E o que tem de mal isso, meu filho? Amor é um sentimento tão bonito.

ARTHUR — Ela namora! Mas eu não consigo tirar ela da cabeça. Quanto mais eu tento esquecer mais a

imagem da menina me vem à mente. 

GUIOMAR — Acho que você está confuso, meu filho. É coisa de jovem mesmo.

ARTHUR — O rapaz é o meu melhor amigo. 

GUIOMAR — Arthur, você é jovem. Tem um futuro pela frente. Existem tantas meninas pela qual você

pode se apaixonar. 

ARTHUR — Estou confuso. (Ofegante). Eu sinto como se estivesse traindo o Marcos! Eu não queria me

apaixonar pela Beatriz. 

GUIOMAR — Você teve alguma coisa com ela, meu filho? Você sabe do que eu estou falando, não é,

meu filho? 

ARTHUR — Não, mamãe! Jamais! Eu sou uma pessoa honesta. Jamais teria algo com uma pessoa

comprometida. 

GUIOMAR — Ainda bem, meu filho! Você está agindo corretamente! Tenho que ir para o Santa Mônica

com seu pai. Depois conversamos. 

Guiomar sai no instante em que Alberto aparece na porta do quarto. 

Corta para: 

CENA 5/ RIO DE JANEIRO/ RUAS DA CIDADE/ TARDE/ EXT. 

Trilha sonora: Samba do Avião – Tom Jobim 



Mostrar as ruas da cidade movimentadas. Carros engarrafados no trânsito. Pessoas caminhando na praia.

Crianças brincando na rua. Aviões voando no céu. 

Corta para: 

CENA 6/ HOSPITAL SANTA MÔNICA/ QUARTO DE BEATRIZ/ TARDE/ INT. 

Trilha sonora: Velha Infância – versão da Banda Merlim 



Beatriz está pensativa. 

Insert flash da cena 28 do capítulo 2: 

Beatriz, acordada, percebe a aproximação de uma pessoa. Ele reconhece a voz. BEATRIZ — É você,

Arthur? 

ARTHUR — Sou eu sim, Beatriz! Vim ver como você estava. 

BEATRIZ — Eu estou bem... Na verdade, estou melhorando. 

ARTHUR (Pega nas mãos de Beatriz) — Fico feliz em saber! 

BEATRIZ — Não quero esse tipo de intimidade com você! Somos apenas amigos. ARTHUR — E quem

disse que eu quero algo além de uma amizade? Com os olhos fixos em Beatriz. 

BEATRIZ — Você me olhando assim não parece! 

ARTHUR — Nós sempre fomos bons amigos e confidentes. Sei de coisas suas que nem o seu namorado

sabe! Beatriz beija a mão do amigo. 

Fim do insert. 

A música se encerra por aqui. Ágata, que está próximo a Beatriz, observa a filha sorridente. 

ÁGATA — Minha filha, o que houve? Há tempos eu não a via sorridente. 

BEATRIZ (Mente) — Eu estava pensando no Marcos. Eu o amo muito. (Segura na mão de ágata). Como

ele está? 

ÁGATA — Ele está bem, assim como você. Tudo isso foi um susto. 

BEATRIZ — Estou mais tranquila agora. 

ÁGATA — Ele pergunta por você todo dia. Eu tenho ido pouco no quarto dele, mas os pais dele sempre

me dão notícias dele. 

BEATRIZ — Ele teve uma briga feia com o pai minutos antes do acidente. Eu falei para ele ter cuidado,

mas num excesso de raiva ele acelerou o carro. 

ÁGATA — Parece que a relação dele com o pai nunca foi das melhores e ultimamente está piorando. É terr

ível quando pai e filho não se entendem. A família se desestrutura totalmente. 

BEATRIZ — É... Muitas vezes os pais depositam muitas expectativas nos filhos e se decepcionam quando

veem que eles trilharam um caminho diferente. 

ÁGATA — Os pais, apesar de às vezes não parecer, sempre querem o melhor para seus filhos. 

BEATRIZ (Mudando de assunto) — O papai está onde? 

ÁGATA — A essa hora deve estar na escola resolvendo alguns assuntos importantes. 

BEATRIZ — Ele mal veio me visitar. 

ÁGATA — Preocupação, minha filha, preocupação! A Clarinha está dando um pouco de trabalho. 

BEATRIZ — Aquela menina está mergulhada na imaginação! 

ÁGATA — Se fosse só isso, era bom. 

Ágata fica pensativa. 

Corta para: 

CENA 7/ COLÉGIO PRÓXIMO PASSO/ QUADRA/ TARDE/ INT. 

Trilha sonora: O Caderno – Chico Buarque 



Ana Clara está sentada no chão da quadra e escrevendo numa folha. Felipe se aproxima dela. 

FELIPE — Vamos brincar, Clarinha! 

ANA CLARA — Estou ocupada escrevendo minhas peças! 

FELIPE — Você tem uma grande criatividade. 

Ana Clara se levanta e beija a bochecha de Felipe. 

ANA CLARA — Você será o meu Romeu. 

Ele abre um sorriso. 

A música se encerra por aqui. 

Corta para: 

CENA 8/ APARTAMENTO DE MARISA/ SALA DE ESTAR/ TARDE/ INT. 

Marisa joga um vaso contra a parede e Ivone tenta acalmar. 

IVONE — Você vai enlouquecer desse jeito, minha amiga! 

MARISA (Gritando) — Eu sou uma idiota! 

IVONE — Você deveria arranjar coisa melhor. 

MARISA (Gritando) — O Glauco é só meu, só meu! Ivone segura a amiga, que se encontra histérica. 

MARISA (Gritando) — Nem que seja preciso eu matar a família toda. 

IVONE — Não fale isso nem de brincadeira. 

Marisa abraça a amiga e chora compulsivamente. Elas escutam alguém bater na porta. Marisa abre a porta

e se depara com Glauco, que traz consigo flores. Eles se encaram. 

Corta para: 


CENA 9/ APARTAMENTO DE MARISA/ SALA DE ESTAR/ TARDE/ INT 

Trilha sonora: Tensão leve – Alberto Rosenblit 



Glauco e Marisa continuam a se encarar. O patriarca da família Morais quebra o silêncio. 

GLAUCO — Posso entrar? 

MARISA — Eu não devia, mas vou, até porque você já está praticamente dentro.

GLAUCO — Com licença! 

Glauco cumprimenta Ivone. A música se encerra por aqui. 

IVONE (P/Glauco e Marisa) — Eu vou deixá-los a sós! 

Ivone sai. Marisa fica de costas para Glauco. 

MARISA — Achava que não queria mais me ver! Sempre me evitando, sempre me evitando... 

GLAUCO — Eu tive os meus motivos! 

MARISA — Você sempre tem uma desculpa para dar. 

GLAUCO — Sabe muito bem que eu estou falando a verdade tanto que nem coragem de me encarar você

tem. 

Marisa fica de frente para Glauco, enquanto este coloca as flores no sofá. 

MARISA — Eu vi no jornal o que aconteceu com o seu filho, mas você vem me desprezando muito antes

disso. 

GLAUCO — Eu pago tudo o que precisa. Comprei esse apartamento para você e é assim que você me

agradece? Eu te amo, meu amor! 

MARISA — Queria não querer te dizer isso porque você não merece, mas eu te amo também. 

Eles se beijam. 

MARISA — Eu tenho uma coisa para te dizer! Estou sofrendo ameaças da sua filha. Glauco fica com os

olhos espantados. 

GLAUCO — Como foi que vocês se encontraram e como ela sabe que você é...

MARISA — Eu fui à sua empresa hoje atrás de você. Estava com saudades, meu amor! 

GLAUCO (Exaltado) — Que ideia de Jerico você teve? Se a Yolanda tivesse lá na hora? 

MARISA — Mas ela sabe quem eu sou. A sua filha é muito esperta! 

GLAUCO — Para fazer o que presta ela não é esperta, mas para se intrometer na minha vida ela é até

demais. Assim que eu a ver vou ter uma conversa séria.

MARISA — Você também deixa pistas! 

GLAUCO (Exaltado) — Você vai na minha empresa e eu que deixo pistas? 

MARISA — Tá certo! Eu errei, confesso, mas você me fez quase perder o juízo.

GLAUCO — Mais um deslize desses e você põe tudo a perder. 

Glauco agarra Marisa e a beija. 

Corta para: 

CENA 10/ MANSÃO MORAIS/ SALA DE ESTAR/ TARDE/ INT. 

Alguns dias depois... Marcos, de muletas e com dificuldade para andar, entra com a ajuda de Rodrigo,

Aline e Glauco. O caçula da família se senta no sofá. 

MARCOS — Não via a hora de sair daquele hospital. Detesto hospital! Prometi que não voltaria mais para

aqui, mas o Rodrigo conseguiu me convencer. 

GLAUCO — Somente o Rodrigo para te convencer porque eu já desisti de tentar te colocar juízo. Pelo

menos o seu irmão faz isso por mim. 

MARCOS — Você sabe muito bem os motivos das nossas desavenças. 

GLAUCO — Eu vou subir! Já fiz o meu papel de pai. 

Yolanda encara Glauco e Marcos, mas mantém-se em silêncio. Marcos segura a mão da mãe. 

Glauco sobe para o quarto 

MARCOS — Eu quero que a senhora fique perto de mim 

Yolanda beija a mão do filho. Aline sobe para o quarto. 

Corta para: 

CENA 11/ MANSÃO MORAIS/ QUARTO DE GLAUCO.CORREDOR/ TARDE/ INT.

Trilha sonora: Intrigas – Alberto Rosenblit 



Glauco, que está no quarto abrindo a porta, quando percebe que alguém se aproxima. Ele olha pela porta,

que está entreaberta, e vê que Aline está entrando no quarto dela. Glauco vai caminhando aos poucos em

direção ao corredor, onde a cena continua. 

GLAUCO (P/Aline) — Acho que precisamos ter uma conversa, Aline! Na verdade, há dias quero ter essa

conversa com você. 

Aline, que está entre o quarto e corredor, encara o pai.

ALINE (P/Glauco) — Acho que não temos mais o que conversar. 

GLAUCO — Você age de um jeito que parece ser minha esposa e não filha. Vive me bisbilhotando. 

ALINE — O senhor merece ganhar um belo par de chifres por fazer o que está fazendo com a minha mãe. 

GLAUCO (Exaltado) — Eu exijo respeito! Eu sei que você vem ameaçando a Marisa... 

ALINE — Ah, e foi? Já foi correr para os braços da vagabunda? Só disse o que ela merecia ouvir. 

GLAUCO (Mente) — Eu já acabei tudo com ela! Terminei tudo assim que soube que ela tinha ido lá na em

presa. 

ALINE — Eu falei algumas verdades na cara dela! Estou de alma lavada. 

Neste instante, o celular de Aline toca. Ela pega e vê que quem está ligando para ela é Eric. 

GLAUCO — Quem é? Aline o encara de forma espantosa. 

Aline se cala diante da indagação do pai e ele repete a pergunta. 

GLAUCO — Quem é? 

ALINE (nervosa) — Ninguém! 

Aline, depois do celular tocar mais uma vez, desce sem dirigir mais nenhuma ao pai. Glauco franze a testa

intrigado. A música se encerra por aqui. 

Corta para: 

CENA 12/ MANSÃO VARELA/ QUARTO DE BEATRIZ/ TARDE/ INT. 

Beatriz, deitada na cama, se emociona, enquanto a mãe passa a mão em sua cabeça. 

BEATRIZ — Achei que eu fosse morrer! 

ÁGATA — Mas Deus te protegeu e protegeu o Marcos! 

BEATRIZ — Ainda nem vi e nem falei com ele depois do acidente, mas sonho com ele todo dia. 

ÁGATA — Ele já está em casa também! 

Neste instante, Virgílio entra e se senta ao lado da filha. 

VIRGÍLIO (p/Beatriz) — Minha filha, você não sabe a alegria que é ter você de volta para a nossa casa!

Vivi dias de angústia e incertezas! 

Beatriz pega nas mãos de Virgílio e Ágata. 

BEATRIZ — Vocês são meu porto seguro. 

Virgílio e Ágata beijam a cabeça da filha. 

Corta para: 

CENA 13/ RIO DE JANEIRO/ PRAIA DE IPANEMA/ TARDE/ EXT. 

Trilha sonora: Não Sei Dançar – Marina Lima 



Aline caminha as lágrimas, enquanto o celular vibra em suas mãos. Ela olha e percebe que Eric continua

ligando. Ela se senta na areia e atende o celular. 

ALINE — Você vai me deixar em paz! 

ERIC (off) — Estou com saudades de você, meu amor! 

ALINE — Eu não quero mais nada com você! Foi somente aquela noite e nada mais. Você sabe muito bem

que esse é o meu trabalho. 

ERIC (off) — Mas eu quero você só para mim. 

ALINE — Acho que você não é normal! 

Ela dá dois passos à frente e é surpreendida por Eric. 

ALINE (Surpresa) — Você está me seguindo? 

ERIC — Eu sei todos os seus passos! Estou precisando de dinheiro, mas antes quero ter um momento só

nosso! 

Eric agarra Aline, que o estapeia no rosto. Eric a leva para o carro e acelera. 

Corta para: 

CENA 14/ RIO DE JANEIRO/ RUAS DA CIDADE/ NOITE/ EXT. 

Trilha sonora: Você vai ver – Tom Jobim 



Mostrar as ruas movimentadas. Noite chuvosa. Ruas engarrafadas. Pessoas atravessando a rua. 

Corta para: 

CENA 15/ MANSÃO MORAIS/ SALA DE JANTAR/ NOITE/ INT. 

Trilha sonora: a mesma música da cena anterior 

Glauco, Yolanda, Marcos e Rodrigo sentam-se à mesa. As empregadas põem a janta sobre a mesa. 

GLAUCO — A família está completa... na verdade, não!... Onde está Aline? 

YOLANDA — Ela deve estar com os amigos.

GLAUCO — Sei lá… às vezes eu tenho a sensação de que a nossa família está se desmanchando. 

YOLANDA — Por que você acha isso, meu amor?

GLAUCO — Eu sempre quis manter nossa família unida, mas não consigo. Problemas e mais problemas YOLANDA — Qual a família que não tem problemas, meu amor? 

Neste instante, Marcos e Glauco se encaram. Marcos tenta falar alguma coisa, mas Glauco interrompe. 

GLAUCO — Vamos jantar! 

Todos começam a jantar. 

Corta para:

CENA 16/ APARTAMENTO DE ERIC/ QUARTO/ NOITE/ INT. 

Trilha sonora: Earned it - The Weeknd



Eric e Aline, só de calcinha, deitados na cama. Eles se beijam e se amam. 

ERIC — Eu sabia que você não ia resistir. 

Aline dá um tapa no rosto de Eric. 

ALINE — Canalha! 

Eric passa a mão no rosto. 

ERIC — Eu gosto de um sadomasoquismo!

Aline tenta sair da cama, mas Eric a impede. 

ERIC — Onde pensa que vai? Daqui você não sai hoje!

Eric joga maços de dinheiro na cama. 

ERIC — Eu sei que é disso que você gosta!

ALINE (Gritando) — Eu te odeio, seu cafajeste! (se desprende das garras de Eric e se levanta). Eu vou

me vestir! (Joga todo o dinheiro na cara de Eric). Engula seu dinheiro sujo!

ERIC — Você não tem jeito mesmo! Mas está bem! 

Aline se veste. 

A música se encerra aqui.

Corta para:

CENA 17/ RIO DE JANEIRO/ RUAS DA CIDADE/ MANHÃ/ EXT. 

Trilha sonora: Sleep - Allen Stone



Alguns dias depois

Mostra as ruas do Rio de Janeiro movimentadas. Pessoas correndo na praia. Visão aérea dos edifícios da

cidade. 

Corta para:

CENA 18/ APARTAMENTO DE RODRIGO/ QUARTO.SALA/ MANHÃ/ INT. 

Sentados à mesa, Rodrigo e Sabrina tomam suco de laranja. 

RODRIGO — Tenho um ensaio fotográfico agora de manhã! 

SABRINA — E as coisas na sua família como vão?

RODRIGO — Do mesmo jeito! Os mesmos problemas de sempre. Marcos e Aline em pé de guerra com o

papai… papai fingindo estar em um casamento feliz com a mamãe… e a vida correndo normal, na

medida do possível. O único lugar que eu me sinto tranquilo é aqui e no meu trabalho.

Eles dão um beijo. 

Corta para:

CENA 19/ PRAIA DE IPANEMA/ MANHÃ/ INT. 

Trilha sonora: No Clause 28 - Boy George 



Thales e Diego correm pela praia, se abraçam e se beijam. Eles correm em direção ao mar, apaixonados. A

lguns minutos depois eles voltam à areia. Diego percebe que seu celular está tocando na bolsa. Ele atende. 

DIEGO — Alô? 

LEONARD (off)  — Bom dia, sou Léo e estou querendo fazer uma entrevista de emprego com você. Na

verdade, é uma proposta. Estamos precisando de fotógrafos na nossa agência.  

DIEGO — Nossa, essa oportunidade veio em boa hora. Estava precisando de um emprego mesmo. 

LEONARDO (off) — Entrei em contato com você devido a algumas recomendações de alguns amigos

meus sobre seu trabalho. A gente podia marcar uma reunião hoje. 

DIEGO — Claro! A gente marca. 

LEONARDO (off) — A gente marca nesse endereço que eu vou te mandar. 

DIEGO — Está bem! 

A ligação se encerra. Diego e Thales sentam na areia. 

Corta para:

CENA 20/ AGÊNCIA DE MODA/ CAMARIM/ MANHÃ/ INT. 

Rodrigo, enquanto se olha no espelho, se despede de Sabrina. Léo e Vini entram e surpreendem Rodrigo. 

RODRIGO — Cheguei um pouco mais cedo e nem percebi que vocês já estavam aqui. 

LEONARDO — Hoje é um dia de despedida. É a última sessão de fotos feita pelo nosso querido Vinícius. 

RODRIGO — Eu não acredito! 

VINÍCIUS (P/Rodrigo) — Eu gostava da equipe, mas apareceu uma oportunidade irrecusável para trabalharr fora. Mas quem sabe não nos reencontraremos em desfiles futuros. 

RODRIGO — Você vai fazer uma grande falta, mas eu sei que é o seu sonho. (Pega nas mãos de Vinícius).

Boa sorte na sua nova jornada! Vamos sentir muito sua falta. Espero que o seu substituto seja tão incrível

quanto você foi. 

LEONARDO — Vamos sentir sua falta, mas um substituto já está quase certo. É uma pessoa igualmente

competente como você. 

Os demais integrantes da equipe (quatro pessoas) entram levando um bolo e dois refrigerantes. Batem

palmas para Vinícius, que se emociona com a surpresa. 

VINÍCIUS — Não precisava disso, gente!

LEONARDO — Lógico que precisava! Você foi um de nossos melhores fotógrafos. A nossa empresa deve

muito do nosso sucesso a você. Nós precisamos de modelos, mas os fotógrafos fazem parte do processo. 

Vinicius abraça Leonardo. E todos comem bolo. 

Corta para:

CENA 21/ PRAIA DE IPANEMA/ MANHÃ/ EXT. 

Trilha sonora: Aliança - Tribalista



Sabrina, sentada na areia, pensa na vida. Neste instante, Arthur se aproxima e senta ao lado da irmã. 

A música vai cessando aos poucos.

ARTHUR — Sozinha, minha irmã?

SABRINA — Estava pensando um pouco na vida. 

ARTHUR — Eu também estou parando um pouco para refletir sobre a vida. Sabe aquele momento que a

gente se apaixona por alguém que a gente não pode se apaixonar?

SABRINA — Nunca vi você tão sentimental assim. 

ARTHUR — Até os mais fortes amolecem o coração às vezes… Mas isso está me tirando o sossego. Não

queria decepcionar o meu melhor amigo. 

SABRINA — Entendi o que está se passando na sua mente.

Sabrina abraça o irmão. 

ARTHUR — Agora, eu vou encontrar meu amigo. 

Corta para:

CENA 22/ MANSÃO VARELA/ ÁREA DE LAZER/ MANHÃ/ INT 

Ana Clara e Pedro tomam banho na piscina, enquanto Beatriz sentada na cadeira de rodas os observa

brincar. Ágata está sentada ao seu lado, assim como a fisioterapeuta. 

BEATRIZ — É tão linda a água! 

ÁGATA — Você desde criança tem medo de piscina. Nunca entendi! Clarinha tão jovem e parece ser mais

corajosa que você. 

BEATRIZ — Eu sempre tive sonhos em que eu partiria deste mundo pelas águas. 

ÁGATA — Vira essa boca para lá! Vamos falar de vida. Você renasceu depois de um grande susto e isso é

o que importa. 

BEATRIZ — Cadê papai?

ÁGATA — Deve ter ido fazer uma visita ao seu namorado. 

BEATRIZ — Há dias que eu não tenho notícias do Marcos. 

ÁGATA — Você é realmente apaixonada por ele, não é, minha filha?

BEATRIZ — Eu não acredito muito em acasos e em destinos, mas tenho que admitir que encontrei minha

alma gêmea. 

A empregada chega com uma bandeja. Uma gritaria se instala no local. Ana Clara e Pedrinho correm

molhados para todos os lados. 

Corta para:

CENA 23/ MANSÃO MORAIS/ QUARTO DE MARCOS/ MANHÃ/ INT. 

Marcos está sentado na cama. Ao seu lago, Virgílio, de pé, conversa com ele. A empregada entra e deixa

uma jarra de suco sobre a banquinha do lado da cama. 

VIRGÍLIO — Que susto vocês me deram! 

MARCOS — Graças a Deus estou bem agora. Vou demorar um pouco para voltar às minhas atividades

cotidianas. 

VIRGÍLIO — Bia está muito ansiosa para te ver. Ela te ama muito. Nunca vi uma pessoa tão apaixonada

por outra como ela é por você e como você é por ela também. (pega um copo do lado da cama e enche de

suco). Eu já tive a idade de vocês, Ágata e os seus pais também. Nós sabemos como é o amor da juventudeMARCOS — Eu realmente amo sua filha, mas não estou entendendo onde você quer chegar. 

VIRGÍLIO — Eu sei que o momento não é o mais apropriado, mas a gente já podia falar em casamento.

Uma união tão forte quanto a de vocês não pode ser deixada assim em vão. 

MARCOS — Em outros tempos achava que o senhor seria o maior empecilho para o meu casamento com

Beatriz. 

VIRGÍLIO — Por quê? Se dependesse de mim, vocês já estavam casados. Nada para mim, importa mais

que a felicidade das minhas filhas. 

Virgílio estende a mão para que Marcos o cumprimente em sinal de cumplicidade. 

VIRGÍLIO — Já vou. Foi muito boa a conversa que a gente teve. 

Corta para:

CENA 24/ PRAIA DE IPANEMA/ CALÇADÃO DE IPANEMA/ MANHÃ/ EXT. 

Trilha sonora: A loba - Alcione



Marisa e Ivone andam de bicicleta, enquanto conversam. 

IVONE — Você acha mesmo que vai fisgar de vez o coração do todo poderoso lá. 

MARISA — Ele acha o quê? Eu não sou um objeto descartável que ela só usa uma vez e joga fora… ou

um brinquedinho sexual, que ele usa quando a poderosa lá não dá conta do tesão dele.

IVONE — Me desculpe, minha amiga! Mas acho que essa batalha você perdeu. A sua beleza é esplendoro-

sa, mas não é páreo para a ricaça. Ela é de família importante e você é só uma ex-prostituta. 

MARISA — Se eu soubesse que você ia me colocar mais para baixo do que eu já tô, eu nem tinha te chamado para passear. 

IVONE — Eu estou dando um conselho de amiga! Esquece aquele homem.

MARISA — Aquele crápula não me conhece! Ele não vai brincar com os meus sentimentos. 

Eles continuam pedalando. 

A música se encerra por aqui.

Corta para:

CENA 25/ RIO DE JANEIRO/ RUAS DA CIDADE/ TARDE/ EXT. 

Trilha sonora: One Step Closer - Linkin Park 



Imagens da cidade. Pessoas caminhando nas ruas. Pessoas tomando água de coco. Carros passando por ave

nidas engarrafadas. Pessoas conversando enquanto andam pelas ruas. Imagens do Cristo Redentor e Cor

covado. 

Corta para:

CENA 26/ SKATE CLUB/ TARDE/ INT. 

Trilha sonora: A mesma música da cena anterior. 

Arthur entra carregando Marcos na cadeira de rodas. 

MARCOS — Não vejo a hora de voltar a brilhar nessa pista. Skate e bike sempre foram minhas paixões!

ARTHUR — Eu te trouxe justamente porque eu achei que você ia gostar. 

Arthur se senta em uma cadeira ao lado do amigo. 

MARCOS — Você é realmente um amigo de verdade. (segura na mão do amigo). Se todos no mundo fos-

sem iguais a você…

ARTHUR — Que nada! Se tem uma coisa que eu não sou é um exemplo de amigo. 

MARCOS — O que é isso, Arthur? Nem fale uma coisa dessas… nem de brincadeira. 

Arthur fica pensativo.  Insert flash da cena 28 do capítulo 2: 

Beatriz, acordada, percebe a aproximação de uma pessoa. Ele reconhece a voz. BEATRIZ — É você,

Arthur? 

ARTHUR — Sou eu sim, Beatriz! Vim ver como você estava. 

BEATRIZ — Eu estou bem... Na verdade, estou melhorando. 

ARTHUR (Pega nas mãos de Beatriz) — Fico feliz em saber! 

BEATRIZ — Não quero esse tipo de intimidade com você! Somos apenas amigos.

ARTHUR — E quem disse que eu quero algo além de uma amizade? Com os olhos fixos em Beatriz. 

BEATRIZ — Você me olhando assim não parece! 

ARTHUR — Nós sempre fomos bons amigos e confidentes. Sei de coisas suas que nem o seu namorado

sabe! Beatriz beija a mão do amigo. 

Fim do insert. 

A música se encerra por aqui. Marcos e Arthur prestigiam os skatistas fazendo manobras na pista. 

Corta para:

CENA 27/ AGÊNCIA DE MODA/ SALA DE LEONARDO/ TARDE/ INT. 

Diego e Thales entram e cumprimentam Léo. 

LEONARDO — Sejam muito bem vindos! 

DIEGO — Vim assim que pude. Há alguns meses estava trabalhando de forma independente, sem um

contrato fixo e por encomenda. Qualquer evento eu aceitava. Fotografar, além de ser algo prazeroso para

mim, é meu ganha-pão. 

LEONARDO — Tenho amigos competentes que prestigiaram seu trabalho e me recomendaram. Um

fotógrafo daqui acabou de ser contratado por uma empresa na europa. 

DIEGO — Eu trouxe até alguns projetos meus para você ver. 

Coloca os seus álbuns de fotografias sobre o birô. Léo folheia e observa as fotos. 

LEONARDO — Isso é espetacular. Poucas vezes na minha vida vi algo tão espetacular. Sabia que você

fazia um bom trabalho, mas isso é muito mais que um bom trabalho. É surreal! Você nunca pensou em se

inscrever nesses concursos de fotografias não? Quer dizer… Agora você é da minha empresa. Está contrata

do!

DIEGO — Sério? Que maravilha! 

Abraça Thales. 

LEONARDO (P/Diego) — É seu amigo?

DIEGO — Meu marido! Ele é estilista!

LEONARDO — Ah, ótimo! (P/Thales). Essa parte não é comigo, mas eu posso recomendar

seu trabalho

para alguns amigos meus. 

THALES — Ficarei muito grato!

Diego abraça Léo. 

DIEGO — Ficarei eternamente grato!

LEONARDO (P/Diego) — Amanhã você começa!

Corta para:

CENA 28/ RIO DE JANEIRO/ RUAS DA CIDADE/ NOITE/ EXT. 

Trilha sonora: No Clause 28 - Boy George



Imagens das ruas movimentadas e iluminadas pelos faróis dos carros. Cristo redentor

iluminado. Pessoas recebendo nos bares. 

Corta para:

CENA 29/ BOATE NIGHT FEVER/ NOITE/ INT. 

Trilha sonora: A mesma música da cena anterior

Diego e Thales dançam abraçados. 

DIEGO — Hoje o dia foi inesquecível. Começou como um dia normal e terminou comigo

empregado. 

THALES — Eu sempre soube que você ia conseguir algo melhor. Nunca duvidei do seu

talento. Eu sou até suspeito para falar. 

Eles se beijam. Em seguida, vão pegar uma bebida.. 

Corta para:

CENA 30/ MANSÃO CAVALCANTE/ SALA DE JANTAR/ NOITE/ INT. 

Alberto, Guiomar, Clarice, Rodrigo, Sabrina, Marcos e Arthur sentam-se à mesa. Arthur coloca

a cadeira de rodas de Marcos encostada na parede. A empregada coloca as comidas sobre a mesa. 

ALBERTO (P/Marcos) — Estou feliz com a sua rápida recuperação. Logo, logo você vai estar firme e

forte. 

MARCOS (P/Alberto) — Não vejo a hora da minha vida voltar ao normal, doutor! Seu filho tem sido um

grande amigo. (coloca a mão sobre o ombro de Arthur). Ele é um amigo de verdade. 

ALBERTO (P/Arthur e Marcos) — Que Deus abençoe a amizade de vocês! 

RODRIGO — Arthur é incrível, seu Alberto! Todo mundo gosta dele. 

ALBERTO — Meu filho só dá um pouco de trabalho, mas é normal na idade dele. 

Guiomar dá um beijo na testa do filho. 

Corta para:

CENA 31/ RIO DE JANEIRO/ RUAS DA CIDADE/ MANHÃ/ EXT. 

Trilha sonora: Valsa de uma cidade - Rita Lee



Imagens do Cristo Redentor iluminado pelo sol. Pessoas surfando na praia. Mulheres

tomando sol. Pessoas

tomando água de coco nos botecos. Pessoas caminhando na orla. 

Corta para:

CENA 32/ AGÊNCIA DE MODA/ CAMARIM/ MANHÃ/ INT. 

A música da cena anterior vai cessando aos poucos. 

Léo conversa com Rodrigo. 

RODRIGO — A essa altura Vini já deve estar em pleno voo. Essa sala fica tão triste sem a presença dele. 

LEONARDO — Pelo que ele me falou ainda vai viajar. Deu problema em alguns documentos, mas já foi

resolvido. 

RODRIGO — É Deus querendo dizer que foi a maior burrada da vida dele nos ter abandonado. (Ri).

Brincadeira!

LEONARDO — Você não perde o bom humor!

Eles escutam alguém bater na porta. Leonardo abre. 

LEONARDO — Diego! Entre, entre! (P/ Rodrigo). Rodrigo, esse é o novo fotógrafo do Estúdio. 

Rodrigo arregala os olhos ao ver Diego. 

RODRIGO (P/ Diego) — Você?

Rodrigo e Diego se encaram, surpresos. A imagem congela e é coberta por uma máscara.





Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.