Type Here to Get Search Results !

Marcadores

Primeira Impressão com o Senhor X - Crítica "A Teia" - Tem2Pro05

 

Saudações! Sejam todos os mancebos muito bem-vindos a mais um Primeira Impressão!

Como vocês estão? Espero que bem. Gostaria antes de tudo de parabenizar a todos os trabalhadores desse país e das outras nações desse planeta. O dia de vocês foi ontem, mas ainda está valendo. Que continuem nessa força e nessa garra, movendo e colocando para frente essa sociedade.

Bom, mas agora cabe a mim fazer o meu trabalho, que é criticar. Não, eventuais leigos presentes, o papel do crítico não é criticar no sentido pejorativo, destrutivo, mas no sentido construtivo, reconhecendo erros e acertos, tentando apontar para qual direção seria melhor que autores e realizadores fossem em prol do sucesso artístico de suas obras. Dito isso, vamos lá?

A crítica de hoje é sobre A Teia, escrita por Mario Viegas e Lili Alves e exibida no Megapro. Confiram a sinopse:

“A trajetória de Rui Andrade, um jovem rapaz em busca de justiça pela morte de seu pai, Marco Andrade, e de sua amiga, Lâseja. Uma trama cheia de teias que precisam ser desembaraçadas para serem entendidas”.   

Se tem uma coisa que aprendi em meus anos de explorador em meu planeta é que o queijo é do rato, o rato é do gato, a ração é do cachorro e a lasanha do ser humano. É claro que tudo isso não existe em meu planeta, apenas adaptei para a realidade terráquea. Mas a mensagem é uma só: cada coisa é destinada à outra específica. E basta apenas 1 página de leitura da estreia em questão para o leitor pensar que esse capítulo não foi escrito pensando no leitor comum do Mundo Virtual, mas sim que o roteiro de alguma produção televisiva se perdeu no caminho e foi parar no site onde está hospedado. Para alguns isso pode parecer um elogio, mas não vejo assim uma vez que grande parte da experiência aqui foi prejudicada justamente por essa característica.

Vejam bem, não quero dizer que obras do Mundo Virtual não podem ser escritas no estilo de roteiro; pelo contrário, muitas são e até foram merecidamente elogiadas aqui, em programas anteriores. O grande problema desse capítulo nesse aspecto é que tudo é roteirizado demais! Às vezes se assemelha mais com uma receita de bolo do que com uma obra permeada de emoções. São dezenas de “Close shot”, “POV de...”, “Volta à cena”, “Corte descontínuo”, “Efeito”, “Insert”, “Cam segue...”, “Corte para”... Até avisos para sonoplastia e edição há! “Ah, Sr. X, mas foi exatamente isso que os autores quiseram fazer: um perfeito roteiro audiovisual”. Certo, entendo e concordo. Mas aí voltamos à história de cada coisa ser destinada a outra específica. Essa obra foi destinada a uma equipe de filmagem, a um set de gravação? Ou a uma emissora do Mundo Virtual, tendo como público não profissionais da sonoplastia, da edição, do dia a dia do set, mas sim leitores comuns como vocês? Pois em uma leitura comum todas essas inserções no texto mais atrapalham o mergulho no universo criado pelos autores do que ajudam. Se pegarem outras obras do tipo que foram criticadas aqui, verão que elas também têm algumas dessas características de roteiros, mas não de forma tão exagerada.

O problema se agrava quando chegamos às sequências onde diversas coisas acontecem em um curto texto. São muitas ações em um só parágrafo, sem tempo para o leitor absorver o que está acontecendo, sem a inserção de um novo parágrafo para aumentar a tensão, tudo contribuindo para a emoção ser minimizada. E isso também está ligado à ideia de se roteirizar demais, de forma que o leitor fique completamente indiferente aos personagens, ao peso das ações, às consequências daquilo tudo. Se uma equipe de filmagem pegasse o roteiro, muito provavelmente sequências bem realizadas seriam filmadas e editadas, conforme estava na cabeça dos autores. Mas como o destinatário é o leitor, o que os autores pretendiam que esse sentisse acaba não acontecendo. Veem agora por que as coisas precisam ter seus destinos corretos?

Bom, para um capítulo tão detalhista em termos de roteiro era de se esperar que, diferente da maioria das obras do Mundo Virtual, essa apresentasse muito bem seus personagens, deixando claro principalmente suas faixas etárias. De início isso até acontece com os personagens Marcos e Zé, os dois primeiros a aparecerem. Marcos chega a ter sua aparência física descrita, o que é muito bem-vindo. Mas, com a chegada de Rui, isso cessa, e nunca mais no capítulo volta a acontecer, cabendo ao leitor criar uma imagem do zero para cada personagem. Não sei porque os autores desistiram de apresentar devidamente seus personagens após os 2 primeiros, pois pelo que fizeram com esses, certamente poderíamos ter imagens bastante sólidas em nossas mentes enquanto lêssemos a obra.

Ainda no campo dos personagens, se eu fosse chutar após a leitura do capítulo, diria que Mário é o protagonista da novela, uma espécie de anti-herói, pois é ele quem protagoniza a maior parte do capítulo, e, mais importante, é ele quem está nos momentos mais relevantes da história. Rui, protagonista notório apenas pela sinopse, não realiza praticamente nada de relevante para o cargo narrativo que ocupa, soando, no final das contas, mais como um coadjuvante. E se estamos falando de uma estreia, precisamos de um foco maior no protagonista, de forma a conhecermos o início de seu arco narrativo, de sua jornada, de seus conflitos, de seus objetivos. Ao menos o tal Mário e também sua mãe Elisa, essa com pouca participação, são interessantes de se acompanharem, mesmo caricatos; acaba por ser uma caricatura que funciona.

E isso está diretamente ligado aos diálogos. Esses são o ponto mais forte do capítulo de estreia, por onde o leitor consegue um mergulho mais significativo no universo da novela, entendendo melhor os personagens e a história. Ao menos a história que está sendo contada naquele momento específico, pois a grande história, a principal da novela, não é identificada aqui. Claro, isso não é de se estranhar uma vez que Rui, o protagonista oficial, é escanteado pela relevância narrativa. E o final do capítulo não ajuda muito, pois nenhum gancho é deixado, aparentemente não houve nenhuma intenção de prender o leitor e aguçar sua curiosidade para o capítulo seguinte. A estreia parece encerrar em um momento completamente aleatório.

É claro que todas essas características podem ser ajustadas nos próximos capítulos; o que está ruim pode melhorar e o que é bom pode evoluir. É por isso que estreias devem sim ser analisadas isoladamente, para que os realizadores das obras sintam a temperatura de reação tanto da crítica quanto do seu público leitor, tudo em prol de apenas uma coisa: a evolução. Novela é isso: obra aberta, sujeita a ajustes enquanto o trem está em movimento. E ainda bem, não é mesmo?





Novela: A Teia

Autores: Mario Viegas e Lili Alves com ideia original de Ueliton Abreu

Capítulos: 30 (em exibição)

Emissora: Megapro

Clique aqui para ler o 1° capítulo

Saiba mais sobre a novela


    Alguém aqui está acompanhando a novela? O que acham dela? Concordam ou discordam de minha crítica? E o que acharam dessa? Digam tudo nos comentários.

   Se alguém tiver perdido o programa anterior, basta que clique aqui para lê-lo. E se quiserem me dar sugestões de webs para eu criticar aqui, de preferência desse ano de 2021, basta pedirem nos comentários abaixo, tudo bem?

      Por hoje é isso. Fiquem bem, fiquem na paz, tenham uma ótima semana e até o próximo domingo!

Postar um comentário

0 Comentários
* Please Don't Spam Here. All the Comments are Reviewed by Admin.